Ninguém é melhor do ninguém

Conta-nos uma antiga parábola que, certo dia, um alfinete e uma agulha encontraram-se numa cesta de costuras encostada a um canto do quarto de dormir. Estando os dois desocupados, começaram a discutir como sempre acontece também entre pessoas que vivem na ociosidade. Pois bem, brigavam os dois simplesmente porque cada um se considerava melhor e mais importante do que o outro. E falavam mais ou menos assim:

- Afinal, qual é mesmo a sua utilidade? - disse o alfinete para a agulha.

- E como pensa você vencer na vida se não tem cabeça?

- A sua crítica não tem a menor procedência - respondeu a agulha rispidamente. - Responda-me agora: de que lhe serve a cabeça se não tem olho? Não é mais importante poder ver?

- Ora, e de que lhe vale seu olho se há sempre um fio impedindo a sua visão? - retrucou o alfinete.

- Pois fique sabendo que mesmo tendo um fio atravessando o meu olho, eu ainda posso fazer muito mais do que você...

- É, mas assim a sua vida fica sem muita razão de ser, porque para isto depende só do seu olho.

Enquanto se ocupavam nessa discussão que não levava a nada, uma senhora pegou a cesta de costura, desejando coser rapidamente um pequeno rasgo no tapete. Enfiou a agulha com linha bem resistente e se pôs a costurar o mais rápido que pôde. De repente a linha emaranhou-se, formando uma laçada que dificultou o acabamento da costura. Apressada, a mulher deu um puxão violento que rompeu o olho da agulha. Tendo que ultimar aquele trabalho, ela amarrou a linha na cabeça do alfinete e conseguiu dar os pontos finais; mas na hora de rematar, a cabeça do alfinete se desprendeu. Impaciente com tudo, jogou a agulha e o alfinete na cesta e saiu resmungando. Na cesta, entretanto, o diálogo continuou:

- Então aqui estamos de novo - disseram. - Parece que o infortúnio nos fez compreender nossa insignificância e a mesquinhez das nossas observações pessoais. Somos bastante semelhantes aos seres humanos que se mostram presunçosos e arrogantes em relação às suas habilidades, até o dia em que são superados, e só então quando se encontram empoeirados pela falta de uso descobrem quase tardiamente que não são em nada melhores do que o seu semelhante.

Ilustração oportuna! Ninguém é tão completo e nem tão competente que não possa ser substituído. Ninguém é tão polivalente que se julgue com o direito de se considerar melhor do que os outros.

Se julgássemos mais susceptíveis à erros, talvez erraríamos menos.

Quando queremos provar nossa aparente capacidade, nossa nudez se torna visível, ainda que estejamos vestidos.

Somos todos iguais perante o Pai, mas ainda somos humanos.

Que Deus abençoe todos vocês!!!

 

Opções de exibição de comentários

Escolha seu modo de exibição preferido e clique em "Salvar configurações" para ativar.

cascdcd

cascdcd

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
6 + 13 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4