Pesquisas e Estudos

Homem que lava louça é mais feliz, diz pesquisa

Está na hora de ser um homem mais moderno, meus caros. Lavar a louça, passar a própria camisa e arrumar a cama antes de ouvir as reclamações da esposa ou da namorada. E, segundo um estudo divulgado pela Universidade Umeå, na Suécia, tudo isso ajudará (e muito) a sua saúde.

Após acompanhar de perto a vida de 723 pessoas ao longo de 26 anos, o estudo concluiu que aqueles que não dividiam os afazeres domésticos com a parceira tinham maiores problemas de saúde. Ansiedade, nervosismo e problemas de concentração eram alguns dos transtornos comuns aos, digamos, “preguiçosos”.

Por outro lado, aqueles que topavam fazer metade dos serviços, se apresentavam mais tranquilos e felizes. Na outra ponta, as mulheres que não contam com a ajuda masculina se tornam mais vulneráveis às doenças.

Com menos armas, Brasil tem três vezes mais mortes a tiro que os EUA

Apesar do número bem inferior de armas de fogo em circulação entre a população do que nos Estados Unidos, o Brasil registrou, em 2010, 36 mil vítimas fatais de tiros.

O total é 3,7 vezes o registrado pelos americanos, que tiveram 9.960 mortes, colocando o país no topo dos que mais registram óbitos por arma de fogo no mundo.

Os números oficiais foram recolhidos por um relatório do Escritório da ONU contra Drogas e Crimes (UNODC, na sigla em inglês). Os dados do Brasil foram fornecidos pelo Ministério da Saúde.

Nos Estados Unidos, o debate sobre o porte de armas voltou à tona após o massacre em uma escola no Estado americano de Connecticut que resultou na morte de 20 crianças e 6 adultos.

Barbas possuem mais sujeira que vaso sanitário, alerta microbiologista

Um microbiologista vem alertando que as barbas podem conter mais sujeira que um vaso sanitário.

Um estudo feito pela empresa norte-americana Quest Diagnostics, no Novo México, EUA, afirma que as barbas podem conter inúmeras bactérias.

O Microbiologista John GOLOBIČ relatou que, ao examinar várias barbas, constatou que muitas delas continham bactérias, o que é normal.

A surpresa foi que algumas possuíam bactérias encontradas em material fecal.

Um microbiologista vem alertando que as barbas podem conter mais sujeira que um vaso sanitário.

Um estudo feito pela empresa norte-americana Quest Diagnostics, no Novo México, EUA, afirma que as barbas podem conter inúmeras bactérias.

O Microbiologista John GOLOBIČ relatou que, ao examinar várias barbas, constatou que muitas delas continham bactérias, o que é normal.

Quem transa mais recebe melhores salários, aponta estudo

Transar muito pode te ajudar a pagar as contas no fim do mês. E não, não se trata de prostituição. Segundo um estudo britânico, pessoas que fazem sexo duas ou três vezes por semana ganham 4,5% mais em seus empregos em comparação às pessoas que transam menos vezes.

Os testes ainda apontam que funcionários que vivem à base de medicamentos transam menos. O estudo diz que esse tipo de pessoa é 5,4% menos ativo sexualmente em relação aos demais, o que faz com quem, proporcionalmente, seus rendimentos sejam menores no final do mês.

O estudo foi conduzido por Nick Drydakis, professor de economia da Universidade Anglia Ruskin. Para chegar ao resultado, ele fez uma pesquisa comportamental envolvendo mais de 7,5 mil pessoas.

Um em cada dez adolescentes britânicos 'já fez ou participou de vídeos eróticos'

Pelo menos um em cada dez adolescentes na Grã-Bretanha já teria participado de ou feito vídeos com sexo explícito.

A impressionante estatística surgiu num estudo conjunto das ONGs britânicas de defesa dos direitos infanto-juvenis NSPCC e Childline, em que foram entrevistados 700 adolescentes com idades de 12 a 13 anos.

Divulgado nesta terça-feira, o estudo mostra um quadro preocupante de exposição a conteúdo explícito, sobretudo na internet. Pelo menos 20% dos entrevistados disseram ter visto imagens que os chocaram.

