Gay

Xandão, um carioca fudedor (Traçando 2 no motel)

O banheirão da estação estava movimentado, nosso amigo fudedor cumpria o ritual de se posicionar frente ao mictorio e urinar fartamente, chacoalhar o material e deixar escorrer as últimas gotas enquanto percebe os caras ao lado se esgueirando, tensos, curiosos, atentos, lutando p ser notados. Era sempre assim, mas nosso amigo escolhia a dedo com quem ele ia ficar, afinal, ele tinha poder p isso e exercia. Um cara tentou tocar seu mastro, mas ele se esgueirou, estava interessado num outro negro alto e magro q estava mais no canto e fez sinal p que ele se aproximasse. O cara mamava Xandão ali mesmo, junto ao mictório com cerca de 8 ou 10 pessoas apreciando e babando de tesao e mais uns 2 caras adiante se mamando tbem, alheios ao movimento. Alguns se masturbavam, mordiam os lábios, e outros vigiavam a porta de entrada,mas sem querer perder um só segundo das cenas. Agora, mais um estava ajoelhado mamando Xandão junto com o primeiro, lado a lado eles dividiam aquele cacete majestoso, um lambia os bagos, outro a cabeçona da pica, seus lábios se encontravam as vezes. Nesse momento xandão já tinha 4 pendurados nele, dois no pau e um em cada mamilo, mamando-os, bem como ele gosta e bem como um macho como ele merece. Nesses locais, tem que se ficar atento ao movimento e, quando surge alguém,a té q se prove que a pessoa curte, é prudente disfarçar ou até mesmo se esconder nas cabines do vaso sanitário. Como quase sempre acontecia, Xandão era convidado p ir a moteis ali da redondeza e nesse dia ele levou o negro magrelo e mais o outro que mamava o seu pau para terminar a brincadeira de forma mais confortável. Sob o olhar de lamentação de todos do local,os 3 partiram e em menos de 10 minutos, xandão já se encontrava sentadão numa poltrona e os dois caras aos seus pés, beijando, lambendo, acariciando e chupando seu saco, coxa e cacetão, como se fosse um saboroso sorvete de chocolate num dia de verão intenso.

Xandão tinha 27 anos e bastante experiencia em sexo,não tinha tipo predileto, bastava a pessoa despertar seu tesão, além de Michel, o negro de 28 anos, ele tinha Jonathan, esse era branco e disse ter 34 e era um desses tipos q a gente chama de urso, peludo e parrudo. Xandão dava ordens para q cada um lambesse tbem seus pés e panturrilha, era delicioso p ele ver dois machos ali subjulgados rendendo aquela homenagem a ele. Ele gostava tbem q babassem bem o pau dele na hora de mamar e os dois faziam isso com mestria. Para animar a festa, posicionou os dois lado a lado de 4 na cama e linguava suas bundas, ora uma ora outra enquanto eles se beijavam e gemiam gostando do tratamento, dava tbem uns tapas bem dados e estalados nos dois, que retribuíam com gemidos “Ui, au, au, ai, hum, hum, ui”. Ele adorava essas reações e adorava tbem saber q havia duas bundas submissas p saborear . E saboreou. O primeiro a levar ferro foi Jonathan,não havia como lubrificar então usaram saliva mesmo, xandão empurrou sua pica pra dentro daquele buraco ornado com pelos sem dó nem piedade e começou a comer com força enquanto michel auxiliava abrindo a bunda do parceiro p pica entrar com mais facilidade. O cara era sacudido violentamente com as estocadas de xandão e acabou dobrando o joelho e deitando de bruços, onde nosso amigo foi por cima e carcou ainda com mais volúpia e os gemidos ecoavam pelo quarto. Xandão botou jonatham de 4 novamente e ordenou q ele mamasse michel, a cena era linda, o passivo sentia seu cu quase se dilacerando, afinal, tinha dentro dele 22 cm de carne possante latejando e em sua boca mais 17 cm que ele tantava se concentrar p abocanhar. Xandão anunciou ser a vez de michel levar, mas esse afirmou q não sabia se iria aguentar, mas xandão resolveu logo a questão com apenas uma frase: “ se veio aqui tem q aguentar, parceiro, fica de franguinho assado aí e sem dar um pio!!” michel lançou um olhar amedrontado e obedeceu.

Logo a pica de xandão, envolvida pela camisinha, já escorregava p dentro do mulek, q mordia os lábios e apertava o lençol velho da cama. Ele entrou fundo em michel, mandando ver com metidas cada vez mais vorazes, suas bolas batiam sem sua bunda e jonathan olhava meio assustado, xandão tirava o pau e metia novamente em seguida: “ Puta q pariu” gritava o passivo, provocando risos nos dois, xandão não perdoava e bombava, bombava, bombava com furôr, gostava de ber o cara se contorcendo e tentando escapar das pirocadas, sem sucesso. “ argh, unfh, ai, ai cara, ai irmão, uau, ai” mas o “irmão” não era qualquer um, era xandão e ele tava como sempre, com muita, muita fome de cu. Com um só gesto, virou michel e o pôs de 4 pra levar mais pica e ainda mandou o cara mamar jonatham, a pica de jonatham era minúscula e feia e michel pensou em não mamar, mas ficou com medo e cedeu. Eis que em menos de 3 minutos de mamada, jhonatan começou a gemer e só foi o tempo de michel tirar o pau da boca e o cara gozou. Xandão ficou puto, tirou a pica de michel, botou jhonatam apoiado na parede e meteu a vara nele, aplicando-lhe vigorosas pirocadas e tbem tapas em sua bunda q ia ficando vermelha, enquanto michel parava ao lado e olhava com um leve ar de riso, como se tivesse dizendo : bem feito mané! Xandão comeu jhonatan até a hora q muito bem quis e na hora de gozar, os dois tiveram q ajoelhar em sua frente p ter a cara premiada com leite daquele macho moreno e insaciável. Já passava das 20h qdo nosso guerreiro finalmente embarcou no trem para casa, mas não embarcou em qualquer vagão, e sim naquele onde ele sabia q alguem poderia ir patolando seu cacete no meio do aperto do vagão lotado.

 

junior.mpg@hotmail.com

 

O retorno inesperado do ex

Saí do escritório, após mais um dia de trabalho, muito cansado. O dia fora puxado. Tudo o que eu queria era tomar um banho, jantar e enfiar-me na cama.

Já no ponto, peguei o primeiro ônibus que passava, lotado como sempre. Cheguei em casa às oito da noite. Assim que entrei, notei algo diferente pelo ar. Senti um aroma de incenso de rosas perpassando por toda a sala de estar. Senti, igualmente, o cheiro de uma outra pessoa, velha conhecida minha. “Não é possível”, pensei. “Devo estar sonhando, ou imaginando coisas”. Fui para a cozinha, onde havia sinais de que alguém fizera café por ali. O café ainda estava bem quente dentro da garrafa térmica.

Atravessei a sala a toda pressa, indo até o meu quarto. Foi lá que tudo se tornou claro para mim. Uma mochila que me era familiar estava aberta em cima do colchão; alguns cosméticos e vidros de perfumes espalhados por sobre a cômoda, e o armário estava entreaberto. Vi algumas camisas e calças que não me pertenciam. Na sapateira, dois pares de sapatos e um de tênis meio gasto, estranhos à minha coleção. Afora uma caixa imensa contendo CD’s, DVD’s e livros, jogada a um canto, no chão.

Minha reação a isso – meu Deus, será que é ele? – o meu ex-namorado Milo em minha casa - foi de alegria completa. De alguma maneira, era prova de que Milo havia me perdoado pelas cagadas que andei fazendo com ele, pobrezinho – eu presumira. Estávamos separados há uns seis meses, depois de tanto sofrimento e decepção que lhe causei. Nem gosto de me lembrar. Andei num período de muita decadência, bebendo que nem gambá, e gastando todo o meu dinheiro com futilidades. Não podia mais pisar num shopping, que só ia comprar nas lojas mais caras. O meu salário de consultor financeiro numa multinacional já não comportava mais os meus rompantes. Me endividei até a tampa em todos os cartões de crédito que possuía; fiz empréstimos, um atrás do outro; me enrolei todo. Chegou a um ponto que não tinha o dinheiro da condução. E Milo agüentou a barra comigo durante dois anos inteiros. Além de ir me buscar bêbado pra cacete nos bares que eu freqüentava, ele me dava o seu suado dinheirinho, ganho honestamente como simples bancário, segurando praticamente a casa. Não podíamos contar com as nossas famílias, que nos rejeitaram por inteiro, assim que decidimos morar juntos, pra valer.

Isso prosseguiu até o dia em que, sem ele saber ou mesmo consentir, fiz uma jogada suja com o CPF dele. Eu estava desesperado pra pagar as minhas dívidas, pra obter mais dinheiro, mas não podia fazer grande coisa, pois o meu próprio CPF tinha ido para a restrição de crédito. A minha chefia na Multinacional me deu um prazo de um ano para resolver a situação, porque não pegava bem um consultor financeiro estar todo fodido na praça. A jogada com o CPF de Milo consistia, claro, num empréstimo altíssimo para o baixo salário dele como bancário. Mas eu havia falsificado o holerite dele, conseguindo o dinheiro com toda a minha lábia de consultor.

Vivemos muuito bem nos três primeiros meses, e Milo , espantado, me perguntava sempre qual era a origem daquela dinheirama toda. Eu mentia, dizendo que fora um prêmio de produtividade que ganhei. Até que, com o correr dos meses, não pude honrar o compromisso. Resultado: Milo passou a receber inúmeras cartas de cobrança da financeira, inclusive telefonemas, que o deixaram fora de si, quando descobriu o que eu havia feito. Na noite da nossa separação, quando cheguei em casa, ele estava com os olhos vermelhos de tanto chorar, sentado no sofá da sala, com as malas prontas para ir embora. Ao me ver, não disse nada, apenas voou no meu rosto, aplicando-me violento soco no olho esquerdo, pegou o que era dele e se mandou. Eu não revidei. Não tinha esse direito. Milo estava coberto de razão e nunca mais nos falamos, desde então.

Enquanto pensava neste triste passado, ouvi um barulho de chave na porta principal. Eu, que me encontrava sentado no sofá, acabando de sorver uma xícara daquele café da garrafa térmica, gelei da cabeça aos pés. Fiquei imóvel, com o coração na boca...

Seu jeitão de moleque travesso ainda era o mesmo, bonitão, loiro, com os cabelos espessos até quase à cintura; trajava-se com despretensiosa elegância nessa noite, camisa social, calça com vinco, mocassim; um perfume – que eu conhecia tão bem – Vetiver de Guerlain, o nosso preferido - rescendia do seu corpo ágil e atlético. Estava com um maço de rosas de todas as cores numa mão, uma garrafa de vinho na outra, e o molho de chaves na boca, ao virar-se para minha direção. Ele tomou um susto, aqueles lindos olhos azuis quase saltaram das órbitas, sua face corou ao ver-me. E surpreso, disse: “Ah, não pensei que já tivesse chegado... – começou – quero dizer, queria que fosse uma surpresinha!”. E colocou o maço de flores e o vinho na mesa para poder guardar melhor as chaves.

Eu não disse nada, não conseguia, pois estava tomado pela emoção. Senti os meus olhos umedecerem, eu ia chorar. Mas consegui abrir o mais lindo sorriso que pude para ele.

“Espero que você não se importe de eu ter voltado para cá. Meu pai me botou pra correr, de novo! E como eu tinha as chaves... “

Finalmente consegui dizer: “Tudo bem, Milo. Eu vi as suas coisas lá no quarto, e inclusive tomei o café que você preparou. Como você está, cara?”

Ele abaixou a cabeça, pondo as mãos nos bolsos, e iniciou o seu discurso: “Sabe, Tom, por mais cretino, por mais filho da puta que você tenha sido comigo, eu te amo. Eu te amo muito, mesmo com todos os teus defeitos, cara. Já se passaram seis meses, e eu não consegui me livrar de você um instante sequer. Você não saía dos meus pensamentos. Pensei em tanta coisa boa que a gente viveu juntos, o nosso sexo, os nossos passeios, as nossas risadas, os filmes que assistimos, as viagens que fizemos. O aconchego da nossa cama. O nosso dia-a-dia compartilhado, e tudo ia tão bem, até você começar a beber demais e se endividar, e depois me endividou também. Mas não agüentei mais ficar longe de você, e a gota d’água foi a briga recente com o meu pai. E eis-me aqui, de novo.”

Olhei para as flores e para a garrafa de vinho. “Pra que as flores e o vinho, Milo?”, e aí eu não me segurei, e chorando, corri para junto do seu peito, abraçando-o. No fundo, no fundo, eu tava morto de saudades dele. Do meu amor.

“As flores e o vinho são para celebrar o nosso retorno, querido. Vamos lutar juntos, vamos? A gente vai conseguir pagar tudo, olha, eu fui promovido a subgerente lá na agência. Estou ganhando um pouco mais. Tudo se resolverá, você vai ver.”

Mas eu não parava de chorar. Milo me acalentava em seu abraço apertado, me dava beijinhos pelo meu rosto molhado, me sacudia pra lá e pra cá, e eu rindo e chorando, feito um bobo alegre!

“Eu vou preparar a lasanha que deixei semi-pronta, e botar o vinho pra gelar um pouquinho, e arrumar as flores no seu bonito vaso chinês, Tom.”

“E eu acho que quero tomar um banho, meu amor!”

Depois de jantarmos, fomos para o quarto. Milo deu mais uma ajeitada nos seus pertences, e se preparou para deitar. Completamente pelado, como sempre, aliás, fazia, antes da nossa separação. Eu, que estava somente de roupão, tirei-o. E, deitados e nus, ficamos nos encarando por um longo tempo, sem nada dizer.

Inesperadamente, Milo se inclina sobre mim e prende com a sua boca deliciosa a pequena ponta do meu mamilo. E repousa uma das suas mãos nos meus cabelos, acariciando-os. Sacudi de tesão com o seu gesto carinhoso. Ele provocava o meu peitinho com a ponta da língua, com mordidinhas e chupões. O mamilo logo fica duro, e ele passa para o outro. Ser sugado nos meus mamilos me dá um puta tesão, eu adoro este tipo de carícia. E feita por alguém que a gente ama de verdade, não há nada que se compare!

Eu o observo. Os finos traços do rosto de Milo continuam serenos. Nem fazendo amor Milo perde a classe. Os seus belos olhos azuis são imensos agora, os lábios se movimentam com vontade e com volúpia nos bicos do meu peito. Dou um gritinho abafado, fico todo arrepiado, e ele sente o efeito devastador que exerce sobre mim. Passou a acariciar com muita leveza o meu pau, e como estava com saudades daquela mão na minha região íntima! Passo, a seguir, os braços em torno do seu lindo pescoço, e chupo-lhe agora os lábios. Milo os abre com sofreguidão, enfiando a sua língua com toda a força dentro da minha boca. O beijo de língua também era o nosso predileto. Às vezes chegávamos a gozar só nos beijando assim, e roçando os nossos corpos. Era tão bom.

Adivinho o prazer que Milo procura: apóio minhas mãos firmemente na sua grande bunda lisinha, e enfio a minha cara entre as bandas, descobrindo com a língua o caminho do orifício piscador do meu namorado. Vou lambendo, lambendo, e ele solta pelo seu ânus em fogo um sabor doce, suculento como uma fruta madura, recém colhida. De longe, ouço Milo falar palavrões e porras e caralhos, e ele agora tem espasmos anais bem dentro do meu rosto. Sei que ele está tendo um prazer imenso pelo cuzinho, só de eu meter a minha lingüinha atrevida lá. Mas ele quer mais, e eu também. Não estamos, em absoluto, saciados. A noite é uma criança!

O suor intenso escorria pelos nossos corpos em abundância, e o peso do cuzinho de Milo agora me sufoca um pouco. Me levanto, e ele se deita, ficando em posição de frango assado; esta é a posição em que Milo mais gosta de levar pica. Aliás, meu namorado querido só se satisfaz mesmo tomando vara de frango assado. Como deixar de comer uma criaturinha, assim, tão adorável?
Milo suspira profundamente, preparando-se para tomar no cu. Estende os braços ao longo do belo corpo, fecha os olhos, afastando para trás as pernocas compridas o máximo que pode. Lambuzo a sua ampola retal com o KY. Ele geme. E me diz: “Tom, amo você!”

