Espelho, espelho meu!

  • warning: Missing argument 3 for translation_form_alter(), called in /home/maite/public_html/includes/form.inc on line 365 and defined in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 99.
  • warning: Missing argument 3 for translation_form_alter(), called in /home/maite/public_html/includes/form.inc on line 365 and defined in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 99.
  • warning: Missing argument 2 for syslog_help() in /home/maite/public_html/modules/syslog/syslog.module on line 19.
  • warning: Missing argument 2 for translation_help() in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 31.

"Quando apontamos UM dedo para o outro, QUATRO outros dedos apontam para nós"

Colocaremos a questão de forma mais clara: Na psicologia, existe um termo chamado : Projeção. Significa atribuir ao outro aquilo que queremos que ele tenha tanto em qualidades que não possuímos, como os defeitos que temos e não podemos suportar.

É como jogar uma bagagem pesada no ombro do outro e falar: "carrega que a mala é sua".
Sem perceber, muitas pessoas passam o tempo todo projetando seus sonhos e pesadelos, nas costas de pessoas inocentes: é o pai que deseja que o filho seja como ele; o namorado que deseja mudar sua amada pra que ela se encaixe perfeitamente em sua vida, enfim, acredito que o leitor terá condições de acrescentar muitos outros exemplos semelhantes porque é um fato muito constante no nosso dia a dia no campo comportamental.

Fazer com que o outro seja o nosso espelho, é viver parcialmente. Em função do sentimento de inveja mal-elaborado, muitas pessoas cometem verdadeiros equívocos, comprometendo às vezes a seriedade e sobriedade de outros.
Quantas vezes não somos julgados pela aparência, por idéias e pensamentos discordantes ou sentimentos conflituosos, por pessoas que não tem mais do que uma leve impressão superficial  do que somos ou pensamos?  -

E quantas vezes nós mesmos não agimos da mesma forma em relação aos demais ?

Quando isso ocorrer, não seria o caso de reverter ou "virar o espelho” em nossa direção e perguntarmos se a crítica feita de forma leviana não se encaixa a nós?
Será que aquilo que não nos agradou no outro, não seria algo que gostaríamos de ter ou ser, ou nos identificamos com a mesma imagem que não suportamos em nós mesmos? –

Não adianta "quebrar o espelho" que reflete nossos defeitos.

 É necessário ajustar nossa auto-estima, para que todas as pessoas possam apenas refletir nosso lado positivo. Isso exige de nós uma grande dose de honestidade e coragem, pois encarar o espelho onde somos ou estamos refletidos é como se colocássemos o dedo nas nossas próprias feridas.

 

Solange Elizabeth Pearly
 

Deixe sua opinião logo abaixo ou escreva para mim em solizabeth@uol.com.br