Iniciação incestuosa

Aos 18 anos já não tinha mais dúvidas
à respeito do meu tesão por homens, há
muito o excitamento ao ver corpos masculinos era vísivel,
sendo sempre objeto de minhas fantasias masturbatórias,
gozando rios de pôrra ao me imaginar sendo fodido
no cú e mamando em um caralho até o esperma
jorrar na minha boca. Além do que, sentia uma
atração intensa e proibida pelo macho
mais gostoso que já encontrei em minha vida,
o qual estava sempre presente em bronhas e sonhos eróticos
de minha adolescência, este homem era meu pai!
Justo nesta época aconteceu minha entrada real
no mundo da sacanagem e putaria, à qual me dedicaria
com afinco, pois a minha vocação era mesmo
levar pau no cú! Meus pais casaram-se cedo, ele
tinha 18 e mamãe 17. Aos 18, ela já havia
dado à luz a gêmeos indênticos: eu
e meu irmão Bruno, (razão pela qual receava
em me iniciar ao desejo de ser fodido. Imagina se algum
cara me confudisse com ele e falasse algo? Eu estaria
frito!), Meu irmão ao contrário, já
vivia fodendo as meninas com as quais namorava, era
do tipo boa-pinta, extrovertido, enquanto eu sempre
fui na minha, calado e meio tímido. Papai por
ser um esportista, sempre praticando musculação,
natação, judô e etc., tinha um corpo
pra lá de gostoso, com 85 kgs distribuídos
em 1.80 de altura, talhado em músculos, pernas
grossas, braços fortes, bunda bem torneada, sem
nenhum pêlo em todo o corpo, moreno, descendente
de índios, com cabelos negros e lisos e uma boca
carnuda.


Dava para perceber que tinha um pau gigantesco, pois
as sungas minúsculas com as quais vestia aquele
corpo estupendo demonstrava ter ele um volume imenso
e grosso. Por fazer este gênero saúde,
ele sempre nos a obrigou a prática de exercícios
físicos desde cedo, o que nos fazia ter aos 18
anos um corpo bem definido. Morenos como o papai, tinhamos
também a mesma cor e textura do cabelo, olhos
castanhos, 1.72 de altura e bundas arrebitadas e duras,
sendo isso herança de nossa mãe que sempre
teve uma poupança generosa. Eu nunca perdia a
chance de ficar observando papai em trajes sumários,

onde pudesse sacar o pau que eu tanto desejava , portanto
meus olhos sempre estavam atento aquele homem.


Houve então uma ocasião que acordei no
meio da noite e ao descer para tomar água escutei
gemidos e palavras provenientes do quarto de meus pais,
com o coração batendo me aproximei da
porta entreaberta e quase tive um ataque! Mamãe
estava de quatro na cama e recebia no rabo a pica grossa
e enorme de papai (creio que dever ia medir uns 23 centímetros).
Eu fiquei hipnotizado com a cena e não me aguentando
ao ter a visão da pica tão desejada por
mim, baixei o pijama e começei a tocar uma
punhêta na intenção daquele homem
tesudo e sua vara gostosa. Papai a comia de uma forma
selvagem, enquanto a xingava, puxando seus cabelos e
batendo em sua bunda!


