Contos Eróticos

EXIBICIONISMO E SEXO NA SAUNA 1

A ansiedade para ficar alguns dias sozinho na casa de praia era imensa, pois o que estava em meus planos libidinosos, além de andar pelado na praia, era ir a uma sauna, curtir exibicionismo em todos os ambientes...  quem vai a uma sauna masculina não vai lá apenas para relaxar, vai para ver corpos masculinos, fazer sexo ou voyerismo... além disso tudo eu pretendia me exibir muito... provocar mesmo com a toalha ou hobby deixando a bunda à mostra e ver no que daria... se rolasse sexo eu toparia, na boa! Gosto muito do clima de  erótico da sauna.

Lagos

Era uma colega de trabalho, viajamos para algumas cidades do interior a trabalho. Ela é super gostosa, sem o perdão da palavra, mulher do tipo brasileira mesmo, cheia de curvas, e ribanceiras (rssss). Mexia mesmo com minha libido e sentia o maior tesão por ela. Mas... sendo casados os dois, me contive ao máximo, pelo menos na primeira viagem.

Na segunda viagem ela estava um pouco triste... ainda não tínhamos muita intimidade. Mas depois de vários kilômetros juntos acabei perguntando o porque da tristeza. Ela estava sentindo-se a mulher mais esquecida do planeta. Autoestima baixa demais, sem nenhum ânimo consigo mesma.
Comecei pelo que estava ao meu alcance, ouvindo suas lamentações. Ao final da primeira etapa da viagem ela já sorria um pouco... que bom, fiquei feliz com isso.

Minha nora nº 1: Leila

Olá gente tarada. Eu me chamo Marcelo, exerço a função de funcionário público, escritor nas horas vagas e tarado de plantão. Sou um quarentão charmoso e envolvente, tendo vivido experiências sexuais gratificantes.

O caso que vou narrar aconteceu com uma de minhas noras, que chamarei de Leila para evitar possíveis identificações com pessoas reais. O mais novo de meus filhos e sua esposa vieram morar comigo logo assim que decidiram juntar seus trapos. Sou separado de minha mulher e meus outros dois filhos, a mais velha e o do meio, moram em outras casas com seus respectivos parceiros.

Conhecendo um macho casado

Embora saiba que é comum homens casados com mulheres terem relacionamento com gays, aliás alguns amigos se relacionam com homens assim, eu nunca me relacionei. Nunca achei correto e já dei fora em homens casados que me procuraram e meus amigos que se envolvem, sempre os critiquei arduamente. No dia em que conheci o Eduardo, tudo isso mudou.

Sou gay, assumidamente, no entanto nunca contei aos meus pais e eles fingem que não sabem. Sou nada efeminado, tenho 20 anos, moreno claro, quase branco devido não tomar sol, meus olhos e cabelos são pretos, tenho 1,8m e malho duas vezes por semana, mas não sou do tipo fortão, meu corpo é apenas definido (os caras com quem me relacionam curtem). Adoro malhar pernas e exercícios para bunda. Nunca tive muitos pelos no peito e os poucos que tenho, depilo. Minhas pernas –e minha bunda também- são bastante peludas, gosto delas assim. Além de depilar meu peito depilo meus testículos, ânus e região entre eles (tudo lisinho, assim sinto mais a língua...).

Meu tio peludo me fodeu no sofá

Estava eu, minha mãe e meu tio que morava conosco num dia qualquer, quando, repentinamente, o telefone tocou às 22 da noite, ficamos bem assustados, mas minha mãe foi atender rapidamente. Para o desespero dela, meu avô estava aparentando algo muito sério, o tipo de problema que deveria ser tratado no hospital o mais rápido possível, o samu já havia sido chamado, mas estavam avisando minha mãe que, de antemão, todos que pudessem dar um apoio para minha avó deveriam ir à casa dela, já que outra tia iria acompanhar meu avô caso fosse necessário.

 

Primeira vez de Samyra

Oi! Pode me chamar de Samyra. Tenho 19 anos, e sou bebezinha escondida ^^.. Sou trans desde q nasci. Tenho uma bunda linda e bem grande! Mas ninguém sabe.. quase ninguém ^^ .. Sou branquinha, e cabelos ondulados, adoro brincar sozinha, enfiando meu consolo no meu cuzinho lindo e raspadinho.

Submisso na toca do Urso

A primeira vez que o vi foi em novembro de 2010 no edifício onde minha mãe tinha um pequeno apartamento de temporada, em São Vicente, litoral paulista. Sou de São Paulo e já se fazia alguns anos que eu não me dava o direito de passar uns dias na praia, como estava de férias, resolvi descer a serra. Apesar de estar chovendo o calor estava insuportável. Liguei o ventilador, peguei um livro e uma cadeira, abri a porta para o corredor e sentei fora do ap. pra ler. No meu andar não havia moradores nem inquilinos, então eu poderia ficar a vontade e despreocupado com reclamações. Não demorou e um faxineiro entrou pela porta corta-fogo, vindo da escadaria de incêndio. Surpreso, se assustou com minha presença na porta. Eu lhe desejei bom dia e ele só acenou com um olhar sério. Iniciou sua limpeza no corredor. Eu fiz menção de entrar pra deixá-lo à vontade, mas preferi obedecer meu desejo de ficar onde estava depois de reparar melhor no “bruta montes”, pois gostei do que vi.

