Uma irmã deliciosa

Esse relato é de um momentos mais especiais de minha vida. Tenho transando com minha irmã a algumas semanas e posso dizer que é a coisa mais gostosa que tenho feito. Sempre fomos muito próximos um do outro, mas conforme ela foi crescendo foi ficando cada vez mais sensual e por sermos muito próximos ela nunca sentiu vergonha em andar dentro de casa com um shortinho bem curtinho, daqueles que deixam a metade da bunda de fora. Certo dia estava em meu quarto mexendo em meu armário quando ela chega vestindo um biquíni minúsculo dá uma voltinha na minha frente e pergunta o que eu acho.

Fico paralisado e depois digo que está ótimo, que fica uma gata. Ela fica de lado, desamarra o lacinho da lateral e diz: O lacinho é bom pq é fácil de tirar. Por uns segundo vi aquela bunda na minha frente, sentí uma vontade tremenda de beija-la. Quando ela se foi fiquei olhando aquele rebolado provocativo até ela entrar em seu quarto. Daquele dia em diante minha meta era comer a minha irmanzinha, eu não conseguia vê-la de outra forma além do sexo. Batia várias punhetas mas no gozo final sempre vinha aquela rejeição, sorte que passava logo. Tudo aconteceu em uma sexta-feira à noite, quando eu estava assistindo televisão e minha irmã entra na sala com um shortinho e uma miniblusa que deixa a barriguinha aparecendo, pois fazia muito calor, ela pergunta se pode assistir comigo. Claro, eu digo que sim. Para minha surpresa ela senta entre as minhas pernas e encosta seu corpo sobre o meu, pega meus dois braços e os entrelaça em sua cintura, eu não penso duas vezes e abraço aquela cinturinha lisinha e fina. Ela se encosta em mim e coloca o rosto ao lado do meu, fica em silêncio como se estivesse esperando que eu desse o segundo passo.

Eu começo a passar a mão no corpo dela e percebo que ela gosta e fecha os olhos, logo nos beijamos de forma profunda e selvagem como se aquele sentimento estivesse escondido a muito tempo. Por meia hora ficamos nos beijando ardentemente, nossas línguas pareciam feita uma para a outra e se entrelaçavam em movimentos lentos e profundos. Depois de ficar bem claro que existia um amor entre nós, ela se levanta pega em minha mão e pede pra eu tomar banho com ela. Vamos de mãos dadas até o banheiro, lá nós começamos a tirar as roupas e é quando vejo aquele corpo lindo pela primeira vez, seios firmes, cintura fina, quadril perfeito e pernas bem torneadas fazendo um shape de um violão. Entramos no chuveiro e começamos a nos abraçar e a nos beijar como um casal que transa pela primeira vez, mas o sentimento era muito mais forte, pois era algo proibido. Enquanto eu a beijava, passava a mão em sua bunda, descobrindo cada curva daquele desejado traseiro, até chegar no cuzinho, quando o encontrei enfiei lentamente meu dedo até o fundo, ela me abraçou mais forte e mesmo me beijando soltou um gemido. Ela se agachou e começou a chupar meu pau como nenhuma outra o fez antes, sentia toda sua língua se mexendo e por várias vezes ela o enfiou até a garganta.

Eu segurei sua cabeça e comecei a fazer movimentos de sair e entra roçando meu pau em todos os cantos internos de sua boca, por vezes o pau até saia da boca e ela tratava de enfiá-lo novamente. Terminado as preliminares, eu a levei até o quarto de nossos pais. Coloquei minha irmã de quatro na cama, foi quando uma das cenas mais lindas de minha vida, era minha própria irmã me esperando com aquela bundinha empinada pra ser chupada. Comecei a chupar sua buceta por trás, enfiei minha língua o mais profundo que pude para retribuir sua maravilhosa chupeta, tinha um gosto inesquecível, depois comecei a lamber seu cuzinho rosa, liso e virgem, era a primeira vez que fazia isso em uma mulher e cada vez que passava a língua ela respondia com gemidos.

Aproveitando aquela posição enfiei meu pinto naquela buceta molhada e o empurrei lentamente, sentí cada centímetro entrando e quando o puxava fazia questão de tirá-lo completamente pra depois coloca-lo de novo. Ela parecia adorar. Fiquei surpreso quando comecei a comê-la com força e para meu espanto ela começou a gemer bem alto, não conseguia acreditar que minha irmã era uma safada na cama, mas isso me dava mais força e comecei a estocar mais rápido vendo aquela bundinha sendo espancada pelo meu pinto. Logo eu a virei e fizemos um delicioso papai e mamãe, sentia seu corpo inteiro grudado ao meu, eram só alguns minutos e ela já suava molhando nossos corpos . Mesmo estando por baixo ela fazia movimentos com o quadril que me dava mais tesão para meter. Eu sabia que não ia agüentar mais e comecei a comê-la com força, ela me abraçava e dizia repetidamente em meus ouvidos : -Me come gostoso!!

Foi quando gozei e corri um risco tremendo de engravidá-la, mas nenhum ser humano naquele momento faria outra coisa a não ser aproveitar ao máximo aquele sexo incestuoso. Engraçado que desta vez não senti nenhum remorso ao contrário das vezes em batia punheta pensando nela. Baixa a adrenalina, conversamos por um tempo e percebi que ela também não estava nem um pouco arrependida e não queria que tudo acabasse ali, combinamos que quando houvesse oportunidade e sentíssemos tesão novamente não hesitaríamos em nos abraçar e nos beijar novamente pois aquilo já fazia parte de nossas vidas. Depois de tudo esclarecido passamos aquela noite juntos, abraçados na cama. Esse foi o relato de como tudo começou, vale a pena lembrar que esse texto não é um conto de ficção, mas faz parte de um dos momentos mais felizes da minha vida que ainda vivo de forma intensa. Gostaria muito de trocar idéias com alguém que já praticou incesto como ato de amor ou simplesmente com alguém que já sentiu atração por alguém da família.

garotodoscontos@bol.com.br

 

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
1 + 0 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4