Eu estava em êxtase completo e com uma certa inveja
de minha mãe, pois era dessa maneira que eu imaginava
ele me fudendo. Enfiei um dedo no meu cuzinho e continuei
a bronha, quase gozando, sentindo uma presença
por trás de mim, assusto-me e olho pra ver, era
meu irmão, que estava assistindo eu me deliciando
com a foda de nossos pais. Bruno sacando qual era a
minha, pois como falei
estava metendo o dedo no rabo, fez um gesto me pedindo
silêncio e ao mesmo tempo encostou seu caralho
já duro em minha bunda. Fiquei alucinado! Puxou-me
para seu quarto e fechando a porta colocou sua pica
grossa de 17 centímetros ( sei o tamanho por
ser igual à minha) pra fora e ordenou que eu
o chupasse. Não tive dúvidas, ajoelhei-me,
tirei a calça de seu pijama e iniciei uma mamada
no caralho gostoso do meu brother. Eu o chupava da forma
que imaginava fazer ao ter um caralho de verdade em
minha boca, ficava mamando a metade e o resto eu punhêtava
vigorosamente, tirava a pica e cuspia em sua cabeça
para retornar a colocá-la na boca, sugando minha
própria saliva, Bruno gemia como um louco, minha
sensação era de estar me chupando, pois
somos espelhos um do outro. Subitamente ele retira a
pica e pede para me comer no cú, digo que não,
pois tenho medo, por ainda ser virgem e coisa e tal.
Na verdade eu queria era ser descabaçado por
papai e esse sonho eu tinha esperança de realizar!
Digo para ele imaginar que minha boca é um cuzinho
e que a fôda com selvageria, ele dá uma
cuspida
na cabeça e me diz para fechar a boca, posicionando
sua pica, segura minha cabeça com as mãos
e esfrega o pau molhado de saliva em meus lábios
empurrando-o para dentro de minha boca e começa
um movimento de vai e vem, como se realmente estivesse
fudendo um cú, eu me masturbava ensandecido tendo
a pica enterrada na garganta, ele acelera o ritmo e
geme dizendo que vai gozar, sinto os jatos fortes de
sua pôrra grossa atravessar minha garganta, engulo
toda ela, acho o gosto do esperma delicioso, continuo
a chupá- lo. pois não havia gozado ainda,
ao sentir o meu gozo chegando peço ao Bruno para
dar uma outra cusparada no cacete e enfiá-lo
novamente em minha boca enquanto me bate na cara.

Ele faz isso e me esbofeteia forte no rosto dizendo:
- Goza, putinho engolidor de pôrra! Neste momento
lavo o chão do quarto com meu esperma. Depois
deste episódio, quase todas as noites me encaminhava
ao seu quarto para fazer uma chupêta, com meu
irmão sempre insistindo em me comer o cú
e eu negando, a esperança de meu pai me comer
persistia. No máximo deixava ele roçar
o pau na entrada e colocar o dedo. Até que um
dia mamãe resolveu viajar para a Europa para
repor o estoque de sua loja. Ela passaria 3 semanas
fora e iria com uma amiga. Papai por ser menos rígido,
concordou com o pedido de Bruno em passar o final de
semana na casa de praia de sua namorada, o que faria
com que nós ficassémos à sós.
Vibrei com a possibilidade de viabilizar meu desejo
e começei a maquinar uma maneira que enfim pudesse
ter a pica gostosa de meu pai enterrada no rabo. Porém
me decepcionei ao saber logo depois de meu irmão
ter partido que ele tinha combinado uma saída
com amigos, dizendo que eu não o esperasse acordado
já que iria chegar tarde. Fiquei puto! Sem ter
o que fazer e com um baita tesão no rabo, após
a partida de papai, fui até a cozinha e peguei
uma cenoura, no cesto de roupa suja
vejo a cueca dele e a levo comigo, passo hidratante
na cenoura e encosto na porta do cú esfregando-a,
começo a enfiá-lo no meu reto, ao mesmo
tempo toco uma punhêta lambendo a cueca de papai,
chego ao gozo rapidamente, imaginando ser a cenoura
a pica dele.

Tomo um banho, deito para ler uma revista e acabo adormecendo,
acordando às duas da manhã ao escutar
o barulho do carro de papai entrando na garagem, levanto
e vou até a janela observá-lo, vejo que
ele tinha tirado sua camisa e ficado só com a
calça jeans justa e aberta na cintura cobrindo
aquele corpo filha-da-puta de gostoso, noto que seu
andar está cambaleante em consequência,
creio eu, de
ter tomado umas e outras. Estranho o fato, pois papai
não tem o costume de beber, mas ao vê-lo
neste estado meu pau endurece e meu cú começa
a piscar com a possibilidade de uma tentativa de atacá-lo,
mas não imaginava como! Ele entra em casa e eu
saio do quarto, ficando agachado no topo da escada sacando
ele. Tirando toda a roupa, papai senta-se no sofá
ligando a TV, coloca um filme e se encosta com as pernas
abertas, eu ao olhar para a tela vejo se tratar de um
filme pornô, meu tesão sobe me fazendo
tremer, pois imagino que ele ao se excitar irá
tocar uma bronha. Na tela uma loira peituda faz um boquete
em um cara peludo e com um caralho avantajado, chega
uma morena e divide com a loira o pau do cara, a morena
despe-se e se revela um travesti e coloca seu pau para
o cara chupar, neste momento papai inicia uma bronha
em seu cacete tesudo, aumentando o ritmo ao ver o travesti
sendo enrrabado pelo cara enquanto tem o pau chupado
pela loira.

