Espermicida não protege contra HIV e DSTs, diz OMS

GENEBRA (Reuters) - A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse na sexta-feira que os espermicidas usados por milhões de pessoas em todo o mundo não protegem contra o HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis, como se acreditava anteriormente.

Especialistas afirmaram que o nonoxynol-9 pode, na verdade, aumentar o risco de infecção por HIV em mulheres que praticam sexo com frequência, informou a OMS.

A substância está presente na maioria dos espermicidas e, às vezes, é adicionada aos preservativos masculinos como um lubrificante.

"O nonoxynol-9 não previne a infecção por HIV e pode até mesmo favorecer a infecção, caso seja usado com frequência", informou a agência. A OMS apresentou os resultados finais de um encontro de especialistas em Genebra, realizado em outubro com o financiamento da agência e da Escola de Medicina de Eastern Virgínia.

RISCO MAIOR

As pessoas que usam a substância como um lubrificante em relações de sexo anal também podem ter a falsa impressão de que ela oferece proteção contra a infecção por HIV, disse a agência.

"As evidências revisadas pelos especialistas é particularmente perturbadora nessa questão", afirmou a OMS, acrescentando que um "risco maior parece bastante provável".

Testes laboratoriais, realizados nas décadas de 70 e 80, indicaram que o nonoxynol-9 poderia neutralizar organismos que causam gonorréia, clamídias, assim como o HIV e outras DSTs. Mas novos ensaios clínicos não sustentam esses dados, de acordo com a agência.

A OMS informou que os espermicidas com baixas doses da substância eram "provavelmente seguros" para as mulheres que não usavam o produto com frequência, ou que estavam sob baixo risco de infecção por HIV, o vírus que causa a Aids. Fazem parte desse último grupo mulheres em relacionamentos monogâmicos e aquelas que não usavam drogas intravenosas.

Nos últimos 50 anos, as mulheres vêm utilizando produtos espermicidas, como géis, cremes, espumas, esponjas, filmes e supositórios, contendo a substância química.

A OMS ressaltou que os estudos indicaram que o nonoxynol-9 contribuiu para enfraquecer o revestimento da vagina, facilitando a infecção.

Cerca de 17 por cento das mulheres em idade reprodutiva em alguns países da América Latina usam espermicidas, segundo a agência.

"As mulheres com relações sexuais múltiplas e diárias devem ser orientadas a escolher outro método contraceptivo", afirmou a OMS.

http://br.news.yahoo.com/020628/16/6vd9.html

 

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
1 + 1 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4