Comecei colocando a cabeçorra do meu pau toda, de uma vez, no cu de Milo. Doeu, tadinho. Ele disse pra ir mais devagar. Mas como a cabeçorra já estava enterrada, completei com o resto, preenchendo-o de tal maneira que ele chorava baixinho. Iniciei, então, uma série de movimentos calmos de pequenas estocadas retas e depois, rebolando o meu cacete no buraquinho dele, e ia alternando isso, tal como tinha aprendido a técnica na nossa viagem a Amsterdan, em 2007. O emprego dessa técnica produziu os resultados que pretendia, pois logo Milo urrava de prazer, implorando que eu colocasse mais e mais o meu pênis dentro dele. Eu fiquei muitíssimo feliz, ao ver o quanto Milo se deliciava comigo, e gritava que me amava, e que a gente era feito mesmo um para o outro. E, bem dentro da minha mente, eu sabia que era verdade. Antes de Milo, todos os outros relacionamentos nada significaram para mim. Mas com ele, eu me completava inteiramente.

Em seguida, para minha própria surpresa, senti uma incrível onda de prazer invadir-me o corpo. Sem querer isto tão depressa, notei que se aproximava o momento do meu gozo, então enfiei a piroca nele o mais fundo que eu pude, me afogando nas águas do prazer ainda mais. Milo deu um murro na cama, de repente, se contorcendo todo, o que me forçou a abrir os olhos. Jatos e mais jatos fortes do seu leite fluíam alucinadamente por toda a nossa cama. Não deu um minuto, e eu me esbaldei num orgasmo de matar. Não me lembro de ter ejaculado tanto assim, nos meus 28 anos de vida!

Desengatamo-nos um do outro, sorridentes e exaustos. Meu namorado me abraçou tão ternamente, que pensei que fosse desmaiar de tanta luxúria. Nos beijamos demoradamente. Milo, então, pegou as taças e o vinho que trouxemos para o quarto, e as encheu, enquanto eu colocava no CD Player a nossa música especial, que sempre forneceu um pano de fundo a toda a nossa história de amor: a música chama-se THERE IS NO GREATER LOVE, interpretada pela excelente cantora que foi DINAH WASHINGTON (1924-1963). A letra resume, magistralmente, o meu romance com Milo:

Năo há amor maior
Do que o que eu sinto por vocę.
Nenhuma cançăo mais doce, nenhum coraçăo tăo verdadeiro;

Năo há emoçăo maior
Do que a que vocę traz pra mim;
Nenhuma cançăo mais doce
Do que a que vocę canta pra mim, canta pra mim.

Vocę é a coisa mais doce
Que eu conheço...
E pensar que vocę é totalmente meu!

Năo há amor maior
Em todo o mundo, é verdade!
Nenhum amor maior
Do que o que eu sinto por vocę!

“Sabe, amor, o que é o melhor depois de uma separaçăo?”, perguntou-me Milo, após tragar um gole voraz do vinho.
Sem me dar ao trabalho de pensar, disse logo que năo sabia.
“É a possibilidade de voltar, de fazer as pazes, de se perdoar mutuamente. É uma delícia. A gente pőe uma pedra em cima do passado, e segue adiante. Formidável, năo acha?”, falou Milo, e năo conseguimos controlar uma gostosa gargalhada!

Autor: Helther Silva
E-mail: jucecor@ig.com.br

Genética

Sou casado, tenho trinta anos e sempre gostei de mulher, (e ainda gosto).
Certo dia, resolvi ler um conto erótico que envolvia algo que tão logo despontaria em mim também.
O relato envolvia 2 homens sendo que um ativo e outro somente queria ser passivo, mas que era casado.
Ao ler o relato fiquei muito excitado, mas instantâneamente neguei-me essa possibilidade. O que aconteceu foi que isso não saiu mais da minha cabeça, e então secretamente decidi descobrir se era algo que realmente eu queria ou se era uma simples impressão.
Comprei então um consolo de 15x4, aluguei um filme erótico e agi exatamente como acontecia no filme. A partir daquele momento eu sabia que não poderia mais viver sem aquilo. Mas ao contrário de muitos não perdi o apetite pelas mulheres. Muito pelo contrário. Fez aumentar meu desejo sexual. Logo comprei um consolo maior de 20x5 e logo mais passei a deliciar-me com outro de 24x6.
Algum tempo depois senti a necessidade de algo real e coloquei um anúncio oferecendo-me para homens que tinham interesse nesse gênero. Logo surgiram muitos contatos mas até que consegui um contato real foram aproximadamente 6 meses de trocas de e-mails e telefonemas sem resultados. Foi então que apareceu Gilberto. Um moreno alto muito educado que me convidou para ir à Florianópolis para nos conhecermos.  Fui até lá e foi aí que tive minha primeira aventura como passivo. Transamos por alguns meses e depois de uma das transas falei pra ele que queria transar com dois ou três homens e ele disse que poderia arrumar alguém que também curtia. Foi então que conheci Kauan, Um negro desses poucos bonitos super educados, forte, alto e super refinado. É Aí que meu relato começa.

Cheguei ao apartamento de Gilberto em torno de 20:00 de um sábado muito chuvoso. Ele me recebeu como sempre e logo me apresentou Kauan. Sentamos na sala e tivemos uma conversa agradável sobre muitas coisas, menos sexo. Com a bebida que ingeríamos fomos nos soltando e lá pelas 23:00 o clima esquentou.  Pedi licença para ir ao banheiro tomar um banho e fazer uma ducha para evitar qualquer desagrado, pois nada poderia dar errado, eu esperava a muito tempo por isso. Os dois fizeram o mesmo. Seguiram para o outro banheiro e tomaram um bom banho também. Como eu demorei mais, ao chegar na sala encontrei Gilberto nu e Kauan só vestido com um Box branco, contrastante à cor da pele. Assistiam a um filme pornô e eu já via seus enormes membros a minha espera. Gilberto masturbava seu penis de 18X5 enquanto kauan só me olhava. Kauan logo colocou seu pau pra fora e pediu se eu queria chupá-lo. Imediatamente despi-me do pouco que tinha e sentei no sofá da sala enquanto os dois se posicionavam à minha frente com os cacetes apontando para cima. O Pau de Kauan era comprido e muito grosso. Comecei a sugá-los sem parar. Eu salivava muito e não dava conta da saliva que descia boca afora. Fomos então para o quarto de Gilberto onde há uma cama enorme. Gilberto se deitou e mandou que eu continuasse chupando se cacete. Foi o que fiz. Fiquei de 4 e no mesmo momento senti kauan me puxar pelo quadril. Colocou uma camisinha com muito sacrifício e como eu já estava preparado pela ducha pedi para ele empurrar tudo de uma vez. Mas ele não me atendeu. Começou a empurrar devagar e socar até o fundo com movimentos lentos e longos, acelerando aos poucos até chegar a um ritmo frenético. Gilberto não agüentou nossos gemidos por muito tempo e despejou um gozo farto em minha boca. Não demorou muito para que o pau de Gilberto subisse novamente vendo Kauan me arrombar. Trocamos de posição e pedi para Gilberto me foder em posição de frango assado enquanto Kauan veio por cima de mim empurrando sua tora na minha garganta. Logo kauan despejou todo o seu leite em mim enquanto Gilberto ainda socava em mim com muita força e velocidade. Antes que Gilberto gozasse pedi para kauan se deitar para que eu cavalgasse sobre ele. Lambuzei seu pau com gel e sentei sobre ele sentindo aquela serpente sendo engolida por mim cm à cm. Enquanto eu subia e descia eu sentia seus movimentos de quadril para cima e para baixo sincronizando comigo. Uma loucura. Enquanto isso vi Gilberto lambuzar seu pau com gel para fazer uma dupla penetração. Senti Gilberto se posicionando atrás de mim se apoiando em meu quadril como se fosse cavalgar. Como os dois são bem dotados foi um pouco difícil para entrar, mas como tenho muita experiência logo os dois estavam encaixados dentro de mim bombando de uma forma inacreditável. Os movimentos foram sincronizando e acelerando de uma forma incontrolável, mas ninguém conseguia parar. Eu me agarrava a kauan enquanto os dois socavam muito dentro de mim. Quando senti que iria gozar, abandonei-os e pedi para que gozassem em minha cara. Tiraram as camisinhas e os jatos de esperma atingiam todo o meu rosto e desciam para minha garganta e peito. Caímos na cama e apagamos. Acordei horas depois com Gilberto empurrando sua tora em mim enquanto estava de bruços, Gilberto nem se mexia e fomos para a sala e transamos lá sozinhos. Gilberto só acordou no dia seguinte. Transamos domingo o dia inteiro.  Quando podemos nos encontramos novamente e seguimos o mesmo ritual.
Procuro novas pessoas para novas experiências de regiões diferentes se for o caso para que eu não precise ir sempre para a mesma região. Isso traria suspeitas para minha esposa. Podem ser a sós, duplas ou trios que gostem de orgia, sem ofensas e palavrões ou drogas.
Faixa pretentida, 25 à 45 anos e não a obesos. Somente bem dotados.
Sou uma pessoa simples, educada, saudável, nível superior, tenho poucos pelos, 1,76, 88 Kg, tipo físico médio. Quero ser somente passivo. A alguém que interesse entre em contato pelo email:

Juninhofeliz-@hotmail.com

Um grande abraço!

Culpa da Seleção Brasileira

Experiência real e isso rolou sexta feira (02/07/2010) Fui com uma galera assistir o jogo do Brasil X Holanda num bar lotado no centro da cidade (moro no RJ), tinha muita gente na mesa.. E chegou um amigo meu (já tinha saído com ele), que foi surpresa nos encontrarmos lá, porém, ele não estava sozinho, veio acompanhado de um cara que puta que pariu, muito gosto gostoso, o FDP transpirava tesão kkkkk, ele ficaram próximos a cadeira onde eu estava, meu amigo um pouco mais atrás, o cara do meu lado... fomos apresentados, oi oi  pra todo mundo, e vamos ao jogo...não sei se de provocação, pilha ou sei lá o que, ele estava apostando contra o Brasil.

Tinha certeza que a seleção ira perder o jogo mesmo com o placar de 1 x 0 e a seleção dando o show que estava dando. Agora acredito que o esporte une as pessoas (rsrsrs), na empolgação, meu braço encostou na perna dele, tinha muita encostada de corpo ali (até d+), comecei a me aproveitar daquilo, e percebi que ele Tb, pois seu pau tava meio duro, notei; mas eu não sabia qual era a dele com o meu amigo (galho de amigo meu pra mim é homem (só como o rabo)), no intervalo eu conversei com o R. perguntei sobre o amigo e ele falou que nada a ver, eram só amigos mesmo...caminho livre, podia provocar um pouco mais, mas é claro, sem dar bandeira, afinal todos os meus amigos e amigas heteros, que não sabem do meu gosto em fuder cu de macho estavam todos ali. Depois vi o R conversando com ele, e ele voltou no segundo tempo e sentou no mesmo lugar... começou o mesmo jogo de encosta aqui e ali.

Do nada o cara, chegou perto de mim e falou.. vamos apostar o resultado do jogo? Eu perguntei.. apostar o que? Ele respondeu – o que vc quiser..... qq coisa? Retruquei... qq coisa respondeu ele..meu pau subiu e eu não pensei duas vezes..blz, BRASIL tava na vantagem, nem titubeei...Se Brasil ganhasse...ele me dava o rabão dele...se Brasil perdesse..eu teria que mama a rola dele até ele gozar na minha boca....Aposta feita, comecei a me fuder..pois veio o empate...o desespero e a derrota...estava tão puto que nem lembrava da tal aposta, (Mas com certeza eu lembraria se tivesse ganho)..como a galera ficou chateada, cada um foi pegando seu rumo, afinal não voltaríamos mais para o trabalho...geral dispersando, ficamos só nós 3, bebendo mais alguma coisa....minutos depois o R levantou e foi embora..ficamos os 2, tomei mais uma cerva e já ia levanta ndo pra sair, quando ele falou..peraí – não ta esquecendo nada não? Olhei pra mesa, apalpei os bolsos e respondei.. não , ta tudo aqui.... ele falou e NOSSA APOSTA?? Porra, tu ta falando sério?? Perguntei.. com certeza, claro!! Cara deixa pra lá... era só zueira...ele me olhou sério e falou..se eu tivesse perdido EU IA PAGAR!!

Diante do argumento.. não tive alternativa..e falei..blz..aonde, aqui no banheiro do bar?? Não.. eu moro aqui perto, vamos pra minha casa....fui!! Chegando lá, nem teve mais conversa nenhuma...ele só arriou o calção e revelou um picão meio bamba, grossa..e pelo visto cheia de leite...peguei, punhetei...e meti a boca...fiquei sugando por uns 10 minutos...ele de pé eu ali com a boca cheia de pau (era grossão mesmo)....paramos, ele tirou o resto da roupa, jogou a camiseta no sofá, sentou e abriu as pernas, continuei mamando, passava a língua o pela pica toda, e acabava colocando as bolas na boca...voltava subindo na pica e engolia o c abeção...ele gemia, gemia quase num êxtase...a bebida Tb ajudava nesta sensação, meu pau tava duraço e ele percebeu que eu tava me punhetando Tb... tentei lamber o cuzão dele, não houve protesto, pelo contrário, ele afastou mais um pouco pra minha língua entrar melhor naquele túnel quente.

Alternei entre mamadas na pica e lambidas no cu...o pau dele tava muito duro e parecia que inchava mais....pedi pra ele ficar de 4 no sofá...sentei no chão, puxei a pica dele pra trás e continuei chupando....lambi um dedo e levei no cu dele..percebi que o pau endurecia mais quando eu brincava com o rabo dele...anunciou o gozo..parei de punhetar, fiquei só mamando e senti os primeiros jatos de porra quente na boca...esguichou mais uma três vezes e quase desfaleceu...mas continuou na mesma posição (de 4) fiquei atrás dele e continuei a chupar o cu dele, pois eu queria gozar lambendo aquele cuzinho, pois sabia que ele não ia me deixar come-lo...falei que ia gozar ele pediu pra gozar em cima da bunda dele..muito tesuda por sinal....levantei,,punhetei..encostei no cuzinho..pincelei e despejei a porra na bunda dele....gozei tão forte que caiu umas porras nas costas dele...

Ficamos parados curtindo a pós foda...e ficamos amigos, vou visitá-lo depois, pois ficou a promessa dele me deixar comer o cuzinho dele....mas ele quer algo em troca..espero que não seja o meu, pois não estou pronto pra dar à bunda!!! Ah...aprendi a não confiar na seleção...pode dar zebra..ou leite kkkkkkkk. (contato.2009@bol.com.br)

 

Aluno eficiente

O que vou contar aqui é um fato TOTALMENTE verídico. Vou me apresentar como professor( pois é essa minha profissão e o pontapé inicial para esta história). Tenho 20 anos, moreno, 1.75m, olhos verdes e moro no interior do estado do Acre. Sou profº de língua estrangeira de duas escolas públicas.

No meu trabalho não misturo as coisas pessoais com profissionais( apesar de ter alunos que mais parecem deuses gregos) Tinha um aluno que mora próximo a minha casa, e ele é um gato, diga-se de passagem. Mais ou menos uns 1.70 alt, moreno dourado, olhos cor de mel e corpo definido. Certo dia eu estava descansando( pois iria entrar mais tarde este dia no serviço) e estava bm a vontade, pois moro sozinho, e ouço alguém chamando no portão e quando vou atender para minha surpresa era ele, o Alan(aqui vou chama-lo assim).

Ele veio com uma história de que queria umas aulas particulares não estava compreendendo o conteúdo. Perguntou primeiro se eu estava sozinho e se poderia entrar. Falei que sim( óbvio). Mas até então, apesar de ter o maior tesão por ele, eu não tinha segundas intenções. Fui no quarto pegar uns livros para ele dar uma olhada e sem perceber ele me seguiu até lá. Neste momento fiquei meio sem graça, pois nunca tinha abrido minha intimidade para um aluno. Aí ele me perguntou de supetão: - Professor, você curte relação com outro homem? Eu meio sem graça, mas já que ele tinha tocado no assunto respondi: - Curto sim, não vou ser hipócrita e mentir para você. - Então o senhor faz de tudo? -sim. -Até boquete? Respondi: - Só não sou ativo, mas curto muito que me penetrem. Nesta hora vi o garoto endoidar. Falou para mim: - Então faz um agora aqui! Tirou o pau para fora( não era grande, mas muito gostoso). Chegou a dar um pulinho na hora que saiu da cueca.

