Esposa infiel - parte VI

Recentemente fui internada com estafa e esgotamento físico que quase virou uma anemia,não fosse mamãe ter vindo passar uns dias aqui em casa para me socorrer.

Isto se deu porque com ela em casa eu não podia transar do jeito que gosto com meu boizinho os porteiros e alguns vizinhos.

Isto me deixou profudamente irritada e abatida tendo que ficar quase uma semana me contentando somente com o porrete de meu marido que muito mais me acendia o tesão do que saciava.
Por insistência de mamãe marquei um dia com meu medico e após a consulta ele resolveu me internar e entre o tratamento tive que passar por um terapeuta sexual onde ficou constatado compulsão excessiva por sexo.

Depois de quase dois meses internada minha única tara ainda era me exibir coisa que o medico disse ser natural.
Quando fui liberada contrariando mamãe principalmente resolvi vir embora de metro e ônibus o que para minha mãe foi um absurdo,comigo conseguindo se desvencilhar dela quando foi junto ao meu marido assinar os papais de minha liberação e buscar papai que nos esperava com o carro na garagem do sub solo.

Sem mesmo me trocar vesti uma blusinha por cima da bata que usava que tem uma amarração na cintura deixando me controlar o tamanho da saia.
Enquanto caminhava rapidamente para a saída lateral aproveitei para puxar a barra bem para cima deixando as dobrinhas da bunda de fora e enquanto caminhava sentia o vento levantando o fino tecido deixando minha calcinha a mostra.
Enquanto caminhava sentia um fogo na boceta que parecia incendiar a alma deixando me louquinha de tanto tesão com os bicos do seios a mostra coberto somente pelo fino tecido da camisola com a blusa aberta fazendo que todos olhassem para mim deixando cada vez mais maluca de tanto prazer.

No metro apesar de ter bastante lugares vagos me coloquei de pé frente a porta onde todos podiam contemplar meu lindo corpo quase nu sandálias tipo descalça cabelos soltos cobrindo o rosto e todo esvoaçado pelo vento.
Delirei quando numa freada mais brusca me segurei no ferro acima de minha cabeça esticando todo o corpo deixando minha bunda praticamente toda de fora com a calcinha apesar de comportadinha toda enfiada no rabo de propósito por mim.

Aproveitei para ficar assim por eternos alguns minutos de onde podia contemplar displicentemente a reação das pessoas sentadas ao meu redor.
Sentindo o corpo todo tremulo gozei como a tempo não gozava sem mesmo me tocar olhando um senhor sentado bem atrás de mim onde arrumava o imenso volume sob a calça social.

Tive que segurar firme para não cair e quando o metro parou na estação sé, fui arremessada literalmente para dentro do vagão sendo colada na parede com milhares de pessoas que mais pareciam animais em estourada querendo entrar todas de uma só vez.
Tive que me encostar na parede do vagão e sem ter onde me segurar me escorava nas pessoas para não cair.
Na estação seguinte entrou mais gente e com isso fiquei grudada na parede com um rapaz colado em mim ficando praticamente no meio de minhas pernas.
Sentia seu hálito em meu rosto e quando tentei sai dali para meu desespero ele entrou mais no meio de minhas pernas com seu mastro duro e em riste cutucando minha boceta sedenta deixando me molhadinha.
Quando o trem andou fui para cima dele e quando o trem parou logo em seguida ele voltou com mais força para mim fazendo me ficar nas pontas dos pés com tudo aquilo forçando a entrada de minha boceta fazendo me gemer alto já com a respiração acelerada e ele percebendo meu estado de total submissão abraçou minha cintura enquanto lambia minha orelha forçava minha boceta em seu porrete fazendo me arfar de tanto prazer.

Estava entregue com ele já massageando meus seios com uma das mãos e com a outra dentro de minha calcinha onde enfiava a ponta do dedo em meu cuzinho enquanto gemia beijando muito meu pescoço e orelhas.
Gemi alto atraindo a atenção das pessoas pertos a nos quando ele num gesto ousado levantou uma de minhas pernas enquanto beijava minha boca a forca afastou minha calcinha pro lado e após algumas rápidas dedadas atolou seu porrete descomunal em minha boceta fazendo me gemer alto,só não gritei de prazer pois minha boca estava ocupada sendo sugada avidamente pela dele que parecia quer me engolir tal a intensidade do beijos.

Estava entregue e como sou doida mesmo grudei em seu corpo abraçando o com minhas pernas onde fiquei suspensa no ar com as costas na parede enquanto ele me comia loucamente com estocadas vigorosas e fundas em minha boceta.
Perdi a conta de quanto já tinha gozado quando ele segurou forte em minha bunda chegando a rasgar minha calcinha quando ele num urro ensurdecedor inundou minha xana de porra que escorreu pernas abaixo chegando a sujar meus pés e o chão do metro.

Calmamente ele me colocou na posição normal sem sair de mim e enquanto beijava minha boca me chamando de louca senti seu membro escorrer pra fora de mim trazendo junto um rio de porra.
Ele ainda me beijava quando o metro parou em uma estação e ao abrir as portas notamos um grupinho de pessoas conversando com um dos seguranças e apontando para nos que neste instante saímos correndo de mãos dadas como dois adolescentes apaixonados e quando fomos cercados por outros seguranças ele mandou que pegasse a direção contraria a dele e enquanto ele era praticamente agredido pelos os seguranças corri para a rua onde peguei um táxi e rumei para casa onde todos me esperavam ansiosos.
Ao entrar em casa enquanto minha sogra sogro e cunhada distraia a atenção de mamãe fui levada para o quarto pelo meu boizinho e enquanto me banhava ele comia gostoso meu cu embaixo do chuveiro.

Após uma rapidinha fomos para a sala onde todos conversava animadamente com meu sogro e minha cunhada todos ouriçados ao me ver e quando minha cunhadinha se ofereceu para preparar um lanche para nos sendo seguida por meu boizinho tive certeza que ela ia rebolar gostoso no porrete do irmão na cozinha enquanto eu sentada de pernas abertas sem calcinha deixava meu sogro de pau duro chegando a babar de vontade de comer minha danadinha.
E foi assim que adormeci acordando horas depois deitada no sofá com a cabeça no colo de mamãe que fazia um gostoso cafuné em mim.

Conversamos muito e animadamente quando adormeci outra vez e quando acordei mamãe dormia gostoso comigo em seu colo.

Vendo aquele corpo lindo e gostoso sentei em seu colo colando meu corpo tremulo ao de mamãe que acordou assustada me abraçando em seguida envolvendo todo meu ser em seus braços e enquanto me molhava toda com seus carinhos em minhas costas e cabeça suspirava fundo em suas orelhas já arquitetando um jeito de transar com mamãe.

Beijos
camille

 

 

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
7 + 5 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4