Fico louco e não sei o que fazer pra ter aquele
homem pra mim! Papai continua vendo o filme e se masturbando,
eu estou neste momento tremendo de tesão, as
pernas balaçam e estou suando frio com a cena.
Passa o tempo e permaneço vendo aquilo, até
que papai levanta e eu me escondo ao vê-lo se
direcionar as escadas, ele vem nú com o pau teso,
pois não havia gozado na bronha, o vejo encaminhar-
se ao banheiro do corredor, escutando a ducha ser aberta,
tenho uma idéia que talvez possa me levar
a minha realização. Vou ao meu quarto,
tiro minhas roupas e dou um tempo pro meu pau baixar,
coloco uma toalha no ombro e vou até o banheiro,
papai já se encontra na ducha, vejo que seu pau
continua duro, ao me escutar entrar papai assusta-se
e me vendo pergunta o que estou fazendo acordado ainda,
digo-lhe que estava com calor e tinha vindo tomar um
banho, ele ao me ver nú diz que eu poderia entrar
no banho, já que no boxe há dois chuveiros,
entro e começo a tomar banho, sempre olhando
para o corpo daquele deus, ele começa a prestar
atenção em meu corpo e comenta que estou
me desenvolvendo muito rápido, olhando para minha
bunda diz que é idêntica a de mamãe,
sinto que as coisas parecem estar tomando o rumo esperado,
claro que papai está sendo assim por conta do

álcool e eu tenho que aproveitar a chance! Peço-lhe
para que me ajude a ensaboar minhas costas, sinto suas
mãos grandes e numa tentativa empino meu rabo
e chego a encostar em seu pau, papai vai desçendo
suas mãos e começa a ensaboar me mais
embaixo e murmura em meu ouvido se eu já havia
iniciado minha vida sexual, nesse momento meu pau tá
mais duro que concreto, digo-lhe que ainda sou virgem,
ele mais uma vez encosta sua boca em meu ouvido, desta
feita, já sinto sua lingua encostar sentindo
seu hálito perfumado pela bebida e ele me pergunta
se eu gostaria de aprender sobre sexo e que poderia
me ensinar como tratar uma mulher na cama, dou mais
um passo para trás e sinto seu pau duro encostarno
rêgo da minha bunda, respondendo que adoraria
aprender tudo com ele e estava ansioso pra começar
logo com aquilo, ele então escorrega suas mãos
e começa a massagear meu ânus e pede para
que eu lhe segure no pau!

