Discórdia e Julgamento

  • warning: Missing argument 3 for translation_form_alter(), called in /home/maite/public_html/includes/form.inc on line 365 and defined in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 99.
  • warning: Missing argument 3 for translation_form_alter(), called in /home/maite/public_html/includes/form.inc on line 365 and defined in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 99.
  • warning: Missing argument 2 for syslog_help() in /home/maite/public_html/modules/syslog/syslog.module on line 19.
  • warning: Missing argument 2 for translation_help() in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 31.

Solange Elizabeth Pearly, - projetista e design gráfico, participou durante uma década em escola tradicionalista de mistérios sediada nos EEUU; autodidata,  pesquisou e estudou a arte secular da cura dos Kahunas da Polinésia; estudou a Kabalah tradicional; estudou o calendário Maia e suas previsões; foi ufóloga praticante em vários grupos participou de grupos de cura e auto ajuda; estudou e pesquisou varias linhas filosóficas, religiosas e espiritualistas ( arte mahikari, escola messiânica, o espiritismo de Kardec; diversos ritos áfros; catolicismo e igrejas evangélicas;  praticante da radiestesia e radiônica, cromoterapia, e musicoterapia . Dedica-se hoje a pesquisa do comportamento humano e suas diversas nuances.

 

 

ARTIGO:

Anos na “janela da vida” nos faz pensar o quanto é fácil fazer julgamentos de idéias propostas por outras pessoas, principalmente quando elas diferem das nossas próprias idéias. Pessoas cometem erros de julgamento por serem rígidas nos seus conceitos e por acreditarem que a sua verdade é totalitária, que não existe uma outra possibilidade; que não seja de outra forma aceita por outra pessoa. É justamente por isso que lutam e insistem em defender a sua tese, acreditando serem as suas idéias plenamente únicas verdadeiras. Em suas mentes jamais passa a possibilidade de que podem estar completamente equivocadas e que a idéia do contendor é mais correta. Já vi muitas disputas por pontos de vista insustentáveis, somente porque acreditam que seria degradante ou humilhante aceitar uma verdade de outrem, como se isso fosse uma batalha que não pode ser perdida.

A guerra por defesa de pontos de vista é muito comum em qualquer relacionamento ou contato entre seres humanos, contudo o que a diferencia é justamente a questão da crença da verdade, ou simplesmente, a crença. Não somos donos da verdade de forma alguma, entretanto alguns acreditam que opiniões são bandeiras fincadas no solo e que jamais podem ou devem ser arrancadas. No campo das idéias tudo é possível ser alterado, ajustado e até torcido, entretanto a verdade é uma só, simples e clara. Algumas pessoas pegam a sua bandeira e se armam com unhas e dentes, defendendo aos gritos as suas crenças, chegando até o ponto do desrespeito e grosserias. Falta completa de sabedoria, visto que desejar manter algo insustentável não leva a nada, a não ser desencontros e transtornos no relacionamento.

Quando acreditamos em algo, basta uma colocação de forma sensata e clara para que sejamos entendidos, e nem sempre podem nossas idéias, serem aceitas pura e simplesmente, até porque... O que é a verdade? - Muitos sentem que a discordância de idéias é desacato, porque não conseguem suportar que outro não concorde consigo e a partir daí surge a contenda, polêmicas injustificadas, gerando descontrole e agressões. Estudantes de escolas de mistério aprendem bem cedo que julgar outra pessoa não é bom, principalmente por diferir das suas idéia e é algo de extrema responsabilidade.

Aprendem que a ação só é possível se ele tiver a capacidade de colocar-se no lugar da outra pessoa com todos os fatos reais, algo bem difícil de realizar, esquecendo-se de quem realmente é naquele momento. Se conseguir isso estará pronto para fazer o seu julgamento. Fato curioso é de que estará numa nova plataforma, num novo céu e horizonte, onde as suas idéias anteriores já não tem mais os aspectos que geraram a discordância. Muitos até desistem do julgamento. O mais surpreendente é que grande parte passa a ver com outra óptica a realidade dos fatos, um novo ângulo e novas possibilidades surgem, provocando o desarme da situação precedente.

Acabará às vezes por descobrir que suas atitudes não iriam diferenciar das atitudes daquele que esta sendo julgado, e que em caso de alguma ação, não faria melhor, ou nem teria capacidade de fazer ou agir da mesma forma.

 Deixe sua opinião logo abaixo ou escreva para mim em solizabeth@uol.com.br