Contos Eróticos

Lucas me fez mulher de bikini

Noite de lua cheia. Passei no shopping, comprei um bikini com calcinha marrom, de fio dental, e um sutiã de oncinha. No caminho, parei no acostamento e me troquei. Coloquei o bikini com muita satisfação, sentindo o toque gostoso da lycra em minha bundinha. Me senti super feminina. Dirigi assim por um bom tempo, até chegar no loteamento. De lá dava pra ver toda a cidade. O lugar era deserto e escuro, mas com a lua dava para ver bastante. Saí do carro e o coração disparou. Era a primeira vez que andava ao ar livre vestido como uma menininha.

Me senti livre e andei para um lado e para o outro, testando e desfrutando minha meninice. Rebolava com vontade.

Mais um pouco e Lucas chegava com seu carro de boy, todo preparado. Desceu do carro, vestindo uma bermuda de surfista e uma camiseta. Seu corpo musculoso me fez tremer só de ver. Foi chegando e, sem falar nada, me pegou pela cintura. Me encostou no meu carro e me apertou com vontade, beijando meu pescoço. Eu passava a mão por todo o seu tórax, sentido aqueles músculos torneados, como nunca havia sentido antes. Ele me acariciava todo o corpo, me dizendo: "Hoje vou te fazer uma mulherzinha. Está de bikini, é? Pois hoje vou ser o seu surfista.". eu dizia "Ai, meu surfista gostoso, eu sou toda sua." Ele me acariciava e nossos corpos suados iam se entregando. Tirou a camisa e pude ver o tórax mais perfeito do mundo. Eu mesma fiz questão de abaixar sua bermuda azul e vi maravilhada aquele volume na sunga preta. Abaixei e beijei o pau dele dentro da sunga ainda, lambendo suas bolas. Ele então me pegou, colocou de quatro sobre o capô do carro, acariciando minha bundinha. "Esse fio dental me enche de tesão".

Eu gemia: "Ai, meu gostoso, vem ser meu homem, vem!" Então ele lambuzou meu cuzinho de cuspe, tirou o pau da sunga e começou a brincar na portinha o meu cuzinho, tirando a calcinha de lado. O meu tesão foi aumentando, me sentia uma putinha na mão daquele macho gostoso. Ele foi penetrando lentamente, primeiro a cabecinha, depois mais um pouco, até que senti seu pau todinho dentro de mim. Eu me entregava cada vez mais, até esquecendo que era homem, empinava a bundinha cada vez mais. Então ele começou a se movimentar devagarinho, A cada movimento seu eu sentia seu pau entrando e saindo, me tocando lá no fundo, o que me dava o maior tesão. O toque do bikini só aumentava meu tesão, me sentindo uma menininha com seu namorado. Fomos achando os movimentos que mais davam tesão, e comecei a sentir uma coisa diferente, a cada bombada dele eu dava uma gozadinha. Assim ficamos por um bom tempo, sentido nossos corpos e a leve brisa, observando a cidade ao longe, que nem imaginava o que estava acontecendo.

Quando lucas gozou, eu já me sentia sua mulher, já havia gozado várias vezes sem nem encostar no meu pau, que estava encolhidinho entre minhas pernas, dentro do bikini, como uma bucetinha. Ele me abraçou forte e se despediu com um beijo. Combinamos que dali em diante eu seria sua menininha.

 

O primeiro e último

Meu nome é Bruno,tenho 19 anos, vou contar uma das coisas mais que meios importante que aconteceu comigo recentemente.(fato real)

As vezes entrava no bate papo da minha cidade, então como outro dia qualquer, estava eu, navegando quando um cara falou comigo no bate papo, foi ai que tudo começou …
Conheci ele, seu nome era Paulo,morávamos no mesmo bairro, ficamos varias semanas só pelo msn, com o passar do tempo se conhecemos melhor, se passou muito tempo.
Durante esse tempo Paulo todo dia falava dizendo que queria me ver.
Mais sempre eu dava uma desculpa, n sei se queria ver ele, por medo, sei la, meu envolvimento com outros caras , é como achar um diamante no quintal, muito raro.
Então um dia exclui Paulo do meu msn.
A historia começa aqui, como de costume vou comprar lanche a noite, e sento na mesa, quando vejo uma pessoa na esquina, adivinha quem era, Paulo.
Gente quando eu olhei pro Paulo pela 1 vez eu não sei explicar oque foi que eu senti, era como se eu ficasse hipnotizado, eu fui embora e ele não me viu …. na mesma noite eu add Paulo, rs
então conversamos e nos marcamos de se encontrar …
o dia esperado chegou , então fomos lanchar, depois disso, fomos na sua casa, ele estava sozinho me convidou pro quarto dele, ele ficou olhando o notbook e eu sentado na cama.

Ele me falou
-posso fazer uma coisa ?
-claro,pode sim

ele chegou perto de mim e me beijou o beijo mal começou e já estavamos de pau duro,
ficamos naquele beijo muito tempo, abaixamos a calça e deitamos na cama um em cima do outro,
ficamos naquele amasso, pegação e curtição , ele disse:
-meu irmão pode chegar a qualquer momento e era melhor não rolar sexo. eu concordei.
Na próxima semana eu iria ficar sozinho na minha casa então chamei Paulo a minha casa, ele veio a noite.
Mal chegou e estavamos naquela pegação ,rolou muito coisa entre nois, ficamos pelados na sala, e depois fomos pro quarto ,foi quando minha irma chegou, levantamos de repente ,se vestimos e sentamos na mesa com desculpa de estar estudando.
No outro dia minha família iria viajar e eu dormiria em casa sozinho.
Paulo veio novamente, rolou tudo, eu chupava ele, ele tambem, por nois dois ser ativo, o meu amigo ficou desanimado por essa razão, hehe, então Paulo ficou tambem .
-a coisa só flui se cooperar tambem, eu não podia fazer ,porque o meu amigo não ficava de pe, por medo de alguém chegar ,nao sei,
então ele ficou sentado na moto, cheguei perto dele, abraçei ele em pé , nos beijamos e ficamos abraçados por uns 10 minutos.
Já era mais de 1 da manha quando ele decidiu ir embora.
Depois disso gente se passou semanas, sempre ficávamos conversando pelo msn.
Paulo disse que gostava de mim e queria ficar comigo pra sempre, eu tambem gostava muito dele.
Então um dia passei em frente a sua casa, para minha sorte ele estava sentado na calçada e ficamos conversando , essa foi a Ultima vez que eu vi Paulo.
Quando eu escutava musica eu sempre lembrava dele, a musica é better days -Pette Murray.
Então resolvi colocar um fim nisso falei com ele pelo msn, perguntei se ele ainda sentia algo por mim e toda a nossa conversa a resposta dele foi talvez, não sei, sei la, ficou uma conversa meio que sem final.
Me despedi dele porque era a ultima vez que eu entrava no msn , dependo da sua resposta , eu iria continuar...mais toda essa conversa foi um não pra mim.
Paulo foi o cara que eu gostei de verdade , nunca gostei de outro como gosto dele.
Lembranças de um amor não se apagam rapido, vai demorar eu esquecer ele, mais a vida é assim, eu era cristão, foi por isso que perguntei aquilo a ele, se ainda sentisse algo por mim, se a resposta dele fosse sim, eu deixaria de lado isso tudo, mais como foi não, vou voltar pra minha vida cristã,a igreja e meus amigos de la.
Uma coisa é certa me lembrarei de Paulo por muito tempo da minha vida ( gente esse fato não tem muito sexo, sacanagem , só é uma coisa que aconteceu comigo e que não vai mais acontecer, desculpa aos que esperavam algo mais picante)
meu msn
bruno_androide17@hotmail.com

 

Minha namorada anaconda

Olá, tenho 43 anos hoje, mas sempre, desde qdo era casado eu qdo via filmes de sacanagem ficava de fato me sentindo admirando os cacetões enormes e lindos que apareciam nas telas, e confesso, ficava mais excitado ainda qdo via um pauzão negro, sei lá, mas acho uma pica preta bonita, exci-tante, viva,enfim...Derepente me via também excitado com travestis, aquela figura feminina de pau, nossa....acho uma coisa sensual, gostosa e instigante,,,,até q um dia, mesmo casado e com um tesão pra lá de enrustido tomei coragem e fui à minha primeira experiência com travesti....ameiiii....nossa, q delícia,,,mas,,,,só ativo,,,bem, o tempo passou, tive algumas,mas o tesão enorme me fez começar a querer mamar,,e fiz em algumas, etc,etc,etc,,,,até q um dia conheci Roberta, uma negra estonteante, 1,92, corpo perfeito, uma verdadeira deusa negra, simpática e tarada demais, acho mesmo q ela é mto, mas muito mais mesmo ativa do q passiva,,,enfim, entramos num motel e qdo ela se despiu eu não acreditava, um cacetão lindo, roliço, grosso, hiper cabeçudo, veias salientes e todo, todo lindo de 25cm ( medi mais na frente em outro encontro entre tantos q tivemos); ela logo reparou minha mistura de susto gostoso com admiração, nos beijamos, fodi ela, tudo q poderia fazer numa fê-mea,mas por ela ser bem ativa perguntou pq eu olhava tanto para aquele monstro lindo de pica negra, daí eu falei q achava bonita e até excitante, ela maliciosa perguntou se eu não sentia vontade depegar, brincar, de bjar e etc......numa mistura de tudo respondi meio seco q sim...ela sorriu e falou q eu podia ficar a vontade, não pensei duas vezes e comecei a ficar entregue de vez aquela pica mais linda q já vi até hoje...punhetava, cheirava, passava no rosto, batia na cara, lámbia do sacão ate o cabeção e colocava na boca com a maior satisfação,,não existe ninguém...ninguem mesmo q mame um pirocao com tanto tesao como eu,,,,,eu amava tudo aquilo, as vezes em casa só dormia sonhando em revê-la,,,o tempo se passou e Roberta começou a me provocar perguntando se eu não tinha vontade de sentir uma coisa daquela na minha bunda,,,,e lógico q eu morria de vontade, meu sonho..mas de medo também...até q um dia fui decidido à isso,,ela ficou hiper feliz em saber q eu tentaria,,,,e começamos, ela mto carinhosa e experiente linguava meu cuzinho, colocava um dedinho de leve, me colocava no colo dela sentado em cima daquela cobrona negra, mesmo fora, só pra eu sentir sentando em cima,,,pincelava o cabeção no meu cuzinho,,,enfim, mta sacanagem mas com o pauzaço fora, e eu louco para curtir aquilo tudo dentro de mim,,,por 2 vezes ela colocou a cabeça em outros encontros, pois já havíamos de fato virado namorados, eu era mulher dela mesmo, eu ficava louco, ardia mto mas eu tinha o maior desejo em sentir aquele minhocão preto dentro de mim e faze-la feliz também, já q estávamos mto íntimos, nisso já tinham +- uns 6 meses q namorávamos...e eu virava a noite com aquilo na boca,,,era minha mesmo,,,o pauzao da minha vida,,,.um belissimo dia, com a cabeça toda dentro eu não fugi e nem queria, tinha q ser AGORA! e Roberta foi metendo aquela cobra preta no meu bumbum a dentro, nossa como ardia mas também como era gostoso só de imaginar que eu estava recebendo aquilo...a pior parte foi o meio da negona massss,,,,qdo passou o meio pude sentir Roberta colando os ovos na minha bunda, minha nossa....que deliciaaaaaaa....sensação maravilhosa....finalmente eu sentia uma pica, e q pica!
 
A “MINHA” PICA...Dentro de mim...., simplesmente aquela rolona enorme de 25 cm, linda, cheirosa e esbelta estava todinha dentro de mim, Roberta depois de deixar passar alguns segundos, começou a massagear meu cú com ela, ao ver tudo através do espelho não resisti e explodi num gozo indescri-tível, eu estava de 4 entao ela deixou eu me refazer e com aquilo imensamente duro perguntou se podia continuar,,,,eu rapidamente disse q sim,,,q se ela tirasse eu ia é ficar mto puto com ela,,ela sorriu e começou a me fuder novamente,,,,puta que pariu é mto gostoso qdo o cú é bem comido e todo preenchido assim, ela não gozava,,,e eu já acostumado ao pauzao sentava em cima, franguinho assado, sentava de frente, de costas, era enrabado de lado,,de papai e mamãe,,tudoooo,,,,daí ela tirou o cobrão depois de uns 50 min,,,podem acreditar,,tirou a camisinha e mandou eu mamar até ela gozar....obedeci com certeza,,,e mamar aquilo enfurecido, enorme, pulsando,,não tinha preço,,,eu simplesmente dava um tratamento vip naquele cacetao majestoso, e garanto...mamo muitoooo, pq adoro, curto demais, as vezes eu virava a noite mamando minha anaconda negra,,,,bem,,,,daí já sentia q ela gozaria, pediu pra gozar na minha cara, como negar? Qdo o gozo veio, e eu sem parar um segundo de punhetar aquilo tudao recebi jatos e jatos na cara, pescoço, peito,,,,nossa,,parecia um cavalão gozando a minha deusa,,,,e qdo não restava mais nenhuma gotinha,,voltei a mama-lo inten-samente, pq eu não ficava sem ele na boca nunca, e logo minha dona estava pronta novamen-te....
 
Namoramos por 5 anos, eu era seu passivo, única dona, ela mesmo não acreditava, mas eu era bastante fiel aquela rolona peta e magica, nada me faria trocar de rola ou dona,,,o tempo passou,,mas agora,,nos vemos mto esporadicamente, mas nos vemos,,,e a cada encontro é como se fosse o primeiro,,,admito, eu amo aquela pirocona negra,,amooooo.....se alguma TV bem dotada quer um passivo (bi) fiel,,,me mande e-mail,,,sou do rio mas posso viajar,,e viajo....to doido, mas doido mesmo para ter uma TV bem dotada como minha dona....
 

Conto real com a Clea Dias

Estava pra passar o feriado no Rio Grande do Sul e pensei: vai ser agora que saio com a Cléa Dias. Ela já era meu sonho de consumo há anos, mas nunca tinha tido a possibilidade de realizar.
Liguei pra TGata, marquei com ela no apto dela e lá fui eu. Chegando lá, ela tinha acabado de sair do banho, tava de calcinha, sutiã, cabelo molhado e escova de cabelo na mão.
Ela era ótima, linda, gente finíssima, me deixou super à vontade. Eu tratei de beijar muito aquela Deusa. Beijei-a longamente na boca várias e várias vezes, enquanto ela elogiava meu físico e beleza. Deitamos na cama onde eu fiquei nu e a maravilhosa continuava de calcinha e sutiã. Nisso ela pegou meu pau duríssimo e mamou gostoso... brincava com as bolas... ficava um tempo só na cabeçorra, engolia até o talo... enfim... uma maravilha. Olhando aquela cena falei:
- Gostas de chupar uma rola, hein?
- Hum-hum! E vc? Gosta? - me devolveu ela
- A sua eu vou adorar.
Nisso coloquei a gostosa de quatro, arranquei sua calcinha e comecei a lamber seu cuzinho e seu pau, ainda semi-duro, por trás. Fomos nos movimentando até nos encaixarmos num divino 69. Eu meio de lado e mais por baixo, ia a loucura vendo no espelho a pica da gata entrar até o talo na minha boca carnuda e aquele saco batendo no meu nariz (que delícia!). Assim, sem pressa, mudamos a posição: sentei na beira da cama e ela de pé fodia minha boca como se fosse um cuzinho.
Depois de muito tempo levando pica na boca, tava com um baita fogo no rabo. A gata percebeu e me colocou de quatro na beira da cama, lubrificou e começou a meter. Sua pica tinha um tamanho ótimo: média na largura e comprimento e assim entrou facinho; depois foi só alegria. Ele meteu comigo de quatro, de bruços e por fim me deu uma surra de vara na posição de “frango assado”, sempre tirando de tempos em tempos e dando uma relubrificada. Foi delicioso: cheguei a pedir pra gata gozar na minha boca, pra encher ela de leite, mas ela falou que preferia gozar no meu cu. Ela bombou mais uns dois minutos bem forte me arregaçando e gozou gostoso enchendo a camisinha.
Fui embora feliz da vida, com o rabo esfolado de tanto levar rola e apaixonado por aquela mulher maravilhosa. O leitinho ficará pra uma próxima vez

Aventura de estudantes

Meu nome é Letícia e irei aproveitar que estamos nos conhecendo para contar um pouco sobre mim e as minhas aventuras.