Gente, eu estava afinal tendo a oportunidade que tanto
desejava! Inicio uma bronha naquele pau gostoso enquanto
sinto papai enfiar um dedo dentro do meu rabo, depois
mais outro dedo e sinto o meu cú piscar de tesão
com aquela massagem, ele diz que agora vai me ensinar
como um cara sente prazer ao ter o pau chupado, empurra
minha cabeça e diz para que eu me ajoelhe em
sua frente, fico cara a cara com meu objeto de desejo,
vejo como seu pau é perfeito, grosso e cheio
de veias, com uma cabeça grande e lustrosa, papai
ordena que eu abre a boca e coloca aquela gostosura
dentro, começo a chupar e olho para seu rosto
para sentir suas reações ao ter seu filho
chupando-lhe o caralho, ele tá de olho fixo,
observando cada linguada que eu dou, dá um suspiro
e semicerra seus olhos murmurando: - "Vai filhinho,
chupa gostoso o caralho de papai!" Ao ouvir isto
me dedico mais aquela chupada, já que estava
há um bom tempo treinando no pau do Bruno, faço
estripulias naquele caralho, tiro o da boca e coloco
só a ponta da língua no buraquinho enquanto
masturbo o corpo dele, papai geme gostoso dizendo que
tenho uma boca maravilhosa e puxando meus cabelos começa
a foder minha boca, o pau começa a pulsar em
minha garganta e vejo que está chegando a hora
de engolir sua pôrra, tiro o caralho da boca e
peço para que se masturbe, ao fazer isto engulo
só a cabeça do pau, enquanto papai se
masturba com uma das mãos e a outra me puxa violentamente
os cabelos forçando seu pau em minha boca com
um grito de prazer, ele diz: -"Vou gozar, veado
filho da puta, bebe minha pôrra"!!!

Tenho minha boca inundada por um leite quente e grosso,
ele geme e diz que é pra eu tomar tudo! Que coisa
gostosa, ver aquele macho tesudo gozar em minha boca!
Continuo a chupada depois de beber toda a pôrra
e masturbo-me para que possa ter prazer também,
ele me ajuda nesta tarefa pedindo para que eu encoste
uma das mãos na parede e empine bem a bunda,
feito isso, ele se agacha e enfia sua língua
no meu cú e ao mesmo tempo coloca um dedo, eu
rebolando começo a gozar gostoso, a parede do
banheiro é lavada com minha pôrra! Tomamos
banho e descemos para a cozinha, eu permaneço
calado e papai pareçe estar envergonhado do que
aconteceu e diz pra que aquilo permaneça em segredo
entre a gente, digo lhe para não se preocupar
pois havia adorado e queria continuar com as lições
de sexo, ele me olha e pergunta: -"Como assim?
O que mais você quer aprender?" Respondo:
"Quero aprender
como foder um rabo e pra isso você vai ter que
comer meu cú"! Nesse momento olho para o
pau dele que no mesmo instante começa a ficar
duro novamente. Ele diz então que eu vou aprender
a como tratar uma piranha, comendo o rabo dela com selvageria,
mas que para isso eu vou sentir dor e ele achava que
eu não aguentaria. Digo-lhe: -"Quero aprender
a foder do jeito que o senhor está acostumado,
portanto não tenha dó de minha bunda,
pode fodê-la do jeito que achar melhor"!
Ele me coloca de costas e empino minha bunda colocando
as mãos na mesa, papai abre minhas nádegas
e começa a fazer um cunete em meu rabo, enfia
sua língua grossa bem dentro de meu cú,
salivando muito meu buraquinho, eu tremo de tesão
tendo aquela língua gostosa a me chupar, depois
de um tempo de chupada no rabo, ele introduz um dedo,
depois mais um, até que começo a ser fodido
por três dedos de papai, alargando meu rabo pra
dar passagem aquela piroca imensa, abrindo um pote de
manteiga lambuza meu rabo e continua a me foder com
os dedos, eu estou quase nãoaguentando de tanto
tesão em gozar, mas me seguro pois vou receber
aquela dádiva toda no meu cú. Ele diz
para que eu o chupe, e me baixando abocanho o meu futuro
desvirginador, passo com tesão minha língua
na cabeça, molhando bem aquela pica tesuda. Chega
a hora da perda de meu cabaço anal, Papai diz
para que eu me deite emcima da mesa, fico na altura
do pau dele, em posição de frango assado,
ele dá uma cuspida na cabeça do pau e

dando um sorriso pra mim, encosta a cabeça na
entrada de meu cú, lambuzando sua pica na mistura
de manteiga e saliva e me diz: "Agora filhinho,
tu vais aprender como é bom tomar no cú"!
E num golpe certeiro introduz metade do pau na minha
bunda, dou um grito, ele pergunta se machucou e se é
para parar. Digo: "Estou gritando é de tesão,
continua a foder o meu cuzinho papai"! Ele se anima
e soca com força a pica dentro do meu rabo, puxando
minha cabeça manda que eu abra a boca e chupa
minha língua, jogando saliva pra dentro.