Para a NSPCC, consumir pornografia está se transformando numa atividade cotidiana e cerca de 10% dos entrevistados temem estar ficando "viciados" em pornografia.

A Childline, que conta com um serviço telefônico de apoio para crianças e adolescentes, lançou uma campanha de conscientização e de aconselhamento específico sobre os efeito do consumo de material pornográfico.

Filho de suicida investiga por que tantos homens se matam na faixa dos 40

O suicídio leva um número preocupante de vidas em todo o mundo e, no Reino Unido, os homens sofrem um risco muito maior do que as mulheres. Simon Jack, cujo pai cometeu suicídio, tentou investigar as razões.

Os 44 anos de idade, uma idade não muito memorável para a maioria das pessoas mas, no meu caso, foi um aniversário que sempre terá uma importância especial. Foi a idade em que meu pai cometeu suicídio, há 25 anos, por razões que ainda não consegui esclarecer totalmente.

Como resultado, sempre fui muito sensível em relação a histórias sobre suicídio no noticiário e notei também a frequência com que estas histórias envolviam homens.

Genes influenciam propensão à infidelidade, diz estudo

O desejo de trair pode ser hereditário, segundo indica um estudo de pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália.

Os pesquisadores concluíram que variações genéticas podem fazer com que tanto homens quanto mulheres tenham maior propensão a cometer adultétio.

O estudo, publicado na revista científica Evolution & Human Behaviour, analisou o comportamento de mais de 7 mil pares de gêmeos na Finlândia, com idades de 18 a 49 anos, todos em relacionamentos estáveis.

Os pesquisadores compararam as diferenças de comportamento entre casais de gêmeos: os idênticos, que compartilham todos os genes, e os fraternos, que apresentam diferenças.

Cerca de 10% dos homens e 6,4% das mulheres tinham pulado a cerca no ano anterior.

Os resultados sugerem que 63% do comportamento infiel nos homens e 40% nas mulheres podem ser atribuídos à herança genética.

 

Estudo descobre semelhança genética entre amigos

Um estudo de uma polêmica dupla de cientistas americanos indica que somos tão parecidos geneticamente com nossos amigos quanto com parentes distantes.

Ao analisar as diferenças entre 2 mil pessoas, recrutadas em uma pequena cidade dos Estados Unidos para um estudo sobre coração, os dois cientistas identificaram que amigos compartilham 0,1% mais DNA, em média, do que pessoas que não se conhecem.

Apesar de pequena, essa similaridade é a mesma encontrada entre primos de quarto grau.

Outros pesquisadores demontraram ceticismo quanto ao estudo, que foi publicado no periódico da Academia Nacional de Ciência americana.

"São decobertas incomuns, e isso normalmente desperta críticas de outros cientistas", disse James Fowler, um dos autores do estudo e professor de Medicina Genética e Política Científica da Universidade da Califórnia, em San Diego.

Pesquisa indica por que mosquitos picam algumas pessoas mais que outras

Por que mosquitos picam algumas pessoas mais do que outras? Segundo um estudo, isso poderia estar ligado aos genes que controlam o odor corporal.

Cientistas da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos agruparam 19 gêmeos não-idênticos e 18 gêmeos idênticos para testar a atração a mosquitos.

Eles descobriram que gêmeos idênticos atraíam a mesma quantidade de picadas, sugerindo a influência de fatores genéticas nesse processo.

Em uma série de testes, cada gêmeo colocou uma mão no final de um túnel de vento em formato de "Y". Então, bombeou-se ar para dentro do túnel, levando consigo odor. Depois, enxames de mosquitos foram liberados, movendo-se para longe ou perto de cada mão.

Divorciados têm risco maior de ataques cardíacos, diz estudo

Divorciados são mais propensos a sofrer ataques cardíacos do que pessoas que permanecem casadas, segundo uma pesquisa da Universidade Duke, nos Estados Unidos.

Uma análise de 15.827 pessoas mostrou que as mulheres são as mais afetadas, e este risco quase não foi alterado mesmo depois de elas casarem novamente.

O estudo, publicado no periódico científico Circulation, avalia que estresse crônico, como o enfrentado em processos de divórcio, tem um impacto de longo prazo no organismo.