TINHA DE ACONTECER, ACONTECEU - PARTE II

Já se tinham passado dois dias. Aquele pequeno pedaço de papel com um nome e um número telefônico era a fixação do momento. Não me saia da cabeça o quanto tinha sido prazeroso chupar aquele homem no cinema. Experiência, inédita, mas provocadora e incentivadora daquela enorme fantasia sustentada faziam anos, de me fazer fêmea para um homem gozar comigo e em mim. Resistia, tentava me auto convencer que não era certo. Mas o desejo me empurrava. Eu adorara suas caricias, alisadas gentis na minha bunda, a pica gostosa crescendo na minha boca, o urro contido do gozo em fartas e inesgotáveis ejaculações. Cada gota um prazer. E o mais sublime, era sentir-me responsável pelo orgasmo daquele macho.

Podia me dar uma segunda chance. Digamos assim para confirmar se tudo o que eu sentira não era fruto de um momento, que se repetido podia trazer-me a realidade. Bruno seu nome. Liguei.

Acabou acontecendo

Vontade antiga, inexplicável, mas a partir dos 55 comecei a sentir impulsos de estar com outro homem. Vontades não muito comuns. Não queria ser um homossexual, desejava me sentir mulher. Estes desejos se fortaleciam quando passava, quase diariamente, por uma rua a caminho do trabalho e um taxista muito maduro, parecia alimentar desejos, transmitindo isto de forma sutil mas evidente, principalmente quando de forma disfarçada acariciava o pau por sobre a calça e percebia que meu olhar estava fixo ali. O caminho do pecado estava aberto, bem a nossa frente, um cinema dedicado a pornografia.

Meu vizinho Brad

Olá meu nome é Victor, tenho 25 anos, dispensarei apresentações e descrições físicas, pois já fiz isso em Meu Vizinho Brad, publicado neste mesmo site. Passamos então ao que interessa: a segunda vez em que transei deliciosamente com o homem que me proporcionou o sexo mais incrível da minha vida.

Aventura num Cruzeiro

Mes de Agosto eu e Daniela, fizemos um Cruzeiro de 5 dias saindo de Seatle ate Junot no Alasca

Durante os varios dias a bordo no Navio, muito divertimente, Cassino e Boate todas as noites. Ja na primeira noite durante a balada um dos tripulantes oficiais de nacionalidade grega nao tirava os olhos de minha esposa Daniela de 50 anos, embora aparente muito menos pois se cuida muito em academia, Bem rolava todo tipo de bebida e Dani se divertia muito, ja nessa primeira noite esse tripulante tirou ela para dançar, ocorre isso normalmente, durante os pa sseios, ela ja estava muito solta e deu pra perceber o jeito que ele a abraçava, Bem dia seguinte curtimos um pouco da piscina do hotel e ele passava sem pre olhando como um cachorro faminto, A noite novamente depois do Cassino, voltamos a boate,Dani bebeu muito estava usando uma saia preta bem justa do corpo que a deixava deliciosa. Bem ele voltou a tirar ela pra dançar e ja nao escondia um grande volume em suas calças,

Expectativa e satisfação

Nos conhecemos em uma sala de bate-papo. Já saímos algumas vezes e sempre foi muito gostoso. Só que desta vez, ele vai realizar a minha fantasia de transar com 2 caras.

Confidenciei isto a ele na segunda vez que transamos e ele ficou animado com a possibilidade. Nunca fiz, mas sou louco de vontade, ele já fez e disse que é muito bom.
Apesar de ser mais novo que eu, tem 30 e poucos anos, conhece mais do mundo Gay. Sempre namorou e só saiu com outros homens. Na maioria caras como eu. Mais velhos que ele, que não são assumidos, casados, mas que adoram transar com outro cara. Ele é solteiro e vive intensamente sua opção sexual, conhecendo e satisfazendo a nós: os “enrustidos”.

Como seduzi e devorei a dentista hetero

Sempre tive fetiches com mulheres heteros...me fascina testá-las, provocá-las...até implorarem por prazer. Por isso, não pensei duas vezes quando precisei fazer um procedimento com minha dentista favorita, doutora Mariana! Apesar de há muito tempo sem encontrá-la, sempre tive atração pelo seu jeito mais tímido...mais sóbrio...mais recatado. Mariana era linda. Loira, com os cabelos medindo até quase na cintura, 1,68 de altura, 58kg...uma delicinha de dentista. Já eu sou mais normal...cabelos castanhos encaracolados, 1,63, 60 kg. Mariana era mais velha que eu...enquanto eu tinha 26 anos, ela estava com 34 e já era casada com um homem, dentista também, mais velho que ela.

Bem, e foi aí que eu tive a ideia de realizar esse meu fetiche de tanto tempo! Como teríamos duas consultas, não queria perder tempo e iria colocar meu plano em prática já no primeiro dia. Iria ter a Mariana pra mim, de qualquer jeito!