Sou uma menina alegre, sempre brincando com tudo e com todos, mas nunca sendo inconveniente. Atualmente estou cursando medicina e estou no segundo ano. Tenho 19 aninhos, meu cabelo é preto e longo até o meio das costas, meu pai é brasileiro e minha mãe é japonesa, então explica meu olho puxadinho e um meus traços orientais. Como a maioria das meninas de classe média alta, cuido muito do meu corpo, sempre na academia. Tenho o bumbum durinho, pernas bem torneadas e seios médios. Adoro sair, curtir a vida, ler muito, e escrever.

Tenho muitas amigas e amigos e sempre saímos juntos, e foi em uma dessas saídas que iniciou a história que contarei hoje.

Era um dia de calor aqui na capital paulista, e como sempre, saímos da faculdade e fomos a um barzinho colocar a conversa em dia. Estávamos em seis pessoas, eram quatro homens e duas meninas, o resto da turma ainda não havia chegado. Passado algum tempo decidimos que devido ao calor devíamos ir para um lugar mais fresco e foi ai que surgiu a ideia.

- Vamos a minha casa turma, tenho carne e cerveja,e com esse calor será legal um churrasco na beira da piscina. Falou Filipe.

Todos concordaram com a ideia e nos dirigimos até lá então. Filipe mora em uma bela casa em Moema. Mora sozinho já que os pais trabalham em multinacional e normalmente estão fora do pais, faz curso de história. Por ser o filho único ele é um pouco mimado, mas é um gatinho. Junto com a gente estava o Rafael, que tem 20 anos e estuda direito, moreno alto e também de classe média alta. Marcelo que tem 19 anos e faz filosofia, seus pais são empresários, donos de uma rede de supermercados e o Carlinhos, este não sabemos o que o pai faz, mas ele é um gênio em computadores e faz ciências da computação, tem 18 anos e acho que é o mais gatinho de todos eles, sempre com aquele estilo misterioso dele. E ficando por ultima, mas nem por isso menos importante estava a Bianca que é loira, alta, seios médios como o meu e um bumbum grande, cintura fininha e umas pernas que deixa qualquer mulher com inveja, Acho que é uma das meninas mais lindas que já conheci, sempre se veste bem e com roupas que deixam seu corpo ainda mais modelado, estuda medicina comigo e tem minha idade, seu pai tem uma mega construtora e sua mãe passa boa parte do tempo em clinicas de desintoxicação por causa de vícios em remédios.

O calor que vem fazendo em São Paulo é de matar, mesmo ali, tomando cerveja na beira da piscina ainda estava muito quente, os meninos já estavam sem camiseta e sempre se molhavam para refrescar o corpo, já nós meninas não podemos fazer isso.
Carlinhos então falou.

- Pessoal, o calor esta demais, eu vou entrar na piscina, alguém me acompanha?

Filipe e Marcelo curtiram a ideia, quando percebemos eles estavam apenas de cueca se jogando na água, com os pulos que deram espalharam água para todos os lados, jogando água na Bianca e em mim.

- Vocês molharam a gente. Falou Bianca.

- Desculpe Bi, não foi por mal. Se defendeu Filipe. Acho que deve ter algumas roupas que sirvam em você aqui em casa. Se quiser é só pegar.

Como ficamos molhadas, boa parte de nosso corpo ficou ainda mais amostra devido ao roupa colada no corpo e percebemos que os meninos não desgrudavam os olhos de nós. Já que não tínhamos mais nada a esconder, pois já estava aparecendo quase tudo, falei para Bianca que iria entrar na água. Ela ficou olhando o que eu iria fazer e quando percebeu que fiquei apenas de calcinha e sultien, tirou também.

Assim que os meninos nos viram, começaram a brincar.

- Nossa, agora que o calor ficou maior. Falou Rafael.

Apenas rimos e nos jogamos na água. A sensação foi maravilhosa, o calor rapidamente sumiu ficando um clima perfeito, a água não estava muito quente, mas pelo sol do dia todo estava em uma temperatura gostosa. Nadamos um pouco, brincamos de jogar água um nos outros e quando ficamos cansadas fomos a parte mais rasa da piscina e ficamos sentados conversando enquanto tomávamos cerveja.

O papo rolava bem, falamos sobre muitos assuntos, quando surgiu o de lesbianismo. Os meninos assumiram que sempre tem tesão em ver duas meninas se pegando e rebatemos que não temos o mesmo gosto, ver dois homens juntos é estranho. Então Carilhos falou.

- Bom meninas, os homens são ogros, ver dois deles se beijando, as barbas se tocando é horrível, já mulheres são delicadas, quando elas se beijam transmite carinho e ternura. Vocês nunca reparam isso?

- Não, nunca reparei. Falou Bianca.

Então os meninos falaram para tentarmos, ai poderíamos falar pra ele o que sentiríamos.

Acho que por causa da cerveja ou por causa do clima, virei pra Bianca e vi que ela aceitou. Nos aproximamos e toquei sua face, sua pele macia e delicada. Nossos lábio se uniram em um beijo maravilhoso. Sentia sua linguá tocando levemente a minha, nossos desejos eram compartilhados naquele beijo. Não sei quanto tempo durou mais foi ótimo. Quando finalmente nossos lábios se desuniram, olhamos uma para a outra e entendemos o que tinha rolado, então olhamos para os meninos que estavam de boca aberta.

- Caralho manos, vocês viram esse beijo. Disse Carlinhos.

- O que tem o beijo? Perguntei.

- Nossa, o beijo de vocês foi muito sensual.

Quando Carlinhos falou que o beijo foi sensual, automaticamente olhei para o volume em sua cueca e percebi que estava com um grande volume ali.

Me levantei e falei que iria ao banheiro, Bianca prontamente foi me acompanhando. Ao chegarmos no banheiro perguntei o que ela achou do beijo e ela falou:

- Nossa Le, foi algo diferente né, achei gostoso e por mim, podíamos fazer mais vezes. Ao terminar ela riu.

- Eu confesso Bi, já tinha beijado outras meninas antes e até feito algumas coisas a mais porem o que senti quando nos beijamos foi algo muito diferente do que já tinha sentido.
Acho que novamente estava sendo tomada da curiosidade pois estava olhando com outros olhos para o corpo de Bianca, mas era melhor deixar essa curiosidade para outra oportunidade.

- Você nunca tinha me contado dessas suas experiências amiga, um dia terá que me contar melhor. Falou Bianca descontraída.
Claro, imagine chegar para a minha amiga e falar que curto meninas também, aposto que se você não tivesse tomado umas cervejas estaria em choque. Terminei rindo.

- Mas mudando de assunto, não sei se você percebeu, mas os meninos ficaram super excitados com a brincadeira. Estou afim de me divertir um pouco, gosto de deixar os caras excitados. Bianca nesta hora tava com cara de quem queria aprontar.

- O que você esta pensando em fazer amiga – perguntei a ela. - Não esta pensando em transar aqui? Ou está?

- Não amiga, apenas deixá-los com tesão mesmo.

Saímos do banheiro e fomos em direção ao piscina, os meninos ainda conversava, e comentavam sobre o beijo. Quando chegamos entramos novamente na piscina e percebemos os olhares dos meninos então perguntaram:

- E ai, o que vocês acharam do beijo?

- Ah Rafael, eu gostei do beijo, melhor que o beijo de muitos homens. Falou a Bianca.

- Hum, falou o Marcelo, então quer dizer que vocês gostaram, e vai rolar algo mais para vermos?

- Ah sim, falei, o que vocês querem que a gente faça? Tenho um vibrador aqui, quem quer ser o primeiro a ter ele enterrado?

- Hum, quem sabe podemos enterrar em vocês enquanto se chupam? O pau de Marcelo parecia querer saltar pra fora da cueca.

- Como assim, o beijo é melhor que de muito homem? Falou Carlinhos, meio atrasado.

Bianca fez então a proposta, iriamos beijar os quatro e ver qual beijo é melhor.

Me dirigi então a Rafael e o beijei, aquilo estava ficando divertido, o beijo dele era molhado, sua língua parecia querer entrar na garganta de tão fundo que ia, apenas disso o beijo estava me deixando com um pouco de tesão. Depois disso beijei o Filipe, este era muito ousado, pois não utilizava apenas a língua, sua mão parecia afoita percorrendo meu corpo, tentei afastá-la, mas foi meio complicado. Chegou então a hora que mais estava esperando, queria ver como seria o beijo de Carlinhos. Nossos lábios se encontraram e seu beijo totalmente delicado, parecia muito com o beijo da Bianca, também não consegui distinguir quanto tempo durou, pois o toque suave de suas mãos em minha face, nos cabelos estava me deixando doidinha. Quando consegui abrir meu olho percebi a encrenca que havíamos entrado.

Meu sultien estava aberto, meus seios estavam ainda mais amostra, Bianca estava já estava completamente nua. Marcelo chupava seus peitos enquanto ela tinha o pau de Rafael enterrado até o fundo de sua boca. Carlinhos agora colocava a mão em minha xaninha e eu demostrava mesmo sem querer que estava morrendo de tesão com tudo aquilo. Minha amiga estava se divertindo e resolvi que não valia a pena estragar tudo.

Fiquei completamente nua também, sai da aguá e sentei na espreguiçadeira e logo Filipe estava com o pau apostado na minha cara e Carlinhos ainda continuava em meus seios. Abocanhei aquele pau, não era muito grande porem era bem grosso. Ele me pegava pelos cabelos e me puxava como se estivesse tentando fuder minha boca. Carlinhos já era delicado, beijava meu corpo com carinho, me masturbando.

Bianca estava agora vindo em minha direção, tinha a mão dada com os seus dois machos, ela chegou e falou para Carlinhos dar licença a ela pois precisava falar comigo. Assim que ele saiu ela caiu de boca em minha xaninha, ao toque de sua língua meu corpo se contorceu em um frenesi que nunca havia sentido. Ainda continuava com o pau de Filipe na boca que agora parecia muito mais suculento. Os meninos estavam doidos a esta altura. Bianca então pediu para eu me levantar, ficou de quatro com Rafael embaixo dela, já iniciando a penetração em sua bucetinha, ela me chamou mais perto e ao chegar ela novamente me abocanhou, Filipe que a esta altura estava louco de tesão se posicionou atras de Bianca e sem aviso enterrou aquele pau grosso no cuzinho de minha amiga que uivou de dor.

Carlinhos voltou a beijar minha boca e senti Marcelo abrir minha bunda e tentar penetrar minha bucetinha. Como estava em pé, ficou meio complicado para ele, pois por mais que tenha tentado não conseguiu, sendo assim ele não teve dúvidas, quando vi o que estava para acontecer já era tarde, senti aquela rola enorme entrar contudo em meu cuzinho virgem. A dor foi muito grande, lágrimas escorreram de meu rosto e Carlinhos me abraçou dizendo que logo iria passar a dor.

A verdade é que ele tinha razão, a dor começou a passar, mas isso depois de um bom tempo. Sentia cada centímetro daquela rola entrando em mim, as bombadas cada vez mais forte, então veio o meu alivio, um liquido quente inundou meu cuzinho, finalmente o Marcelo havia gozado e estava tirando seu pau de dentro de mim. Eu já nem sabia mais quantas vezes tinha gozado, sei que estava cansada. A boca de Bianca me deu mais prazer do que já senti com qualquer homem.

Bianca ainda recebia uma dupla penetração, pelo seu olhar e sorriso, estava adorando a brincadeira.

Eu me deitei na espreguiçadeira então Carlinhos abriu minhas pernas e começou a me penetrar levemente, senti muito prazer quando aquela rola foi entrando em mim, nossa, não acabava nunca. Era grossa e grande, na verdade enorme, por isso ele foi cuidadoso. Enquanto me penetrava, falava coisas legais em meu ouvido, perguntava se estava doendo, se queria que fosse mais devagar e tal. Estava doendo um pouco por isso sugeri ir por cima, pois tinha mais controle. Bianca sentou ao meu lado com a cara cheia de porra, seus seios também estava sujos e ela parecia muito cansada. O pau de Carinhos entrava e saia da minha bucetinha, eu já estava rebolando gostosamente naquele pau. Carlinhos então falou:

- Nossa Letícia, você é muito gostosa.

Fiquei sem graça mais agradeci e disse que ele é ótimo de cama, ou de cadeira, sei lá.

Mãos percorriam meu corpo, apertavam meus seios, minha bunda, me davam tapinhas, nem sabia quem estava fazendo, estava gostando. Então senti um aperto forte em minha cintura, minha bundinha estava totalmente arreganhada, percebi que era Bianca me abrindo quando um pau entrou com tudo dentro de meu cu. Não sei quem estava me comendo, não era grande o pau e já não doía tanto quanto antes.

Bianca agora transava com Marcelo, acho que ele gosta mais de comer cu do buceta, pois era o segundo cuzinho que estava comendo. Bianca agora sentia o mesmo que senti quando aquela rola enorme me possuiu. Eu ainda não sabia quem estava me fudendo por trás, nem me importava com isso pois estava adorando. Sabem, acho que toda mulher devia provar isso. Ser possuída por dois machos é delicioso.

Carlinhos agora me beijou com uma intensidade muito maior, percebi o que estava para acontecer, queria sentir minha bucetinha ser enchida com aquela porra, e não demorou ocorreu o que queria, nossa, quanta porra. Senti o pau de Carlinhos agora encolhendo dentro de minha bucetinha, acho que o amante que fodia o meu cu percebeu o que aconteceu, pois pouco depois gozou também deixando meu cuzinho agora arregaçado e escorrendo ainda mais porra.