Pôrra, que coisa gostosa!!!! Eu rebolava naquela
tora gostosa enquanto ele socava com força no
meu rabo. Digo para ele: -"Fode macho gostoso,
fode o cuzinho do teu filho, fode sacana"! Papai
empolgado com minhas putarias, fode com mais força
no meu cú e dá um tapa na minha cara me
dizendo: "Tá gostando de levar pica de um
macho, né veadinho safado? Come a rôla
gostosa de papai, seu putinho tesudo"!!!!!! Grito
pra ele bater mais forte na cara do filhinho puto, ele
me dá uma bofetada forte, batendo também
em minha bunda, nessa hora não aguento e começo
a gozar fortemente, esporrando em minha barriga. Papai
vendo isto, retira todo o seu pau do meu rabo e novamete
o enfia de uma só vez! Com mais alguns movimentos
ordena que eu abra a boca e se retirando do meu rabo,
diz para eu colocar a língua pra fora e começa
a jogar sua pôrra nela! Chupo aquele caralho que
me deu a vida com uma fome imensa, comendo a pôrra
misturada com manteiga e saliva. Puta merda, nunca senti
um go
zo tão forte quanto aquele, a pôrra escorria
pela minha língua, continuava a saborear aquele
leite gostoso, eu estava extasiado!!! Vamos tomar um
banho e peço-lhe para dormir com ele.

Vou para sua cama e adormeço com a cabeça
repousada no seu peito musculoso. Quando acordo papai
ainda dorme, fico observando aquele homem belo e gostoso,
suas pernas grossas, sua vara grande e grossa e começo
a relembrar de nossa foda. Meu rabo apesar de ardido
me diz que quer mais daquela pica, abro bem a boca e
alojo o pau nela, apesar de estar mole tenho toda a
boca tomada por sua carne, papai abrindo os olhos me
ver mamando em seu caralho e exclama: -Você realmente
herdou de mim essa fome de sexo, filho tu és
insaciável! Seu pau começa a crescer e
mamo até a pôrra sair, bebo
novamente aquele leite gostoso. Vamos comer algo e ficamos
todo o dia na beira da piscina tomando sol e conversando
amenidades, quando ele me pergunta se eu já havia
tido algum contato com outros homens, revelo o que fazia
com o Bruno desde o dia em que tinha visto ele fuder
a mamãe e meu irmão me flagrou observando
a transa. Mas que ele tinha sido o primeiro homem a
foder meu rabo, vejo que papai se excita ao ouvir que
tinha sido o primeiro a comer no cú, chamo-o
para irmos até a cozinha, baixo minha sunga me
debruçando sobre a mesa digo para que ele me
foda gostoso novamente, baixando sua sunga papai abre
o pote de manteiga, abrindo meu rabo a espalha, num
golpe só enterra todo o cacête em meu rabo,
sou fodido por ele como se fosse uma prostituta barata
com ele me sugando e mordendo o pescoço, dessa
vez não preciso sequer me masturbar pois gozo
ao sentir a pôrra de papai inundando meu cú.
O resto dia ficamos nisso, até que papai diz
que irá sair e só voltará à
noite. Fico só e vou dormir.

À tarde, Bruno chega enfezado e vai direto para
o quarto, tento conversar com ele mas não adianta
pois diz não estar afim de conversa e se tranca.
À noite me recolho no quarto, Bruno, após
uns 30 minutos entra e conta que estava aborrecido por
ter tentado todo o final de semana transar com a namorada
e ela não ter querido por conta de seus pais
estarem lá também, em consequencia disto
ele tinha passado esses dias com muito tesão
e nem uma punhêta havia batido. Dizendo isso,
põe o caralho pra fora já duro e pede
para que eu o chupe, digo que mais do que lhe chupar,
hoje ele iria foder meu rabo, meu
irmão pergunta o porquê de tanto fogo e
digo: "É porque hoje estou com muito tesão!".
Rapidamente coloco seu pau na boca e começo a
mamar meu irmãozinho tarado. Pegando no seu saco
noto que havia realmente contado a verdade, pois este
se encontrava pesado de tanta pôrra retida, eu,
como bom irmão, trato de dar um jeito de resolver
o caso de meu gêmeo, pois aquela pôrra tinha
que ser depositada em algum lugar, e seria na minha
garganta!

