Jovens contaminados em relações sexuais contam sua experiência

da Folha de S.Paulo

Dá para imaginar o que é descobrir, em plena juventude, que você está com Aids? Provavelmente não. Pouca gente imagina que isso possa acontecer, mesmo quando se envolve em situações de risco. Na verdade, o fato é que pouquíssimos jovens têm uma idéia real do que é uma situação de risco.

Transar sem camisinha com alguém que você namora há mais de quatro anos é uma situação de risco? Para Renata (nome fictício), 25, foi. E ela contraiu o vírus HIV aos 16 anos. "Éramos muito próximos. Estávamos noivos e tínhamos uma vida superlegal. Nunca passou pela minha cabeça que ele pudesse ter Aids", alerta.

Quando descobriu a doença, Renata viveu anos de tormento. "Foi muito difícil aceitar. Entrei em depressão profunda, perdi amigos. Eu me senti muito só. Até tentei me matar porque achava que não tinha saída", confessa.

"O adolescente brasileiro é informado sobre Aids. Sabe que a boa aparência do parceiro não quer dizer que ele não esteja doente. Sabe que não pode confiar totalmente no parceiro. Sabe que tem que usar camisinha. No entanto, na hora da relação, isso tudo é esquecido", explica Albertina Duarte Takiuti, 52, coordenadora do Programa do Adolescente da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. "O jovem conhece os métodos de prevenção, mas não os utiliza. Cerca de 70% das primeiras relações sexuais dos adolescentes são desprotegidas."

Fernando (nome fictício), 28, desconfia que pegou Aids logo na primeira transa, aos 15 anos. "Para mim, não existia Aids", lembra. "Sou o culpado disso. Mas era muito molecão. Hoje, mesmo com toda a informação, o pessoal não usa camisinha. Imagine naquela época."

Ele conta que, quando recebeu a notícia, se entregou às drogas e ao álcool. "Achei que fosse morrer mesmo. Perdi 25 kg. Parecia um morto vivo", diz. Fernando, então, resolveu encarar a doença e tomar os remédios necessários. "Fiquei bonito, engordei e hoje estou ótimo. Quem me olha nunca imagina que tenho o vírus. Não conto para ninguém. Saio a noite, paquero, fico com várias meninas, mas só transo de camisinha."

Mas isso nem sempre é garantia de proteção. Indagado se usa preservativo quando faz sexo oral, Fernando responde: "Mas dá para pegar Aids com sexo oral? Acho que estou mal informado. Tem menina que é fogo, só quer fazer sexo oral sem preservativo", disfarça. Quem já tem a doença ainda dá suas vaciladas.

"Sei que sou soropositiva e me protejo", afirma Renata. "Mas teve uma vez que não deu para segurar. O cara era um broto, sabia do vírus e mesmo assim transou comigo sem camisinha. Fiquei chocada." Dessa escorregadela nasceu Pedro (nome fictício), 7, também soropositivo. "O pai dele fez o teste e deu negativo. Foi sorte."

http://www.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u556.shtml

 

Opções de exibição de comentários

Escolha seu modo de exibição preferido e clique em "Salvar configurações" para ativar.

Sexo e Relatos

*-* Eu Também Acho Que Hoje Em Dia Os Jovens Tem Tudo Nas Mãos, Não Deveriam Mais Transar Sem Camisinha. O Mundo Mudou Muito Gente! Estamos No Século 21 E Ainda Insistem Em Fazer Sexo Sem Preservativo! Aids Mata e Não Tem Cura!!! Um Abraço, Vitória...

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
6 + 5 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4