insegurança

 Visões do Paraíso,
anjos que conheceu.
Amores vividos,
antes de chegar o meu.
Cego-te a vista...

Caminhos trilhados,
camas por onde passou.
Amores sentidos,
antes de viver o meu.
Arranão-te as pernas...

Sons que sussuram-te aos ouvidos,
músicas que lembram os primeiros seus.
Costuro sua audição.

Seu coração que pulsa,
sem que eu entenda o porquê.
Esãondes algo de mim,
nos arrepios que tens
sem que o tenha tocado.
Por insegurança talvez,
sugo-lhe o palpitar e tiro-lhe a vida.

Sou assim,
meio insegura,
quando acho que não tenho certeza.

Prefiro-te cego,
surdo,
mudo,
sem pernas,
mas eternamente meu.

 

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
13 + 7 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4