Tiro a calça de seu pijama, deitando-o em minha
cama, abro suas pernas em posição de frango
assado e ele me pergunta desconfiado o que eu pretendo
fazer, peço-lhe que relaxe pois ele iria adorar,
chupo-lhe novamente o pau enquanto seguro suas pernas
para o alto e aproveitando seus gemidos, desço
para lamber seu saco, passo um bom tempo lambendo o
depósito de pôrra de meu irmão,
desço um pouco mais e num golpe rápido
enfio minha língua no seu rabinho. O Bruno suspira
e geme deliciosamente ao ser chupado no cú e
não se segurando começa a bater punhêta,
abrindo com os dedos ainda mais o seu cú começo
a fodê-lo com a língua, ele não
aguenta e diz que vai esporrar e me puxa os cabelos
enfiandoo cacête em minha boca. Quase me afogo
com tanta pôrra!

Mas bebi tudo e continuei a mamar na tora dele para
fazer com que ela se recuperasse rapidamente para comer
meu cú, que já piscava. Nisso, me assusto
ao olhar a porta de meu quarto! Papai nos observava!
Olho pra baixo e vejo-o tocando uma bronha, ele me faz
um sinal pedindo para que eu continue, o Bruno não
nota o nosso pai,eu não me faço de rogado,
continuo a mamar na rôla de meu irmão,
agora com o tesão redrobrado por estar sendo
assistido. Chupo o pau do maninho olhando fixamente
para papai, fazendo cara de safado pra ele, deixando-o
mais agitado, percebo isso pelo ritmo de sua bronha.
Ele está tomado de tesão em ver os filhos
trepando. O pau de Bruno novamente endurece, fico deitado
na cama de pernas abertas para que possa ser fudido,
meu irmão retribui o prazer que tinha lhe dado
sugando-me o rabo, deixa-o encharcado de saliva para
facilitar a entrada do caralho. Ele cospe na cabeça
encostando na entrada, deslizando para dentro do meu
cú sua vara tesuda, começo um rebolado
frenético, com o Bruno atolado em meu rabo, socando
forte e profundamente a vara em minhas entranhas. Meu
irmão tinha um mexido delicioso e aquilo estava
me pondo louco, pois o garoto sabia realmente como foder
uma bunda.

Tava até esquecendo de papai, que permanecia
nos observando. Bruno diz para olharmos para o espelho
que cobria toda a parede de meu quarto. Caralho! A visão
que tinhamos, por sermos indênticos, é
que estavamos fudendo e sendo fudidos por nós
mesmos! O movimento do cacete dentro do meu rabo aumentou,
eu rebolava como um ensandecido! Começei a gritar
para ele foder gostoso o meu rabo, pois era um cú
fudido e sedento de pica! O pau de meu irmão
pulsava forte dentro de mim, em cada estocada que ele
dava eu subia ao paraíso. Olho neste instante
para papai, que dando um outro sinal para mim, entra
no quarto, vem em nossa direção, nú
e com sua vara gostosa e dura, chega perto de mim e
a enfia em minha boca, Bruno dá um pulo assustado
e tenta sair de meu rabo, papai o segura pelo ombro
e diz para ele continuar seu trabalho, pois está
adorando ver o trato que ele está dando no seu
filhinho veado, diz que junto com ele iria me foder
até que não restasse mais pôrra
em seus caralhos, pois o cú de seu irmão
é muito guloso e adora levar pica de macho! Eu
adorei esse dialógo de papai e chupei seu pau
com mais força ainda e peço-lhe que me
foda a boca, ele agarrando minha cabeça enterra
sua vara quase toda em minha garganta, tenho a impressão
de que vou desmaiar de tanta tesão em ter as
picas de meu pai e de meu irmão me fodendo. Eu
me sentia realizado, estava totalmente preenchido pelo
calibre daquelas duas varas de macho.

