O leiturista da companhia elétrica - parte I

Bom dia meus amigos, tudo bém ? Somos o casal Jony e Shirley, ambos na faixa dos trinta anos, realmente casados e liberais, adoramos sexo e há doze realizamos nossas fantasias, fizemos muitas amizades e sempre que aparece uma oportunidade segura nós aproveitamos independente de estar os dois juntos ou não, eu gosto de ver ela em ação porém quando isso não é possível ela vai sozinha mesmo e depois me conta tudo em detalhes, agente senta juntos e escreve esses contos para vocês lerem e saberem como é gostoso realizar fantasias. Hoje nós dois vamos contar mais uma pra vocês.

Eu saio muito cedo para trabalhar e a Shirley, minha esposa me conta que uma vez por mês estar chegando horas atrasada no seu trabalho por causa do leiturista da companhia elétrica, no dia especificado na conta de energia ela se arruma toda para trabalhar e tem que ficar esperando o leiturista para anotar a leitura por que o medidor fica dentro da nossa casa, a minha mulher falou que o leiturista atual era um senhor de idade e que da última vez que ele veio trouxe consigo um rapaz jovem e bonito e lhe apresentou dizendo que aquele rapaz era um estagiário que lhe substituiria pois ele iría se aposentar, o tempo foi passando e todos os meses a minha mulher se arrumava toda e ficava esperando o jovem leiturista, ela me falou que com o passar do tempo eles já estavam bastantes amigos, o nome dele era Cris, que algumas vezes convidou ele para ir até a conzinha tomar um suco e comer algo, que ele não tirava o olho da sua bunda e das suas pernas e que na hora de ele ir embora os dois trocavam olhares muitos próximos, ela também me disse que ele era um rapaz bonito e gostoso e achava que ele tinha um pau enorme do jeito que ela gosta, notei logo que a minha mulher estava louca para trepar com ele por isso tratamos logo de resolver esse assunto.

Um certo dia, tomando café da manhã juntos, a Shirley, minha mulher, me contou que várias vezes fantasiou tranzando com o leiturista e me perguntou se eu aprovava a idéia pois o dia da leitura estava se aproximando, eu como sou um corno manso assumido não pensei duas vezes e disse a ela que poderia ficar a vontade. Pois bem, o dia chegou, acordamos cedinho, tomamos banho juntos e nos arrumamos, a Shirley estava ansiosa e exitada, enquanto ela se vestia eu vi várias vezes ela tocando seus seios e sua buceta, em seguida tomamos café e eu como sempre sai primeiro para trabalhar deixando ela sozinha esperando o rapaz. O próximo trecho deste relato será narrado por ela. Após meia hora que o meu marido saiu para trabalhar o leiturista chegou apertando a campanhia, eu abri a porta e mandei ele entrar, em seguida fechei a porta e nós dois caminhamos até o medidor, eu na frente e ele atrás, no trajeto ele não tirava o olho de mim, quando nos aproximamos do medidor ele começou a digitar os números da leitura em um aparelho, em seguida, eu fiquei na sua frente, de costas pra ele e pedi explicações de como funcionava aquele aparelho pois a conta de energia estava vindo muito alta, ele se posicionou por trás de mim e começou a explicar, nesse momento Cris se aproximou tão próximo de mim que pude sentir seu pau duro encostando na minha bunda, tive uma sensação gostosa e a minha buceta começou a ficar úmida, eu me virei de frente pra ele e olhei nos seus olhos, ele soltou o aparelho de leitura e me abraçou, começamos a nos beijar e a se enfregar um no outro, em seguida ele a mão por baixo da minha saía, afastou minha calcinha pro lado e enfiou um dedo na minha buceta, eu abri sua calça, coloquei seu pau pra fora e comecei a punhetar enquanto nos beijávamos, ele olhou pra mim e disse que não tinha muito tempo pois havia muitas casas pra verificar as leituras, em seguida ele me empurrou contra a parede, levantou minha saía e baixou minha calcinha, colocou seu pau na entrada da minha buceta e tentou me penetrar, eu fechei minhas pernas com o pau dele no meio delas e perguntei se ele tinha uma camisinha, ele disse que não tinha e eu também não, então eu disse a ele que sem camisinha não rolava e que eu era uma mulher precavida e casada, ele disse que não se preocupasse que ele também era casado e que mau traía sua mulher, mesmo assim eu não aceitei mais abri um pouco as pernas e ele ficou rosando seu pau na minha buceta sem penetrar até que nós gozamos juntos, o esperma dele escorria nas minhas pernas, em seguida tratamos logo de nos vestir e combinamos que da próxima vez seria bem melhor, depois que ele foi embora e eu fui trabalhar, quando retornamos para casa, eu e meu marido conversamos sobre tudo que aconteceu e ele me pediu para que na próxima vez eu tranzasse com nosso amigo ali mesmo, na sala, em um final de semana pois ele gostaria de estar presente, escondido atrás da cortina que fica por trás da estante da sala, para assistir nossa tranza, sem que o nosso amigo soubesse, ficamos combinados e os dias foram se passando até chegar o dia da próxima leitura, era uma sexta-feira, quando ele chegou não rolou sexo, apenas trocamos algumas caricías e combinamos que ele viesse no dia seguinte, no mesmo horário pois era dia de sábado e nós ficaríamos mais a vontade.

