Devo submeter meu filho a um exame antidoping?

 Muitos pais gostariam que quando seus filhos nascessem, viessem com manual de instrução, não só para educar, mas especialmente para a adolescência.

Na infância a relação entre pais e filhos é suave - intensa - doce e afetiva. Mas quando chega a adolescência, mudanças abruptas ocorrem até de um mês para o outro. Surgem rusgas e crises que se caracterizam por mudanças de humor. Esse tipo de descontrole gera o célebre "vá para o quarto", e o jovem ao adentrá-lo bate a porta com muita força.

Os pais, surpresos, não sabem se riem da cena, porque já passaram por isso, ou se entram no quarto e dão mais um castigo.

Claro que em geral os pais - junto com os filhos - vão encontrar um novo ponto de equilíbrio para continuar a educação, de tal forma que satisfaça a todos, pois a maioria dos jovens atravessa a adolescência e chega à idade adulta de uma forma satisfatória. Teremos uns mais adaptados e outros com pontos a concluir nos anos seguintes.

Mas haverão aqueles que se desgarrarão deste movimento e pegarão estradas paralelas, que podem levar à marginalidade e delinqüência com abuso de drogas e abandono progressivo dos estudos.

Neste caminho, muitas discussões, agressões, brigas e abandonos mútuos. Muitos perguntarão: 'Como um relacionamento tão intenso e amoroso chegou nesse ponto?' Muitas vezes filhos pensam em sair de casa e alguns pais pensam até mesmo em expulsá-los.

Enquanto o jovem mantém ativo o papel de estudante, os pais ainda conseguem manter certo diálogo. Mas quando a escola vai mal, o filho se tranca e surge um vazio muito angustiante e frustrante para os pais.

Se o filho começa a aparecer em casa com cheiros estranhos, surgirá uma tensão que evolui para a investigação. Os pais começam a revistar o quarto do filho, seguem-no, verificam com quem está andando, e pronto, temos o surgimento de um novo ambiente familiar com a desconfiança prévia.

Alguns pais diante da radical mudança propõem que o filho faça exame antidoping..

Situação terrível!!! essa quebra de desconfiança entre pais e filhos.

Se chegar neste ponto, a família deve procurar um psiquiatra ou então fazer uma psicoterapia individual ou de família. A questão não é submeter o filho a um exame, mas sim resgatar essa quebra de confiança.

Se ainda há confiança, sugiro que os pais se esforcem em re-incluir o filho na vida pessoal e social. Não será fácil, mas muito necessário. Muitas vezes o filho virá com seu grupo de amigos, o que poderá chocar os pais. Será necessário paciência e persistência.

É desejável que a família mantenha um bom diálogo, desde a entrada do jovem na adolescência. É preciso que haja diminuição da raiva por ambos os lados, embora não seja fácil.

Poder se lembrar de quem o filho já foi e procurar pensar no que está por trás disso tudo é fundamental.

Irany Ferreira
é psiquiatra especializado em adolescentes

 

Opções de exibição de comentários

Escolha seu modo de exibição preferido e clique em "Salvar configurações" para ativar.

Nos melhores e nos piores

Nos melhores e nos piores momentos sempre aqui venceu a esperança, com trabalho, disciplina e solidariedade.free auto loan calculator

de tão pouquinho que

de tão pouquinho que é.
Só mais um bocadinho de spam, vá lá.192.168.1.1

no Hospital Federal do

no Hospital Federal do Andaraí, na Zona Norte do Rio de Janeiro. As informações foram confirmadas pelo Ministério da Saúde, que administra a unidade.mortgage calculator

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
1 + 2 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4