Pesquisa confirma que, no trabalho, é fundamental saber a hora de se desligar. E de desligar e-mail

O administrador de empresas Michael Wimert, de 39 anos, diz que nunca tirou férias e que não pretende se dar nem uma semaninha de descanso nos próximos dez anos. Ele começou a trabalhar aos 21 anos na CSC, uma empresa de prestação de serviços de tecnologia dos Estados Unidos. De lá pará cá, não parou mais. Em 1995, veio morar no Brasil como executivo da Oracle, a segunda maior fabricante de softwares empresariais do mundo. Aqui ficou. Hoje é presidente da Elucid, também na área de tecnologia. Wimert se diz um workaholic assumido. Casado e pai de um menino de 7 anos, ele afirma que não larga o trabalho nem quando a família está de férias. “Trabalho sete dias por semana sem descanso. Só viajo com a família quando levo minha mulher e meu filho nas viagens de negócios”, afirma. “Eles reclamam. Mas ficar longe do trabalho me incomoda.”

O caso de Wimert é um ótimo exemplo de um novo mal que se instalou nas empresas modernas, principalmente entre pessoas que ocupam cargos de liderança: a aversão às férias. De acordo com uma nova pesquisa feita pela professora Betania Tanure, da Fundação Dom Cabral, uma escola para executivos em Belo Horizonte, muitos profissionais do alto escalão não conseguem ficar longe do trabalho. De mil executivos entrevistados no Brasil, 30% declararam não tirar férias há três anos ou mais. Entre aqueles que param para descansar, 50% tiram, em média, apenas dez dias de férias por ano. “Alguns chefes não conseguem se ausentar porque têm dificuldade de delegar tarefas”, diz Betania.

Nos Estados Unidos, não é diferente. Num levantamento feito com 2 mil executivos americanos pela Hudson, uma multinacional do ramo de recrutamento, 24% afirmaram não ter saído de férias em 2006. O estudo revela também que 37% não costumam tirar os 20 dias de férias a que têm direito. E 14% costumam tirar menos de uma semana de férias por ano. Mesmo quem consegue sair do escritório não consegue, muitas vezes, se desligar. Durante as férias, usam seus laptops, telefones celulares e blackberries – os celulares com acesso à internet e aos e-mails – para se comunicar com clientes ou cobrar tarefas e relatórios dos subordinados. Segundo a pesquisa da Hudson, 39% dos entrevistados checam e-mails de trabalho quase todos os dias das férias. “Quando o indivíduo trabalha no período em que deveria descansar, costuma voltar mais estressado do que saiu”, diz Betania.

Para ajudar os workaholics a largar o vício durante as férias, alguns hotéis no Caribe e nos Estados Unidos estão impedindo que seus hóspedes usem aparelhos eletrônicos na estada. Na unidade de Chicago da rede Sheraton, os hóspedes são obrigados a deixar laptops e blackberries trancados num cofre. No resort Caneel Bay, nas Ilhas Virgens Americanas, há um sistema que bloqueia o sinal dos celulares. A regra é clara. Quem burlá-la é transferido imediatamente para outro hotel do complexo.

Muitos executivos gostam de afirmar que não conseguem tirar férias, ou que precisam trabalhar durante o período de descanso, por causa do excesso de trabalho. Mas isso tem muito mais a ver com o ego e as frustrações pessoais de cada indivíduo que com a quantidade de obrigações reais. “Os executivos acreditam que são insubstituíveis e que a empresa pode entrar em colapso se eles estiverem ausentes”, afirma Marcos Piccini, do Hay Group, uma consultoria internacional especializada na área de recursos humanos. “Isso não é verdade.”

Hora de relaxar
O que você deve levar em conta para tirar o merecido descanso
[1] Você não é insubstituível Outras pessoas podem fazer seu trabalho tão bem quanto você
[2] A empresa e você são figuras distintas Ela não vai à falência só porque você vai ficar um mês fora
[3] Escolha bem suas companhias Caso contrário, as férias podem ficar mais estressantes que o trabalho
[4] Reconheça o momento da empresa Tirar férias durante uma reestruturação não é uma boa idéia
[5] Liberte-se aos poucos
Fonte: Betania Tanure, da Fundação Dom Cabral

Há, também, executivos que não conseguem se desligar do trabalho por pura insegurança. Até entre os profissionais que não exercem cargos de liderança, muita gente sofre do mesmo mal. Um estudo recente, realizado pela psicóloga Ana Maria Rossi, pesquisadora da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), constatou que 38% dos trabalhadores de todos os níveis hierárquicos têm medo de tirar férias. “As pessoas temem ser substituídas por alguém melhor que elas”, diz.

A dedicação quase exclusiva ao trabalho acaba por criar um círculo vicioso que dificulta ainda mais a superação do problema. Na medida em que a convivência com a família e os amigos diminui, o trabalho passa a ser a única fonte de satisfação e felicidade. É por isso que, mesmo de férias, muitos profissionais continuam conectados com o trabalho. Só que a disponibilidade eterna tem impactos negativos para o indivíduo, para os colegas e para a empresa. O primeiro sintoma é o aumento do estresse, da fadiga e de doenças cardiovasculares do funcionário, segundo a Isma-BR. Depois, vem a queda no desempenho. A exaustão diminui a capacidade de concentração. No caso dos executivos, o excesso de foco no dia-a-dia do trabalho pode limitar a visão estratégica. Quem fica restrito à própria empresa acaba por não prestar atenção aos passos da concorrência e às novas tendências do mercado. “Quem só conhece gente relacionada ao trabalho pode restringir não apenas sua rede de relacionamentos, mas também a criatividade”, diz William Bull, da Mercer, outra consultoria internacional especializada em gestão de pessoas.

Nos Estados Unidos, algumas redes de hotéis obrigam os hóspedes a deixar seus notebooks trancados num cofre

É óbvio que a vida de quem tem um chefe que não tira férias é bem mais complicada. Além de mais estressado, ele tende a valorizar e reconhecer os subordinados que agem da mesma forma. Cabe a cada um de nós conhecer os próprios limites e saber quando é hora de parar um pouco. O esforço é essencial. Sem equilíbrio físico e mental, dificilmente será possível alcançar bons resultados profissionais. Desligar é fundamental. E desligar de verdade. Sem e-mail nem celular.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG78056-8056-478,00.html 

 

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
6 + 6 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4