O dia de sábado amanheceu, antes do horário combinado eu tomei um banho e vesti um baby dool sem nada por baixo, a campanhia tocou e o jony, meu marido correu para detrás da cortina, eu fui abrir a porta. A parti desse momento quem passa a narrar esse conto é o Jony, meu marido, afinal esse relato é de nós dois. Pois bem, minha mulher abriu a porta e lá estava o nosso amigo Cris, moreno, devería ter uns vinte e poucos anos, estava vestido de short e camiseta, ela convidou ele para entrar e os dois sentaram no sofá, em poucos minutos eles já estavam no maior amasso, foram tirando suas roupas até ficarem completamente nus, ela se sentou no sofá de pernas abertas e ele se ajoelhou entre suas pernas e começou a chupar seus seios, foi descendo pela barriga até chegar na sua buceta onde chupou com vontade, ela se contorcia de tezão, pegava a cabeça do rapaz, pressionava contra a sua buceta e ficava se esfregando até gozar no rosto dele, ela adora fazer isso antes de receber um pau duro, em seguida, ela deu um beijo na boca dele e pediu para ele ficar de pé na sua frente, pegou o pau dele, colocou na sua boca e começou a chupar, ela estava com fome de rola, tentava engolir tudo que podia, depois chupava as bolas, passava a língua em volta da cabeça até que o pau do rapaz ficou duro feito ferro dentro da sua boca, eu assistia a tudo por trás da cortina, batendo uma deliciosa punheta, depois disso, o Cris colocou uma camisinha em seu pau e a Shirley se posicionou de quatro em cima do sofá, ele em pé mesmo foi por trás dela, encaixou seu pau na buceta dela e começou a meter lentamente até entrar tudo, depois segurou ela pela cintura e começou a enfiar ficando somente as bolas do lado de fora, a safada gemia de tezão e para me deixar mais louco ainda dizia; ..... Me come meu macho gostoso, enfia tudo, arromba minha buceta, vai , me ajuda a colocar um par de chifre naquele corno é isso que ele merece.... ela fazia de proposito, quando ouvi isso quase gozei na punheta, estava muito gostoso ouvir aquilo tudo e vê a minha mulher arreganhada de quatro em cima do sofá com aquele macho de pau duro comendo a buceta dela, depois disso, eles mudaram de posição, ele sentou no sofá e ela foi pra cima dele, sentou em cima do seu pau e começou a cavalgar subindo e descendo, ele segurava ela pela bunda e puxava contra o seu corpo fazendo entrar tudo, em seguida ele foi se levantando com ela nos braços sem tirar o pau de dentro até ficar em pé, ela estava suspensa no ar, com as mãos no pescoço dele e ele segurou ela pelas suas pernas que estava abertas, encaixada na sua cintura com o pau dele dentro, nessa pocisão ele começou a meter tudo, forte, a Shirley gritava de tezão dizendo;....