Cai de boca como se fosse a única coisa melhor do mundo que eu pudesse fazer neste momento. Ele gemia muito, falando palavrões e forçando minha cabeça contra seu pau. Aí ele me pediu para virar de costas, dei uma camisinha para ele, encapou o menino, e chupou meu cu como ninguém e como se fosse um adulto dos mais experientes. Depois disto, começou a penetrar vagarosamente, e eu sentindo aquele pau maravilhoso dentro de mim, gemia como uma putinha no cio. Até que sinto ele todinho dentro de mim, ia sussurrando no meu ouvido palavras obscenas q me levavam a loucura. Me comeu de quatro, frango assado, cavalguei muito nele até q ele anunciou q iria gozar.

Quando ele falou assim, já senti q o pau dele inchou e ele urrou feito louco... Depois disso, ao ir embora, ele disse q quando tivesse mais dúvidas me procuraria para estudar mais. A audácia dele me encantou!

Se alguém quiser aprender comigo tbm, sou passivo e posso ensinar muito bem. Meu msn é claudio.lina@hotmail.com e e-mail claudioliveira10@gmail.com

 

Minha Primeira Vez

Meu nome é Murilo tenho 1.75m peso 70 kg tenho cabelo liso preto sou branco saradinho até porque eu malho duas hrs por dia..e sempre fui hetero..(ate o inicio deste ano)
Então vamos aos fatos, sempre fui acediado por outros caras, no bate papo, msn e ate mesmo na rua. certo dia estava no bate papo de Maceio a tc com algumas garotas até que um tal felipe veio conversar comigo,

papo vai, papo vem, passamos a conversar no msn, ja que o cara era bem legal, no msn resolvemos tc com as web cams ligadas, quando vi o cara, poxa vida ele era bem bonito, ficamos teclando uns dias, ate que no dia 02 de Janeiro resolvemos nos encontrar, marcamos de nos conhecer na praia, pois segundo ele morava proximo a ela, em uma das regiões mais nobres da cidade. o que eu sabia era que ele tinha 31 anos de idade e era médico.

Meu celular tocou era ele, me dizendo que estava parado do outro lado da rua em um Honda Civic preto, enquanto atravessava a rua ja retirei minha camiseta, queria provocar o cara, pois ele disse que tinha curtido meu corpo, começamos a andar, enquanto ele dirigia notou meu nervosismo e deu uma alisada na minha perna, bastou isso pra eu ficar de pau bem duro, meu pau mede 17 cm e é bem grosso, me disse para ficar calmo, pois ele faria tudo com muito carinho, e não iria fazer nada que eu não quizesse, ja disse isso passando a mão na minha verga, e ja me olhou quando notou que meu pau estava super duro, o Felipe então colocou a mão dentro da minah cueca, e foi tirando meu pau para fora pois queria ve-lô, quando ele finalmente libertou meu memrbo disse. AH PAU GOSTOSO,DELICIA DO KRALHO! meu pau estava bem vermelhinho, por causa das punhetas que ele batia enquanto dirigia, meu corpo todo extremecia (ele ficava apertando meu pau) dai paramos em uma rua que apesar de residencial estava deserta, ele desligou o carro, ele então veio em direção a minha boca, e me beijou apesar do receio não fugi do beijo dele, o halito dele era gostoso, ficamos ali viajando um tempo naquele beijo, ele enquanto beijava, me perguntou sussurando em meus ouvidos, algum homem ja te chupou antes, eu respondi que não.

então senti seu rosto vindo em direção em pau, minha respiração estava ofegante, quando ele estava me chupando nossa, eu amei, pois nehuma garota nunca tinha feito nada nem parecido com aquilo, o que me fez gostar de sexo com outro homem, é que um cara sabe exatamente onde tocar pra dar prazer para o outro, e sexo com homem não é tão delicado como é com as mulheres, com homem é algo mais selvagem.

ainda dentro do carro deitamos o banco do passageiro, coloquei a camisinha, e ele veio pra cima de mim, e se sentou em meu pau, dai eu fui encaixando a cabeça do meu pau no cuzinho dele quando finalmente entrou, ele cavalgou feito um louco no meu pau, eu pedi para que ele cavalgasse bem gostoso e rapido, nossa eu estava com muito tesão, ele ficou cavalgando no meu colo cerca de uns 10 minutos, como estavamos parados em uma rua, ele queria que eu gozasse pois poderia chegar alguem a qualquer momento. foram com toda certeza os 10 minutos mais gostosos da minha vida. até porque a primeira vez é inexquecivel, gozei muito, foi uma gozada bem intensa, pois fazia um mes que não transava e ja tinha uns dias que não batia uma, depois disso ele me beijou novamente, o beijo teve um sabor diferente dessa vez era um sabor de vitoria de conquista, ficamos um tempo trocando caricias, ele ligou o carro e fomos embora, infelizmente eu nunca mais o vi, foi cada um para o seu lado, apesar de ele ter me dito que era solteiro, Porém na epoca eu não queria me envolver em um relacionamento sério.

Bom essa foi minha historia.

 

jsfj1990@hotmail.com

 

A grande surpresa

Após meses de espera finalmente minha banda favorita iria cantar no pais, mais porem seria um show único em uma cidade vizinha, por sorte minha irmã que havia acabado de se casar estava morando nessa cidade, telefonei para ela pedindo para dormir em sua casa, pois queria muito assistir ao show, minha irmã como sabia que eu era fã e devido a proximidade do meu aniversario quis me dar isso como presente. Deixa eu me apresentar, meu nome é Carlos na época do ocorrido tinha 18 anos de idade, sou branco, cabelo meio comprido 1,80 altura peso 70 kilos, sou o típico falso magro enfim voltemos a historia.

Então no dia combinado sai de casa, rumo a cidade dele, fui de ônibus, pois apesar de já ter 18 anos ainda não tinha tirado habilitação... cheguei em sua cidade, o marido dele foi me buscar na rodoviária, devo confessar que sempre senti o maior tesão por ele, mais enfim era marido da minha irmã eu não iria tentar nada com ele, pois eu não era louco, então chegamos a casa dela, eu estava bem cansado pois as estradas estavam bem ruins (grande novidade né) eu tomei um banho, conversamos um pouco, comemos e fui dormir, pois queria levantar cedo para ir comprar os ingressos. Já se passavam das 23:00 quando ouço alguns barulhos do quarto deles, quando acordei mesmo, deduzi que estivessem transando, pois como eu estava muito cansado eles acharam que eu dormia... fiquei ali imaginando aquele macho parrudo com corpo suado, urrando aos ouvidos dela, como eu queria ser ela, ele era um ótimo exemplar de macho, comecei a imaginar ele fudendo ela, comecei a me contorcer na cama, quando dei por mim, estava com dois dedos cravados na bunda, e meu pau estava todo babado, quando vi que o barulho acabou deduzi que ele estivesse gozado, bastou isso pra eu gozar muito... fui ao banheiro caladinho, me lavei, quando entrava no quarto meu cunhado saiu do quarto deles, quando me viu eu assustei, ele me deu um sorriso safado e entrou ao banheiro, voltei para o meu quarto mais estava exausto acabei dormindo

No outro dia, quando levantei a casa estava um silencio só deduzi então que minha irmã já tinha ido trabalhar, então fui tomar banho, enquanto tomava banho vários pensamentos me vieram a cabeça, comecei a pensar no meu cunhado, e tocar um punheta bem gostosa, quando me dei conta, já tocava uma bronha violenta e chamava o nome do um cunhado, enquanto socava minha rola gozei muito, quando desliguei o chuveiro, notei que a porta estava entre aberta, mais nem dei bola já que não tinha ninguém em casa né.

Voltei pro quarto vesti roupa e quando saio do quarto dou de cara com meu cunhado, levei um mega susto, perguntei se ele estava o tempo todo em casa ele me disse que não que havia acabado de chegar, me deu um alivio, então caminhei ate a cozinha tomar café, enquanto estava de costas na mesa, meu cunhado me pegou por trás, que só tive tempo de dar uma gemida, pois bati meu corpo na mesa, me agarrando, ele disse em meu ouvido, você estava me chamando no banheiro, né seu puto, me diz ai, era isso que você queria, você ouviu a gente ontem a noite seu safado, agora você vai ser minha putinha.
Me virei de frente pra ele e disse que não rolaria nada pois ele era marido da minha irmã, e eu respeito de mais ela, ele me fez calar a boca com um tapa no rosto, que fizeram brotar lagrimas dos meu olhos, me agarrou pelo braço e me puxou até a sala, me jogou em um sofá e se afastando de mim me mandou esperar, fiquei morrendo de medo daquele homem, mais estava muito exitado, não demorou muito ele veio em minha direção com o corpo nu, um pauzão duro de 19 cm e com uma corda nas mãos me olhando com uma cara de safado, parecia que minha cara de medo deixava ele cada vez mais exitado, sentou-se em um sofá frente ao que eu estava e me mandou ir rastejando ate ele. Dizendo-me vem minha puta, rasteja até seu macho, vou te foder até ficar sem forças, eu não mexi então ele disse que se não fosse apanharia dele e ficaria todo marcado, pois levaria uma surra, então fui rastejando humilhado ali na frente daquele homem, quando parei frente a ele, que levantei meus olhos vi aquela rola linda, aquele cheirão de macho ele me segurou pelo queixo e disse chupa minha puta mais se gemer vai ganhar castigo, comecei a chupar aquele pau com muita vontade, ate que me entusiasmei demais e soltei um gemido, meu cunhado apoiou o pé na minha barriga e me empurrou me fazendo cair sentado, então ele se levantou e veio em minha direção fiquei com muito medo não queria apanhar, ele então passou aquela corda no meu pescoço e começou a me puxar como se eu fosse um cão, fui gatinhando ate o corredor de acesso aos quartos, quando ele para eu ainda de quatro ele me disse que iria me comer ali mesmo, no corredor.

Eu ainda nem tinha me preparado psicologicamente, quando ele cuspiu na mão passou no pau e enfiou de uma vez no meu cu, minha vontade era de gritar mais sabia que se gritasse apanharia, então engoli a seco, ele se quer esperou meu corpo se acostumar com aquele membro estranho dentro de mim, e começou a me fuder, quando já estava a me fuder uns cinco minutos, não agüentei e soltei um gemido baixo de dor, pois aquele pau estava me rasgando.

Ele tirou seu pau de dentro de mim de uma só vez me agarrou pelos cabelos e me arrastou até a entrada do quarto dele e da minha irmã, me amarrou ao candeeiro do quarto, e fiquei ali em pé e com os braços pra cima, eu so conseguia chorar, já não pensava mais em nada só conseguia chorar, ele se colocou atrás de mim, abriu minha bunda e me invadiu de novo, ficou ali fudendo-me de pé mais uns 10 minutos, quando já não agüentava mais, ele tirou aquele pau de mim, e ficou a minha frente e gozou em todo meu corpo, me dando um banho de porra, gozou muito, quando terminou pedi para que me soltasse ele me disse que eu ficaria ali preso que ele queria que minha irmã visse o viadinho que o irmão dela era me deu um tapa super dolorido no rosto, saiu e me deixou ali, chorando e com lagrimas e porra e me escorrerem pelo corpo, tomou banho e foi pra sala ver TV fiquei mais ou menos duas horas preso ao candeeiro, ate que ele me soltou. Assim que fiquei livre corri para o meu quarto, quando bati a porta minha irmã abriu o portão por pouco ela não me pegou ali amarrado e humilhado.

Não posso mentir dizendo que não gostei disso, depois desse dia, ainda fiquei mais uma semana na casa deles, muitas coisas aconteceram mais isso é historia para outro conto.

jsfj1990@hotmail.com

 

Saiba o que muda efetivamente com a decisão do STJ sobre as uniões homossexuais

O Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, que a união contínua, pública e duradoura entre pessoas do mesmo sexo constitui entidade familiar, como união estável (Código Civil, art. 1273). Pergunta-se: (1) Qual o significado desta decisão? (2) Qual a repercussão para outras áreas? (3) O STF legislou, atropelando o Congresso Nacional? (4) Quais as conseqüências práticas da decisão?

  1. O significado  é inestimável para a consolidação da democracia e dos direitos fundamentais. Afirmaram-se direitos básicos, a todos reconhecidos, como a liberdade sexual, a proibição de discriminação sexual, a privacidade, a intimidade, o respeito à dignidade da pessoa humana, a diversidade e o pluralismo.  A afirmação quanto à existência e às conseqüências destes direitos, especialmente na esfera da sexualidade, onde minorias sexuais são  discriminadas, deixa claro o dever de respeito e a dignidade constitucional de que são merecedores homossexuais. Isto ainda que eventuais maiorias, por sondagens de opinião ou por representantes eleitos, tentem impor seus preconceitos.     
  2. A repercussão se dá em vários campos. A partir do incontestável dever de respeito às minorias sexuais e da relevância dos direitos sexuais, ficam superadas posturas que tentam justificar discriminações no trabalho, na educação, na saúde e nas mais diversas relações sociais. Fica clara a urgência e a necessidade de medidas antidiscriminatórias, como a criminalização da homofobia. Ganha-se certeza sobre muitos temas, como por exemplo a possibilidade de postulação de adoção conjunta por pessoas do mesmo sexo em união estável. Abrem-se caminhos para levar a igualdade mais a sério, inclusive no direito de família, com o reconhecimento do direito ao casamento, como fez a Corte Constitucional da África do Sul.
  3. O STF não legislou. Ele aplicou a própria Constituição, que já protege a todos de discriminação sexual, especialmente aqueles objeto de preconceito. Outros direitos também foram aplicados, especialmente a liberdade sexual e o respeito à dignidade humana. Daí a conclusão de que excluir as uniões homossexuais é restrição indevida, contra a Constituição, deixando claro que o parágrafo 3º do art. 226 da CF/88 não torna  a união estável exclusiva para heterossexuais.
  4. As conseqüências são práticas e efetivas. Todos os juízes brasileiros estão vinculados à decisão, não podendo mais rejeitar a união estável pelo fato de serem pessoas do mesmo sexo. Vários direitos daí decorrem, tais como: inclusão em planos de saúde, previdência, associação como dependente em clubes e sociedades, dever de alimentos em caso de necessidade, divisão de bens adquiridos na constância da união, direito à herança, usufruto dos bens do falecido e acompanhamento de parceiro em instituições hospitalares. Sabedores desta posição judicial, os particulares não mais poderão justificar tratamento prejudicial ao prestarem serviços ao público, muito menos sustentar

 

Para concluir: o STF cumpriu sua missão constitucional de fazer valer os direitos fundamentais de liberdade, de igualdade, de dignidade humana, de privacidade, de intimidade e de proteção às comunidades familiares, afirmando por dez votos a zero que homossexuais podem constituir união estável.

Roger Raupp Rios, Juiz Federal, Doutor em Direito (UFRGS), Professor do Mestrado em Direitos Humanos (UNIRITTER).

Os melhores ministros do mundo e suas falas por um mundo verdadeiramente mais humano

Um orgulho ser brasileira nestes momentos. Trechos de algumas falas magníficas dos ministros do Supremo Tribunal de Justiça do Brasil, em votação unânime pela aprovação da união estável entre pessoas do mesmo sexo. Parabéns BRASIL. Hoje, o país é mais cidadão e para tod@s!

Por unanimidade, Supremo reconhece união estável de homossexuais

Em um julgamento histórico e por unanimidade, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (5) reconhecer as uniões estáveis de homossexuais no país. Os dez ministros presentes entenderam que casais gays devem desfrutar de direitos semelhantes aos de pares heterossexuais, como pensões, aposentadorias e inclusão em planos de saúde. A decisão pode ainda facilitar a adoção, por exemplo.

Foram analisados dois pedidos no julgamento: um deles do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), para que funcionários públicos homossexuais estendam benefícios a seus parceiros, e o outro da Procuradoria-Geral da República (PGR), para admitir casais gays como “entidade familiar”. A decisão do Supremo terá efeito vinculante, ou seja, será aplicada em outros tribunais para casos semelhantes.

Na sessão de hoje não votou apenas o ministro José Antônio Dias Tóffoli, que se declarou impedido de participar, já que atuou no processo quando era da Advocacia-Geral da União. O ministro Carlos Ayres Britto foi o relator, acompanhado pelos demais colegas para definir a vitória dos movimentos homossexuais.  