Acho que foi o Filipe que me comeu, pois Rafael estava ma piscina. Logo, segui sua ideia e pulei na água também. Bianca continuava transando com Marcelo que não cansava nunca. Ficamos na água assistindo a cena, logo olhei para os meninos que estavam novamente com suas rolas duras. Carlinho foi transar com Bianca me deixando então com Rafael e Filipe na água. Engatei em Rafael, coloquei minhas pernas em volta de sua cintura e encaixei seu pau em minha bucetinha, nunca tinha transado na piscina, a principio pareceu meio complicado, mas depois pegamos o jeito. Quando todos gozaram novamente ficamos juntos na água, conversamos e descansamos, pouco antes de irmos embora, a brincadeira recomeçou, transei com todos, novamente e eu e Bianca fomos para minha casa, com porra escorrendo de nossas bucetas e de nossos buraquinho. Foi um dia agitado, gozaram em meu cabelo, rosto boca e todos os lugares que conseguiram. Depois disso prometemos nos divertirmos mais, já que agora nós duas podíamos ficar de vez em quando. Tivemos outras aventuras como esta, acho que depois uma mulher faz uma dessas pela primeira vez, aprende o que é bom.

Temos mais aventuras para contar, incluindo outras amigas e festas com amis parceiros. Espero que tenham gostado e agradecemos as criticas para que possamos melhorar.

Autores: Edu e Mari

 

A Cantora e o Chantilly

Um dia fui num barzinho GLS com minha namorada e algumas amigas, estava tudo muito bem, tocava o cd da Ana Carolina, mas ai chegou “a cantora”, passou ao lado da mesa e chamou a atençao, não só por ser bonita, mas também por usar um estilo mais alternativo, ela foi ao segundo andar do bar onde fica o palco.
Minha namorada com um tom de ciumes disse que ela olhou pra mim, eu disse que não tinha visto e que devia ser impressão dela, mas isso causou uma discussão e ela só confirmou a impressão que eu também tive e aumentou o meu interesse, nunca tinha traido a minha namorada até essa noite.
Quando ela começou a cantar a voz dela começou a entrar em mim e me perturbar, fora que ela escolhia as minhas musicas prediletas, era como se ela tivesse cantando pra mim, era assim que eu sentia, era assim que eu queria.
Depois de um tempo o pessoal já tinha bebido um pouco,inclusive minha namorada que já não estava prestando tanta atenção em mim, então fui até o banheiro e passei pelo palco, ela me olhou e deu um sorriso e eu super sem jeito entrei no corredor que ia pro banheiro e não acreditei que não tinha retribuido aquele sorriso.
Na volta passei e tinha alguns guardanapos e uma caneta perto do palco, pro pessoal fazer pedido de musicas, e pensei em uma musica pra pedir mas nao consegui lembrar, então coloquei meu nome e numero do celular.
Depois me deu medo, mas ja tinha feito, olhei pra ela ja quase na escada e ela sorriu com um ar de alegria que me encantou novamente...logo, depois voltou a tocar Ana Carolina e a cantora foi descansar um pouco...quando senti meu celular tocar, era ela , quando ouvi sua voz tive certeza, entao fingi que nao dava pra ouvir e sai pra atender,então ela disse..."-Canto mais umas 5 músicas e depois te espero no meu camarim" (eu nem sabia que la tinha um camarim), mas nisso chegou minha namorada e só disse, tudo bem to esperando.
Então ela perguntou com quem eu tava falando, eu disse, que era minha irmã que queria saber se eu queria uma carona que ela passaria lá perto. Eu falei pra ela aproveitar o taxi que ia levar uma amiga nossa e ir pra casa ja que essa amiga morava perto dela e a minha csa era do lado oposto da cidade e nesse dia estavamos sem carro, o táxi chegou e ela disse que ficava preocupada de me deixar la sozinha, então eu disse que minha irmã ja tava chegando e ai eu que ia ficar preocupada de deixa-la só...ai ela foi embora!!!
Me deu um alivio e um peso na conciencia ao mesmo tempo, mas o desejo era maior que a razão, demorou tanto pra passar o tempo, a essa hora o bar ja estava mais vazio, sentei numa mesa perto do palco e fiquei vendo ela cantar pra mim, quando ela tava quase no fim, fez sinal pra eu entrar numa porta que dava no tal camarim, entrei discretamente e logo ela entrou...
...Linda, um perfume de enlouquecer e la estava eu sem ter a minima ideia do que fazer e ela percebeu a minha cara de "medo", eu estava num sofá pequeno de couro e na minha frente tinha um tipo de divã e ela se sentou ali e perguntou:
- E a sua namorada?
Eu não imaginei que ela perguntaria isso, e na mesma hora meu rosto ficou vermelho...então ela riu de mim e disse que eu tava linda vermelhinha, ai eu sorri...e não respondi!
Ela levantou e veio na minha direção e disse, "nao se preocupa te devolvo inteirinha pra ela, mas hoje não" e ajoelhou no sofá deixando os seios na altura do meu rosto (e que seios!!!) e sentou no meu colo e antes que eu falasse algo ela me beijou e o medo passou...eu tinha certeza que a noite seria maravilhosa e o beijo foi demorado...e fomos nos deitando no sofá e o clima tava esquentando, até que bateram na porta...ela gritou "ja vou"!
Ela chegou a boa perto da minha orelha, deu uma mordidinha e disse baixinho, "vamos pra minha casa" e não tive duvidas, concordei!
Saimos de la já não tinha mais clientes...entramos no carro dela entao e ligou o carro e as vezes escorregava a mão do câmbio pra minha perna e dava uma apertadinha, aquilo já estava me deixando doida de tesão!
Até que chegamos, ela morava com uma amiga, mas ela nao estava em casa...nos beijamos mais um pouco e ela me falou onde tinha toalha e falou pra eu ir tomar um banho enquanto ela preparava algumas coisas pra nossa noite, eu obedeci e não demorou muito e ela estava la atras do box, vi só sua silhueta se despindo, mais linda do que eu podia imaginar e entrou no banho comigo e disse, "ta tudo pronto, só falta voce", terminamos o banho e ela começou a me secar e bijar ao mesmo tempo e fomos pro quarto onde ela me jogo na cama e disse que eu tinha que me comportar...pegou 4 algemas e me prendeu na cama, algemas de brinquedo, mas eu não ia fugir dela mesmo, me amarrou de uma forma que fiquei com as pernas bem abertas depois pegou um spray de chantilly e uma tigela com morangos cortadinhos e começou a passar nos meus seios e só o gelado do creme no meu corpo quente jé me deixava doida e ela foi descendo passou na pernas e "lá" também...quando ela passou ja comecei a gemer...estava delicioso, mas ia melhorar, foi espalhando os pedaços de morango e deixou um unico inteiro e colocava perto da minha boca mas nao me deixava morder, então colocou ele no meu grelinho e começou a mexer, quando eu ja tava quase gozando só com isso ela tirou e colocou na entradinha como se fosse me foder com ele e depois mordeu o morango me deixando só na vontade...
Veio pra cima de mim como se fosse deitar por cima e baixou molhando os seios dela no chantilly dos meus e trouxe na minha boca e eu chupei com muito desejo, e ela comeou a me beijar, meu pescoço, meus seios, lambia com tanto gosto e foi descendo, quando chegou no umbigo desceu pras pernas e lambeu toda a parte interna, e finalmente chegou na buceta, lambeu todo o creme e começou a chupar com uma vontade...que nao demorou muito eu nao aguentei e gozei, como nunca...nessa noite ainda aprontamos muito....
 

Reunião de mães

Sou professora, e fico sempre fugindo das tentações que vivem me cercando, até que um dia a diretora do colégio que eu trabalhava pediu pra que eu possa dar aula de reforço aos finais de semana. Dava aula de alfabetização, na segunda semana foi a mãe de um aluno meu buscá-lo na porta da sala, fiquei de queixo caído, tinha visto aquela mulher outro dia, mas pensei que seria aluna nova do noturno, um tremendo violão moreno com um decote tomara que caia preto, jeans coladinho, cabelos longos cacheados e cheirosos, me olhou e chamou o filho, voltou e me perguntou: Você é a professora?
Disse: Sou eu mesma, meu nome é Iara. Meio em transe... Com aquilo tudo na minha frente!
Ela sorriu, e disse: - Oi meu nome é Mônica, meu filho adora sua aula! Pergunta o tempo todo se já está na hora de ir pra aula?
Meio abobada fiquei olhando, ela falava, e apareciam covinhas na sua face, sorria e os olhos apertados, nesse momento eu nem escutava mais... Só sentia o cheiro dos cabelos e do creme de sua pele que tomava conta da minha mente. Então já estava no horário de saída, peguei minhas coisas e fui caminhando em direção a saída do colégio com ela, que colocou o filho no carro e disse para o marido: Leva ele pra casa que eu vou ficar aqui resolvendo os últimos detalhes da matrícula, vou conversar com a professora sobre o andamento do Felipe, depois vou ao mercado e te ligo pra me buscar.
Ele foi embora sem falar nada, e ela me convidou pra tomar um café na padaria que ficava em frente ao colégio, fomos tomamos o café, e a morena que eu babava vira e me fala: Você é bonita! Como alguém pode deixar você sozinha?
Fiquei morrendo de vergonha, jamais esperava isso! E disse: você que é linda! Como seu marido te deixa sozinha?
Ela responde: Não estou sozinha, estou com você, então vamos pra algum lugar onde não tem ninguém mais além de nós?
Tem um motel logo ali, pode ser?
Deu um sorriso safado e fui a pé, era na rua ao lado da padaria, nem olhei pra trás, fomos direto pra cama, aquele mulherão saltou em mim com um beijo faminto, eu senti um tesão tão forte que doía, naquele momento sentindo aquela pele macia colada na minha, me abraçou tão forte que quase era impossível tirar as roupas, comecei beijar seu pescoço, e lamber ao mesmo tempo, ela se arrepiava entre gemidos, arranquei a roupa dela numa fúria que quase rasguei, nesse meio tempo ela dizia: Me come PROFESSORA!!!
Sem pensar em nada penetrei meus dedos naquela delícia, que gemia descontroladamente, e gozou quase no mesmo instante que a penetrei, fui à loucura, comecei a aumentar a pressão e reduzia quase parando, deixando-a louca implorado por mais, meio aquela tortura gostosa, ela se tremia de prazer, der repente tirei minha mão e desci chupando todo aquele mel que já havia saído chupava como um beijo apaixonado e lambia ao mesmo tempo, sem parar, ela gozou outra vez ao mesmo tempo em que eu, e sem pensar em mais nada encaixei meu sexo no dela, o quarto estava todo perfumado com o cheiro do nosso sexo, aquilo me deixava mais excitada, gozei no sexo dela, depois caímos numa gargalhada na cama, peguei um cigarro, ela me pediu um e fumamos rindo, meio sem palavras, só então pude perceber aquele corpo escultural ao meu lado, linda com um sorriso estonteante no rosto, naquele momento a beijei, depois fui tomar um banho, ela veio logo atrás, perguntei: Por que fui escolhida? Ela respondeu que uma amiga tinha recomendado, mas nunca me falou qual. Fiquei meia sem jeito, mas deixei pra lá, afinal, não importava mesmo.
Saímos do banho, voltamos pra cama, dei lhe outro beijo, olhei bem pra ela, sem acreditar que eu estava ali com aquela gata, beijei com uma paixão aquela boca carnuda, fui descendo beijando seu pescoço, até chegar naqueles seios maravilhosos, eu chupava e ela se contorcia de tesão, mordiscava os bicos e lambia ao mesmo tempo, ela gemia quase gritando, aquilo me deixava louca, parei um instante, peguei o interfone e pedi uma dose de Martine com gelo, ela ficou sem entender, e continuei me deliciando com aqueles seios, o Martine chegou, me levantei deixei o copo no criado mudo e peguei uma pedra de gelo, comecei a pingar no bico do seio dela, ao mesmo instante eu lambia,olhava no copo e pingava na boca dela, depois no seio, ela foi a loucura, toda arrepiada com os seios rígidos, sentindo minha boca quente refrescando do frio daquele gelo, enfiei meu dedo no copo e coloquei na boca dela, depois a penetrei outra vez bem de vagar olhando diretamente o olho dela, ela tentou fechar os olhos, então pedi num sussurro: Olha pra mim fica de olhos bem abertos, desci até seu sexo e fiquei chupando e olhando pra ela, desci a ponta de um dos dedos até o cuzinho e ela deixou sem reclamar, eu penetrei bem de vagarzinho aquele cuzinho ao mesmo tempo da bucetinha, chupando e olhando pra ela, aumentei a velocidade ela se contorcia de prazer, e ao sentir tudo aquilo gozei bem gostoso, ela deu um grito de prazer logo em seguida, dum orgasmo espetacular desabou ali na cama, os olhos brilhavam e aquele sorriso lindo surgiu na minha frente, e disse: Adorei a reunião professora! Com a voz meia tremula, percebi que a partir daquele instante minha vida iria mudar pra sempre, nos encontramos várias vezes, inclusive na casa dela, nunca perguntei sobre essa tal amiga se é que existes alguma, mas se descobrir, eu conto em outra ocasião.
 

Aventuras na vizinhança

Me chamo Marcus tenho 24 anos. Moro sozinho em Nova Iguaçu. Gosto de sair, me divertir, fazer novas amizades. Solteiro e tenho um corpo bem cuidado.
Gosto muito de mulheres, mas confesso que sempre tive atração por homens, mas nunca havia transado com um. Mas, às vezes me pegava olhando e apreciando seus corpos, fantasiando uma transa, etc...

Após me mudar para essa casa fui conhecendo a vizinhança, fazendo amizades até que um dia, chegando do trabalho meu vizinho me perguntou se eu jogava futebol e eu disse que sim. Ele me convidou para jogar com os garotos da rua e eu topei de imediato, pois sempre gostei de jogar um futebolzinho.
Convite aceito, ele me disse o dia e o horário e como trabalho durante a semana, peguei seu MSN para mantermos contato. Seu nome é Raphael, ele tem 21 anos e é casado, moreno de praia, corpo escultural, um homem maravilhoso.

Ao entrar em casa, comecei a fantasiar aquele homem e não conseguia parar. Fiquei excitado e bati uma punheta tão gostosa que ao terminar estava hiper cansado.

No dia seguinte, adicionei ele no MSN e começamos a conversar. Perguntei o que ele gostava de fazer, como era a vizinhança e ele me disse que era casado e que gostava muito de sair, mas que depois que casou não conseguia mais fazer isso pois a esposa não gostava e ainda ficava reclamando se ele fizesse. Me disse também que estava pensando em se separar, não só por isso, mas por que a esposa não o deixava respirar. Ela fazia escândalos no trabalho dele, não o deixava sair e o único lugar que ele podia ir era no futebol, ainda assim por que ela sabia que só iam homens.

Perguntei se ele não queria conversar quando eu chegasse em casa e ele aceitou. Disse que chegaria por volta de 18:00hs e que após esse horário ele poderia bater lá. Cheguei em casa e fui tomar banho, quando escuto baterem no portão. Me enrolei na toalha e fui atender. Era ele. Estava de short bem largo e com uma camiseta regata. Pedi que entrasse e que ficasse a vontade e que iria terminar o banho. Ao voltar para o chuveiro, outra punheta e comecei a imaginar que aquele homem que estava a ponto de se separar estava vulnerável e que aquela rola poderia ser minha.
Ao sair do banho ele estava no sofá e começamos a conversar e após um tempo perguntei se ele transava sempre e ele respondeu que devido a todos os problemas, tinha mais de um mês que não transava e que estava subindo pelas paredes. Aquilo me acendeu e percebi que enquanto ele falava, seu pau ia crescendo dentro do short. Não consegui disfarçar e comecei a olhar aquela evolução, ele percebeu e ficou meio sem graça e pediu desculpas e eu disse pra ele desencanar por que aquilo era normal para quem não transava a tanto tempo.