Meu pedreiro

Tenho 32 anos, sempre gostei de ler estes contos com histórias diferentes, mas comigo nunca tinha acontecido nada do tipo, apenas casos comuns na vida de qualquer gay.
Mas até que na semana passada ocorreu algo surpreendente na minha vida.

Comprei um apartamento e resolvi reformar. Contratei um pedreiro indicado por um amigo do meu pai.
Ele não era muito bonito, mas tinha um corpo fenomenal. Um moreno alto e todo peludo, com aproximadamente 36 anos, umas mãos e pés enormes, típicos de peão de obra mesmo!
Senti um tesão enorme no primeiro momento que nos vimos, mas exclui todas as possibilidades, pois ele ser um cara casado, com filhos e bem profissional.

Dando pros meus dois amigos héteros

Meu nome é André tenho 25 anos e a história que vou contar aconteceu comigo recentemente e resolvi contar a vocês.

Estava em casa um dia desses quando dois amigos meus (que não são gays ) me ligaram para fazermos algo, porém por conta de preguiça disse que estava deitado e que preferia ficar em casa sendo assim eles se ofereceram para ir até a minha casa e vermos um filme ou tomarmos cerveja e eu aceitei.

Gosto de macho ativo. E não liberal...

A história que passo a contar é real.

Sempre gostei de homens, desde criança já tinha atração, mas reprimi isso, e só fui realmente admitir para mim mesmo que era homossexual, depois de adulto. Por isso comecei tarde.
Hoje não tenho nenhuma dúvida, e meu desejo sexual é direcionado exclusivamente para homens ativos. Mas tem que ser ATIVO mesmo. Porque tem alguns que se dizem ativos, mas gostam de chupar um pau, ou até de ser penetrados, aqueles que se dizem "ativos liberais". Isso para mim não existe; o cara que gosta de pau, mesmo que só para chupar é passivo, viado.

Como eu não tenho problemas em dizer e reconhecer que sou viado, gosto só de homens comedores. Tenho um fraco por homens morenos, mulatos ou negros, se for peludo melhor ainda. E gosto dos bem tarados, safados e pervertidos.

Fui a primeira e nem sabia

Olá deixa eu me apresentar pra vocês: sou a Paty tenho 41 anos, olhos castanhos claros, cabelos pretos, morena clara.

A história que vou contar aconteceu comigo em abril deste ano.
Entrei no site de relacionamentos para lésbicas e fiquei olhando alguns perfis, me identifiquei muito com duas pessoas uma infelizmente era casada. Mas mesmo assim pedi pra adicionar meu numero para uma amizade, e assim começou.

Como estava carente e também gosto de mandar mensagens de bom dia, boa tarde etc....

Comecei a mandar msg para Ka, ela disse que não poderia me corresponder a não ser com amizade, pois era casada embora seu casamento estivesse em crise. Eu disse que tudo bem. Ficamos algum tempo nessa, até que um dia as coisas foram ficando diferentes ficamos mais intimas e as mensagens pelo Watt Zap, cada dia aumentava. Um belo dia ao avisa-la que iria tomar banho, ela me disse que pena que não posso ir junto...pronto foi a deixa....falei que se ela não fosse casada não teria problema algum.

Coisas boas que parecem sonhos

 

Tem certas coisas que acontecem quando a gente não espera. No último fim de semana, no que pese a chuva fria e renitente que caia no nosso sítio, o sábado acabou se tornando quente e bem desfrutado graças aos amigos que nos visitaram de forma inesperada. E justamente porque a chuva era intensa, tivemos que ficar todos dentro de casa, vez que até mesmo na varanda a ventania era muita e os chuviscos também.

 

Meu primeiro homem

Numa época que ser gay era a coisa mais escondida do mundo, eu comecei a minha odisseia.

Marcos era o nome dele, eu tinha na época 12 anos e meio e ele estava servindo o exército, era o mais velho e eu um dos mais novos, era uma turminha boa, mas, tinha um menino que eles diziam que gostava de ser menina.

Transando com a garota que chorava na rua

Ola, sou a Anne (nome ficticio), tenho 23 anos e estou solteira.

Vou contar a voces como tudo aconteceu com a Carla, primeiramente quero que imaginem como sou, tenho 1,69 cm, 58 kg distribuidos entre 30 por cento de massa muscular, 25 por cento de gordura e apenas 3 por cento de gordura visceral, ou seja, tenho uma barriguinha chapada e bem sexy, e um corpo durinho, modestia a parte. Tenho cabelos loiros (com luzes) e compridos e ondulados, sou branca, olhos castanhos claros, boca sexy que chama muita atencao. Estudo Direito.

A Carla eh muito gostosa, muito bonita, me deixou com tesao so de olhar para ela, tem 1,60 cm, 52 kg, seios medios e durinhos que chamam atencao nas camisetas decotadas que ela usa. Ela tem cabelos compridos, lindos cabelos negros e lisos, eh branca, olhos verdes maravilhosos. Tem 22 anos.


Conteúdo sindicalizado