O julgamento começou na quarta-feira (4), quando falaram o relator e cinco defensores da iniciativa, além de dois adversários –um deles representante da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Os ministros, no entanto, evitaram listar todos os benefícios que os casais gays passariam a receber.

Em sua decisão, o ministro Ricardo Lewandowski aprovou a união, mas ponderou que o Congresso deve legislar em temas ainda não previstos pela Constituição ou reservados a pares formados por um homem e uma mulher. O presidente da Corte, Cezar Peluso, afirmou que existem similitudes entre casais heterossexuais e uniões homossexuais, não igualdade.

Diante de um plenário menos disputado do que na quarta-feira (4), quando o julgamento começou, os ministros evocaram o combate ao preconceito para votarem a favor da união estável gay. “A homossexualidade caracteriza a humanidade de uma pessoa. Não é crime. Então por que o homossexual não pode constituir uma família? Por força de duas questões que são abominadas por nossa Constituição: a intolerância e o preconceito”, disse o ministro Luiz Fux.

“O reconhecimento de uniões homoafetivas encontra seu fundamento em todos os dispositivos constitucionais que tratam da dignidade humana”, afirmou o ministro Joaquim Barbosa, em uma decisão que durou menos de dez minutos.

O Congresso foi criticado pelos ministros da mais alta corte do país. Peluso ergueu o tom da voz para fazer uma "convocação que a decisão da Corte implica, para que o Poder Legislativo assuma essa tarefa [de discutir direitos dos homossexuais], a qual ele não parece ter se sentido propenso a exercer". "O Poder Legislativo tem que se dispor e regulamentar", completou o presidente do STF.

O ministro Gilmar Mendes afirmou que os políticos vivem "um quadro de inércia" para legislar sobre o assunto. Lewandowski também fez críticas ao Poder Legislativo e admitiu que o Supremo assumiu uma função que caberia à classe política.

Entenda o julgamento

Entre as novas garantias que podem ser dadas após a decisão do Supremo estão pedidos de aposentadoria, pensão no caso de separação e uso de plano de saúde. Algumas decisões para estender direitos aos parceiros do mesmo sexo já foram tomadas por tribunais, mas o STF nunca tinha se pronunciado sobre o assunto.

Em seu voto proferido ontem, quando a questão começou a ser discutida, Ayres Britto também cogitou, sem se aprofundar, a possibilidade de adoção de crianças por casais homossexuais.
 
Antes de relatar os casos, Ayres Britto pediu um levantamento nos Estados para saber se a união civil de homossexuais já era reconhecida. O ministro detectou que isso aconteceu em tribunais de dez unidades federativas: Acre, Alagoas, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo.
 
Essas decisões, de primeira ou segunda instâncias, podem pesar a favor do movimento gay no julgamento no STF. As decisões judiciais autorizaram não apenas as uniões civis homossexuais, mas também pleitos de pensão e herança.
 
Mais de 20 países de todo o mundo reconheceram a união civil de homossexuais antes do Brasil, incluindo o Uruguai. Outros, como a Argentina e várias partes dos Estados Unidos, permitem casamentos gays –uma decisão ainda mais condenada pela Igreja Católica.

No trabalho em dia de sábado

Me chamo André, tenho 25 anos, trabalho na secretaria de uma universidade da minha região. O que vou contar agora aconteceu no dia 5 de fevereiro de 2011, sábado de carnaval. Mas não tem muita relação com a folia do carnaval, e sim com o meu trabalho, que estava atrazado na época. Dia 9, quarta-feira de cinzas, teríamos algumas entrevistas para uma seleção. Eu ainda não tinha arrumado a documentações para a entrevista, e não iria para ao trabalho na segunda ou na terça-feira por nada desse mundo. Então tomei a sábia decisão de fazer isso no sábado, pois não haveria pessoas me perturbando na universidade, eu terminaria meu trabalho tranquilo e depois disso poderia curtir o carnaval à vontade. Não imaginava o quão sábia essa decisão seria.

Quando estava na universidade, um amigo meu, para o qual eu estava devendo um dinheiro por serviços prestados por ele (ele trabalha com manutenção de computadores) me ligou perguntando se eu já tinha o dinheiro para pagá-lo. Disse ao Nelson (seu nome) que já estava com o dinheiro em mãos e que se ele quisesse, estava no meu trabalho arrumando umas coisas, mas que bastava ele bater na porta que eu abriria. Ele disse que não sabia se iria, pois estava ocupado, mas que assim que desocupasse me ligaria pra saber onde me encontrar.

O Nelson sabe da minha orientação sexual. Como fizemos faculdade juntos, sempre conversávamos e às vezes eu tirava brincadeiras meio "sexuais" com ele. Ele sempre levava numa boa. Até então eu pensava que ele fosse hétero, ele namorava uma moça, a Carla, desde antes de começarmos a estudar juntos, acho que faz uns 6 ou 7 anos que eles namoram.
Nesse dia, depois da ligação dele, eu mandei uma SMS para o celular dele dizendo que "se ele viesse logo, aproveiraríamos que não tinha ninguém e eu faria um ball cat nele". Enviei a mensagem, sem a mínima intenção de que rolasse algo, pensei que ele fosse levar na brincadeira como sempre. Logo meu celular toca, era um SMS dele dizendo "se tu estiver a fim e tiver com coragem..." Meu coração acelerou, mas ainda assim eu pensei que fosse sacanagem dele. Mas respondi "coragem eu tenho, só que tem que ser logo, antes que eu vá pra casa". E a resposta dele me deixou mais intrigado ainda: "em 10 minutos estou aí".

Eu estava muito concentrado no meu trabalho e até esqueci dele. Meia hora depois, alguém bate a porta. Fui atender e era ele. Meu coração ficou disparado, quase saindo pela boca. Mas eu pensei que, de repente, ele só poderia ter ido pegar o pagamento dele. Ele entrou, nos cumprimentamos e eu perguntei se o que ele havia falado na msg era sério. Ele me disse que sim!!! Pasmei.

Disse a ele que se era sério, poderíamos começar logo. Fiquei morrendo de medo, pois minha sala tem janelas de vidro transparente, mas nesse dia só havia dois serventes e dois guardas, que ficavam na parte da frente. Minha sala fica bem no final, então, mesmo com medo, deixei rolar. Ele abriu a calça e dela saltou uma pica, ainda meia bomba. Ele disse que, como não era muito usual pra ele transar com homens, ele não estava muito excitado. Eu disse que não tinha problemas, que daria um jeito nisso rapidinho. Caí de boca naquela pica gostosa, que começou a crescer na minha boca, se tranformando num cacete de 19 cm, com a cabeça fina que ia engrossando até a base ficar super grossa. Chupei bastante e percebi que ele estava alisando a minha costa, tentando alcançar meu cuzinho com o dedo. Perguntei se ele queria me comer e obtive uma resposta afirmativa. Ele então colocou a camisinha, tirou o resto da roupa, enquanto eu tirava a minha e posicionou aquela pica na entradinha do meu cu, começando a forçar. A cabeça entrou fácil, mas a medida que a pica dele engrossava ela ficava mais difícil de entrar, mas entrou todinha. Ele começou a bombar meu cuzinho, a dor foi substituída pelo prazer de ter aquela pica toda no meu cu. Ele me comeu de quatro, até gozar.

Depois disso nos limpamos. Peguei minha carteira e paguei o que lhe devia. E ficamos certos de que, no dia que tivesse outra oportunidade, repetiríamos a dose.

 

Meu advogado

OLÁ PESSOAL, OQUE PASSO A CONTAR ACONTECEU COMIGO, NO FINAL DO ANO DE 2001, SOU DE CAMPINAS INTERIOR DE SÃO PAULO NESSE ANO EU TRABALHAVA EM UM RESTAURANTE NO BAIRRO DO CAMBUÍ, ARÉA NOBRE DE MINHA CIDADE, MAS SEMPRE TINHA QUE IR  AO CENTRO DA CIDADE UMA VEZ POR SEMANA POR VOLTA DAS 17 HRS. E FOI EM UMA DESSAS PASSADAS PELO CENTRO QUE TUDO ACONTECEU, CAMINHANDO PELA RUA CONCEIÇÃO APROVEITEI PARA DAR UMA VOLTA NA PRAÇA CARLOS GOMES, FIEL REDUTO DE PESSOAS DO MEIO HOMOSSEXUAL, LA ENCONTREI ALGUMAS PESSOAS INTERESSANTES MAS NADA QUE CHAMASSE A MINHA ATENÇÃO PARA SER DENOMINADA UMA CAÇA, SAI UM POUCO FRUSTADO MAS ENFIM TINHA MEUS AFAZERES. E FOI AI SIM QUE O MELHOR ESTAVA POR VIR, CAMINHA NA RUA CONCEIÇÃO AO MEIO DE MUITA GENTE SAINDA DO TRABALHO, EIS QUE ME DEPARRO COM UM DEUS GREGO, DO JEITO QUE SEMPRE GOSTEI... ELE DEVERIA TER MAIS OU MENOS 1,70MT, 84KG, CLARO PELUDO DO JEITO QUE SEMPRE AMEI, TROCAMS OLHARES MAS CONTINUAMOS A ANDAR EM DIREÇÕES CONTRARIAS, MAS SABE COMO É NÉ SE O OLHAR CRUZOU ALGUMA COISA TEM, PAREI EM UMA ESQUINA COM O CORAÇÃO NA BOCA E ELE NA OUTRA, RESOLVI OLHAR PARA TRAZ, PARA MINHA SURPRESA E ALEGRIA ELE ESTAVA LÁ PARADO, MESMO DE LONGE CONTINUAMOS TROCANDO OLHARES, FOI QUANDO ELE DEU UM SINAL PARA SE APROXIMAR-MOS PARA CONVERSAR,E LÁ FUI EU  COM UMA MISTURA DE MEDO E TEZÃO.

FOI AI QUE ME APRESENTEI A ELE E ELE SE APRESENTOU, LEMBRO ME COMO SE FOSSE HOJÉ  ELE ME DISSE SEU NOME RICARDO, E QUE TINHA 43 ANOS, SOLTEIRO E QUE ERA ADVOGADO" NAQUELE MOMENTO ELE PODERIA SER UM GARÁ QUE ERA ELEQUE EU QUERIA" DISSEME ESTAVA INDO PARA CASA, FOI QUANDO EU DISSE QUE PENA, PARA QUEM SABE LER UM PINGO É LETRA. ELE ME CHAMOU PARA IRMOS AO SEU ESCRITÓRIO, NOQUAL EU ACEITEI DE IMEDIATO, MESMO SEM SABER DE SUAS PREFERENCIAS SEXUAIS.

SEU ESCRITÓRIO ERA A UM QUADRA DALI, NO CAMINHO FALAMOS SOBRE COISAS BANAIS DA VIDA, CHEGANDO NO EDIFICIO SUBIMOS AO 5 ANDAR, ELE ABRIU A PORTA E ME CONVIDOU PARA ENTRAR, MAIS DOQUE DE PRESSA ENTREI, MAS NÃO FUI ALÉM DA PORTA, ESPERANDO POR ELE. QUANDO ELE ENTROU E FECHOU A PORTA CONVERSAMOS SOBRE OPÇÕES SEXUAIS, DEIXEI ELE MUITO A VONTADE PARA FALAR, PARA PODER SABER OQUE ELE TINHA EM MENTE, FOI QUANDO ELE ME DISSE QUE ERA ATIVO, E ME PERGUNTOU DOQUE EU GOSTAVA, NESSE EXATO MOMENTO DISSE A  ELE QUE ERA VERSATIL, MAS QUE O PRINCIPAL PARA MIM ERA ESTAR AO LADO DE QUEM ME DEIXA-SE COM TEZÃO E MUITO A VONTADE, ENTÃO ELE ME PERGUNTOU SE ROLARIA ALGO, EU QUASE DE IMEDIATO DISSE QUE COM MUITA CERTESA.

DEPOIS DE MAIS UM POUCO DE PAPO, FOI QUANDO TUDO COMEÇOU.NOSSA ESTAVA COM O HOMEM PERFEITO QUE EU QUERIA, ENTÃO ELEME PERGUNTOU OQUE EU QUERIA FAZER EU DISSE TUDO QUE VOCÊ QUISER. TUDO ACONTECEU NO MEIO DE MUITO IMPROVISSO EM UM BANCO DE SEU ESCRITÓRIO, MAS POSSO DIZER QUE FOI ALGO PARA LEMBRAR A VIDA INTEIRA, ELE COMEÇOU TIRANDO SUA CAMISA, NOSSA QUE COISA  LINDA UM PEITORAL TODO PELUDO NO QUAL CHUPEI SEUS MAMILOS, LOGO APÓS ELE DESABOTOU A CALÇA, MELMBRO COMO SE FOSSE HOJÉ UMA BELA CUECA BOXE BRANCA E ALGO DENTRO DA CUECA QUE FIQUEI LOUCO PARA PEGAR E FAZER MUITAS COISAS, MAS COMECEI ACARICIANDO E ELE FOI ,FOI CRESCENDO FOI QUANDO NÃO AGUENTADO MAIS COMECEI Á MAMAR AQUELA ROLA MARAVILHOSA, A ESSA ALTURA EU JÁ ESTAVA LOUCO PARA MUITO MAIS, FOI QUANDO EU DISSE PARA ELE OQUE QUERIA, E PERGUNTEI SE ELE QUERIA TAMBÉM, ELE ME DISSE VOCÊ ESTA LOUCO É OQUE MAIS QUERO NESSE MOMENTO. NÓS ESTAVAMOS COM TANTO TEZÃO QUE ELE SE LEVANTOU E VEIO POR TRAS DE MIM NO BANCO ME ACARICIANDO E LUBRIFICANDO O MEU CUZINHO, E COMEÇOU A ME PENETRAR, BEM DEVAGAR, NOSSA COMO ESSE HOMEM SABIA OQUE FAZER. NESSE DIA ACHO QUE ELE ME COMEU DE TODAS AS POSIÇÕES POSSIVEIS DE 4 , FRANGO ASSADO, PAPAI E MAMÃE, DEVEMOS TER GOZADO UMAS 5 VEZES.IMAGINE SÓ QUE DIA MARAVILHOSO, TIVE A MELHOR TRANSA QUE ALGUÉM PUDESSE TER. NOSSO RELACIONAMENTO DUROU 5 ANOS, A CADA TRANSA UMA SENSAÇÃO MARAVILHOSA. MAS INFELISMENTE COMO TODOS SABEMOS NINGUÉM É DE NINGUÉM ACABOU.

AINDA SINTO MUITA SAUDADES DELE, APESAR DE SABER DE TUDO SOBRE ELE AONDE MORA, TELEFONE, SEMPRE ACHEI MEHOR DEIXA-LO COM SUA VIDA, NÃO GOSTO DE IMPOR A MINHA PRESENÇA PARA NINGUÉM. FOI BOM ENQUANTO DUROU.

HOJE GOSTARIA DE CONHECER PESSOAS NOVAS PARA QUEM SABE ALGO MAIS, SE ALGUÉM TIVER INTERESSE, ENTRE EM CONTATO PELO MSN
JBLJUNIOR-05@HOTMAIL.COM

 

O garoto de moleton azul claro

Tem dia que estamos de saco cheio estamos insatisfeito e até meio tenso. Estava assim como eu tenho o horário flexível no trabalho, avisei minha supervisão direta e fui passear no SHOPPING que tem próximo a minha casa. Estava em uma loja grande nesse Shopping, quando notei que estava sendo filmado por um rapazinho acompanhado de uma mulher bonita (depois vim saber que era sua mãe). Vamos ao rapaz era de uma estatura mediana um pouco mais baixo que eu aparentado ter pouca idade, olhos claros cabelos espetado e vestia um de moletom (azul claro) seu uniforme escolar enfim um rapazinho gostoso. Então comecei a retribuir o seu olhar, no momento em que nossos olhares se cruzavam ele segurava sua rola, e eu retribuía com sorriso e também segura em minha rola. Esse tipo de “paquera” ou “caçada” me excita muito, acho um verdadeiro tesão, pois esta praticamente na frente de todos e sabemos que seu caçado está pensando. Mas estranhava a atitude dele pela sua aparência de pouca idade e também de atitude.

