10 estranhos fatos sobre animais que você provavelmente ainda não sabe

Há coisas sobre os animais que todos sabem, como o fato de que chitas são rápidas, algumas cobras não são venenosas, golfinhos são espertos…

Mas também existem curiosidades sobre eles menos óbvias.

Confira 10 fatos aleatórios sobre a natureza que você provavelmente ainda não ouviu falar:

1 – Insetos têm sangue “alienígena”

Na verdade, não é nem sangue, mas algo chamado hemolinfa. Já faz 500 a 600 milhões de anos que os seres humanos e os insetos compartilharam um ancestral em comum, por isso não é nenhuma surpresa que haja algumas diferenças entre os dois organismos.

Hemolinfa é à base de cobre, em vez do ferro que corre nas nossas veias, o que lhe dá uma coloração azul ou esverdeada quando é oxigenada. Ela não é usada para transportar oxigênio, no entanto, já que a respiração através da pele é suficiente para as necessidades oxigenais dos insetos.

Isso significa que eles têm um sistema circulatório muito mais relaxado. Seus corações batem com muito menos frequência do que o nosso, e podem até mesmo entrar em um estado de repouso para economizar energia. Muitos também têm uma proteína em sua hemolinfa que impede a formação de cristais de gelo.

2 – Toupeiras têm peles extremamente moles

Acariciar uma toupeira é algo bem fácil. Cada fio individual do seu corpo é incorporado a um saco de fluido, o que permite que se fixem em qualquer direção de encontro à pele, sem nenhum desconforto ou resistência.

Essa é uma adaptação muito prática. Como elas vivem em túneis que não são maiores do que o seu próprio corpo, fica muito mais fácil navegar com uma pele maleável. Sua suavidade é conhecida por fazer casacos encantadores. Esse fato, aliado ao seu status de praga na sociedade humana, deixou muitas espécies de toupeira ameaçadas de extinção.

3 – Pássaros morreriam no espaço

Já levamos animais ao espaço, inclusive cachorros. Nunca pássaros, no entanto. A razão para isso é que eles não sobreviveriam por lá, já que a maioria não consegue engolir. Geralmente, as aves dependem da gravidade para levar comida e bebida ao estômago. É por isso que elas mergulham os bicos na água e, em seguida, levantam a cabeça para deixá-la escorrer.

Pássaros no espaço provavelmente morreriam de desidratação, ou afogariam tentando beber. Já tentaram colocar pombos em um avião que voa em longos arcos parabólicos para simular gravidade zero por curtos períodos de tempo, e eles realmente não se deram muito bem.

4 – Mariposas têm arsenal antimorcego

O morcego é um dos caçadores mais fascinantes e bem documentados do reino animal. Ser um inseto voador noturno, portanto, parece equivaler a uma sentença de morte.

Mas não é bem assim. O grande problema com a ecolocalização (tática para se localizar ou localizar presas usada pelos morcegos) é que o alvo sabe que você está vindo atrás dele assim que você a usa. Muitas espécies de mariposas aproveitam esse fato a ponto de medir a distância de seu atacante e reagir com mais urgência.

Uma das táticas usadas pelos insetos é chamada de “cessação de voo”, também conhecida simplesmente como queda. Outros empregam contramedidas. No momento do ataque, os insetos fazem uma série de sons de cliques, confundindo o morcego, fazendo-o errar o alvo 4 de 5 vezes.

5 – Axolotls nunca crescem

Esse animal é parente da salamandra e cresce até cerca de 30 centímetros. É completamente aquático, vegetariano e vive de 10 a 15 anos. Enquanto seu primo, a salamandra tigre, se parece muito com ele durante sua fase larval, o axolotl nunca cresce e se transforma em uma salamandra de pleno direito.

O que é realmente fascinante, porém, é que ele não pode fazer isso. Se utilizarmos iodo para estimular sua tireoide, coisa que ele não pode fazer sozinho por não ter os hormônios necessários, o axolotl pode ser forçado a passar por uma transformação que abandonaria normalmente em algum lugar ao longo do caminho.

Infelizmente, o único habitat nativo do axolotl é nas águas ao redor da Cidade do México. Poluição, espécies invasoras de peixes e o fato de que eles são aparentemente deliciosos reduziram seus números para níveis criticamente baixos. Existem mais espécimes em aquários domésticos do que no habitat selvagem.

6 – Corujas não são tão espertas

É difícil olhar para o rosto de uma coruja e não pensar que ela sabe algo que você não sabe. Isso é verdade, mas essa coisa é como matar e comer roedores com grande eficiência, apenas.

Os olhos de uma coruja são muito grandes, mas seu crânio nem tanto. Isto deixa muito pouco espaço para um cérebro que, embora capaz de processar grandes quantidades de dados visuais, não tem poder para pensamento muito crítico.

