Nota 10

warning: Creating default object from empty value in /home/maite/public_html/modules/taxonomy/taxonomy.module on line 1390.

Aprenda a dobrar seus lençóis com elastico sem os deixar embolados

Não sei vocês .... mas eu sempre tive problemas em dobrar decente os lencois de elastico.... ai um jeito que fiz e funcionou... ficou super lindinhooo

 

ELVIS & MADONNA - um super filme de Marcelo Laffitte

 

Ambientada em Copacabana, a paixão que une uma fotógrafa e uma travesti que sonha em fazer um grande show do estilo Teatro de Revista. Um super filme do diretor Marcelo Laffitte....Veja abaixo este super filme na íntegra

Os quadrinistas Laerte Coutinho e Raffa Coutinho encenam o espetáculo "A Joias

Os quadrinistas Laerte Coutinho e Raffa Coutinho encenam o espetáculo "A Joias", com direção de Fernanda D'Umbra.

Imperdível este video abaixo.. mega recomendo..

 

The Magnetic Fields - Andrew In Drag

"Andrew In Drag" is the first single from The Magnetic Field's new album "Love At The Bottom Of The Sea" (out March 5th).

Confira o super vídeo logo abaixo

“Roda colorida que cega”: a melhor ilusão de 2011


Seu navegador não suporta o vídeo.


A ilusão acima é a vencedora deste ano do concurso de Melhor Ilusão, realizado em Naples, Flórida, EUA. Ela foi criada por Jordan Suchow e George Alvarez, da Universidade de Harvard, EUA, e sua proposta é afetar o modo como percebemos as mudanças de cor.

Enquanto você vê a animação acima, fixe os olhos no ponto branco do centro. Quando os círculos ao redor estão parados, você notará que os pontos coloridos mudam de cor. Mas, conforme a roda gira, os pontos parecem mudar de cor com menos frequência ou parecem não mudar de cor. Só que, na realidade, as cores estão mudando no mesmo ritmo.

Seus criadores acreditam que o fenômeno, denominado “cegueira de mudança”, ocorre porque áreas cerebrais específicas monitoram locais diferentes de nosso campo visual. Quando um objeto se move rápido demais, os detectores locais não têm muito tempo para registrar as mudanças de cor que podem passar despercebidas.

Tal truque não funciona só com cores. Uma outra versão da ilusão mostra como as variações de movimento podem mascarar em forma e tom também.[NewScientist]

 

Pássaros de verdade enviam mensagens pelo Twitter

Uma revista da Letônia achou que era injusto que os pássaros não pudessem tuitar. Afinal, o microblog foi nomeado em homenagem ao som emitido pelas aves (“tweet” em inglês significa “pio”; “twitter”, portanto, seria o lugar onde esses pios são emitidos). Além disso, ainda existe o pássaro azul, símbolo da rede social. Por isso, a publicação letã decidiu configurar um serviço que lhes permite partilhar os seus pensamentos com o mundo. 

Voldemars Dudum, o fundador do site BirdsOnTwitter.com, sempre foi um grande amante dos pássaros grande, e enquanto alimentava-os de gordura de porco durante um inverno, ele teve a brilhante ideia de dar-lhes a oportunidade de twitar por eles mesmos. Ao fixar pequenos pedaços de carne de porco sem sal em teclas do teclado, as aves conseguem postar suas próprias mensagens na rede social.

A gordura é ligada às teclas com pequenos parafusos de aço inoxidável que aumenta a sensibilidade dos toques, uma vez que os pássaros usados no experimento são leves demais para pressionar uma tecla normal com seus bicos. A foto a seguir mostra o teclado adaptado para a função de dar voz aos passarinhos.

A estação dos tuítes das aves está montada na pequena aldeia de Sarnate, a 200km da capital Riga. No inverno da aldeia, as temperaturas podem atingir congelantes -20 graus Celsius. Comer gordura de porco ajuda os pássaros a sobreviverem a temperaturas adversas, e agora ainda lhes dá a chance de enviar mensagens para todo o mundo.

As aves letãs enviam cerca de 150 mensagens no Twitter, em média. Entre as mais populares estão pérolas como “lololol”, “wowowow” ou “aiaiai”. Pode não perecer lá muito interessante para você, mas saiba que os pássaros já são seguidos por outros 760 usuários do Twitter. [OddityCentral]

Sentiu-se enjoado com “Avatar”? Teste a sua visão 3-D

Quando os primeiros filmes em 3-D começaram a invadir os cinemas, a jornalista Suzanne Kantra estava animada para levar os filhos para ver a novidade com os próprios olhos. As crianças adoraram os novos efeitos, mas ela nem tanto. Kantra percebeu que os efeitos 3-D só lhe davam dor de cabeça.

Ela então procurou o médico Dominick Maino, professor de pediatria e de visão binocular da Faculdade de Optometria de Illinois, Estados Unidos. Kantra descobriu o que lhe afligia: ela tinha um dos sintomas de um problema de visão binocular, que interfere na visualização em 3-D e também causa tontura, náusea e falta de percepção de profundidade.

E o problema não é raro: afeta cerca de 16% das pessoas, mas poucos se dão conta que possuem problema de visão em 3-D. Maino lembra que a visão binocular não serve apenas para assistir a filmes. Problemas na visão binocular podem afetar sua capacidade de se concentrar em uma página durante a leitura ou na bola durante a prática de esportes, ou ainda enquanto dirige um carro ou anda de bicicleta.

A maioria dos exames oftalmológicos não avaliam sua visão binocular. Porém, existe um teste simples e barato chamado de “Brock String”, que pode ser feito em casa para ver quão bem os olhos trabalham juntos.

Para realizar o teste, tudo que você precisa é de um pedaço de corda que meça aproximadamente o comprimento do seu braço. Dê um nó no meio, e depois um nó a cerca de 5 a 10 cm de cada extremidade. Segure a corda perto do seu nariz, com o nó mais próximo a cerca de 5 cm do nariz. Verifique se o seu dedo não está obscurecendo sua linha de visão e você está pronto para começar.

Primeiro, verifique quantos nós você enxerga quando olha para o nó do centro. Você deverá ver um só. Se você vir dois, pode ser sinal de visão dupla ou diplopia. Consulte seu oftalmologista.

Em seguida, verifique quantas cordas você enxergar ao se concentrar no nó central. Você deverá ver duas, atravessando o nó no meio. Se você não vir as duas, é sinal de que não é capaz de enxergar em 3-D.

Se você consegue ver as duas cordas, o próximo passo é determinar onde as cordas se cruzam. Se elas passam pelo nó central, seus olhos provavelmente funcionam bem juntos e você não encontra dificuldade em ver 3-D. Se elas se cruzam na frente do nó central, você tem “excesso de convergência”. E se, ainda, você enxergar a cruzamento na parte de trás do nó central, você tem a “insuficiência de convergência.”

(Ficou confuso? Aqui está uma simples, embora um pouco chata, demonstração de vídeo do teste).

 


Seu navegador não suporta o vídeo.

Felizmente, estes problemas podem muitas vezes ser corrigido com óculos ou visão terapêutica optométrica. Por isso, faça o teste “Brock String” para ver como anda a sua visão. Se você fizer parte do grupo dos 16%, procura seu oftalmologista e deixe de sentir náuseas toda vez que for ao cinema. [DigitalLifeMSN]


Conteúdo sindicalizado