Que rola gostosa você tem Cris, me come gostoso, enfia tudo dentro de mim, arromba minha buceta, ahahahahhahh!!!!!!! em seguida, ela acabou gozando no pau dele pela primeira vez, aos berros nos braços do Cris, depois disso, ela desceu dos braços dele e caiu em cima do sofá para relaxar um pouco, deixando sua bundinha pra cima toda arribitada, Cris se aproximou dela e começou a massagear sua bunda, em poucos minutos a Shirley já estava se remexendo, querendo mais rola, nisso, o Cris foi pra cima dela e meteu na sua buceta novamente, depois de alguns minutos, eles deitaram de lado no sofá, ele levantou uma das pernas dela e ficou metendo na sua buceta por vários minutos, de onde eu estava dava pra ver o pau dele entrando e saindo da buceta da minha mulher, ele metia e chupava os seios dela ao mesmo tempo, ela gemia feito uma cadela, não demorou muito e ela gozou pela segunda vez, eles deram uma pequena pausa e ficaram agarradinhos na posição que estavam até o Cris dizer que também queria gozar, então ele pediu pra ela se sentar na ponta do sofá de pernas abertas e jogar seu corpo para trás, assim ela fez, em seguida ele se ajoelhou no chão entre as pernas dela e foi metendo seu pau devagarzinho na buceta até entrar tudo, a safada ficava parada, exasta de tanto gozar, assistindo o pau dele entrando e saindo da sua buceta, ele ficou metendo por alguns minutos até pedir para comer o cuzinho dela, ela aceitou sem nenhuma cerimônia, apenas pediu pra ele ir com calma para não machucar, o rapaz retirou seu pau da buceta dela e foi enfiando no seu cuzinho, quando entrou a metade ele começou a meter, eu me acabava na punheta assistindo tudo, depois de alguns minutos, a safada começou a rebolar no pau dele e a massagear sua buceta, batendo uma siririca, o rapaz vendo aquilo tudo começou a meter mais forte no cú dela enfiando tudo, os dois se beijavam, de vez enquanto ele chupava os seios dela e metia em seu cuzinho ao mesmo tempo, o tezão dos dois foram aumentando até ela pedir pra ele retirar o pau do seu cuzinho, colocar outra camisinha e meter na buceta dela para os dois gozarem juntos, Cris obedeceu imediatamente, trocou a camisinha, enfiou na buceta da minha mulher e começou a meter tudo, muito forte, rápido, sem parar, os dois começaram a gemer alto e acabaram gozando juntos, em seguida, Cris se vestiu, se despediu da minha mulher e foi embora, quando ele saiu, eu fui até a minha mulher e cai de língua na sua buceta chupando tudo, deixando a buceta dela bem limpinha, depois bati uma punheta e gozei nos seios dela.

Com o passar do tempo o Cris se tornou amante da minha mulher e meu amigo mais ele ainda não sabe que eu sei de tudo, quase todos os meses que vem anotar a leitura ele tranza com ela. Nós três já estamos bastantes amigos, a Shirley, minha mulher, aos poucos estar tentando convencer o Cris que eu sou um corno assumido e que gostaría de ver ele tranzando com ela na minha frente, se pintar confiança suficiente pra isso poderemos tranzar os três juntos ou poderei somente assistir os dois tranzando, batendo a minha punheta. Acho que isso não vai demorar a acontecer pois ele tem demostrado ser uma pessoa sigilosa, educado e higiênico. Quando tudo acontecer garanto que contaremos pra vocês.

Até a próxima !

Opções de exibição de comentários

Escolha seu modo de exibição preferido e clique em "Salvar configurações" para ativar.

oi

ola gosto muito dos contos de vcs espero mais contos
beijos

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
2 + 8 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4