Fodi o corno manso e viramos caso

Não dá para dizer que dessa água não bebo. Fiz amizade legal com um colega de trabalho a partir do momento em que nós dois, quando menos esperávamos, nos encontramos na mesma academia, fazendo musculação. Em poucos dias construímos uma amizade legal.

Nossas mulheres se tornaram a amigas e tudo transcorria mil, até que, certo dia, eu e R, mulher dele, nos atracamos num beijo apaixonado. Daí a pouco ela me confidenciou que ele sabia de tudo. Com mais uma semana nós três fazíamos amor juntinhos na cama de casal deles. O cara era corno manso e tinha requintes que eu duvidaria se não estivesse presenciando: ele adorava ser humilhado pela fêmea dele enquanto eu metia com ela. Ela tem uma boca porca, a ponto de ser escrota e dizer rasgado: "lambe aqui essa buceta esporrada pelo meu macho, seu corno safado; limpa direito, senão ele esquenta tua bunda com tapas! Um dia terás de dar o cuzão pra ele na minha presença, que é pra ver quem manda nesta casa daqui por diante, seu porra!".

Uma vez ela o botou pra lamber os meus pés, mamar dedo por dedo, e até lamber meu saco enquanto eu enterrava a pistola nela até o talo. E ele era sempre obediente, trazendo a cervejinha gelada e na hora, perguntando se estava faltando algo, essas coisa de quem gosta e adora servir mais que o necessário. Fora de cena, a gente agia normalmente. Como colega de trabalho, não tinha qualquer tipo de aproximação diferente dos outros caras com quem trabalhávamos. E nenhum dos dois tocava nos assuntos secretos do trio que metia gostoso e mantinha cumplicidade entre quatro paredes.

Mas aconteceu de eu e ele sermos transferidos temporariamente para uma cidade do interior, onde fomos implantar um novo sistema que já havia sido aprovado na sede da empresa. Meu amigo corno manso, como passatempo, ficava relembrando e narrando os melhores momentos de nossas meteções com a esposa dele. Via de regra eu ficava de pistola dura e ele sempre prestava atenção. Certa noite, depois que voltamos da rua para dormir, no meio de um daqueles papos, interrompi-o dizendo:

- Olha só minha situação, meu amigo! De pau duro e sem ninguém pra me aliviar. Quebra esse galho, vai!

O cara bateu de boca no meu caralho, mamou esplendorosamente e me fez gozar que nem cavalo. Na noite seguinte, depois de tomarmos uma garrafa de vinho, ele puxou conversa e acabou me seduzindo novamente. Desta vez foi ainda mais manso e obediente que da primeira. Eu acabei me tornando dono dele e ele se tornando meu cachorrinho de estimação.

Gostava de ser obediente a mim, gostava de cumprir ordens e, quando fazia errado de propósito, levava palmadas na bunda. Eu, que jamais imaginei uma relação assim, acabei gostando de tê-lo como minha putinha e meu capacho. Acostumei-me a meter rola no cu dele e aplicar-lhe certos corretivos. Aquilo foi me dando prazer, ao ponto de, depois de voltarmos para a sede da empresa, de vez em quando, mesmo voltando a comer a mulher dele, sempre dava um escapadinha para meter com ele. A bem da verdade, ele mete gostoso, apertando a rosquinha do cu enquanto leva rola na bunda. Adora sentar no meu colo, de frente, sentindo entrar até o talo, e, quando a gente goza juntos, ele chora, resmunga, pede castigo. Quando sente o impacto da porra quente jorrando dentro dele, até grita de prazer fazendo escarcéus. Quando depeno ele de frango assado, no domínio da situação, é um prazer ver o danadinho perdendo o fôlego e simulando vertigem, todo entalado no rabo.

E, quando quer repetir a dose, fica um tempão choramingando o castigo que levou, me mostrando manchinhas roxas na bunda, no rosto, em outro lugar, como quem desejar dizer: veja só o que você fez com seu capacho! Agora tem de me dar mais uma sova de rola, com muita paixão, que é para pagar o estrago. Claro que não curto sado pesado, apenas um castigo leve, pra ele sentir o drama, já que adora sentir o peso do seu dono. E, para finalizar a cena, sempre me dá um banho de língua, me perguntando sempre se tem alguém neste mundo mais fiel ao seu dono que ele. Mas, para que a jogada seja honestinha, vez em quando a gente sai os três e mete gostoso, com a R dando as cartas. Afinal, tudo começou com ela, uma fêmea safada, metida a boa de cela, que mete gloriosamente.


Por talescracatoa@bol.com.br


 

Opções de exibição de comentários

Escolha seu modo de exibição preferido e clique em "Salvar configurações" para ativar.

adorei esse coto

adoraria ser ele

Casalzinho

Conheço um cara que come o casal. Ela tem 22 e ele tem 25 anos. E o garanhão ainda fala em alto e bom som, que gosta de fazer os dois gritar na pica. Ele tem um mastro de 23 cms, e enfia na bunda dos dois. O marido virou menininha nas mãos dele (ou melhor, na pica).

saudades de ser corno

SONIA volta! fomos casados, muito felizes.Eu a tratava como uma princesa, Levava nos melhores : cabelereiro,massagista, personal training, comprava sempre as roupas sexys, curtas, transparentes,bons perfumes, otimos. etc Sempre passeava nos bares e festinhas, mostrava aos amigos, aos clientes da fabrica, etc.Sempre que o COMEDOR do dia quizesse, eu a levava ate ele. ajudava a servir o vinho, tirava a roupa dela, e ficava do lado só assistindo, Ajudava a passar no rabinho o lubrificante e ajudava o COMEDOR, abrindo os buracos.Abria bem as pernas dela, ate o maximo e ficava segurando para o COMEDOR enfiar tudo. Depois eu a Levava pra casa, limpava tudo com a minha lingua e a punha pra descansar. As vezes eram 2 ou 3 por dia, as vezes 2 ao mesmo tempo. Eu ali, quieto, só olhando e cuidando dela. Mas ela foi embora e eu estou com muitas saudades ate hoje. VOLTA SONIA.

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
5 + 7 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4