Ao longo da pesquisa, realizada entre 1992 e 2010, cerca de uma a cada três pessoas se divorciou.

Os cientistas descobriram que mulheres que passaram por um divórcio têm 24% mais chances de sofrer um ataque cardíaco do que aquelas que ficaram casadas. O risco aumentou para 77% quando a mulher tinha enfrentado mais de um divórcio.

Entre homens, as chances aumentaram 10% após um divórcio e 30% após mais de um.

Estudo questiona aptidões de James Bond devido ao uso excessivo de álcool

Um estudo foi realizado para quantificar o consumo de álcool de James Bond conforme detalhado na série de romances de Ian Fleming. Todos os 14 livros de James Bond foram lidos por dois dos autores de uma nova pesquisa, publicada na revista médica BMJ.

Notas foram realizadas detalhando cada bebida alcoólica ingerida. Níveis predefinidos de unidades de álcool foram utilizados para calcular o consumo.

Após a exclusão dos dias em que James Bond não foi capaz de beber, seu consumo semanal de álcool foi de 92 unidades por semana, mais de quatro vezes a quantidade recomendada. Seu consumo máximo diário foi de 49,8 unidades. Ele passou apenas 12,5 dias sem álcool em 87,5 dias em que ele era capaz de beber.

Descoberta correlação entre religiosidade, anatomia do cérebro e depressão

Estudos anteriores relataram um risco de depressão 90% menor em adultos filhos de mulheres deprimidas, quando estes relataram que a religião ou a espiritualidade eram muito importantes em suas vidas.

Os achados de estudos anteriores de imaginologia cerebral nessas famílias de alto risco também revelaram grandes extensões de afinamento cortical em toda a superfície lateral do hemisfério cerebral direito.

Um novo estudo, publicado na revista JAMA Psychiatry buscou determinar se os adultos de alto risco que relataram alta importância da religião ou espiritualidade tinham córtices mais espessos do que aqueles que relataram importância moderada ou baixa de religião ou espiritualidade.

Compartilhamento de bicicletas alugadas traz benefícios para a saúde

Um novo estudo avaliou 578.607 usuários do sistema de aluguel de bicicletas de Londres, com 14 anos ou mais, para examinar o efeito desse sistema na saúde humana. Este é um sistema que tem crescido e cada vez tem tido mais adeptos.

As principais medidas de resultados da pesquisa foram avaliados em anos de vida ajustados por incapacidade, com base em impactos relativos à incidência de doenças e ferimentos, avaliados através das mudanças de médio prazo na atividade física, acidentes de trânsito, e exposição à poluição do ar.

Durante o ano os usuários fizeram 7,4 milhões de viagens com bicicletas alugadas (71% do tempo por homens).

Mulheres que consomem mais refrigerantes dietéticos apresentam risco cardiovascular aumentado

Um estudo apresentado no congresso do American College of Cardiology, em Washington, nos Estados Unidos,  na semana passada conduzido pelo Dr. Ankur Vyas , da Universidade de Iowa verificou que as mulheres na pós-menopausa que consumiram dois ou mais refrigerantes dietéticos por dia tinham 30 por cento mais probabilidade de sofrer um evento cardiovascular e 50 por cento mais probabilidades de morrer de doença cardiovascular relacionada, em relação às mulheres que nunca, ou raramente, consumiram bebidas dietéticas .

Uso indiscriminado de testosterona ligado a riscos cardíacos

Uma pesquisa publicada na revista JAMA Internal Medicine indica que as prescrições de testosterona nos Estados Unidos mais do que triplicaram na última década. No entanto, os pesquisadores suspeitam que grande quantidade da testosterona dispensada em clínicas especializadas não é controlada, uma vez que muitas vezes é comprada com dinheiro vivo.

Em número crescente, os médicos estão reclamando que as pesquisas já realizadas sobre a segurança dos adesivos de testosterona, cremes e emolientes não são conclusivas, deixando os médicos e pacientes incertos sobre como e se devem tratar casos de "baixa testosterona”.

Agora, uma sequência de estudos liga a suplementação de testosterona ao aumento de infartos do coração (ataques cardíacos) e riscos de acidente vascular cerebral (derrame) – AVC.