É incrivelmente difícil treinar corujas para fazer as tarefas mais rudimentares. Gary Gero, um treinador de coruja que trabalhou nos filmes de Harry Potter, disse que não sabe de onde a ideia de que corujas são sábias veio, mas certamente não foi um treinador de coruja que inventou isso.

7 – Caulerpa taxifolia pode tomar o meio marinho

Muitos tanques de peixes vêm com Caulerpa taxifolia, uma espécie saudável e vibrante de algas que produz uma toxina que a torna intragável para quase toda a vida aquática. Isso é ótimo para certas espécies de peixes que gostam de destruí-la, mas ruim para quase todo o resto.

Então, o que acontece quando uma planta de crescimento rápido e venenosa entra em um ecossistema onde ela não pertence? Vira uma alga assassina e figura na lista das piores espécies invasoras do mundo.

Como ela chegou ao mar Mediterrâneo é uma questão muito debatida. De qualquer maneira, só levou uma década para que cobrisse cerca de 30 quilômetros quadrados no início dos anos 90. Algumas pesquisas implicam que a sua introdução pode até ser globalmente positiva, mas a verdade é que muitas espécies nativas simplesmente não podem coexistir com ela.

A parte mais triste é que a invasão foi descoberta cedo, mas o debate sobre quem era o culpado por ela impediu que a situação fosse resolvida, e agora pode ser tarde demais para fazer qualquer coisa além de acompanhar seus efeitos.

8 – Jacu-ciganos têm mãos

Jacu-cigano ou cigana é uma ave que tem gosto horrível e cheiro ainda pior, vantagens muito úteis para elas serem deixadas quietas no seu canto. Existem alguns tipos de aves que têm espécies de esporas ou garras em suas asas, mas na cigana, elas realmente têm um propósito.

Os pintinhos da espécie são escaladores ativos, utilizando seu par de garras em cada asa para maior aderência conforme escalam árvores. Se caírem, não tem problema, pois sabem nadar muito bem também. Na verdade, a única coisa em que não são tão bons é voar. Um recém-nascido tem que esperar meses antes de estar suficientemente desenvolvido para voar, e os adultos são notoriamente desajeitados.

9 – Aranhas saltadoras têm boa noção de profundidade

Só porque têm oito olhos, não significa que as aranhas têm boa visão. Claro que isso não é um problema para a maioria das aranhas, uma vez que caçam através de armadilhas, esperando por uma presa inocente, mas no caso de caçadores mais nômades, como a aranha saltadora, o assunto é outro.

Somente nos últimos anos os pesquisadores começaram a entender como os olhos da aranha saltadora realmente funcionam. Os dois olhos primários são incrivelmente complexos. Eles são capazes de atingir alguma forma de visão binocular, com retinas compostas de camadas separadas de células sensíveis à luz.

Uma imagem que está em foco em uma camada está fora de foco na camada logo acima dela, por isso, comparando a imagem nítida à embaçada, a aranha é capaz de julgar com bastante precisão sua distância. Ela faz isso tão bem que uma empresa japonesa está tentando aplicar o conceito a uma câmera potencialmente capaz de filmar em 3D com uma única lente.

10 – Sifonóforos são um e muitos ao mesmo tempo

Esse “animal” estranho levanta questões filosóficas importantes sobre o que torna um organismo individual.

Os sifonóforos, ou Siphonophora, constituem uma ordem de hidrozoários, uma classe de invertebrados marinhos do filo Cnidaria. Apesar de terem, à primeira vista, a aparência de águas-vivas, são, de fato, colônias de vários membros – os zooides – que podem ser polipoides ou medusoides, morfológica e funcionalmente especializados.

Uma das espécies mais conhecidas é a caravela-portuguesa ou garrafa-azul, muitas vezes incorretamente classificada como uma água-viva.

Cada um dos zooides é singular dentro da colônia, especializados para determinadas tarefas. Estes zooides são capazes de
realizar suas funções por conta própria para o benefício do coletivo, mas devem contar com os outros tipos de zooides para desempenhar as funções que eles não podem. Apesar de todas as coisas que separam cada zooide do resto da colônia, o sifonóforo todo ainda cresce a partir de um único ovo.

Então, eles são uma criatura ou muitos? Aqui é onde fica complicado. Olhe longe o suficiente e certamente ele parece e se comporta como um único animal, mas quanto mais perto você o examina, mais diferenciadas as peças se tornam.

Como eles pairam diretamente sobre a linha entre colônia e um complexo organismo multicelular, podem conter pistas muito importantes sobre como a evolução superou essa ponte

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
2 + 6 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4