Perguntei se ele já tinha tido outras experiências fora do casamento e ele disse que uma vez o time inteiro de futebol comeu uma piranha que contrataram para a festa de fim de ano.

- Imagina como ela ficou? Levou rola em todos os buracos. Disse ele.

Aquilo me excitou ainda mais e perguntei se ele já tinha comido algum garoto e ele disse que já tinha botado dois primos dele pra mamar nele e no muleke que mora ao lado.

Perguntei se ele havia gostado e ele disse que sim, que homem sabe como dar prazer para outro homem e que o boquete tinha sido maravilhoso, mas que queria ter a oportunidade de comer um cuzinho.

Ele disse tudo o que eu queria ouvir, Naquele momento percebi que sua rola já pulsava e ele sabia aonde eu queria chegar. Disse que tinha uns DVD’s pornô gay e se ele queria ver. Ele disse que não, mas eu insisti e por fim ele topou.

Coloquei o DVD e fui sentar ao seu lado. A medida que o filme ia esquentando, percebia que ele ia se masturbando por dentro da calça e eu não me agüentando mais, puxei seu short e vi sair aquela pica linda. Uma piroca de respeito. Sem perder tempo, comecei a mamá-la, subia e descia naquela rola. Ele começou a forçar minha cabeça e parecia um louco. Não demorou muito tempo e ele gozou. Encheu minha garganta de gozo. Lambi tudo e ele sem entender apenas olhou pra mim e disse: Obrigado, foi o melhor boquete que já recebi. Disse pra ele, você não viu nada ainda. Como já estava perto de sua esposa chegar do trabalho ele se foi, mas perguntou se poderia voltar no dia seguinte. Eu disse que só estaria em casa no próximo sábado e isto seria a 4 dias daquele e então ele falou que me traria uma surpresa. Mas antes disso nos veríamos no futebol que era na sexta. Nem imaginava o que seria. Antes disso já havia observado que haviam pelo ao menos mais 3 homens muito gostosos naquela rua. Mas devido ao pouco tempo que ficava em casa, quase não tinha contato com eles. Na sexta, sai do trabalho, peguei o carro e fui direto pro futebol. Chegando lá a galera já estava pronta para jogar, fui ao vestiário, me troquei rapidamente e fomos pra campo. Jogamos até umas 20:00h e ao término fomos para o vestiário tomar um banho. Não pude deixar de reparar em todas aquelas rolas lindas que estavam lá. Minha vontade era dar pra todo mundo ali mesmo, mas tinha que me controlar. Para não dar bandeira, tomei meu banho e sai logo dali. Tomamos umas cervejas e por volta de 22:00h fomos embora.

Como estava de carro, ofereci carona para o Raphael e para mais dois caras, bem gostosos por sinal, o Claudio, 23 anos, loirinho dos cabelos enrolados e corpo bem malhado e o Rodrigo, 22 anos, outro moreno de praia e com o corpo torneado. Ambos solteiros. Deixei eles em casa, afinal moram todos na mesma rua. Quando deixei o Raphael, ele disse que ia entrar no MSN e que queria falar comigo.

Cheguei em casa e liguei o PC. Ele já estava lá e sem titubear perguntou se eu tinha gostado dos carinhas do carro. Eu fingindo não entender disse que nem tinha reparado. Ele falou: Ta pensando que eu não vi que vc não tirava os olhos deles dentro do vestiário? E eles perceberam. Fiquei sem palavras. Disse que estava cansado e que iria dormir.

No sábado, acordei, tomei um banho e deitei no sofá para ver televisão. Eram umas 10:00h quando escuto o portão bater. Quando vou atender pra minha surpresa, vejo Raphael, acompanhado do Claudio e do Rodrigo. Eu gelei, mas ao mesmo tempo aquilo me excitou. Ele disse que eles estavam passando e resolveram parar para agradecer a carona (eu sabia que na verdade não era isso). Mandei eles entrarem e ficarem a vontade. Sentaram no sofá enquanto eu fui na cozinha.

Não estava acreditando que aqueles três machos gostosos estavam na minha casa e sabia exatamente o que eles queriam. Voltei pra sala agindo naturalmente, quando Raphael perguntou aos dois se eles queriam ver um filme que eu tinha. Eles com certeza combinaram isso antes. Os dois disseram que sim. Raphael olha pra mim e fala, coloca aquele filme que agente viu.

Minhas pernas tremiam, mas coloquei. Fui ao banheiro para mijar e quando volto os três já estão completamente pelados e com suas picas bem duras. Raphael olha pra mim e diz, ta aqui a surpresa. Hoje você vai ter o que sempre quis e nisso já me puxa contra a sua rola. Começo a mamá-la e vou trocando chupando os três, um de cada vez, eram rolas maravilhosas, raphael tem 19 cm, Claudio tem 20 cm e Rodrigo 17 cm. Não acreditava naquilo tudo. Parecia sonho, três rolas pra mim. Raphael se levantou e enquanto eu mamava claudio e rodrigo ele se aproximou do meu cuzinho e começou a enfiar um dedo, depois dois e aquilo me dava muito tesão, até que ele de uma vez só enterrou toda sua rola dentro de mim. Eu gritei de dor, parecia que não iria agüentar. Mas rapidamente a dor se transformou em prazer com estocadas rápidas e contínuas. Que maravilha, sendo comido de quatro e mamando duas rolas, logo depois foi a vez de rodrigo me comer. Esse era mais devagar, ia metendo e tirando devagarzinho até que acelerou e gozou bem fundo, chegando a vez de claudio, esse metia fundo e gostoso. Sentia suas bolas encostarem na minha bunda. Que delicia. Ficaram se revesando até que os três gozaram, me encheram de porra, estava desfalecido. Não conseguia me mover, quando o Raphael vem e começa a tocar uma punheta em mim. Em poucos minutos, gozei feito um louco. Que sensação maravilhosa, gozar estando todo gozado.

Passado alguns minutos fomos os três tomar banho, os meninos se animaram de novo e chupei todos aqueles paus debaixo do chuveiro. Gozaram em rodízio e fiquei todo melado.

Depois disso foram embora. Como moramos na mesma rua, sempre que dá repetimos a dose.
Já tivemos aventuras em cada lugar depois disso, mas isso é relato para um próximo conto.

Se gostou deste relato e quer entrar em contato meu e-mail é: markus.vinicius0101@gmail.com

 

Quando saí do armário

Meu nome é Vitória, tenho cinquenta anos e somente agora descobri "o outro lado do prazer'.
Vivi 27 anos casada com um homem que me enchia de sexo gostoso todos os dias, mesmo quando ele chegava da casa da "outra", pra eu não perceber, me deixava com a xana inchada de tanto trepar.
De repente me vi sozinha, numa idade complicada pra arrumar alguém que realmente valesse à pena e nessa busca sem sucesso, comecei a ficar com tesão encubado, logo eu, que tinha sexo da melhor qualidade... Comecei a entrar na internet, nos chats de relacionamento, sempre procurando por homens, até que um dia resolvi dar uma voltinha no chat de lésbicas. Que sensação cuiosa! Na medida que eu lia elas teclando sacanagem uma com as outras, ia ficando com minha xaninha toda molhada e latejando, até que Aninha me deu Olá. Na hora fiquei na dúvi da, mas quem está na chuva é pra se molhar e eu já estava pra lá de molhada, correspondi ao papo. Ana era inteligente, culta e ...casada. Achei interessante ela ser casada e querer fazer sexo virtual comigo, mas ela era muito safo no que fazia, começou a teclar um monte de sacanagem e eu comecei a imaginar aquilo tudo sendo feito comigo, não demorou muito e explodi num gozo gostoso e forte. Gostei e quis mais, mas Ana só queria a coisa virtualmente. Não rolou.
Agora eu estava curiosa e parti pra pesquisa de bares de encontros de GLS no Rio e pra minha alegria tinha um no meu bairro.
 
Coloquei a roupa mais sensual que tinha, me vesti bem feminina e fui. Só de pensar na experiência via internet, ficava excitada imaginando o que seria ao vivo e a cores. Cheguei e vi que já tinham alguns casais formados, muitas mulheres masculinizadas, que acho um horror, penso que se quizesse homem, procuraria um legítimo e não uma caricatura e algumas mulheres muito gost osas, mas... acompanhadas. Senti que estava sendo estudada como um peixe no aquário, resolvi sentar no bancão e pedir uma caipirinha. Logo9 sentou uma mulher do meu lado, daquele tipo macho que não me agrada, fui gentil e descartei o papo. Resolvi ir ao banheiro e lá a coisa melhorou...
Saiu de uma das cabines uma mulher do tipo filé de borboleta, magrinha mas com uns peitinhos pequenos e durinhos, uma bundinha levemente arrebitada e uma boca pronta pra ser mordida. Fingi que estava retocando o baton, ela ficou do meu lado, eu olhei pra ela e ofereci meu batom. Ela aceitou e perguntou se eu costumava ir ali, eu disse que não e ela disse que tb nunca tinha ido a um bar GLS. Eu perguntei se ela era G ou L e ela respondeu que era S. Ri, pois no fundo até então eu também era. Ela perguntou porque meu riso e eu falei que estava ali de curiosa, buscando novas experiências e ela disse que estava com um grupo de amigas e que tinha ido pela bagunça. Na saída do banhe iro me convdou pra ficar na mesa dela, me apresentou as quatro colegas que estavam com ela, no que fui muito bem recepcionada e olhada de cima a baixo. Começamos a conversar sobre amenidades, mas eu não conseguia tirar os olhos daqueles lábios carnudos.]até que não aguentei e perguntei se ela gostaria de viver uma experiência com outra mulher. Ela riu e disse que depois daquele lugar, sua sexualidade não seria a mesma. Tocou uma música lenta e chamei-a pra dançar, a resposta demorou um pouco e eu tremi uma eternidade achando que seria não, mas ela aceitou. Tratei de pegá-la pela cintura, pra ela não fugir de mim, ela era magrinha e fácil de dominar. Puxei ela pra mim e começamos a dançar lentamente, eu roçando meu peito nos peitinhos dela, ela as vezes se entregando, outras tentando se afastar, até que eu disse bem dentro do seu ouvido que tava querendo provar de sua boca. Na mesma hora ela parou, se desvencilhou de mim e correu pro banheiro. Fui atrás se m saber o que ia fazer. Encontrie-a na frente do espelho, toda trêmula e assustada, encostei ao lado dela e pedi desculpas pelo abuso, afinal, pra quem não tinha experiência, estava indo longe demais. Ela falou olhando para o espelho que estava confusa, mas que também estava querendo me beijar, só que tinha vergonha das amigas. Fui empurrando ela até entrar em uma cabine sanitária, , empurrei ela contra a parede e tasquei um beijo. Ela custou a abrir a boca, mas acabou cedendo e aí começou nossa brincadeira. Suguei sua língua, meti minhas pernas por entre as suas e comecei a sarrar sua bocetinha na minha coxa. Ela começou a gemer e senti que estava toda molhada. Fui descendo a boca até seu peito, desci sua blusa e comecei a passar a língua em seu bico rosado e duríssimo, ela se contorcia de prazer e gemia deliciosamente. Com as mãos, fui descendo suas calças e calcinha, não demorou e meus dedos entravam em sua bucetinha quente, foi o suficiente pra sentir se u estremecimento e gemido mais forte. Que gozada deliciosa nas minhas mãos. Desci a tampa do vaso, coloquei ela sentada e me enganchei por cima dela, continuei a beijar sua boca e falar um monte de putarias no seu ouvido. Logo ela começou a se excitar de novo. Eu estava igual uma gata no cio e ela assustada, mas não queria parar. Ajoelhada no chão, coloquei-a na beirinha do vaso e começei a passar a língua na sua xana, enfiava bem fundo até que ela gozou novamente. Ficamos de pé e eu disse que era a minha vez. Fiz com que ela se abaixasse e chupasse minha buceta que estava latejando. Ela ainda muito inexperiente começou a passar a língua no meu grelinho e eu gozei muioto rapidamente. Depois, nos abraçamos e ficamos nos beijando um bom tempo, até nosso coração desacelerar e voltamos para o grupo. Quer saber se continuamos? Aguarde novas notícias.
 

Minha saída com Leticia Osuna

Eu sou moreno claro, alto, com aparência máscula que engana a minha verdadeira preferência pois eu gosto e de travesti na realidade eu tenho uma excitação colossal e gosto de agir sempre de forma passiva a combinação de um corpo feminino com um membro masculino me endoidece e eu tenho como lema a expressão "macho na rua e puta na cama", rsrsr.

No ano passado eu vi os anúncio e liguei para uma Tgata chamada Leticia Osuna (fantástica e super discreta) e falei que quería fazer um programa e combinamos de nós encontrar em um motel e eu disse para eleque quería ser passivo e que ela levasse o KY gel tudo acertado e combinado eu fuí a tarde no referido motel com o coração batendo forte e entrei no apartamento e já tinha avisado na portaria que ia receber uma companhia e eu coloquei uma calcinha fio dental vermelha e fiquei assistindo os filmes porno quando eu recebi a informação que a minha companhia tinha chegado.

Fiquei super ansiosa e esperei ela na garagem e assim que ela entrou eu vi uma boneca loira deslumbrante e montada em uma sandália salto bem alto preta e ela veio em minha direção e falou no meu ouvido vc quer dar a bundinha e me tascou um beijo delicioso e começou a passar a mão na minha bunda e me levou em direção a cama e começou a me beijar, e ela se deitou de costa e eu fuí tirando a roupa dela e ao puxar a saia comecei a beijas os pés deliciosos dela e tirando a sandália comecei a lamber a solinha e a chupar cada dedo passando a língua pelo meio dele e eu vi que ela estava com uma calcinha de oncinha e fuí lambendo as pernas e passando a mão sobre o pau dela e depois encostei o meu rosto e comecei a cheirar e a lamber por cima da calcinha e ela me falou vem logo e chupa o meu pau e eu tirei a calcinha e comecei a lamber as bolas e a dar uma linguadinhas no pau e conforme ele foi crescendo eu fuí colocando na boca e comecei a chupar e chupei tanto e por tanto tempo que ela quase gozou na minha boca e nesse momento ela me faz para.

E me colocou de costas (frango assado) e me falou pra não encostar nas pernas dela e começou a untar o meu cuzinho com o Ky e pegou uma camisinha e cortou com os dentes e encapou o pau e me ajeitou direito e começou a socar e eu olhando essa deliciosa cena pelo espelho do teto amando tudo isso. depois de um tempo eu falei que quería ficar de quatro e ela começou a socar atrás e eu gemendo alto, rebolando, apertando o bico do meu peito e falando pra ela que podia me dar umas palmadas amo isso e ela dando uns tapas na minha bunda e me socando até que gozou e cai em cima de mim e depois eu me virei e procurei a boca dela e nós beijamos ardentemente e ela me falou qua fazia dias que não gozava e ela tirou a camisinha e eu pedi ela e senti o cheiro da porra dentro dela acho uma del´cia e um cheiro forte e particular, paguei o programa e ela foi embora me deixando extasiado e largado deitado na cama relembrando os deliciosos momentos vividos e eu passei odedo no meu cúzinho e senti que ele estava alargado e com um dedo, depois dois e poor fim três comecei a me masturbar até gozar e quando eu gozei eu o fiz em cima da minha barriga e pequei a porra e lambi e bebi eu amo tomar um "leitinho" pena que hoje não e mais seguro...