Então ele e sua acompanhante (mãe), foram até uma gôndola de camiseta, eu também fui cheguei a tocá-lo e me desculpando, foi ai que descobri que era sua mãe, foi quando ele falou para ela que precisava ir até o banheiro para ela dar um tempo e foi caminhando e olhou para minha cara deu um sorriso maroto. Pessoal normalmente eu não faço esse tipo de coisa ir a banheiro de Shopping, não dá, acho sempre que estamos sendo filmado, mas o tesão era tanto e o garoto ousado e gostoso que não agüentei e fui ao banheiro. Ao entrar no banheiro estava vazio ele tinha entrado em um reservado e ficou com a porta entre aberta assim que a porta bateu ele fez sinal para entrar junto com ele e já tirou a camisa. (rapazinho de atitude).

Meu Deus, ele tinha um corpo de adolescente perfeito, uns peitinhos saliente ( peito de punheteiro) pelo qual eu passei toda a minha língua, uma barrinha magrinha formando o caminho da felicidade loucura mas, abaixei minhas calças até os pés ele ficou completamente nu !! Que loucura aquele garoto só pra mim e caiu de boca na minha pica mamando como ninguém, quase me fazendo gozar de tanto tesão...

Virou-se de costas e pediu pra que eu fudesse o cuzinho dele... Coloquei uma camisinha e meti gotoso não esquecendo que estávamos num banheiro. Os gemidos foram inevitáveis meios espremidos e ele também gemia gostoso como uma cadelinha no cio. Estoquei como nunca aquele rabinho gostoso a cada socada ele ficava nas pontas dos pés, gozei bem fundo no cuzinho fazendo ele ficar colado na divisória e eu colado nele, quando tirei a rola meia mole de seu cuzinho ele ainda teve energia pra dar mais uma mamada limpando toda a minha pica.

Eu me recompus para sair primeiro do banheiro ai ele pediu meu celular o que forneci. Ele ficou dando um tempo limpado o rabinho e eu sai, e do lado de fora não é que encontro com sua mãe e ela veio falar comigo se eu tinha visto um rapazinho de moleton azul claro lá dentro. Falei para ela que não, talvez estivesse em algum reservado se quisesse eu voltaria para ver, e ela falou se eu fizesse o favor ela agradeceria, pois achava que ele estava demorando um pouco. Fui e ao entrar ele estava em frente ao espelho. Dei-lhe um gostoso beijo e falei que tinha alguém lhe esperando lá fora e assim saímos praticamente juntos, e ao chegar próximo a sua mãe tanto ele como ela me agradeceram. Eu que sou grato a eles, agora estou aguardando seu telefonema

danalmeida@hotmail.com

Com o namorado do amigo Português - Parte 3

Então, acordamos no outro dia pela manhã, Luiz meu amigo tomou uma ducha e saiu rumo a seu encontro de amigos que iria com o Jorge, e com muita preguiça levantei, tomei banho de, pois um cafezinho, quando toca o interfone, fui até a porta pois pensei que fosse o pessoal do serviços de quarto trazendo as roupas que tinha enviado para lavanderia, ao abrir a porta, com quem me deparo em minha porta JC, o cumprimentei ainda de boca cheia, o convidei para entrar, a cada dia que passava aquele cara ficava ainda mais lindo aos meus olhos, entrou conversamos, pela primeira vez teríamos “tempo” pois ainda faltavam mais ou menos duas horas para eu ir para o centro onde faria o Casting, enquanto eu me arrumava nos conversávamos ele me contanto como eram as coisas em Portugal, sem brincadeira ele me contou umas três vezes, como funcionava o ensino dela e eu não entendi, mais fiquei com vergonha de perguntar por uma quarta vez, então me fiz de entendido.


Depois de já ter vestido toda a minha roupa, ele vem pra cima de mim, eu perguntei – JC não acredito que você me esperou vestir toda a roupa pra vir me agarrar, ele me disse que queria ter o prazer de tirar toda ela, o cara já veio me abraçando de pau duro, e me disse que já não consegui mais ficar perto de mim sem ficar excitado, disse para ele ficar tranqüilo que já estou acostumado a causar esse tipo de reação nas pessoas, então cai na risada enquanto ele desabotoava a minha calça e deixava o meu membro a mostra. Começou a me punhetar bem devagar, ele sabia que o tempo estava a nosso favor, perguntei se ele não se sentia mal por fazer isso com o namorado dele, então ele em resposta me perguntou – E você não se sente mal por fazer isso com seu amigo, pois notei que vocês ficaram amigos bem rápido, ele te adora sabia, disse que você é um amigão, nossa quando ele fechou a boca, eu me senti péssimo mais meu pau estava babando já, o tesão estava falando mais alto que a razão, então resolvi me render as caricias e trocamos um beijo, até então o melhor que já tivemos, um beijo carinhoso, quente e molhado na medida certa, o toque dos seus dedos faziam meu corpo arrepiar enquanto ele passava a mão por mim, por dentro da camisa, começou então a tirar minha camisa, e eu ia tirando o sapato para ajudar, quando estava completamente nu, ele se afastou um pouco e ficou olhando meu corpo, fiquei com uma certa vergonha, mais deixei rolar então depois de deixar ele se deliciar com as formas do meu corpo era a minha vez de atacar aquele cara Português, então ele me disse que era pra eu ficar tranqüilo, que o macho da situação seria ele, ou seja, teria que dar para ele de novo.
Fui me entregando as caricias dele, de quatro em cima da cama, com ele arranhando minhas costas, passando a língua pela minha bunda, os pelos do meu corpo se arrepiavam e meu pau chegava a doer do quão duro estava, o cara estava se tornando um mestre em dar prazer para outro homem, e só de pensar que dois dias atrás ele ainda era virgem, eu me sentia orgulhoso, por ter ensinado aquele cara, enfim... Ele parou com aquelas caricias, e se posicionou de frente a mim ajoelhado na cama enquanto eu estava de quatro na frente dele, eu já tinha entendido o recado, sabia que teria que me deliciar naquela “mamadeira” deliciosa, que já ansiava em tela de volta em meus lábios, chupava como se fosse o ultimo penis ereto da terra hehee, nossa que pau gostoso, nem sei por quanto tempo fiquei com aquele brinquedo na boca, mais nos momentos em que não estavam em minha boca, eu sentia falta, ele novamente se posicionou atrás de mim, e já veio encaixando meu corpo já não oferecia tanta resistência aquele membro que já conhecia e gostava, nossos corpos se encaixavam de forma perfeita, ele me segurou pelas costas, e começou a bombar, como verdadeiros machos fazem, o ar condicionado do quarto não conseguia esfriar nossos corpos, estávamos transpirando, ele então deita por cima de mim, e continua a me possuir só que dessa vez de forma carinhosa, o cheiro de seu perfume misturado ao cheiro de sexo, me embriagavam me deixavam extasiado como era bom aquele homem, ficamos nesses movimentos gostosos mais um vintes minutos, então ele tirou seu membro de dentro de mim e lavou minhas costas com seu liquido, me virou de frente e começou a me chupar, nossa que boquete gostoso, me chupava a glande enquanto punhetava meu pau, não foram cinco minutos e gozei em seu rosto, gozei fartamente, nos levantamos tomamos banhos juntos, e fomos ao casting.


No Casting, fui para o meu lugar, enquanto JC se posicionava juntos aos outros New Faces, que escolheríamos para o desfile do dia seguinte, começados os testes, primeiro começamos com as garotas, as meninas belíssimas rostos lindos, corpos perfeitos para o padrão, mais não tinham aquela ginga que as brasileiras tem na passarela, mais não podia fazer nada estava na Europa né, algumas garotas com um Q especial, foram as primeiras que chamei, depois deixei para equipe escolher o restante, ao final foram 32 garotas, então começamos a escolher os garotos, grande parte dos garotos tinham corpos normais, sem serem muito definidos o que particularmente prefiro pois acho que o modelo deve ser uma tela em branco, a roupa deve se destacar na passarela e não ficar em segundo plano, afinal vamos a desfiles ver as roupas, quando chegou a vez do JC fazer o percurso, ele entrou confiante, pois já sabia que o voto mais importante ele tinha, ele entrou com olhar e passos firmes, foi um unanime, todos concordamos em colocá-lo na lista do desfile, terminamos os testes e escolhemos 16 garotos, dentre eles meu objeto de desejo claro, ficamos mais ou menos umas quatro horas ate finalizarmos todo o processo,entre casting, provas de maquiagem e roupa, JC parecia bem profissional, focado ouvia todas as instruções de conceito da marca, eu o observava de longe não queria que ninguém desconfiasse de nada, ate para proteger ele.


Ao sairmos de la, o JC me disse que o Jorge havia telefonado, nos pedindo para encontrá-los no Mc Donald’s da Via Catarina, fomos pra la, ao chegarmos Jorge, me cumprimentou com um sorriso enorme no rosto me perguntando se tinha cuidado bem do “marido” dele, disse que tinha feito o possível, então JC, nos interrompeu dizendo que tinha passado no casting e que eu nem tinha ajudado que todo mundo tinha gostado dele, pois bem... Passamos toda aquela tarde juntos, tiramos fotos conversamos asneiras, comemos, fomos a uma espécie de casa de jogos, foi super divertido a tempos não fazia um programa meio adolescente assim, me senti ótimo, porque pela corria das cidades brasileiras, não temos tempo de aproveitar coisas assim. Quando já se aproximava das 20:00 h, decidi que era hora de ir embora pois no outro dia precisaria estar no local do evento as 06:00 da manhã nossa marca desfilaria as 11:00 e tudo deveria estar perfeito, o Jorge disse para ficar mais, para conversarmos pois nem saberia quando nos veria de novo, e que gostava muito da gente, então disse que em todo caso ele teria fotos, e fomos embora... Pra resumir, no dia do desfile acordei, me produzi todo, peguei minhas malas com algumas roupas de ultima hora, para o caso de algo das que escolhi para a passarela darem errado, e fui o motorista que contratei já estava a me esperar então fomos, cheguei ao complexo onde desfilaríamos a decoração da passarela já estava pronta e estava perfeita, então parei de me deslumbrar, e fui para o backstage, adoro a correria de antes do desfile, é gente chorando, modelos com crises de estrelismo, dali a mais ou menos uma hora o JC chegou, mais como estava aquela correria, então nem nos falamos, quando já eram 10:15, todas as primeiras entradas estavam prontas era só esperar o desfile agora.


Enquanto estava nos bastidores senti uma mão me abrançando por trás me virei meio no susto, pois às vezes alguns modelos mais assanhadinhos acham que podem ficar alisando a gente, ao olhar para baixo conheci as mãos que me alisavam era o JC, então ele me perguntou se teríamos algum lugar para podermos brincar um pouco, então entramos em uma sala onde eu tinha guardado os tecidos que não foram usados, mal entramos e ele já foi me beijando, estava com gostinho de bala de cereja, era muito bom beijar ele, ele já abaixou a calça e já estava de pau duro, então brinquei dizendo que ele não tinha mentido, porque toda vez que se encostava a mim já estava armado... Ele riu, e foi tirando minha calça, se agachou a minha frente, e começou a se deliciar com meu membro, alternava entre meu pau e minhas bolas, pedi pra ele andar logo pois logo o desfile iria começar, ele em resposta me disse – Tem calma, temos tempo. Pronto eu já estava a ponto de bala queria meter naquela bundinha de novo, mais não sem antes dar um belo trato nela usando a língua né, virei ele de costas me abaixei, e comecei novamente a dar um trato naquela bunda, que seria minha de novo, mais nosso tempo era curto, então peguei na mochila que estava lá, um preservativo, encapei o menino, e coloquei na portinha, mais uma vez sua bundinha oferecia resistência ao meu membro, pedi para ele relaxar, ele já soltava uns gemidinhos abafados, e foi se entregando, quando penso que não seu corpo já me engolia, que por sinal pra mim essas é uma das melhores sensações que existem, começamos um movimento intenso, ele chevaga seu corpo pra trás querendo mais centímetros meus, dentro de seu Corpo branquinho, eu puxei seu cabelo, e o ouvi dizer que adorava aqui.


Era o que eu precisava ouvir, comecei em um vai e vem que só os brasileiros sabem fazer, o cara não escondia a excitação quando estava prestes a gozar, ouvi a musica que abriria o desfile, isso cortou meu gozo, ele não me deixou parar, me disse pra continuar, pois antes as mulheres desfilariam pra então só depois serem os homens, nossa o jeito de puto dele me deixava louco, comecei novamente a bombar, me desliguei do que ocorria la fora, comecei então a fuder de novo aquela bundinha que era só minha, ele então esmagou meu pau lá dentro, sabia que ele estava gozando, só disse pra ele não gozar na roupa, então depois de cinco minutos tirei meu membro de dentro dele e gozei no chão, acho que perdemos a noção de tempo, pois assim que ele subiu as calças, a Eloize que era minha assistente estava chamando ele, então saiu do quarto e já entrou na passarela, nem vi a entrada dele ainda estava me recompondo, depois do desfile no “After party” todos elogiaram o desfile, e disseram que sentiram minha falta, então disse que gosto de acompanhar dos bastidores, aproveitando de cada segundo, o Jorge veio me cumprimentou junto ao Luiz, que fotografafa tudo (trabalho dele) os modelos todos estavam lá inclusive JC, pra resumir toda a historia a festa foi excelente o desfile foi memorável, e essa minha passagem por Portugal inesquecível.

jsfj1990@hotmail.com

 

Com o namorado do amigo Português - Parte 2

Bom... Depois de termos saído, no dia anterior com o Jorge e seu namorado JC. Luiz e eu voltamos para o hotel e ainda fomos assistir a um filme que passa na TV, o filme era uma saída de mestre ficamos vendo o filme e conversando, filme que por sinal era ótimo, conversa vai, conversa vem, ele me pergunta quem eu tinha conhecido e tal, eu desconversei dizendo que era um carinha que estava com a família, enfim, depois ele me perguntou o que tinha achado do namorado do Jorge. Eu disse que não tinha formado opinião que não conversamos muito, Luiz então dispara a dizer que desconfiava que o cara estivesse me dando bola, eu disse que era impressão dele, só estava me olhando porque eu era diferente, das pessoas que ele conhecia... Mudamos um pouco de assunto e Luiz veio me contar uma fofoca (coisa que eu particularmente adoro) me disse que seu amigo Jorge estava um pouco chateado pois o namorado dele, não queria fazer sexo, nossa na hora comecei a rir, não consegui controlar, Luiz meio que sem entender continuou a me relatar que eles nunca passavam das preliminares, daí tentei argumentar dizendo que o rapaz poderia ser virgem, ou inseguro com o próprio corpo por isso ele não queria sexo com o Jorge.

Luiz, já cansado de conversar e meio bêbado disse que iria dormir, e simplesmente apagou, eu fui para o banheiro tomei uma bela ducha, relembrando os momentos que havia passado um pouco mais cedo, terminei meu banho vesti meu pijama e tentei dormir, mais estava difícil já que o Luiz ronca muitoooo. Dentre alguns cochilos o dia amanheceu, levantamos tomamos banho, um café reforçado e fomos passear por Portugal, a cidade era linda, mais com uma arquitetura muito tradicional, para os que se ligam em construções históricas era a cidade perfeita, já eu sou mais vanguardista, gosto de coisas contemporâneas mais mesmo assim estava curtindo a cidade, andamos conversamos com as pessoas tiramos muitas fotos, fomos a museus lugares históricos, andamos quase que a manhã toda quando se aproximava do horário combinado fomos ao shopping para nos encontrar com os meninos, eu já ate conhecia o shopping, tenho uma memória ótima para decorar esses tipos de lugares não sei porque. Eu já estava ate branco de fome de fome depois de quase cinco minutos me perdendo de encantos com algumas vitrines avistamos os garotos, o Jorge estava com uma camiseta básica branca, que realçava muito seu corpo, e ele na parte do dia parecia bem mais bonito, já o JC, estava com uma T-shirt amarela, muito bela também, e estava lindo, com os cabelos ainda molhados, ai vê-lo minha vontade foi a de beijá-lo, mais deveria me controlar, nos encaminhamos para um restaurante almoçamos durante o almoço tudo normal, conversamos bastante o JC, estava mais comportado que no dia anterior. A comida estava ótima, ficamos cerca de uma hora no restaurante... Ao sairmos passeamos pelo shopping e nos sentamos em uma espécie de praça de alimentação pois já eram quase duas da tarde e pegaríamos a sessão das três no cinema, me sentei de frente para o JC, que já começava a me olhar diferente, enquanto Jorge contava piadas e riamos o namorado dele fazia sinais com a cabeça indicando o banheiro, nossa aquele cara me queria denovo, mais daí me lembrei do que ele havia me dito, que queria me comer, mais me lembrei que o pau dele era um pouco maior que o meu deveria ter uns 18 cm, enquanto eu tinha 17 cm, mais se tratando de penis um centímetro faz muito diferença.

