Romance forense - Crime “ambiental”...contra as ovelhas

A denúncia foi sui-generis: "o réu, por duas vezes, em janeiro e setembro de 2005, ingressou no potreiro da vítima, amarrando os animais, vindo a introduzir o seu pênis na vagina das novilhas, mantendo relação sexual com estas e, com isso, cometendo crime ambiental".

O fato ocorreu em cidade da zona central do Estado - diríamos, na Grande Santa Maria - e resultou em recebimento do libelo acusatório pelo juiz. Ele levou em conta "o indicativo de provável desvio sexual e incapacidade ou ausência de vontade do denunciado de adequar-se à boa convivência social". O magistrado dispôs que o réu seria processado na forma do art. 32, caput, da Lei nº 9.605/98, por abuso praticado contra animais.
 
Como o réu não tivesse ficha limpa na comarca - embora sem nenhuma condenação até então - o juiz determinou a prisão preventiva. Os três advogados do acusado capricharam no habeas corpus e o relator, no TJ gaúcho, prontamente deferiu a liminar.
 
Indo os autos ao MP de segundo grau, o procurador de Justiça foi espirituoso: “deve-se observar que os crimes imputados ao paciente não são daqueles praticados com violência ou ameaça à pessoa". E lançou promoção em prol da liberdade.
 
Assim aconteceu. O relator  reconheceu que "sustentar a prisão preventiva é bem mais difícil, porque em caso de condenação, não sendo hipótese de ‘sursis’, nem penas restritivas de direitos, a sanção corporal ensejará a fixação do regime aberto".
 
O revisor deitou filosofia do direito: "considero que a liberdade é a regra e a segregação é a exceção".
 
E o terceiro desembargador abriu a lei que dispõe "sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente". De imediato, lembrou que será de detenção, de três meses a um ano, e multa, a pena a quem "praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos".
 
O fax do TJRS com a confirmação da ordem de soltura, bateu logo na comarca, onde o acusado e o dono das ovinas serão ouvidos brevemente.  O caso já ganhou um agudo apelido cartorário: "o processo do senhor carneiro"...
 
E o padre da cidade segredou, a um integrante do Conselho Paroquial, sua crença de que, em época de tanta liberação sexual, esse tipo de aberração já fosse coisa do passado.
 
Não era!

http://www.espacovital.com.br/novo/noticia_ler.php?idnoticia=6981

 

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
13 + 5 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4