OBS: podem publicar o meu email

BJX

Loba

loba65cd@gmail.com

 

Me descobri femea para um mulato maduro.

Hoje vou contar uma história que aconteceu comigo e que mudou minha vida completamente. Na infância tive experiência como passivo aos treza anos e foi uma experiência inesquecivel, mas por restrições da familia que descobriu mais tarde, resolvi deixar meu desejo adormecido. O tempo passou, me casei e passei por uma crise no casamento e acabei me separando. Depois de separado comecei a entrar nas salas de bate-papo e vi o termo crossdress que ainda não conhecia. Comecei a teclar com umas cds e aquele desejo antigo veio a tona me consumindo por dentro e não demorou muito para desejar ser femea novamente para um macho. Ser uma crossdress sempre foi o que queria mas até então não sabia o que era, mas era tudo que sempre quis ser. Entrei em alguns sites de lingerie e comprei meu primeiro conjunto de lingerie pretinho com um fio dental maravilhoso, meia 7/8 de rendinha e uma cinta liga. fiquei inquieto esperando a entrega que chegou numa quinta-feira. Quando cheguei do trabalho minha visinha do apartamento me entregou em uma caixa muito discreta que me deixou aliviado. Logo abri o pacote para ver e fiquei simplesmente irradiante. Tomei um banho demorado, raspeio bumbum e as coxas deixando-as bem lisinha e coloquei a lingerie, fiquei apreciando horas em frete ao espelho. Peguei meu celular e tirei varias fotos e montei meu perfil. Tudo que queria era conhecer um macho maduro confiável para realizar meu desejo com sigilo e muito carinho.
Depois de algum tempo teclando nas salas de bate-papo conheci Afonso, um senho de 58 anos, viúvo muito simpático e que buscava uma cdzinha para compromisso sério. Me deu sua descrição e que me deixou assustado e ao mesmo tempo com muito tesão. Ele era moreno, 1,80, 102 kilos, barrigudinho, grisalho, cavanhaque e dote de 22 cm. Dúvidei do dote que depois comprovei vendo na cam. Afonso estava muito carente, tinha ficado viúvo a 6 meses e sua esposa nunca tinha lhe oferecido o cuzinho e as vezes que pediu sempre foi negado. Conversamos por 20 dias e trocamos muitas fantasias e nos conhecemos mais sobre o que buscavamos e nos entendemos do começo ao fim. Afonso me chamou para passar um sabado com ele, me passou o endereço e fone e me pediu insistentemente para que fosse ve-lo, para conversarmos e ver o que rolava. fiquei apreensivo, aceitei o convite e depois liguei desistindo. Por volta das 13:00h da manhã não aguentei e liguei para Afonso, que me atendeu assustado pensando em ser algum familiar com problema, mas logo me identificou e me chamou carinhosamente de flor e perguntou o que havia acontecido. Expliquei tudo a ele e ele me me chamou novamente para passar a noite com ele e que seria muito carinhoso, iria me pentrar até onde ficasse gostoso para ambos, esse era meu maior receio. Chegando na casa de Afonso ele me atendeu com um sorriso maralvilhoso dizendo que nem acreditava que estava la. entrei e Afonso me me abracou por tráz dando uma fungada em meu pescoço que me arrepiou completamente, logo senti uma encoxada gostosa e vigorasa, sentido aquela tora dura como aço deslizar pelo meu bumbum. Encostei no sofa e arrebitei meu bumbum para afonso que logo tirou minha calça e ficou maravilhado com meu bumbum branquinho naquele conjuntinho preto. Sua respiração estava profunda no meu ouvido me dizia o quanto aquele macho deseja meu cuzinho. Me pegou no colo e levou até a cama, desci sua samba canção e fiquei impressionadocom o tamanho da tora de Afonso, toda úmida e dura como aço. Seu saco apresentava duas bolas enormes que nem pensei e cai de boca me lambuzando todo, do saco a cabeça interrando garganta a dentro. Perdi a cabeça e o tesão estava a mil. O cuzinho piscava pedindo aquele cacete maravilhoso. afonso foi preparando meu cuzinho com Ky e masagendo com um dedo e depois dois, meu cuzinho foi relaxando eté que não aguentei mais, deitei de lado e ofereci meu cuzinho para Afonso, pedi que fosse com carinho bricando e dilatando aos poucos. Afonso foi muito carinho colocando a cabeça e interrando centimetro a centimetro. Senti minhas preguinhas estorarem uma a uma, mas com muita pouca dor e isso aumentava mais meus desejo. Não demourou muito para sentir meu bumbum encaixar no colo do Afonso, simplesmente havia interrado tudo com muita habilidade e a dorzinha foi sumindo e dando espaço para um tesão que me consumia ardentemente. Afonso começou a mexer lentamente pouquinho a pouquinho e logo começou a deslizar da cabeça ao talo, simplesmente me desmanchei de tesão. Estava muito gostoso. Afonso me pediu para ficar de quatro, deitei na berada da cama e Afondo interrou me pedindo permisão para ir mais forte, me senti preparado e disse que sim. Afonso começou a estocar fundo e rápido, sussurava e respirava profundo, nunca tinha visto nada igual e eu gemia como uma femea e provocava mais ainda meu macho. Pedi para segurar o gozo para curtimos mais, e para minha surpreza Afonso pediu para beber o leitinho que estava por vir. Estava tomado pelo teão e respondi com um sorriso sacana. afonso enlouqueceu e anunciou o gozo, tirou repentinamente do meu cuzinho e tirou a camisinha. Virei de joelhos e Afonso colocou a cabeça próximo aos meus lábios e disparava jato de leitinho denso e quentinho, era muito leitinho e quando acabou engoli tudo e acabei chupando o pouco que havia ficado na tora. depois disso contunuamos a nos encontrar e vivemos uma relação intensa. Passamos noites juntos e cada dia estamos mais apaixonados.

Espero que outras cdzinha tenham a mesma sorte que eu.
Bjs.

 

Aventura de exibicionismo

Eu tenho 39 anos sou casado a treze ano com uma morena gata e muito gostosa ela tem 1,65 de altura , olhos castanhos pele morena peitos médio e bumbum empinado.
Eu tenho 1,67 de altura olhos castanhos pele clara .
Bom vamos começar este relato real que aconteceu .
Eu sempre quis que ela se exibisse mais ela é muito tímida e envergonhada mais aos poucos fui conseguindo derrubar certos barreiras e medo da parte dela em relação a estar adrenalina que o exibicionismo nos dar, so de sou eu saber que ela estar comigo em um bar de saia ou vestido e sem calcinha , isso para min já é o Maximo quando isso aconteceu pela primeira vez ela ficou um pouco sem graça mais eu a estimulei para que ela agisse naturalmente ela foi aos poucos vendo como é estimulante esta brincadeira e ate gostou mas não chegou a se exibir como eu gostaria que acontecesse.
Passado alguns dias nois saímos de novo desta vez não precisei pedir-la para ir sem a calcinha ela mesmo já foi sem ela .
Só que eu queria um pouco mais de adrenalina pedir para que ela não ficasse tão retraída que se exibisse um pouco ela não entendeu o que eu queria dizer. Então eu mostrei dois rapazes sentados numa mesa em frente a nossa ai ela entendeu mas disse que não tinha coragem não.ai eu falei
---abre amor as pernas e aja naturalmente como se estivesse vestido de calcinha .
Ela meio sem jeito começou a abrir as pernas
da onde estavam os dois rapazes dava para ver perfeitamente a xereca da minha esposa o primeiro que viu conversou com o outro e eu fingindo que nada estava acontecendo
Minha esposa ficou sem jeito e disse que iria fechar as pernas eu disse calma amor deixe eles se deliciarem em verem uma xereca tão bonita como a sua. Eu comecei a encher o copo de cerveja dela e ela bebia de uma maneira que eu nunca tinha visto eu acho que era devido ao nervosismo de estar se exibindo daquela maneira para dois desconhecidos.eu caros leitores já estava com o cacete todo molecado só de ver este fato depois de uns vinte minutos eu paguei a conta nos fomos para casa e trepamos feitos loucos .eu ti digo caros leitores toda adrenalina é estimulante para o sexo e quanto mais adrenalina mais gostoso fica o sexo
Transa Na praia

Eu tenho 39 anos sou casado a treze ano com uma morena gata e muito gostosa ela tem 1,65 de altura , olhos castanhos pele morena peitos médio e bumbum empinado.
Eu tenho 1,67 de altura olhos castanhos pele clara .
Sempre tive uma fantasia que era de assistir ao vivo a um casal transando ou mesmo alguém assistir eu e minha esposa transando para mim a adrenalina ou tezão é o mesmo quero deixar bem claro que assistir não participar da transa.
Eu armei um esquema sem minha mulher saber arranjei uma casa de praia de um amigo e convidei ela para passar o final de semana comigo ela aceitou de imediato , eu comprei um biquíni branco não era devasso no tamanho mais era praticamente transparente idéia minha é claro.chegando na casa de praia descansamos um pouco almoçamos e eu dei para ela o biquíni que ela iria usar ela olhou para o biquíni e disse amor quando molhar não vai ficar expondo a minha buçeta para os outros varem. Não amor a vendedora falou que este biquíni não fica transparente não que ela tem um igual deste e ela usa sem problema ela mi respondeu
----tudo bem então
Famos para praia chegando lá ,para sorte dela não tinha muita gente só umas vinte pessoas e nois ficamos ou pouco isolados pois ela gosta de ficar sem muita gente por perto de nois;e eu doido para que ala fosse tomar banho para eu ver como ficaria o biquíni depois de molhado, ela me chamou para ir para a água eu disse vai você amor depois eu vou pois agora eu vou comprar uma cerveja para nos bebemos , eu sai para comprar a cerveja e ela foi para água tomar banho, demorei uns dez minutos quando voltei ela estava ainda na água sentei e esperei ela sair da água nisso apareceu um jovem e um senhor de seus 50 anos e sentaram perto de onde eu estava, fiquei na expectativa de v er minha esposa sair da água pois agora com certeza teria show de buçeta a mostra é gente e ela saiu da água e nem percebeu que o biquíni que ela estava usando praticamente a deixava nua ,os dois homens não conseguiram tirar os olhos de cima da minha mulher e nem eu mesmo não conseguiria pois estava um espetacular de visão.
Ela chegou e disse amor a água estar muito gostosa e eu falei e você também amor ,ela me olhou e falou porque você falou isso agora amor, eu disse porque este biquíni em você é deslumbrante.
Foi aí que ela notou a transparência total do biquíni e ficou vermelha de vergonha, eu acalmei e disse calma amor agora não tem mais jeito o rapaz e o senhor já te viram do jeito que você estar e pode deixar que eu não me importo de você estar assim ela olhou para mim e dissse
--- você é doido vou mi vestir logo, não vou ficar assim nada
Eu falei tudo bem então amor pode se vestir ela se vestiu,
e mi disse: você é muito safado mesmo mi disse que o biquíni não ficaria transparente e era mentira sua.
Bom amor foi isso que a vendedora mi disse amor mais eu gostei de te ver assim e fiquei com um tezão danado; que tal nos irmos para água fazemos amor.
Você é louco e estes dois homens ai em frente, que já mi viram praticamente nua, vão logo perceber o que nos estaremos fazendo na água.
Eu respondir.
___e o que tem amor isso eles podem perceber, sim mais não participar e tem mais esta é uma fantasia minha e gostaria que você aceitasse vai amor vamos para água.qual casal que ainda não transaram em um rio ou em uma praia .
Ela olhou para mim olhou para os dois homens e disse :
---ta certo eu vou pois sei que você vai ficar sangado comigo se eu não for, mais eu vou enrolada na tolha de banho pois não quero mi exibi mais do que eu já min exibi para estes tarados que não param de olhar para ca.
Ela levantou se enrolou na tolha e foi para água, eu não pedir tempo e fui atrás dela chegando na agua não contei conversa fui logo baixando ela puchei o biquini para o lado e metir a minha pica naquela xereca gostosa entrou macio devido a agua e a lubrificação natural da buçeta, ela gemia e olhava para onde os dois homens estavam e mandava eu meter mais rapido e eu é claro metia com vontade na excitação eu coloquei seus seis para fora e comecei a bolinar neles e ela min chamava de puto gostoso ,safado tesudo e mim xingava de tudo que ´e nome e os dois homens com certeza estavam percebendo o que estava acontendo pois não satisfeitos por estarem longe levantaram e vieram para água aonde nos estavamos minha es posa vendo eles se aproximarem mi pediu para parar pois os dois homens estavam vindo eu falei:
Deixe eles virem amor mais eu não vou tirar a minha pica da sua xoxota não.
Fiquei parado com a minha pica enterrado na xoxota dela ,ela colocou de volta a parte de cima do biquine e ficamos assim como se nada estivesse acontecendo .o senhor de idade chegou e perguntou se podia ficar ali tamando banho eu disse que não teria problema eu fiquei metendo devagar e beixando o cangote dela ela pedia para parar e eu metendo ela com certeza estava exitada com a situação e falou já que voce quer que eles vejão então meta gostoso poxa galera eu metir com mais gosto do que nunca sabendo que logo ali perto de nois estava dois caras praticalmente assistindo minha foda .ela começou a gemer sem se importar mais com os dois homens e com certeza eles estavam batendo uma tremenda punheta pois eu via o movimento dos braços deles gosei como nunca tinha gozado na vida nesta nossa aventura .depois que gosei falei no ouvido dela quero que voce sai da agua sem a parte de baixo pegue a toalha e min espere safada ,
Se isso que você quer então la vai ,tirou a parte debaixo do bi quine e saiu naturalmente os dois homens nesta hora eu acho que gasaram pois eu goszaria com esta cena .ela se agachou para pegar a toalha e de morou para se levantar mostrando tudo o que so eu tinha visto ate hoje foi maravilhoso este espetáculo, sai da água pegamos nossa coisa e formos trepar mais ainda na casa de praia .
Mandem comentários para rambo137894@bol.com.br

 