Entendendo o recado, falei para os caras que iria a alguma loja comprar alguma coisa para passar tempo e iria aproveitar para andar e conhecer pessoas, e sai para o lado oposto do shopping, como já tinha ido lá no dia anterior eu sabia que ele tinha uma outra entrada lateral, dei a volta entrei do outro lado já passando para o banheiro, mal entrei no lugar e já ouvi um assovio e alguém abrindo a porta do banheiro, era o JC, que já estava la dentro de calça arriada e com o pau duro apontando para mim, já me sentia intimo do cara entrei dentro daquele banheiro segurando ele pelo pescoço e beijando aquela boca com gostinho de sorvete, quanto mais beijava mais eu queria beijar, estava com os nervos a flor da pele, queria aquele corpo de novo de qualquer forma, enquanto beijava ele, ele foi mordendo a minha nunca e me deu alguns chupões no pescoço que ficaram marcas na minha pele, e me disse ao ouvido num tom de voz que me fez arrepiar – Junior. Me chupa, nossa cara que delicia, fui descendo por aquele corpo ate chegar de frente ao objeto de desejo, que já estava todo melado explicitando o prazer que JC estava sentindo, seu penis era lindo, com prepúcio branquinho que encobria a glande rosada. Umidifiquei os lábios, e abocanhei aquela rola, nossa tinha tanto tempo que não fazia um oral, estava com um desejo tão grande, me deliciei naquele órgão, passava a língua por toda a sua extensão, abocanhava as bolas dele que tinha um pouco de pelos mais que para mim não era problema, quando senti seu corpo se contorcer, parei de chupar e fiquei de pé dizendo que queria ser chupado também, o cara, estava chupando melhor que no dia anterior, ele aprende muito rápido.

Ficou ali de joelhos me chupando uns 10 minutos, quando em um repente me virou de costas e passou a língua na minha bunda, me arrepiei todo, nossa como é bom, o cara mordia-me a bunda me dava tapas, eu pedia para ele parar com os tapas, pois poderia entrar alguém. Ele começou a enfiar dois dedos na minha bunda a seco, doeu um pouco, mais foi ficando gostoso, fez isso enquanto me punhetava, nossa estava muito gostoso, ele subiu colocou camisinha e encaixou, respirei fundo e fiz sinal positivo com a cabeça, senti aquela rola me rasgando, firmei as pernas, enquanto ela ia entrando parecia uma faca me rasgando por dentro, quando finalmente entrou tudo ele soltou um urro abafado nas minhas costas, enquanto uma lagrima me escorria o rosto, ele começou um movimento de vai e vem ritmado e lento, acho que pra eu me acostumar com aquele membro estranho dentro de mim, ficou assim uns dez minutos, quando já tinha relaxado ele colocou as mãos em minha cintura, e começou a bombar com movimentos fortes e intensos, o cara estava me fudendo sem dó nenhuma da minha bunda mais nem poderia reclamar afinal de contas tinha feito o mesmo com ele no tia anterior, eu Pedia para ele ir mais devagar que estava me machucando, mais ele me respondia – Não gostastes de fazer isso com outras pessoas, então me calei, e senti minha bunda esquentando, mais o prazer que sentia com aquele cara dentro de mim, era muito maior que a dor que seu membro me proporcionava, ele começou a me punhetar de novo enquanto me fudia, nem demorou cinco minutos e gozei, nossa mais gozei muito, tive um orgasmo, o cara ainda continuava bombando e agora me beijava a boca e dava uns gemidinhos, tirou seu membro de dentro do meu corpo deu uma só fez, me deu um certo incomodo, e uma sensação de vazio por dentro queria que ele coloca-se aquele membro de novo dentro de mim.

Enfim mais uma vez me virou de frente me olhando nos olhos e gozou, mais gozou muito, espirrou na minha camiseta, e me beijou de novo, ficamos trocando carias alguns minutos, enquanto sentíamos aquele cheiro de sexo no ar, nos vestimos mais eu não poderia continuar com aquela camiseta, pois estava manchada, e tinha cheiro do esperma do JC, então me recompus mais que depressa e fui a uma loja comprei uma camiseta nova e já vesti, colocando a minha suja dentro da sacola, voltei para mesa, o JC ainda não havia retornado, conversamos mais dali a dez minutos ele voltou, dizendo ao Jorge que havia encontrado uma amiga dele, e que perderam a noção de tempo enquanto conversavam. O cara falava isso me dando umas olhadas de rabo de olho, ele era ótimo em enrolar o namorado dele, enfim... fomos ao cinema na sala sentaram Luiz, Jorge, JC e eu na ponta, enquanto víamos o filme, eu senti uma mão passeando pela minha perna, no começo pedi para ele parar, mais quando mais eu tirava a mão dele, mais ele intensificava as caricias, ate que resolvi deixar, o Jorge estava bem concentrado no filme nem viu o namorado massageando minha rola, ele queria me punhetar ali mais não deixei, assistimos ao filme depois fomos jogar boliche.

Quando já íamos embora, os garotos marcaram de sair no outro dia, eu os disse que adoraria mais que não poderia ir, pois teria que fazer Casting, para escolher os modelos que iriam desfilar para a marca que eu trabalho, então convidei o JC para o Casting, ele topou na hora me agradecendo o convite com um sorriso, mais disse para ele que era um teste, que ainda não estava escalado para desfilar, então ele disse – Sou ótimo em testes, tenho certeza que estou nesse desfile, falou isso mordendo o canto da boca, então mais que depressa pra desfarçar disse o mesmo ao Jorge que respondeu que não curte essas paradas de moda, mais que se pudesse iria assistir ao desfile, disse que claro queria todos eles lá. Os garotos nos acompanharam ate a entrada do hotel em que estávamos hospedados, o Luiz combinou de sair com o Rui para ver outros amigos da época de escola, enquanto eu já sabia que no outro dia, teria um terceiro tempo com o namorado do meu amigo Português.

jsfj1990@hotmail.com

 

Com o namorado do amigo Português

Chamo-me Junior, sou Brasileiro e estilista de uma importante marca de prêt-à-porter tenho um super amigo meu português, sempre nos falamos, ele trabalha com fotografia e sempre ficava falando da terrinha, que tinha saudades e etc. Mais até então nada em mente de ir para lá, até que recebemos o convite para participar do evento de moda, Portugal Fashion, que seria na cidade do Porto... Mais que depressa, liguei para o Luis contando que iria a Portugal, ele então ficou feliz por mim mais disse que adoraria ir, mais nem eram férias do trabalho, disse para ele que havia dado jeito nisso, e que ele seria o fotografo da marca, que faríamos campanha publicitária lá e que queria ele para fotografar.

Ele quase morreu de felicidade passados os dois meses, estamos de malas prontas para Portugal Luiz era um homem lindo... Alto com 1,90 alt, uns 80 kilos, cabelos curtos 22 anos, branco, olhos verdes e com um mega sotaque.
Já eu sou moreno, 1,84 alt, 85 kilos, rosto com traços delicados, porém másculos, olhos castanhos escuros, cabelos no estilo militar, e voz grave, e 20anos no ramo que trabalho passo despercebido, muitos acham que nem sou gay ehehhe. Fomos ao aeroporto, e embarcamos, chagamos em Portugal, fomos para cidade do porto. Lá quem nos recebeu foi um rapaz muito simpático vou chamá-lo aqui de Jorge, Ele estava de carro e nos levaria ao hotel, conversamos um pouco, o suficiente para saber que o Jorge era gay, percebi isso por pequenos gestos que ele fazia, e a forma como olhava as pessoas, enfim, Jorge era um cara extremamente legal em minutos de conversa já tinha adorado ele mais no entanto ele era militar, e tinha retornado de uma missão pacificadora, entrei no hotel, estava exausto, enquanto Luiz e Jorge matavam saudades, eles tinham estudado juntos... Enquanto eles tricotavam eu fui para minha sessão diária de beleza, assim que sai do quarto, eles haviam combinado de ir jantar, então tive de concordar, já que não havia muito o que fazer... Sai na parte da tarde, fui ao ateliê de uma designer conhecida, elaborar minha coleção, acaba que enrolei durante toda a tarde e nem fui jantar com eles, ficamos trabalhando ate tarde, era muito a se fazer em pouquíssimo tempo.

No outro dia, de manhã mesma coisa, deixei o Luiz na piscina do hotel e fui trabalhar, na hora do almoço já tinha terminado tudo, o resto eram só detalhes que as costureiras mesmo poderiam fazer, já que não interferiria muito no conceito que havia criado, na parte da tarde fui passear sozinho pela cidade fui ao Shopping cidade do porto, andei por varias lojas, comprei algumas coisinhas, quando dei por mim já eram 5 da tarde, voltei para o hotel, tomei um banho dali a meia hora entra o Luiz, me dizendo pra arrumar pois iríamos sair, tinha comprados roupas novas mesmo, e estava ansioso para sair, pois ainda ouvia o barulho das maquinas de costura e já estava bastante ansioso com os desfiles que viriam ainda tinha que fazer Casting, provas de roupas queria mais era sair e distrair, e como achei o Jorge uma companhia bem agradável beleza me produzi e fui... Chegamos a um restaurante, com nome um tanto quanto engraçado chamado Pedro dos Frangos.

Era tipo um PUB, daqueles ingleses eu adorei,notei que tinha uma pessoa nova no grupo, era um “amigo” do Jorge, ele nos apresentou o rapaz, vou chamá-lo de JC, sentamos pedimos e ficamos a comer uma entrada enquanto esperávamos, dentre risadas, zuações de ambas as partes por causa do sotaque, hora e meia eu via que o namorado do Jorge ficava me encarando, ele era uma delicia, tinha 1,80 alt, pesava 70 kilos... Corpo super legal, cabelo meio cumprido, e uma cara de safado que nossa... Ele tinha o tipico rosto dos modelos europeus um tanto quanto feminino, era uma carinha de menino sapeca, mais já tinha 18 anos de idade no momento em que vi o cara, pensei em chamá-lo para o desfile mais fiquei na minha, naquela noite não queria pensar naquilo, e o Jorge poderia achar ruim eu fazer uma proposta daquelas para o namorado dele, já estava ficando meio exitado com o carinha me olhando toda hora. E já tinha gostado do Jorge como pessoa não queria fazer uma sacanagem dessas com ele.

Enfim... Mais nem morto que eu mexeria com o namorado do cara, até porque ele era militar, não podia apanhar em hipótese alguma, meu rosto é meu ganha pão heheh enfim, estávamos a comer quando sinto algo roçar em minha perna, com muita descrição olhei por debaixo do forro da mesa, era a perna do JC, nossa cheguei a engasgar, fiquei de pau duro na hora, como o forro era cumprido o namorado dele nem percebia o que ocorria ali debaixo

Ele percebendo que eu estava gostando, tirou o calçado e agora passava os pés na minha perna e como eu estava de bermuda, era toque de pele, ele ficava me olhando me desejando com os olhos enquanto seu namorado falava comigo, ele alisava o cabelo do Jorge, enquanto percorria meu corpo com a perna, estávamos em uma mesa de canto então ninguém via nem ele alisar o namorado muito menos a minha perna, terminei de comer, e nessa altura seu pé já acariciava meu membro que pulsava de tão duro dentro do shorts, levantei e fui ao banheiro, quando já saia entra o JC no banheiro e me empurra para de um Box. Meu coração disparou perguntei o que é que ele estava fazendo, ele me respondeu que só estava terminando o que havia começado embaixo da mesa, minha respiração ficou ofegante, e fui quase sufocado por um beijo, estava tão gostoso que fiquei com as pernas bambas, e ele começou a me alisar, percorrer meu Corpo com as mãos até que chegou a região abaixo do meu umbigo, foi desabotoando meu shorts, minha respiração ofegava, e ele dominava a situação, mordia minha orelha, passava a mão na minha bunda, comecei a virar o jogo encostei ele na porta, puxei seus cabelos fui mordendo sua nuca, aranhando suas costas, abaixei sua calça quando olhei aquela bunda... Nossa que delicia, queria comer ela de qualquer jeito, era uma delicia, nem grande demais, nem pequena fui abaixando até chegar naquela bundinha, metia a língua sem medo, fiz um cunette perfeito, beijava, mordia e chupava aquela bunda, queria ela de qualquer forma, notei que ele era virgem o que me deu mais tesão ainda, salivei bastante os dedos e fui forçando fiz ele curvar as costas, e fui passando a língua nas bolas dele e vindo ate o reguinho, nisso ele gemia, quando coloquei dois dedos, ele começou a se contorcer nos meus dedos e a gemer, então quando senti que estava tudo livre pra mim, e fui mordiscando suas costas ate chegar na nuca.
Então o virei de frente e vi que seu pau estava muito duro, o beijei com volúpia mais uma vez, e perguntei se ele queria dar pra mim, o cara era tão safado que já estava ate com camisinha no bolso, ele disse que iria usar com o namorado mais que se eu quisesse poderia estrear ele, nossa era isso que eu precisava ouvir, virei ele de costas de novo... Encaixei e fui empurrando, falei para ele relaxar que a sensação de desconforto passaria logo, fiquei forçando um pouco ate que parei, esperei ele relaxar, e quando ele ficou com a guarda abaixada empurrei e entrou tudo de uma vez, minha sorte é que alguém tinha entrado no WC isso o fez abafar o grito, ou um possível xingamento fiquei lá parado com meu pau duro dentro dele, enquanto ele ficava fazendo uns movimentos meio que esmagando meu pau lá dentro, queria que aquela pessoa saísse logo, eu queria bombar aquela bundinha, quando senti que a porta fechou, dei uma forçada nas costas dele, fazendo-o curvar e iniciei um movimento de vai-e-vem puxando seu cabelo, não poderíamos demorar muito, então comecei a literalmente fuder a bunda dele ele colocava a mão na boca tentando abafar os gemidos, fiquei fudendo uns 10 minutos ate que acelerei os movimentos, senti as pernas dele tremerem e sua bunda apertar meu pau la dentro, ele tinha gozado, seu gemidos e movimentos, me fizeram gozar dentro dele, enchi o preservativo de porra, tirei meu pau de uma vez, fazendo levar a mão na bunda, tirei a camisinha limpei meu pau com papel higiênico. E sai do banheiro, voltei pra mesa, cinco minutos depois, la vem ele, ele se sentou fazendo uma cara meio de desconforto mais disfarçou bem, me deu uma vontade enorme de rir, mais me segurei, quando o Luiz me perguntou aonde tinha ido, disse que estava conversando com um rapaz que tinha encontrado, o Jorge nada falou, nisso o JC, beija o Jorge na boca, novamente me deu vontade de rir, pois lembrei daquela boquinha no pau, minutos atrás ele beijava o cara, e me alisava embaixo da mesa, o cara era um puto de primeira eu deixei, já que tinha tirado a virgindade dele o mínimo que poderia fazer era deixar ele brincar com meu corpo né, saímos de la, andamos um pouco conversamos rimos mais um bocado ate que finalmente decidimos que era hora de partir, mas que no outro dia sairíamos para almoçar, tomar sorvete e assistir algum filme no cinema do shopping. Na minha cabeça eu já sabia que no outro dia haveria putaria denovo, nos despedimos, e quando ele foi me abraçar me disse ao ouvido enquanto alisava minha bunda – Amanhã é você quem vai dar Ok.

Como quem não entendeu nada, disse tchau, ate porque o cara tava ali, o namorado dele. Então nos viramos e fomos embora.

Em um próximo conto, eu relato pra vocês como foi o dia do shopping...

jsfj1990@hotmail.com

 

Homem que ama outro

Eu não aceitava a possibilidade de dois homens se gostarem a ponto de terem um relacionamento sexual, mas tinha curiosidade no assunto. Entrava no bate-papo uol e via pessoas com nicks bem apelativos. Troquei mensagens com alguns caras, mas os diálogos eram sempre os mesmos e levavam para a mesma direção: sexo sem fronteiras. Irritava-me às vezes pela banalização do assunto ali tratado, mas fui acostumando e aguçando a curiosidade enquanto o tempo passava.