Papai virando pra Bruno diz: - "Vai filho, fode
o cuzinho gostoso do veado, vamos mostrar pra ele como
os machos desta casa sabe foder gostoso essa piranha
engolidora de pôrra!" Papai me batia na face
perguntando se eu estava gostando de levar dois ferros!
Eu estava quase tendo um troço e gozando antes
deles, mas tinha que me dedicar a ação
de saciar a sede daqueles dois. Papai retira sua grossa
pica de minha boca e ordena que eu coloque a língua
pra fora, faço isso e ele cospe em minha boca
e empurra novamente seu cacete grosso me fudendo a garganta.
Bruno, recuperado do susto inicial e sacando que eu
me amarro nesse tipo de foda violenta retira seu pau,
vendo o buraco que havia feito no meu cú, mira
e enfia tudo de uma só vez, até o talo!
Doeu, mas puta que pariu, eu estava achando
isso muito gostoso! Eu tremia de tanto prazer! Grito
para ele não ter pena de meu cú e foder
com mais
violência, pois aquele rabo foi feito pra ser
arrombado!


Eu era fodido violentamente por aqueles machos, e agora
minha língua se ocupava em lamber o cú
de papai, pois ele sentara sua bunda em minha cara.
Bruno afinal diz que vai gozar. Papai em um salto o
puxa para que eu beba a pôrra de meu irmão,
abro a boca e novamente tenho a boca inundada de pôrra
quente! Engulo tudo e volto a chupar papai, enquanto
Bruno se deita ao nosso lado. Meu pai se retira de minha
boca e enrroscamos nossas línguas. Ainda sentindo
o gosto do esperma do Bruno, fico de quatro, ele coloca
a língua no meu rabo arrombado e enfia quatro
de seus dedos grossos no meu cú, como para testar
o estado em que ficou depois de ser fodido. Feito isso
, deita-se na cama e manda que eu sente o cú
em sua vara, abro a bunda encaixando a cabeça
na porta do rabo e desço engolindo com minha
bunda toda a vara grossa de papai. Subo e desço
freneticamente naquele pau gostoso, com ele me segurando
na cintura, forçando mais profundamente seu caralho
no meu cú. Sou fodido por ele em todas as posições
e prestes à gozar sou comido de ponta-cabeça,
para que possa engolir a pôrra dele e a minha
ao mesmo tempo, papai pede para que eu acelere pois
tá quase lá, sinto os primeiros sinais
e grito pra ele que vou gozar, tendo minha boca em direção
de meu próprio caralho, abro-a e recebe na língua
o meu esperma, papai tira a vara de meu rabo e começa
também a gozar em minha boca. Ele parecia estar
mijando, de tanta pôrra que saiu do seu caralho!

Vou mamar a rôla que me fodeu para limpar o resto
de pôrra que ficou, chupo até senti-la
amolecer. Desabo na cama com o rabo ardido e tendo esperma
por todo o corpo. Um tempo depois, levanto-me e vou
ao banheiro tomar um banho. Bruno já recuperado
está tocando uma punhêta lenta em seu caralho,
papai começa a fazer o mesmo. Dentro do banheiro
vou ao espelho e abro a bunda pra ver o estrago que
aquelas duas varas grossas fizeram em meu cú,
vejo que está bastante esfolado. Com um sorriso
satisfeito, dou uma piscada, voltando ao quarto pra
continuar a ser fodido por aqueles machos tesudos.
Afinal havia sido iniciado na sacanagem que tanto ansiava
e por dois dos melhores homens com os quais fodi até
hoje.

wildalessandro@bol.com.br

 

Opções de exibição de comentários

Escolha seu modo de exibição preferido e clique em "Salvar configurações" para ativar.

Adorei este conto!!!!!!!

Adorei este conto!!!!!!! Gostaria muito de ter um pai e irmão para me deixarem arrombadinho também!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
4 + 0 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4