4 brutos me usando sem dó

Sou a Raphaella Cdzinha que vem relatar mais uma aventura real.
No relato anterior contei como fui abusada por um massagista tarado e hiper,ultra e mega dotado (26x8 ) que abusou de mim e que tornou-se meu dono e amante.Após esse dia ele começou a frequentar minha casa quando queria uma escrava submissa pra se fatisfazer e com nossa intimidade ele foi me conhecendo melhor e pode ver que eu sou uma cadelinha mesmo sem frescura que realiza qualquer fantasia sem reclamar,com isso ele está apaixonado,coisa que eu estou adorando.Ele é o tipo de dono que eu amo,pois é extremamente safado e puto na cama.
Bom!!! vamos ao que interessa.
Fomos pro sitio dele que fica no interior de SP ( Itu ) nesse fim de semana (29/05/2010),la chegando vi que era um lugar maravilhoso e bem cuidado,logo entrei na casa e fui fazer o reconhecimento da área e de dentro ouvi Marcelo conversando com alguem que depois soube que era o caseiro,conheci a casa e quando fui ao encontro do meu macho fiquei admirada com a visão,um homem de quase 2 metros de altura,lindo,tesudo,gostoso sem camisa com um short agarrado , mostrando um volume acima do normal,noooossaaaaaa,me deu um arrepio na hora.ele por sua vez acho que sentiu o mesmo,pois me olhou de cima a baixo por varias vezes.Estava eu com salto 10,Micro-saia e tomara que caia,Marcelo não estava ali no momento,me apresentei e ele me olhando bem dentro dos olhos disse se chamar Roberto,Perguntei de Marcelo e ele me disse que foi na cocheira ver uma égua que estava prenhe e achava que daria luz naquele dia.Ele super educado me ajudou a levar as bagagens e compras pra dentro da casa e eu sempre a frente dele sabendo que estaria olhando pro meu rabo quase a mostra,Claro que eu como uma verdadeira e assumidissima putinha rebolava e me mostrava mesmo pra aquele macho delicioso.Numas dessas me esbarrei nele por querer mesmo e logo o volume estava 10 x mais(risos),Logico que me aproveitei disso.O que fiquei meia assim é que ele estava sendo bem safadinho e sem nenhum respeito,pelo contrario,estava sendo bem cachorro declarado,Começou a me elogiar,a falar das minhas coxas,meu cabelo,minha boca e por final da minha bunda,achei estranho,pois ali eu era a mulher do patrão dele,mas deixei rolar e sempre e cada vez mais me insinuando.Isso levou uns 10 minutos até Marcelo chegou todo feliz por saber que sua egua preferida lhe daria um potrinho.Eu bem vadia lhe falei ; '' Ahhhhhh...quer dizer que vç tem mais de uma Égua além de mim seu puto ''... ele bem safado respondeu ; '' Claro que não minha putinha vadia ... vç é a minha égua preferida vagabunda '' .... fiquei cheia de tesão na hora e o Peão ali ao nosso lado ouvindo tudo , com isso fiquei mais tesuda ainda e sem pudor falei pro meu dono ; '' Aiiiiiiiiiii amor ... não fale assim se não vou conseguir me controlar e sabes o que sou capaz de fazer ''...Ai ele disse ; '' Não passa vontade não minha vagabunda ''...Essa foi a deixa e logo estava eu de joelhos tirando aque cacetão pra fora e tentar coloca-lo na minha boquinha,lambi,chupei,mordi,estava la eu com aquele monstro na boca quando ouvi ele falar ; '' vai chupar o pau dele e mostre pra ele como vç é uma putinha ''...Nem pensei , me virei e ja vi que o peão estava com um cacete enorme tbém na mão e ja fui metendo na boca como uma louca . mamei muuuiiittooooo...nossaaaaa....que cacete delicioso,nisso meu dono ja foi tirando a pouca roupa que eu vestia e o peão se assustou quando viu que eu não era mulher e que tinha 1 grelo enorme e muuiiittooo duro , mesmo assim elogiando meu corpo.Meu dono lhe falou que eu era todinha dele e que fizesse o que quizesse comigo e ja foi enfiando a lingua no meu cuzinho eu de 4 toda empinadinha e rebolando na lingua dele deixando meu cuzinho todo molhadinho , eu gemendo e pedindo rola pros 2 ... eu dizia: quem vai ser o primeiro a me arrombar todinha ... meu Macho mandou o peão me foder primeiro sem dó .. , nisso Marcelo veio enfiando a rola na minha boca enquanto o peão foi tentando meter a cabeçona no meu cuzinho , estava dificil e eu pedi : vai caralho ... me fode logo ... mete sem dó caralho .... mete tudo ... sou uma puta vai ... mete .... Nooossaaa....senti aquele cacetão me arrombando de uma vez ... gritei e levei um tapa na cara e a ordem de ficar calada .... aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii ja estou com tesão ...... em pouco tempo eu ja estava rebolando naquela rola enorme e grossa e gemendo como uma cadela de zona ... ele socava sem dó mesmo .. niso meu macho socava a rola dele na minha boca me fazendo engasgar e metia mesmo , me xingando de tudo ... e eu ali maravilhada com aqueles 2 machos me mal tratando ... nisso o peão disse que ia gozar , logo sai da rola dele , me virei e coloquei na minha boca pra engolir toda a porra dele e meu dono a foi metendo tudo no meu cú ... gente ... que delicia vc estar recebendo um monte de porra na boca e com um cacete de 26x8 todinho entalado no rabo ... vçs não tem noção da maravilha que é ... como o peão gozou ... acho que foi um dos que mais encheu minha boquinha até hoe pela quantidade de porra ... engoli tudo e continuei chupando , até receber o leitinho do meu macho na boquinha tbém ... depis de beber tudo dos dois ainda fiquei chupando os 2 ... meu macho me fez dar um belo de um banho neles o que fiz com prazer . e ainda fui fodinha mais uma vez pelo peão que dessa vez encheu meu rabo de porra , foi ai que achei estranho , pois Marcelo me virou e lambeu toda a porra do peão sem deixar uma gotinha no meu rabo ... adorei claro , mas achei estranho por ela ser o patrão e estava fazendo tudo isso juntinho com o peão ai me veio uma ideia na cabeça e dei a ordem a ele assim : agora que vc chupou toda a porra do meu cú , limpa o cacete dele com sua boquinha ... sem nenhum pudor ele enfiou quase toda a rola do peão na boca e foi lambendo ... isso me deu um tesão indescritivel , pois ali estava vendo meu dono com uma super rola na boca , eu logo me juntei a ele e chuoamos juntos tudo aquilo , então como sou a mulher do dono do sitio dei a ordem pro peão dormir conosco ... ele na hora ficou meio assim , mas dei a ordem novamente e ele aceitou ... metemos a noite toda ... ele chegou a chupar eu e marcelo tbém ... foi tudo de bom ... adormeçemos e eu no meio dos 2 .... acordamos ja tarde do dia com buzina de um carro ... o peão levantou assustado e foi logo saindo do quarto nú correndo .... depois de 1 tempo escutamos ele conversando e rindo muito e escutamos outras vozes ... Marcelo lavantou e foi ver quem era ... Como demorou me levantei pra ver o que era .. eu estava com um shots jens ultra curto e cavado no rabo e blusinha ... sai na porta e vi que estavam em 4 , era 2 amigos do peão de um sitio perto dali ... eram 2 peão bem tipicos mesmo ... sujos de roça sabem .... Marcelo me chamou e fui ao encontro deles , me mediram de cima em baixo e eu logo bem vadia como sou me apresentei e logo me virei em direção a casa toda rebolando e olhei pra tras e claro que todos me olhando ... aquilo ja me acendeu novamente e quando fico com tesão tenho que fazer alguma coisa ... Logo chamaei o peão e ele veio .. quando entrou me viu de joelhos e fui logo pegando na rola dele e tentou sair , mas o agarrei e disse : me da essa rola gora ... estou com tesão seu filho da puta ... me da agora caralho ... o tesão falou mais alto e fui logo engolindo quase tudo ... chupei por uns 5 minutos e logo vi os 3 em pé na porta nos olhando e se aproximaram e eu claro ...fui tirando todas as rolas pra fora , Marcelo ficou admirado com meu apetite por rola , por sexo e deixou rolar ... Gente ...Digo a vçs que me foderam muuuiiiitoooo , muuuiiiittoooo mesmo , até tentamos fazer dp , mas não aguentei , foram 3 dias de muito rola , muita porra , apanhei muito , fui totalmente usada pelos 3 sem dé sem piedade , os 2 amigos do peão eram realmentes chucros , me arrombaram , me batiam sem dó ... fiquei totalmente doloria em todo corpo ... a saideira foi que os 3 mijaram em mim ... isso é muito humilhante , mas pra uma vadia e escrava como eu , isso é o maior troféu .... agora estou combinado uma suruba no sitio de Marcelo ou em minha casa com 4 cds , 4 travestis amigas e claro os 4 machos . Eu e Marcelos estamos juntos de verdade . eu sempre como sua escrava submissa , mas dessa semama pra ca ja comi ele 6 x , ou seja .... além de ser meu macho , meu dono .... é tbém minha biscatinha sem vergonha .... Ele sabe que sou livre pra ter caso e envolvimento com quem eu quiser , por tanto podem me solicitar que dependendo serei sua tbem ... Quero cds , machos , mulheres e trans , mas que sejam sem vergonhas e que não tenham pudores e nem frescuras ok ...
Email e MSN : raphaellasaopaulo@hotmail.com só responderei com fotos e pra ser real . nem percam tempo se não for assim ta bom
Bjs bjs bjs
 

Um novo amigo chamado Léo

Meu nome é Leonardo (ficticio) tenho 19 anos e a historia que vou contar começou antes do carnaval do ano de 2010. Bem estava em uma cyber quando o léo apareceu, era conhecido pois era um arroaceiro, mais era muito bonitinho, tinah uma cara de safado e de cara pude observar que poderia ser muito gostoso na cama, era um moreno bem gostosinho, mas ai ele sem mais nem menos começou a me xingar, me chamado de viadinho e ainda por cima me convidou para brigar, so que como sou bem na minha não liguei pra uma palavra que ele falava, continuei sentado e olhando pra tela do computador, dai em diante fiquei ate com um pouco de medo, e me reservei um tempo em casa, todas as vezes que me encontrava soltava umas piadinhas, e me deixava as vezes furioso pelo simples fato de nunca ter dito nada com ele. dai em diante passamos a nos encontrar e as piadinhas foram deixadas pra lá, até que um dia como de costume sempre vou conversar com um amigo mas desde ja nunca tive nada com ele, o respeito muito ele tem uma filha e é hetero mas ele não sabe que curto ficar com caras também, foi em umas comemorações que estavam acontecendo no bairroja eram quase 10 da noite do dia 27/06/2010 ele se aproximou e pediu um cigarro ao Alexandre meu amigo, como o Aexandre é amigo de todo mundo o convidou pra sentar, fiquei meio constrangido e percebi que ele também estava meio sem jeito, mas não dirigimos uma palavra um ao outro. Decidi emntão vir embora epra minha surpresa ele falou que iria embora também então diminui os passos pra ver se me acompanhava de fato e acompanhou so que passou de mim, e não tive coragem de chamalo, mas no outro dia por coincidência aconteceu a mesma cisa ai não deu outra no caminho de volta o chamei.
- Léo!
- Diz (ele respondeu)
- Ei espera um pouco. E ai! da certo hoje!
e pergunta o que e eu respondo.
- A gente! vamo cara eu tava morrendo de vontade de te convidar.
Ai ele ficou mais sem jeito ainda e disse que não pois não tinha lugar e então o levei para uma casa abndonada que inclusive é da minha tia que se mudou. Entramos na casa, o puxei e começamos a nos beijar, ai então depois de muitos beijofui descendo or seu pescoço, sua barriga ate chegar ao seu pênis, e que coisa incrivel!devria ter uns 18 cm, comecei a chupar gostoso sugando todo aquele pau enorme, e delicioso, ele gemia de muito prazer, subi e depois de mais um beijo disse baixinho no seu ouvido. - Quero que meta bem gostoso no eu cuzinho. Fiquei de quatro pra ele sentido o pau todo me arrombar era delicioso, meteu de uma forma que não ha explicação, eu gemia de prazer e pedia mais e mais, ele socava mais e ais e gemia de um prazer incrivel, ate que ele fala no meu ouvido. - Vou encher seu cuzinho de porra. Sinto dentro demim a porra quente me descento por cu a dentro, depois começamos a nos beijar de novo e marcando pra outro dia só que na praia, e assim aconteceu no outro dia fomos nos amar e foder muito. Ate hoje transamos sempre que podemos, o léo mete como ningué e todos os dia quero aquele garoto dentro de im mais e mais. Se gostaram podem me enviar e-mail para re_leonardo91@hotmail.com aguardo contatos para amizade, ja que so ha o Léo pra mim.
 