Certo dia eu estava sozinho em casa muito para baixo e resolvir ir ao bate-papo, mesmo desiludido com as conversas de lá. Demorou pouco e comecei tc com um rapaz(M), cuja fala era bem interessante: direta e clara, porém, sem ser vulgar. Na verdade tinha um diálogo muito sincero, tipo rapaz do interior, digamos assim. Como a conversa foi tão boa e eu já estava seguro em relação a ele, resolvir recebê-lo em minha casa, apesar de ser um procedimento errado.

Eu que já tinha em mente, um perfil de homem que gostaria de ter para mim, decepcionei-me quando o vi entrar aquele porte de homem: estatura mediana, forte e com cara amarrada. Totalmente diferente do padrão de homem que eu criara em minha cabeça. No meu quarto, sentamos em frente ao computador e falamos de coisas banais enquanto o gelo ia se quebrando.
Acariciei as coxas dele, que são fortes e com pelos bem suaves, fui apalpando por sobre o short o pau dele até descobri que tinha um volume grande e macio. Fiquei admirado e prossegui com minha busca. Tirei a roupa do (M), deixando-o totalmente pelado, ali na minha frente: um pau super desenhado de 19cm, grosso, ligeiramente encurvado, saco grande e bem macio. Tudo isso para mim? Pensei.

Coloquei-o no sofá com todo aquele material à minha disposição. Fui acariciando e mamando cuidadosamente. Esfolei a cabeça do pau com muito carinho, passei a lingua por toda a extensão ainda meio bambo, enquanto aquele caralho ia inchando como massa de padeiro. Em instantes aquilo tornou uma tora duríssima como aço.  Sobre o kct do (M) tem uma veia grossa saliente que de tanto eu mamar, ela pulsava dentro da minha boca. Ele gemia baixinho jogadão no sofá.
Enquanto ia mordiscando cada pentelho dele, ia sentindo o odor super agradável do saco do (M). É impressionante como cheira bem, parece que vive o tempo todo banhado. Dei um trato legal chupando o pau, saco e cheirando as virilhas, ao passo que ele se contorcia de tesão.

Joguei-me sobre seu corpo macio, tocamos nossos paus, nos esfregamos e punhetei ele bastante. Coloquei camisinha no pau dele e deixei que ele mi penetrasse. Foi uma dor sem igual, merejou água dos olhos, mesmo assim não reclamei pra não fazer feio. Homemm que é homem aguenta sem fazer escândalos. O cara bombou, bombou e nada de gozar. Parece-me que ele não gozou, mas disfarçou que sim. Fiquei triste! Queria que ele tivesse gozado rios de porra. Acho que não foi bom para nenhum de nós, porém, fiquei com boa impressão dele.

Feito isso ele foi embora e sumiu do mapa. Eu pensava nele sempre e desejava vê-lo para termos outra oportunidade e fazermos sexo de boa qualidade. Após três anos eu o encontrei na sala de bate-papo de novo. Meu coração disparou e alegrei-me por demais. Outra vez ele veio em casa. Estava diferente, mais encorpado e com uns lábios lindos, destacado mais ainda pela barba por fazer. Disse que esteve morando durante este tempo na cidade dos pais dele. Nossa, foi tão bom aquele reencontro, tudo diferente, fodemos sem pressa e com maturidade.

Dai para frente passamos a fazer sexo uma vez por semana e da melhor qualidade possível. Eu sempre como passivo. Meu sonho era sentir meu pau entrar no cuzinho dele. Eu tentava colocar pelo menos o dedo, mas ele educadamente não aceitava. Um dia com muita insistência pus creme no meu dedo e coloquei no reguinho dele. Sempre mais eu investia nas dedadas e ele passou a  suspirar de tesão. Como era apertado, fiquei maluco e desejava muito aquele cu.

Eu implorava pra penetrar ele, e numa destas sacanagens ele pediu pra gozar na minha cara e claro eu deixei, foi sentando na minha barriga, se punhetando e se contorcendo, até que sentou no meu pau. Colocamos creme e fomos atolando. Putz, foi delicioso, era muito apertado e quando se punhetava mais arrochado ficava o cuzinho dele. Que sensação maravilhosa, foi a melhor da minha vida.

O (M) é um cara fechado, poucas palavras e quando diz algo, tá dito e pronto. Já penetrei ele algumas vezes e em várias posições nem que seja por pouco tempo. Gozei uma única vez no cu dele. O cara é fraco pra dar o reguinho, reclama da dor e é cheio de manha. Mesmo assim eu me realizado com ele. Nunca deixa a gente na mão, tá sempre presente e faz sexo como ninguém.

Eu sou bem mais velho que ele, por isso eu tento compreender os gostos dele e deixar que ele faça algumas escolhas sem pressioná-lo. Até porque ele é do tipo sincero,  honesto e não vive reclando o tempo todo. Eu gosto deste tipo de atitude.
A um ano atrás fui trabalhar noutra cidade, a 400km, da cidade em que ele estuda enfermagem. Vou encontrá-lo uma vez por mês e cada dia descubro que o sexo com ele fica melhor: pegação, oral e penetração. Ele goza e depois faz eu gozar. Nossa, como ele chupa bem, bate uma punheta federal na gente, sem contar nas artimanhas que tem para penetrar a bunda da gente. To feliz, com esses 5 anos de relacionamento.

Quem diria! Eu que não via possibilidades entre dois homens se relacionarem, tenho vontade de dizer pra o (M) que o amo muito. Acho chato esse tipo de conversa com outro cara e principalmente em se tratando dele, tão contido. Deixarei que minhas ações falem e ele sinta este sentimento. Não sei o que ele pensa sobre isso e nem vou procurar saber. Mas são muitas interrogações que fica na mente de um cara que gosta de outro. É muito complicado … acho! Essa é uma homenagem, a ele que certamente não lerá este conto, mas se duas pessoas lerem pelo menos, saberá que há no mundo um homem que amo outro de verdade… e já está de bom tamanho.

Vai continuar ao meu lado... [Parte I]

Bom pessoal... Dando continuidade a minha historia, (Contos: Sempre esteve ao meu lado... e Continua ao meu lado...) vou contar pra vocês como minha historia de amor, acaba...

Depois de o Guilherme e eu termos reatado o nosso relacionamento, com um dos melhores sexos da minha vida, ate aquela data. Começamos a finalmente nos entender, estava tudo indo às mil maravilhas, quando eu já estava entrando para o terceiro ano da faculdade e o Guilherme trabalhava com o pai dele, fui surpreendido mais uma vez por ele com suas crises existenciais. Há ele também havia entrado para faculdade, estava cursando Agronomia. Ele chegou até minha casa, me dizendo que não queria mais namorar comigo, que o pai dele estava desconfiando, e que ele nem sabia ao certo se era isso que queria pra vida dele.


Dessa vez, não descabelei, não me exaltei, apenas falei, você tem certeza que quer isso? Ele me respondeu que sim, então disse – Que seja feita a vossa vontade, então continuamos amigos? ele se mostrou surpreso com minha reação dizendo, é só isso que você vai falar, nós vamos terminar assim? Mal esperei ele concluir e disse – Guilherme, nesse jogo sempre foi você quem ditou as regras, e pelas suas regras nosso relacionamento acabou então só me resta aceitar.


Na verdade eu estava destruído por dentro, queria morrer, não deixei transparecer, pois como minha turma iria viajar pela universidade, pensei ser a hora perfeita pra esquecer ele, pois pra ele eu sempre estaria a sua disposição, e precisava mostrar que não era bem assim. As semanas iam se passando, ele ia pra minha casa, jogávamos vídeo-game caminhávamos juntos, íamos para baladas (hetero) enfim voltamos a ser amigos, mais ele sempre me passava a mão ou fazia menção de me beijar, ora eu empurava ele, ora eu brigava, quando finalmente chegou a viagem não acreditei, como eu fazia faculdade de relações internacionais, uma multinacional selecionou dez alunos que dominavam melhor o inglês, para estagiar na matriz da empresa, eram três semanas, o ruim, é que alem do estagio não ser remunerado não havia possibilidade de contratação ( mais para o futuro talvez) fui... o Guilherme me levou ao aeroporto, mais como não queria ficar sozinho com ele, o obriguei a levar alguns amigos também, pois assim restringiríamos o assunto. Deixou-nos no aeroporto, e foi embora, fiquei essas três semanas sem sequer lembrar dele, tiramos muitas fotos, conheci muita gente, eu não sabia o quão incrível era trabalhar na área comercial de uma empresa grande, conheci um rapaz americano, nós nos beijamos e foi só. Trocamos e-mails, enfim... foi uma experiência única.


Quando retornei, o Guilherme me buscou no aeroporto, fui contar pra ele que tinha sido incrível, mostrando fotos enquanto ele dirigia, contei da experiência, meus olhos brilhavam enquanto eu falava, mostrei fotos do carinha americano pra ele, que se mostrou puto de raiva, me chamando de puta, que mal terminamos e eu já estava arrastando aza pra machos, interrompi e falei – Espera ai... Terminamos tem mais de um mês, queria que eu ficasse sozinho?! Eu só beijei um cara, e você me contou que “traçou” um monte de garotas, e ele me dizia que era diferente, mais uma vez interrompi dizendo para pararmos de discutir, pois isso não nos levaria a lugar algum... Quando chegamos ate minha casa, estava uma bagunça tremenda minha mãe estava reformando a cozinha, acho que pela décima vez, entramos tomei banho, coloquei uma sunga e ia para piscina, quando fui tomar água, o rapaz que auxiliava o pedreiro quando me viu ficou me secando, tentando disfarçar, mais eu percebi, passei por ele e aproveitei que ele estava próximo a geladeira e me abaixei pra pegar iogurte, o deixando admirar minha bunda, nessa altura o Guilherme já havia sacado a situação e veio me puxando, para o cara não ficar me olhando e foi dizendo – O que você esta fazendo? O cara tava te engolindo com os olhos. Dei uma risada entreguei o iogurte pra ele e cai na piscina, fiquei lá um bom tempo, com o Guilherme sentado a borda, ora me olhando, ora observando pra ver se o rapaz me olhava. Eu estava adorando aquele jogo.


Sai da piscina, me banhei na ducha me sequei e entrei em casa, com o Guilherme a minhas costas, como se fosse um segurança, ele já olhava com cara feia pro rapaz, o cara percebendo o que ocorria começou a implicar com o Guilherme, eles haviam assentado o porcelanato e deveriam esperar cerca de 4 horas para passar o rejunte, então o pedreiro saiu pra comprar o rejunte, deixando o rapaz lá, estávamos jogando vídeo-game eu mais que depressa desci e fui chamar o rapaz pra ficar com a gente, quando cheguei ainda só de cueca, ele tomava água e quase que se engasga, o cumprimentei com um Oi, e perguntei seu nome, ele me disse que era Jorge, e perguntou se podia ficar ali na copa, ou se eu queria que ele espera-se La fora, o interrompi dizendo que queria que ele ficasse no meu quarto, antes que ele disse-se qualquer coisa, completei – É que estamos jogando X-box e tem como jogar com três pessoas, você quer ir? Ele então falou – Mais e seu namorado? Ele não gostou muito de mim, se eu for lá acho que ele não vai gostar,e minha camiseta também esta suja, falei pra ele que o Guilherme não era meu namorado só amigo, e o mandei tirar a camiseta, assim estaria tudo bem, ele resistiu um pouco, mais ao ver minha cara de por favor , ele topou.


O Jorge era um cara moreno, claro, tipo queimado de sol, com a pele do peito um pouco mais clara que a do rosto e dos braços, cara com porte, tipo parrudão, só que sem ser peludo 26 anos de idade, olhar de criança, resumindo lindo! Chegamos ao quarto o Guilherme perguntou por que da minha demora, e quando olhou pra trás viu o cara sem camisa, ficou muito nervoso, eu sempre sabia quando estava nervoso, ele forçava a mordida quando ficava bravo, ao ver aquilo me deu vontade de rir, apesar de ter corpão o Guilherme parecia raquítico perto do cara. Começamos a jogar, o jogo era Ghost Recon, é muito bom, e violento jogamos muito estava divertido, ate o Guilherme estava se divertindo, ficamos umas duas horas jogando até que me cansei, e fui rebentar pipoca, deixando os dois, quando retornei um silencio pairava no ar, servi refrigerantes arrumei as pipocas e fomos assistir filme, assistimos ao filme eu deitado com a cabeça próxima a ele, e o Guilherme deitado de valete comigo, com as pernas encolhidas, a certa altura do filme sinto as mãos do Jorge, afagar meus cabelos, quase derreti, quando o filme acabou o Jorge saiu, foi trabalhar, apesar do pedreiro ainda não ter chegado ficando apenas o Guilherme e eu no quarto mais uma vez ele com ciúmes, ficou La brigando, eu ouvia comia pipoca, e relevava, ficou nisso quase meia hora, depois ele veio me deu um beijão me dizendo que era meu macho, meu beijei, e depois quando terminamos disse pra ele – Perai mais você não voltou a ser hetero? Porque ta me beijando? Fiquei provocando ele mexendo em seu cabelo, e mordendo a boca dele, ele já estava se entregando a mim denovo, mais tivemos que interromper pois o portão da garagem estava sendo aberto e ficamos assim de pau duro e correndo tentando disfarçar e arrumar o quarto antes de alguém chegar, isso foi no sábado, hoje to me perguntando, será que o Guilherme quer voltar comigo? Será que o Jorge quer ficar comigo?
Enquanto as respostas não vêm fico aqui esperando esse dia de domingo passar, mais as horas insistem em não passar. Depois conto o resto da historia...

jsfj1990@hotmail.com

Cosmo o cara casado

Era apenas mais um maçante dia de trabalho, eu trabalhava nessa época como analista de frota de uma multinacional do setor sucroalcooleiro, e apesar de não ter um cargo de encarregado ou de líder, eu era bem respeitado por todos. Pois no meu setor era apenas eu,e por sinal eu estava indo muito bem profissionalmente, conseguia manter toda a frota em ordem, quase que anulando os custos com manutenção corretiva, o que era visto com bons olhos pelos diretores da empresa. Na época eu tinha 21 anos de idade, 1,84 alt, pesava 80 kilos, moreno, cabelos negros curtos, olhos castanhos, nariz fino (meio empinado) sempre fui um homem com cara fechada, até pra manter minha aparência hetero fudedor que eu tinha...

Enfim... O que eu quero contar aconteceu justamente no dia em que havia decidido chutar o balde, apesar de ir bem era muita pressão em cima de mim, às vezes me sentia sufocado, já iria para dois anos de trabalho ainda sem tirar férias, pois bem, me levantei as 5:00 da manhã, tomei banho, café, e deixei um recado para a minha ajudante do lar dizendo que o pessoal da concessionária viria buscar meu carro para revisão, e fui para o ponto pegar o ônibus ( pois a usina ficava na zona rural, e a empresa disponibilizava transporte) cheguei a usina, adiantei meu trabalho fui no financeiro pegar dinheiro, pois teria que vir a cidade pagar IPVA, de parte da frota, então agendei um carro para após o almoço, na hora marcada fui buscar o carro. A recepcionista me disse que um funcionário me acompanharia, pois como a importância que eu estava levando era considerável eu deveria levar um “segurança” disse que Ok. Quando olho para trás o cara que iria comigo, quase desmaiei... Era um homem loiro de 38 anos de idade, mais ou menos 1,95 alt e uns 100 kilos de pura excitação.

Cumprimentamos-nos, me apresentei dizendo meu nome Frederico, mais conhecido como “Fred” ou “Fredelicia” ele me disse seu nome que era José Cosmo, mais me pediu para chamá-lo apenas de Cosmo. Ele não sabia quem eu era mais eu o conhecia, sempre o via no refeitório da indústria, lindo e loiro, conversando e comendo, ficava admirando ele, mais discretamente, fomos para o carro, pedi para que ele dirigi-se, pois eu estava cansado, seria 1h e meia de viagem, então ficamos conversando pelo trajeto ele me disse que era casado tinha 2 filhos com idade inferior a 10 anos, e que era Eletricista predial. E que sua mulher estava grávida do terceiro e estava com 8 meses e que sexo nada, já havia 2 meses, mais me falou isso rindo, entrei no clima da brincadeira. Já próximo a cidade paramos em uma barreira policial acho que por ser próximo a um feriado deveria ser alguma operação daquelas pra evitar acidentes, ficamos um tempinho na fila o que eu achei ótimo,quando olhei próximo vi um senhor vendendo saco de laranja, desci do carro e comprei um pra gente, entrei no carro, e comecei descascar a laranja usando um estilete. Acho que chupei umas 5 laranjas, até que o cosmo disse – nossa você gosta mesmo de laranja né. Na hora respondi – Se eu pudesse chuparia o dia inteiro, adoro ficar de boca cheia ( falei já com sentido sexual mesmo, queria que o negocio rendesse ) percebi que ele ficou sem graça e resolvi mudar de assunto,falamos de futebol, carros, filmes de ação e mulheres, quando finalmente entramos no assunto sexo. Falamos sobre tudo (Com mulheres) quando ele percebeu que eu entendia do assunto ele solto, - Cara Pensei que você fosse bicha. Mais tu entende mesmo sobre dar prazer a uma mulher.