Cerveja pode reduzir artrite reumatoide em mulheres, diz estudo

Tomar uma cerveja algumas vezes por semana pode ajudar as mulheres a evitar uma dolorosa artrite reumatoide, sugere um novo estudo .

A doença, que afeta mais as mulheres do que os homens, é uma forma de artrite associada à disfunção do sistema imunológico. De acordo com a Arthritis Foundation, mais de 1,5 milhões de americanos sofrem da doença, que normalmente começa na década de 20 ou 30 anos.

No entanto, a longo prazo, o consumo moderado de álcool pode reduzir o desenvolvimento futuro da artrite reumatoide em mulheres, segundo pesquisadores do Hospital Brigham and Women e Harvard Medical School, em Boston. No geral, o uso moderado de qualquer forma de álcool reduziu o risco em cerca de 21 por cento, mas beber cerveja moderadamente – 2 a 4 cervejas por semana – diminui as chances das mulheres para a doença em quase um terço, segundo o estudo.

Adolescentes obesos tem menos amigos

Até que ponto a obesidade na adolescência é importante no convício social? Um novo estudo descobriu que os adolescentes obesos são mais propensos a enfrentar a rejeição por seus pares.

No estudo, da Arizona State University, pesquisadores analisaram dados de de quase 59 mil estudantes, com média de 15 anos de idade, de 88 escolas. Cerca de um quinto dos alunos forneceu informações sobre seu índice de massa corporal (IMC) - uma medida usada para determinar se alguém tem um peso saudável, compatível com a sua altura.

Os alunos também listaram seus cinco melhores amigos do sexo feminino e seus cinco amigos masculinos mais próximos. Os pesquisadores examinaram então como e quando os adolescentes fizeram amigos - por exemplo, se eles se conheceram por meio de atividades ou amigos em comum ou se eles tinham interesses comuns.

Certas cenas de filmes podem ser perigosas para corações doentes

O estresse mental e as emoções têm sido associados com arritmias ventriculares e morte súbita em modelos animais e humanos. E agora, um novo estudo indica: cenas intensas e dramáticas em filmes podem ser perigosas para os espectadores com o coração já fraco (já portadores de doenças cardíacas).

A nova pesquisa, publicada na revista médica Circulation: Arrhythmia and Electrophysiology, mediu a pressão arterial, avaliou o ritmo cardíaco e  a velocidade da respiração de 19 pacientes cardíacos enquanto assistiam a uma cena de filme de uma escalada de montanha, de cinco minutos de duração.

Casais lésbicos apresentam menor nível de estresse em relação aos seus filhos

Um estudo publicado na revista Acta Paediatrica avaliou o estresse parental em casais de mães lésbicas e comparou os dados obtidos com pais heterossexuais, após fertilização in vitro (FIV) ou gravidez espontânea.

Esta pesquisa ocorreu durante o período de 2005 a 2008 e fez parte do estudo multicêntrico sueco sobre doação de gametas. Foi composta por 131 mães lésbicas, 83 pais heterossexuais de fertilização in vitro, que usaram seus próprios gametas, e 118 pais de gravidez espontânea.

Os participantes responderam ao questionário quando a criança tinha entre 12 e 36 meses de idade. O estresse parental foi aferido pelo “Swedish Parenting Stress Questionnaire (SPSQ)”.

Desejo e excitação são uma coisa só?

Como homens e mulheres definem o desejo sexual e a excitação sexual, e como eles distinguem entre os dois? Este foi o tema de um novo estudo publicado recentemente.

Os autores da pesquisa realizaram 32 entrevistas semiestruturadas com indivíduos no Sudeste da Inglaterra, usando uma estratégia de amostragem proposital para maximizar a variação na experiência da função sexual em todo o grupo.

Os autores identificaram três critérios utilizados pelos participantes para definir e distinguir entre o desejo e a excitação: a sequência em que ocorreram; se a mente ou o corpo (ou ambos) estavam envolvidos; e até que ponto os sentimentos de desejo ou excitação foram responsivos (em resposta a pessoa ou estímulo) e motivacional ( orientado para um objetivo ).


Conteúdo sindicalizado