Perdi a Virgindade na Faculdade

Meu nome é Rodrigo, tenho 18 anos e levo uma vida normal, o único diferente é minha atração por homens. Desde que eu tinha 14 anos eu reparava nos meninos mais velhos principalmente quando eles estavam jogando bola, eu como sou muito fresco não jogava com eles por medo de me machucar, e claro eles me zoavam muito chamando de mocinha e menininha. Eu nem esboçava algum tipo de reação, pra falar a verdade eu tava gostando de tudo isso. O tempo passou e esse meu desejo de me relacionar com um homem foi aumentando, ate eu ter minha primeira experiência sexual eu não transei com o cara apenas chupei o pau dele que por sinal eu achei muito gostoso ter aquele membro preenchendo minha boquinha foi sem duvida delicioso, mas ficou só nisso. Quando eu fiz 18 anos e entrei para faculdade sabia que tinha que me controlar para não dar bandeira, principalmente perto dos rapazes que fazem educação física (só de pensar...) esses costumam ser os mais gostosos da faculdade com seus músculos, braços fortes, e bonitos. Eu tentava disfarçar ao Maximo, mas era muito difícil ate que um dia na hora do intervalo para almoçar eu pude observar um rapaz pele morena, +- 80 kg corpo malhado devido à academia cabelos raspado, ele estava falando no telefone, passei perto e ouvi ele falando de uma festa que ia ter na casa dele. Quando eu passei no seu lado dei uma empinadinha na bundinha e uma rebolada e fui andando. Quando estava indo para o refeitório ele me chamou e perguntou se eu era novo na faculdade, eu voltei imediatamente não ia ignorar esse monumento esculpido parte por parte com todos os detalhes de um galã de cinema, respondi que sim que tinha entrado na faculdade naquele período, ele me olhou de baixo pra cima e com um sorriso sacana que eu percebi logo de cara me perguntou se eu queria ir à festa que ele ia dar na casa dele, é claro que topei na hora ele me disse o local, dia e hora do fabuloso evento.
Depois disso ele tomou seu rumo e foi embora. Fiquei com isso na cabeça durante todo o resto das aulas não conseguia parar de pensar, será que aquilo foi só um convite ou tinha algo a mais, eu estava tão nervoso que quando acabou a aula fui direto pra banheiro, me certifiquei que não tinha ninguém, fui ao banheiro do ultimo andar aonde quase ninguém vai, estava explodindo de excitação queria me masturbar a qualquer custo, entrei no banheiro fechei as portas, passei um pouco de sabonete liquido em um dos dedos, levantei meu short e fui baixando minha cueca depois comecei a me masturbar com um dedinho na bundinha depois botei mais um e continuei nesse momento de muito prazer, até que eu ouvi um barulho e a porta se abriu (nota eu tranquei a porta) e esse mesmo rapaz que eu estava fantasiando naquele momento surge perante mim, tomei um susto não deu tempo de levantar a cueca e ele já entrou falando:
- sabia que você era uma putinha sem vergonha, vou te mostrar como uma putinha tem que ser tratada. Depois que ele disso isso meu coração foi a mil o que ele ia fazer comigo eu não conseguia nem falar estava totalmente imobilizado. Ele chegou perto de mim e disse para eu fazer tudo o que ele mandar caso contrario ele iria espalhar para todos da faculdade que eu era gay. Vi-me em uma situação que não tinha escolha, tinha que obedecer ele. Depois de fala isso ele tirou a bermuda que ele tava usando e já pude olhar aquele volume por dentro da cueca e vi que era bem grande fiquei pensando, esse cara vai enfiar isso em mim e agora o que eu faço. Eu não tinha muitas opções, e quando ele arriou a cueca parecia uma cobra pronta para dar o bote, devia ter uns 20 cm bem grossa, ta certo que é uma pica que toda mulher e gays adorariam sentir, mas eu era virgem
não estava preparado para tudo isso logo de cara, quando ele mostrou o mastro dele, ele já me fez ajoelhar na frente dele, tive que chupar aquela tora duríssima que mal cabia na minha boca.
O cara não queria ficar parado me fazia chupar as bolas, a cabeça depois fazia movimentos de vai e vem ele tava fudendo a minha boca como se fosse uma buceta ou um cu, eu me engasgava, ele limpava minha baba no meu rosto passando seu pau no meu rosto dizendo que queria gozar dentro do meu cuzinho eu falei que era melhor não, nesse instante ele me deu um tapa na cara e disse:
Você não tem que querer nada aqui se eu quero gozar no seu cu eu gozo se eu quiser goza na sua boca eu gozo eu gozo onde eu quiser entendeu? Eu tava ficando com medo mais ao mesmo tempo excitado e respondi a ele que sim que ele mandava e eu obedecia e continuou fudendo minha boca ate que gozou no meu rosto e foi muito leite, cobriu boa parte do meu rosto e ele ainda me mandoueu esfregar no meu rosto todo como se fosse creme, fiquei com o rosto coberto de porra, ele me levantou me virou de costas dizendo que chegou a hora de eu perder meu cabacinho, eu tremi todinho dizendo para ele ir devagar (eu estava quase chorando) ele não quis saber, deu uma cusparada na mão dele e passou no meu reguinho, isso me arrepiou e ele me botou um pouco encurvado eu estava segurando na pia no banheiro ele pôs uma mão em minha cintura e outra no pau dele mirando meu anelzino virgem.
Eu sabia que se eu gritasse alguém poderia ouvir e pedi para ele ir devagar para eu não gritar tão alto ele novamente me deu um tapa no rosto e saiu de trás de mim, pegou a cueca dele e disse:
- Toma põem na boca para abafar seus gritinhos, eu olhei assim e perguntei se a cueca estava limpa, ele apenas pegou e enfiou na minha boca e segurou minha duas mãos com apenas uma mão, ele é forte eu sou magrinho não tive a mínima chance, estava completamente dominado, com as mãos presas e com a cueca dele na boca. Ele foi aproximando novamente o pau para perto na minha bundinha, ate que senti encostando no meu buraquinho, sabia que ele ia meter forte e estava me preparando, ele foi forçando na entrada e eu gemendo baixinho ate que a cabeça entrou rasgando, nossa eu vi estrelas tentava gritar mas ele pôs a outra mão na minha boca e sussurrou para mim se prepara que agora você vai sentir o que é ser um gayzinho gostoso e dito isso ele empurrou todo seu pau para dentro de mim, como eu não podia gritar nem me mexer só me restava uma coisa chorar e chorei muito, ele me vendo chorar começou a meter ainda mais forte dizendo, chora pro papai chora bonequinha e continuava metendo, ficou assim por uns 10 minutos metendo as vezes forte demais as vezes mas lento, ate que eu estava me soltando e ele foi me soltando. Com isso eu já rebolava no pau dele e pedia mais (se eu soubesse que é tão bom dar o cuzinho teria perdido a virgindade bem antes) ele me atendia me dando uma surra de pica quente bem no fundo do meu cuzinho, depois mudamos de posição ele fico na frente e eu vi de costa pra ele sempre metendo bem gostoso e ficamos fudendo muito ate que ele inundou meu cuzinho de porra, eu também gozei sem ao menos encostar no pau.
Depois que ele gozou ele deixou seu pau ir amolecendo dentro de mim, enquanto me chamava de putinha gostosa, safadinha que era a cachorrinha dele, e eu estava nas estrelas. Ele foi tirando seu pau bem devagar do meu cuzinho e senti a porra escorrendo entre as minhas pernas.
Depois que nos limpamos e nos arrumamos ele me disse que sempre que eu quisesse dar para ele era só ligar que ele arrumava um jeito de me comer, depois desse episódio eu ainda continuo dando bem gostoso para ele, mais agora eu estou namorando (escondido) um garoto da minha sala e tive que maneirar com meu galã, afinal meu namorado é um homem pra não por defeito, um negro de 1,85, corpo forte, 86kg e pegada forte mais isso já é outra historia...
 