Daí não agüentei, e tive que falar – Cosmo e se eu te falasse que sou bissexual, gosto de transar com mulher e com homem ?! Ele meio confuso com o que eu disse retrucou – Ou isso não existe ou o cara é macho ou não é. Disse para ele que não discutiria aquilo e passamos peo posto policial, chegamos ao órgão responsável, fiz os procedimentos, fui a pé ao banco que era próximo (tudo no centro da cidade) e ele no carro me aguardando. Quando retornei já com os documentos em mãos ele parecia serio, e com um ar de duvida, perguntei se tinha acontecido algo, ele só fez sinal de negativo com a cabeça. Então começamos o trajeto de volta em silencio, quando ele me diz – Não acredito que você fode com homens, nossa cara você parece tão macho, ninguém nem desconfia de você. O interrompi dizendo – E espero que não seja você quem vai contar isso pra alguém, ele me disse pra confiar nele, e começou uma sessão interrogatório – Como é, Você Chupa, Já deu a Bundinha ? eu respondia tudo com a maior tranqüilidade. Ele continuou – Nossa você deve dar muito esse cuzinho, porque sem viadagem você é um cara boa pinta, deve ta chovendo macho na sua horta.

Dei uma risada e falei que nada, só fiquei com dois caras até hoje, e só dei para um deles, quando falei isso o cara ficou descontrolado, perguntei o que estava havendo, então me surpreendi com a resposta – Nossa to sem fuder a dois meses,e você me diz que curti uma putaria, e que só deu uma vez, nossa sempre quis comer um cú mais as mulheres, nunca querem dar, e você um cara discretão pra caramba, to pensando seriamente em te fuder. Perguntei pra ele se era serio, ele me disse que sim, mais que não ia me beijar nem me chupar, que só queria fuder minha bunda. Retruquei dizendo – Não disse que vamos transar outra coisa se você só quer comer um cú, você pode pagar alguém, eles não beijam na boca, eu particularmente não consigo fazer sexo sem ao menos beijar a pessoa, antes que ele respondesse pedi para que fosse a minha casa ou me ligasse quando quizesse conversar sobre a possibilidade de transarmos. Voltamos para indústria, à semana terminou e nada dele falar comigo. Domingo estava em casa lavando o carro, quando olho pro portão quem esta parado me observando, O Cosmo, dei um sorriso bem aberto, que foi imediatamente retribuído, abri o portão ele entrou, já era quase hora do almoço ele veio falando –Ta aqui sozinho, quase que me encoxando disse que sim, que morava sozinho, entramos pela sala, ele me empurrou contra a parede e me deu um beijo de macho forte, com gostinho de bala de menta, e prensou o seu corpo contra o meu, senti se pau se apertando contra meu abdômen fiquei louco comecei a abrir sua calça na hora seu pau saltou pra fora esquentando minha barriga, ele já veio sem cueca, enquanto eu admirava aquela rola, ele terminava de se despir e me pediu – Fred por favor me chupa, obedeci na hora, cai de boca naquela rola, era grande e grossa. Tinha 18x6 cm e cheirava a macho, chupei com vontade, estava decidido a ser o melhor boquete da vida dele, ele soltava uns gemidinhos abafados, como se estivesse envergonhado.

Nossa chupei um bom tempo, e ele nem fazia menção de gozar, parei de chupar e me despi, e então o segurei pela rola e fomos caminhando para o meu quarto, chegamos ao quarto ele começou a me dizer putarias tipo – seu puto, você não sai da minha cabeça, to me masturbando pensando em você todos os dias, agora vou matar minha vontade desse cu, olhei com uma cara bem safada pra ele e disse – to morrendo de vontade de ver o que você é capaz de fazer bonitão, ele me jogou de costas na cama, e enfiou a língua no cu meio que me abraçando por trás, estava muito gostoso meu pau estava mega duro, ele lambia, chupava e mordia minha bunda, lambuzando ela toda de saliva, até que me disse – quero te fuder agora, falei pra ele por a camisinha e fazer o que quizer que eu seria dele sempre que ele quizesse, isso o deixou mais fissurado ainda.

Ele veio pra cima de mim, e so com o lubrificante do preservativo e sua saliva foi forçando a entrada, doía demais o ar ate me faltava, eu queria gritar, mais abafava apenas rangendo os dentes, quando olhei para trás com os olhos cheios de lagrimas, isso pareceu um troféu para ele que em um urro, enfiou a cabeça e o resto do pau escorregou para dentro,e ele nem me deu espaço para respirar e começou a bombar, a dor não parava, mais vinha um sensação prazerosa junto a dor, que a amenizava, quando ele me segurou pelo quadriu e subiu nas minhas costas, sentiu uma pontada no rabo, ele então começou a morder minha orelha, arranhar minhas costas, me abraçou por trás e começou um movimento ritimado, porem rápido e forte, e ele não perdia o pique, seu corpo batia contra o meu, aquilo era muito gostoso, comecei a apertar sua rola dentro do meu cu, e gozei, mais gozei muito, meus joelhos ficaram até bambos, e ele La fudendo, ate que acelerou muito as bombadas, quando eu ia gritar ele tirou a rola de uma única vez arrancou o preservativo, me puxou pelo cabelo, e banhou meu rosto com sua porra, grossa e quente, foram quatro jatos fortes de porra, seguidos por alguns mais fracos, caímos muidos na cama lado a lado, ate que ele tomou a iniciativa e me deu um beijo amoroso e demorado, levantamos e fomos para o banheiro, debaixo do chuveiro ele segurou meu rosto e ficou me olhando fixamente nos olhos, quando perguntei o que era ele me disse – Eu não quero esquecer de nenhum detalhe do seu rosto quero sempre me lembrar do que vivi hoje.

Então falei pra ele que não seria necessário se esforçar pra eternizar esse momento, pois se ele quizesse poderíamos fazer isso sempre que ele precisasse. Ele me sorriu e sem dizer nada me abraçou, e assim começou minha historia com ele, a única coisa que me deixa triste as vezes, é que ele é casado mais isso a gente supera.
Isso era apenas um conto, ou seja, ficção... mais quem gostou me add para trocarmos uma idéia.

jsfj1990@hotmail.com

Novidades no Amazonas

Vou me apresentar como Osvaldo, sou divorciado tenho 38 anos de idade, 1,90 Alt. 85 Kilos, meu corpo é bem desenhado devido ao trabalho com o campo desde muito novo, morava em Goiás, mais como me divorciei e nada mais me prendia aquela cidade, e não tenho filhos, decidi recomeçar. Então me mudei para Novo Airão- AM, comprei um pedaço de terra por aqui, e comecei uma lavoura de milho, o tempo foi passando, contratei mão de obra, e sempre que possível ia a cidade, curtir a vida noturna, e descarregar as minhas energias, pois como estava solteiro, não tinha mais uma mulher a minha disposição pra saciar meu tesão sempre que eu precisa-se... Então sempre ia em uma “casa da luz vermelha” pois bem, isso nem vem ao caso, o que eu quero mesmo contar, é como minha vida deu um guinada.

Numa terça-Feira pela manhã, me levantei, tomei banho, bati aquela bronha, depois café e trampo... lá pelas 10:00 da manhã surge um pessoal na cede da fazenda, voltei para recepcioná-los avisado pelo caseiro, pensei que fosse aquele pessoal do senso do IBGE, voltei os cumprimentei, então naquele grupo de pessoas me surge um rapaz, um tanto quanto diferente dos demais que ate então eu havia visto, era um rapaz, moreno tipo chocolate, olhos castanhos não muito escuros, rosto com traços finos, mais não deixava de ser másculo, deveria ter em torno de 1,76 alt e pesar uns 75 kilos, nos cumprimentamos, e me explicaram que estavam fazendo pesquisa de campo com pessoas de baixa renda, que foram pouco alfabetizadas ou que não foram alfabetizadas, na minha fazenda moravam algumas famílias então os indiquei o caminho e os deixei trabalhar.

Fui à cozinha pedir a minha ajudante que fizesse bastante comida, pois sabia que aquele pessoal não concluiria a tempo de ir embora almoçar, voltei para armazém de secagem de milho e acabei me entretendo com o trabalho quando próximo a uma hora da tarde, o filho do Jeremias o caseiro veio me dizer que o pessoal me aguardava. Por sorte não havia me sujado nem transpirado, ainda estava cheirosinho voltei, os convidei para almoçar, e notei que o rapaz me olhava vez ou outra, mais sempre que olhava pra ele, o mesmo desviava o olhar, fomos almoçar, estávamos em oito pessoas, os quatro que vieram, fazer o estudo de campo eu, minha ajudante que sempre almoça comigo o Jeremias e o menino dele, por conhecidencia fiquei sentado de frente ao rapaz, durante o almoço sentia que seus pés por algumas vezes esbarravam com os meus, e por determinados momentos tinha a impressão que ele roçava as minhas pernas, ele estava de bermuda, e eu de calça Brin, fiquei um pouco desconfortável no começo, mais ele me deu um sorrisinho de canto de boca, nossa na hora eu fiquei aceso nem ligava que era homem, eu gosto muito é de safadeza.

Enquanto comia o cara tirou o tênis e agora passava os pés na minha perna, certo momento fiz um gesto negativo com a cabeça como que espantando uma mosca, mais para ele parar, e assim ele fez, terminamos de comer, tomamos um belo café conversamos e nos dispidimos, quando eles iam embora o rapaz que aqui vou chamar de Lucio, me disse que tinha uma bela fazenda, e que deveria ser ótimo morar naquele recanto então respondi –Sim é muito bom morar aqui, apesar de solteiro, tem sempre o pessoal por aqui nem tenho tempo para solidão, falei isso dando risada,e perguntei por educação que se eles quizessem poderiam vir ao final de semana para irmos a cachoeira que era na minha propriedade, Ok a semana transcorreu de forma tranqüila, quando sábado de manhã quem me surpreende no barracão o Lucio, chegou me cumprimentando, e perguntando se o convite ainda estava de pé – Disse que sim, que poderia ficar, e perguntei onde estavam as meninas que vieram com ele anteriormente, então ele me disse que veio sozinho, pois queria passar um final de semana de homens, fingindo que não entendi começamos a conversar. Ele me disse que tinha 27 anos de idade, que sua profissão era dialectólogo,e que estava fazendo sua tese de mestrado e que parte dela era a pesquisa de campo, que ele fez na minha propriedade.

Perguntou-me se eu era formado, disse que sim, que era economista por profissão, ele então riu e perguntei o que era ele então me disse que só poderia ser carma, pois a ultima pessoa que namorou também era economista, na hora perguntei – pretende namorar comigo?! Ele não se fez de rogado e disse que sim, que não via problemas nisso, acho que na hora fiquei de todas as cores que existem de tanta vergonha que fiquei, e disse pra ele não em levar a mal, mais que meu negocio era mulher, ele me disse – Vai me dizer que quando era jovem você nunca teve um amigo, que as vezes tocavam uma juntos ? Brincavam em córregos, riacho de forma mais ousada, disse que sim, mais que isso não era ser gay, e que tinha até um nome, era só uma questão de curiosidade que todo jovem, ou melhor, a maioria dos jovens passava por aquela situação, ele retrucou me dizendo – Façamos de conta então que isso é uma brincadeira de amigos, e que ninguém precisa saber, nossa a ousadia dele estava me deixando irritado e excitado, disse pra ele que sempre quis fuder uma bunda, mais que não iria rolar, pois naquele momento meu objetivo era outro.

Ficamos horas conversando, ate que terminei meu trabalho e o convidei para irmos ate a minha casa, entramos na casa fui para o meu quarto, tirei a roupa e fui para o chuveiro fechei os olhos para enchaguar o cabelo, e quando abro os olhos o cara esta na minha frente pelado e pau duro, aquele cara, estava me deixando doido, já passou a mão na minha ferramenta me olhando com uma cara safada e dizendo – Ta afim de brincar ?! Nossa nunca vi meu pau ficar duro tão rápido, é incrível como nessas horas perdemos os nossos pudores, e vão-se embora os conceitos e pré-conceito que temos, senti que seu rosto se aproximava do meu, me senti como no meu primeiro beijo, meu coração disparou me deu aquele friozinho na barriga, meu pau latejava de tão duro que às vezes até doía ele me envolveu em um beijo quente e úmido na medida certa, meu corpo arrepiava a cada toque daquele homem, seu corpo menor que o meu, me envolvia, ele controlava a situação sua mão escorreu pelo corpo, descendo até meu pau e foi abaixando, eu estava ansioso pelo toque de seus lábios no meu membro rijo, quando finalmente ocorreu, quase explodi em um gozo, mais me controlei queria prolongar aquele momento, ele chupava muito bem, comecei a gemer, ele me olhava e perguntava se estava gostoso, eu respondia que sim que não queria que ele parasse. Ele chupava ate que não agüentei mais e gozei. E como gozei, nos ombros dele, peito, mal terminei de gozar, meu cacete ainda estava sensível e ele voltou a me chupar, meu pau foi ficando durão denovo, ele mamava igual a um bezerro.

Até que finalmente o segurei pelos cabelos e disse que apartir daquele momento eu controlaria a situação que ele seria meu capacho, o levei para o quarto, ainda molhados deitamos, o virei de costas e finalmente lamberia um cu, coisa que sempre quis fazer, quando via aquele cu, nossa que delicia era limpinho, meti a língua sem vergonha alguma, lambia, chupava mordia, e ele suspirava e rebolava na minha cara, comecei a morder suas costas enquanto enfiava o dedo naquela bundinha, coloquei dois dedos, ele se comportava como uma puta seu olhar, me desafiava, peguei uma camisinha no meu criado mudo, e falei para ele – Firma que eu vou bombar. Ele ficou de quatro e subi nas costas dele, firmei melei o pau com KY, e fui colocando, a cabeça pressionava aquele buraquinho, ate doía, quando finalmente entrei eu tinha feito tanta força que o pau deslizou até a metade , ele soltou um grito abafado e me senti motivado, e enfiei tudo, comecei a bombar sem dar espaço para ele se acostumar com meu membro em suas carnes, eu estava finalmente comendo um cu, e como era gostoso, eu o segurei pelo pescoço e cabelos, e fudi, literalmente fudi, bombava em ritmo frenético nenhuma mulher me deixava fuder assim, afinal meu pau, não é tão fácil de agüentar tem 19 x 6,5 cm, modéstia a Parte eu tenho um cacetão, pedi pra ele sentar na minha rola, ele obedeceu de pronto, me deitei e la vem ele me engolindo com aquele cuzão gostoso.

O cara rebolava no meu pau fazia movimento circulares, nossa eu estava delirando quando ia gemer ele me beijava, sufocando minha voz, com seus beijos o que me deixava ainda mais exitado, em certo momento, ele começou um movimento ritmado e falei cara eu vou gozar o cara então acelerou e diz goza então, seu puto. Foi o tempo de ele fechar a boca e explodi em mais um gozo farto e excitante, pensei que ate tinha estourado o preservativo, mais não foi só minha excitação que me fez pensar isso. Ele ainda ficou com minha rola dentro do cu, não demorou muito enquanto ele se masturbava e me beijava senti meu pau sendo esmagado pela sua bunda, e minha barriga ser lavada por sua gala, ele gozava e gemia, quando terminou caiu por cima de mim, e ficamos abraçados por alguns minutos embreagados por aquele cheiro de sexo, levantamos tomamos um mega banho, e descemos para Cachoeira, enquanto nadávamos e nos conhecíamos melhor, a cada palavra do Lucio meu corpo reagia com tesão, sempre que estou perto dele fico de pau duro, é quase impossível de controlar.
Isto é apenas ficção ( é apenas baseado em fatos reais).

jsfj1990@hotmail.com


Conteúdo sindicalizado