Minha tia Lúcia – parte 2

Até a chegada do meu tio trepamos muito em todas as posições possíveis e em todos os lugares imagináveis, quando ele chegou sem avisar encontrou a Lucia de quatro na cama sendo fodida por mim no rabo.
Mas isso é outra história que conto em breve.
Esta história passo a contar agora.
Tio Carlos estava ali parado na porta do quarto e a Lúcia de quatro sendo fodida por mim, gelei quando o vi e Lucia apertou meu cacete com o rabo impedindo que eu saísse, olhei para o meu tio e ele estava pálido, com um olhar de muita raiva.
- Vem meu querido tira a roupa e junte-se a nós que depois eu te conto tudo – pediu Lúcia para o Carlos.
- E você meu macho gostoso, soca o cacete na minha bunda que você sabe que eu adoro – pediu para mim, já empurrando a bunda de encontro ao meu cacete.
Fiquei indeciso e olhando para o meu esperava a ação dele para decidir o que fazer, a feição dele que inicialmente era de raiva foi se transformando em excitação e ele começou a se despir, quando ficou nu, Lucia esticou o braço e agarrou o cacete dele e trouxe para perto dela.
- Carlos que delicia, olhe como está duro o seu cacete, faz muito tempo que não o vejo assim, te excita ver a sua esposa sendo fodida por outro macho?? - perguntou Lucia.
- Cacete Lúcia, que vadia você é, trepando com o meu sobrinho – falou Carlos com a voz tremula.
- Você não imagina as coisas que fizemos, depois te conto tudo, agora deite-se em baixo de mim e chupa a minha buceta, seu corno manso – ordenou Lúcia.
Carlos deitou-se por baixo dela e enquanto ela sugava seu cacete ela lambia a sua vagina, o cacete do tio Carlos parecia que ia estourar, Lúcia tirava o cacete da boca e olhava para ele ver como estava duro e batia com ele nos lábios, eu socava fundo na bunda dela e senti o Carlos lambendo minhas bolas, enterrava fundo e demorava para tirar da bunda dela para deixar que Carlos me lambesse, ele de quando em quando enfiava as bolas na boca, quando percebi que ia gozar tirei do rabo da Lúcia e enfiei na buceta, enfiei lentamente para deixar o Carlos ainda com mais tesão, ele lambia a extensão do cacete que desaparecia na buceta da esposa, Lúcia delirava de tesão e logo percebi que Carlos ia gozar, empurrei a cabeça da Lúcia para enterrar o cacete do Carlos na garganta dela, ele estremeceu e encheu o boca da esposa de porra, Lucia gozou em seguida, inundando o meu cacete e a boca do Carlos, tirei o cacete da buceta dela e gozei nos lábios da sua xota e na boca do Carlos, ele alucinado lambia a xota e o cacete para não perder nenhuma gota.
- Que loucura, nunca imaginei que isso era tão bom, minha esposa sendo fodida por outro macho na minha frente – murmurou Carlos
Lúcia contou todo o nosso caso, desde o inicio e quando Carlos percebia que ela havia pulado alguma parte pedia que contasse com detalhes, ela desfilava as nossas safadezas se ao mesmo tempo nos masturbava, nossos cacetes de inertes iam crescendo e logo estavam novamente eretos, pude prestar mais atenção no meu tio, ele estava conservado para a idade e seu cacete não era maior do que o meu era mais grosso, ela adorou saber que eu havia sido eleito pela esposa o macho da casa e confirmou que tanto ele quanto a esposa estariam à minha disposição sempre para me servir, juntos ou individualmente, para tudo que eu desejasse.
- Vai cadela, vai tomar um banho e volta bem limpinha e cheirosa para o teu macho – ordenei para a Lúcia.
- E você fica aqui, seu corno, que vai me servir enquanto ela se banha – mandei
Carlos obedeceu, quando ela se levantou ele murmurou, estou ao seu dispor meu macho, coloquei-o de quatro e passei a alisar sua bunda e seu rabinho, ele abria as pernas para facilitar o acesso ao rabinho, comecei a dar palmadas leves e sentia Carlos tremer de tesão,
Explorei sua bunda e quando passei pelo rabinho enfiei um dedo e ele gemeu baixinho, levantei e apanhei um pote de creme da Lucia, lambuzei dois dedos e enfiei no rabo dele,
Lucia voltou do banho e mandei que ela ficasse embaixo dele e iniciasse um 69, abri as pernas do titio e me fui enfiando meu cacete no rabo dele, lentamente ele engoliu ele inteiro , meu saco batia no dele e Lucia se engasgava com o cacete do marido que gemia baixinho e pedia para socar bem fundo, em poucos momentos seu corpo tremeu e ele inundou o boca da esposa com seu gozo, sai do rabo dele e fiz com que invertessem a posição, agora era a esposa que estava de quatro, abri a bunda dela e enterrei fundo, ela não esperava e tentou fugir, segurei-a pelo quadril e enfiei tudo, ele gemia de dor e de prazer.
- Fode a tua puta, fode na frente do meu maridinho corno – pedia Lucia
No vai e vem alucinado, gozamos os três , quase juntos.
Meu tio estava nas nuvens e confessou que nunca imaginou que seria tão delicioso ver a esposa ser fodida por outro macho e que sempre havia sonhado em ser arrombado pelo amante da esposa.
Fomos os três para o banho e Lucia me ensaboou e me lavou gulosamente, demorando-se no meu cacete, alisava, ensaboava, enxaguava e olhando para o marido dizia:
- Olha corno, olha o cacete do nosso macho, ele me fez sentir mulher na sua ausência, gozei feito louca com o nosso amante – sussurrava Lúcia.
Dizendo isso ajoelhou-se e pôs-se a mamar no meu cacete, Carlos, ajoelhou-se e ajudou a esposa na tarefa de chupar o macho.
Mandei que parassem e me seguissem nus para o fundo da casa. A casa era enorme e com um vasto quintal na frente e nos fundos, o muro que dividia as residências era de alvenaria e do nosso lado existia também uma cerca viva que ultrapassava a altura do muro, estávamos no verão e fazia um calor insuportável, apagamos as luzes de fora da casa e fomos caminhando para os fundos da casa, lá chegando ordenei que Carlos ajoelha-se na minha frente e abrisse a boca, posicionei-me à sua frente e comecei a urinar na sua boca, mandei que não bebesse, que deixasse escorrer pela boca, mandei que Lucia de deitasse e bebesse a urina que escorria pelo peito e barriga do marido, o cacete do Carlos estava como um ferro em brasa de tão duro e vermelho.
Após esvaziar a bexiga, peguei uma cadeira, me sentei e mandei que Lucia sentasse no meu cacete, enquanto Carlos se masturbasse lentamente, ela obediente veio por cima e ajeitando o cacete na entrada da vagina foi sentando e agasalhando o cacete que desapareceu na sua vagina.
Ordenei que Carlos ficasse de quatro co0m a bunda ao alcance da minha mão e comecei a dar palmadas na sua bunda, depois peguei o chinelo e perdi a conta das chineladas que dei na sua bunda, ele gritava de dor e prazer e implorou para que eu o deixasse gozar, autorizei e ele se desmanchou em um orgasmo forte e escandaloso.
Lucia com maestria também me conduziu ao orgasmo, gozando ela logo em seguida, mandei que fossem para dentro e fiquei lá relaxando, todo lambuzado pelo meu e pelo gozo da minha deliciosa amante.
Depois de algum tempo relaxando ouvi gemidos que vinham da casa do nosso vizinho, na casa ao lado moravam um casal de alemães, sessentões, Dona Petra e Sr. Wolfang, ele diretor de uma empresa alemã que vivia viajando e ela uma dona de casa, simpática e elegante, subi na cadeira e através das folhagens, vi Petra deitada numa esteira de praia, nua, se masturbando alucinadamente, ela era alta, seios grandes, bunda grande e uma vagina lisinha, sem nenhum pelo, fiquei ali na penumbra olhando aquele mulher madura se acabando na siririca. Petra abriu as pernas e socando fundo na vagina gozou, foi relando, sua respiração voltou ao normal e ela lentamente se levantou e foi para dentro da casa, vê-la me deixou excitado e fui para dentro de casa procurar a vadia da Lucia, precisava trepar e gozar depois daquela cena, encontrei os dois deitados nus já adormecidos, fui a te ela e encostei meu cacete nos lábios dela, ela começou lambendo e abrindo a boca me recebeu na boca dela, acordou e chamou o marido:
- Vem seu corno, nosso macho está com tesão, vamos fazê-lo gozar - ordenou ao marido.
- O que você quer que eu faça, meu macho – falou Carlos sonolento
- Lamba meus pés e depois a bunda dela – ordenei
Ele lambeu meus pés com carinho, enfiava os dedos um de cada vez na boca e depois enfiava todos de uma vez, lambeu até eu ordenar que fosse lamber a bunda da Lucia, ela ficou de quatro e ele se posicionou atrás dela e lambeu demoradamente sua bunda e seu buraquinho, quando estava bem molhada, arranquei-o e fui foder a bundinha da esposa, fodemos gostoso até gozarmos novamente e dormirmos abraçados até a manhã seguinte.
A visão da Petra se masturbando não me saia da cabeça, acordamos cedo e fomos tomar banho os três, Lucia e Carlos me ensaboavam e ficávamos sempre nos tocando, beijando, lambendo e se masturbando, começávamos os dias sempre excitados pelas lembranças da noite anterior e pelos banhos excitantes, não usamos roupas em casa e de comum acordo ficou decidido que eu não trabalhava mais no restaurante apenas estudava à noite, Lucia também ficava em casa para cuidar do macho, como pedia Carlos para a esposa, todas as manhãs ele falava:
- Tenham um bom dia e você esposa safada cuida bem do nosso macho e não deixe-o esgotado que se ele quiser a noite gostaria de servi-lo- dizendo isso dava um beijo na boca da esposa e uma lambida no meu cacete.
Ordenei que Lucia se aproximasse da Petra e que ela teria a missão de traze-la para o nosso relacionamento, queria transar com a Petra e a Lucia juntos, a cadela reclamou e disse se não era suficiente o casal de amantes que eu tinha em casa, se eu não era feliz com o nosso relacionamento, se ela e o marido não me satisfaziam, dizendo isso veio ao meu encontro me abraçou e pousando a cabeça no meu peito começou a chorar.
- Você não tem noção de o quanto tem nos feito feliz, Carlos nunca esteve com tanto tesão, ele te adora, diz que se sente realizado como homem, que nunca imaginou que poderia ser tão feliz com outro macho e eu então nem fale, sinto plenamente realizada, estou com o marido que amo e com o macho que me realiza, estamos completos com você, mas parece que você precisa de mais – choramingava Lucia.
- Minha doce e gostosa vadia, nunca imaginei que a minha vida sexual seria assim como está sendo, minhas expectativas e fantasias foram superadas, mas tenho fantasias que ainda não se realizaram, tal como estar com duas mulheres, e nas minhas fantasias você e o Carlos estão presentes, imagina a loucura que seria transar eu você e a Petra, entenda que seremos ainda mais felizes, disse enquanto fazia um cafuné.
Lucia levantou a cabeça me olhou nos olhos e disse:
- Eu te amo e farei tudo o que você mandar, se você a quer então farei de tudo para que você a tenha.
- Pela sua insolência e atrevimento em me questionar será castigada, vá até o quarto e traga o meu cinto – ordenei
Lucia voltou com um cinto de couro largo e grosso.
- Fique de quatro e apóie-se na mesa – mandei
Lucia obedeceu, fui até ela, abri mais as pernas e toquei os lábios da sua vagina que já denunciavam a excitação, estavam molhados e quentes.
Afastei-me e dei a primeira cintada, o couro estalou na bunda dela e ela gritou de dor, tentou fechar as pernas, quando gritei com ela:
- Abra as pernas sua cadela insolente, vai apanhar mais ainda, vagabunda.
Aumentei a potencia das cintadas e deixei a bunda dela marcada, chegando a cortar a carne em vários pontos, nunca havia judiado tanto dela, mas achei que para que ficasse claro quem dava as ordens na casa foi um castigo necessário e importante para o nosso relacionamento.
No término do castigo Lucia agradeceu pelo vigor e disse saber que merecia, suas nadegas estavam com marcas profundas e eu havia provocado vários cortes, estava inchada e mandei que deitasse sobre a mesa, fui à geladeira peguei cubos de gelo e coloquei sobre a sua bunda, ela gemia pelo choque térmico, pelo dor, pelo inusitado e pelo carinho que o macho demonstrava com ela.
Quando Carlos veio para o almoço, Lucia já instruída por mim, foi até ele o despiu e o colocou na mesma posição que esteve pela manhã, foi até o quarto e me informou que o marido estava pronto, voltamos para a cozinha, Lucia trazendo o cinto foi até o marido abriu-lhe as pernas e falou:
-Pronto nosso dono, seu escravo está pronto.
Na primeira cintada Claudio tentou sair e a segunda acertou-lhe os genitais em cheio, ele ajoelhou de dor e eu continuei o castigo, com maior severidade ante a tentativa dele de escapar do corretivo, a bunda dele ficou em piores condições do que a da esposa.
Lucia rapidamente pegou gelo para aplacar a dor, Claudio chorava de dor, sua bunda tinha vários cortes que sangravam alem de vários hematomas, ficaria impossibilitado de sentar por alguns dias.
- Aprenda seu corno insolente, jamais questione meus desejos e nunca tente impedir a minha cadela de me servir, que tenha aprendido a lição – disse-lhe em voz alta enquanto analisava as marcas deixadas.
Claudio gemia de dor ainda quando percebi que ejaculava, sem sequer tocar o cacete, ordenei que lambesse toda a porra que caiu no chão, ele virou-se dizendo que não iria fazê-lo, dei-lhe várias bofetadas no rosto e ele chorando ajoelhou-se e lambeu toda a porra que havia derramado. Coloquei-o de castigo, ajoelhado ao lado da mesa, sentei e ordenei que a Lucia servisse o almoço, o marido comeria apenas sobras,. Os olhos de ambos brilhavam de prazer, apesar da dor que sentiam em suas bundas. Claudio passou o tempo durante ao almoço sentado, gemia de dor mas manteve-se obediente, eu pegava pedaços de comida e dava em sua boca, antes passava na buceta da Lucia que serviu o almoço e ficou em pé ao meu lado, quando terminei de almoçar mandei que ele lambesse a buceta dela para limpa-la, fui para a sala e instantes depois ela surgiu, ajoelhou-se e colocou a cabeça nas minhas pernas, Claudio vestiu-se e foi trabalhar.
- Meu senhor não tem idéia do quanto nos fez feliz hoje, seu capacho me confidenciou que havia sonhado com isso a vida inteira e sabe que existe apenas para servi-lo e eu então, ver ele sendo açoitado foi delicioso, e preciso confessar gozei duas vezes enquanto ele apanhava, me perdoe não pude evitar – falou Lucia em voz baixa e tremula.
- Está perdoada minha deliciosa cadelinha, prepare meu banho que vou descansar esta tarde, à noite tenho mais tarefas para vocês – ordenei enquanto fazia um carinho nos cabelos dela.
À noite, esperei Claudio chegar do restaurante e depois da Lucia despi-lo fui olhar os estragos da bunda dele, realmente foi um baita estrago, as nadegas estavam roxas e inchadas, mandei Lucia preparar uma bacia grande com bastante gelo e água gelada, isto feito ordenei que ele sentasse na bacia, o contato com o frio provocou arrepios no corpo dele, principalmente quando os genitais tocaram a água, ele tentava sentar lentamente, quando pisando na barriga dele afundei-o na água gelada, ele gritou de dor e implorou para sair, dei duas bofetadas no seu rosto e ele resignado deixou-se afundar na bacia, ordenei que Lucia ficasse sobre ele com as pernas abertas e retirando cubos de gelo da bacia enfiava em sua vagina, coloquei uns dez cubos dentro dela, ordenei que os mantivesse lá até que derretessem, peguei outros cubos de gelo e passei na bunda da Lucia que estava arrepiada de frio, depois deste castigo ordenei que os dois fossem para o quintal nos fundos da casa, eu havia providenciado duas coleiras e duas corretes para cães e chumbei as corretes no chão distantes uma da outra, coloquei dois cobertores no chão e ordenei que deitassem, coloquei as coleiras e amarrei as mãos aos pés assim não conseguiriam se soltar da coleira, cobri-os com outro cobertor e falei que mais tarde, quando voltasse da faculdade viria vê-los.
Voltei da faculdade entrei na casa me despi e fui para o fundo da casa ver meu casal de escravos, uma cena excitante, os dois amarrados e acorrentados, tirei o cobertor de cima dela soltei- e ali mesmo, deitei-me sobre ela e a possui, sua buceta estava encharcada imaginei quantas vezes já havia gozado, não demorei e vi que ria gozar, sai de dentro dela e fui até meu tio, ele parecia estar em transe, seus olhos faiscavam de excitação, ele abriu a boca e eu enchia-a de porra, Claudio depois de engolir tudo agradeceu, soltei-o e fomos os três para dentro para jantar e continuar a diversão.
Um sábado no final da tarde caiu um imenso temporal, com muitos raios e trovões, a tarde virou noite e um raio caiu em um transformador na rua e várias quadras ficaram sem energia, Lucia lembrou que Petra estava só, o marido havia viajado, mandei que ela fosse chamá-la, logo as duas voltaram, Petra agradeceu pela nossa preocupação e pediu para ficar até que a energia voltasse, consentimos e eu fui tomar um banho, a casa tinha um aquecedor a gás, após um banho relaxante chamei meu tio e mostrei como meu cacete estava duro só pela presença da Petra na casa, ele riu e pediu permissão para toca-lo, consenti e titio pegou meu cacete suavemente e iniciou uma masturbação lenta e suave, ordenei que parasse e fosse tomar um banho e depois chama-se Lucia para fazer o mesmo, coloquei um pijama sem cueca e fui para a sala, a iluminação da casa era feita por alguns lampiões espalhados pelos cômodos, na sala Lucia e Petra conversavam animadamente sentadas no sofá, sentei- ao lado da Lucia e ela de costas para mim tateava disfarçadamente para encontrar meu cacete, quando o encontrou massageou suavemente, logo Carlos chega na sala e pede que elas tomem banho, as duas vão juntas para o banheiro, deixando-me a sós com meu tio.
- Senhor que bom seria estar com elas no banho, tirei a chave da fechadura e se o senhor quiser pode vê-las – sussurrou Carlos.
- Bom trabalho, mas prefiro esperar elas saírem.
Dizendo isso trouxe a cabeça dele para o meu cacete que já estava fora das calças e começou a mamar, chupava com carinho e maestria, e antes que gozasse ordenei que parasse, logo em seguida as duas saíram do banheiro e foram para o quarto se trocar, depois de se vestirem chegaram na sala, como Petra tinha seios e quadril maiores que os da Lucia o pijama que Lucia emprestou para Petra ficou muito justo, a calça colado ao corpo e a blusa com os botões prontos para estourar.
Fiquei maravilhado ao vê-la, os seios grandes sendo contidos pelo pijama justo, os biquinhos duros quase furando o tecido, a vagina dividida ao meio pela costura da calça, deliciosamente tesuda, apesar de sessentona tinha um corpo de uma mulher vinte anos mais jovem, não havia tido filhos e se cuidava com cremes para a pele que o marido trazia das viagens para a Europa,
Meu cacete parecia pedra de tão duro e meu tio também estava com muito tesão, pois via seu cacete também duro, ficamos sentados num sofá eu e meu tio, no outro sofá Petra e na poltrona Lucia, conversamos banalidades e eu não agüentando levantei e fui para a cozinha seguido por Claudio, ficamos na cozinha no escuro com sacanagem, o abracei e ele pousou a cabeça no meu ombro, nossos cacetes se tocavam aumentando o tesão, enfiei a mão dentro da calça do pijama dele e alisei sua bunda, ele afastou as pernas para facilitar a caricia e enfiei dois dedos no seu rabo, ele gemeu de tesão e implorava que eu o enrabasse, nos acariciando nos despimos e eu já ia fode-lo quando Lucia entrou na cozinha falando que a Petra havia adormecido, pedindo para participar da sacanagem, despi a Lucia enquanto o marido sugava meu cacete, decidi ver a Petra dormindo, e levei o casal junto, colocamos o lampião na estante e ordenei que com cuidado o sofá onde nossa hospede estava adormecido fosse aberto, era imenso a excitação do trio, eu o o Claudio com os cacetes duros, a Lucia com a vagina encharcada, ficamos ali em pé ao lado da Petra olhando-a, o lampião produzia uma iluminação que fraca que aumentava ainda mais o tesão de todos, abaixei ao lado dela e comecei a abrir a blusa do pijama, lentamente para não acordá-la, minhas mãos tremiam , abri de baixo para cima e fui descobrindo o corpo daquela mulher deliciosa, estávamos ofegantes e a cada botão aberto maior o risco dela acordar, quando soltei o ultimo botão vi aparecer os seus belos seios, grandes, com aureolas e bicos proporcionais, toquei levemente os bicos e os vi crescer e ficarem duros, a calça do pijama não teria como tirar, era muito justo e ela certamente acordaria, levantei e peguei uma tesoura, cortei o elástico da cintura e fui descendo cortando até chegar à altura da sua virilha, suavemente retirei a calça do pijama e tivemos revelado o corpo de uma mulher sensacional, linda, pele lisinha, seios duros, coxas grossas e para o nosso delírio uma vagina totalmente depilada.
Ajoelhado ao seu lado toquei o bicos dos seios com minha boca, lambi e os beijei suavemente, a cada toque ela se arrepiava mais, todos tomados pelo medo dela acordar e ver os três ali ao seu lados nus e ela também nua.
Carinhosamente afastei suas pernas e beijei a parte interna das suas coxas, sua virilha, e cheguei a sua deliciosa buceta, beijei os lábios e abri-os com cuidado para sugar seu clitóris, ela estava ensopada, e sua pele arrepiada, se contorceu parecendo que ia acordar, parei e esperei um pouco, decidi possuí-la e ordenei que a Lucia se postassem ao lado da Petra e segurassem um braço e uma perna, com cuidado para ela não acordar, se ela acordasse deveriam segurar firme para que eu a possuísse, elas assim o fizeram, fui por cima da Petra, posicionei meu cacete à entrada da buceta dela e ao meu sinal enterrei fundo nela, meu cacete deslizou com dificuldade e ela acordou apavorada, meus escravos a mantiveram de pernas e braços abertos, consegui enfiar tudo, retirei e voltei à carga, ela gritava e eu comecei a socar com violência, debrucei sobre seus seios e suguei com sofreguidão, uma delicia.
De repente meus escravos soltaram-na e ela me abraçou com vigor, sua mãos pegaram minha bunda e me empurrou de encontro a sua buceta, ela rebolava e pedia para enfiar tudo, soquei com vigor e logo ela estava gritando de tesão e gozando, eu continuei socando até encher a sua vagina de porra, beijei sua boca demoradamente e ela pediu:
- Não tire seu cacete de dentro de mim, gozei muito gostoso, preciso de mais orgasmos assim, me fode como você fode seus escravos, me faça também sua puta – implorou Petra.
Deitei sobre ela, ofegante e realizado, beijava sua boca, pescoço, e seus deliciosos seios, depois de muitos amassos, sai de dentro dela e levei meu cacete para a Lucia chupar.
- Anda cadela, limpa o cacete do teu dono, limpa direitinho – ordenei
Petra veio para chupar também e levou uma bofetada.
- Não te mandei chupar o meu cacete, espere a sua vez – gritei.
Lucia lambeu o cacete, as bolas a virilha e quando ele começou a endurecer, deitei-me de costas e mandei que Petra viesse sugá-lo, ela tremia de tesão e medo, começou timidamente e logo engolia ele inteiro, ordenei que a Lucia viesse por baixo dela e limpasse também a sua vagina, Carlos recebeu a tarefa de buscar cremes e o cinto que eu usava para castiga-los.
Petra mamava com gula meu caralho, Lucia lambia a vagina da Petra para deixá-la limpa para ser usada novamente, Carlos chegou e mandei que lambesse a vagina da esposa, peguei o cinto e comecei a açoitar Carlos, levemente no inicio e Petra vendo ele apanhar acelerava os movimentos que ocasionava maior firmeza nas cintadas, ele pedia entre as lambidas que dava na buceta da esposa.
- Bate senhor, bate no teu escravo, eu mereço, não tenha dó, meu corpo te pertence – gemia ele.
Autorizei que ele gozasse e tão logo recebeu a ordem inundou as pernas da esposa, mandei que lambesse toda a porra despejada por ele, Lucia afundou a cabeça do marido no meio das sua pernas e também gozou, Petra implorou para que eu gozasse na sua boca e resetando seu corpo gozou na boca da Lucia, segurei a cabeça da Petra e enterrei meu cacete na sua garganta e gozei abundantemente, fazendo-a engasgar, ela bebeu até a ultima gota e continou sugando até ele amolecer.
- Senhor, se me permite, eu queria agradá-lo e tomei a liberdade de contar sobre nosso relacionamento para a Petra, elajáe havia nos visto no quintal e desde daquele dia tem a vontade de ser também a sua escrava, perdoe pela intromissão, queria apenas agradá-lo – falou Lucia em voz baixa.
- Meus queridos certamente que me agradaram e terão muito ainda para fazer para continuar dando ao seu macho prazer e satisfazendo minhas fantasias – falei em voz suave.
Ordenei que Carlos fosse até o quintal e trouxesse o par de coleiras e as correntes, ele voltou e prendi-o no pé da poltrona mais distante de nós, Lucia foi atada ao pé do sofá que estávamos, seu corpo ficou em cima do sofá, deixei-a com as pernas abertas e Petra foi colocada de quatro a cabeça próxima das pernas da Lucia, postei-me atrás da Petra e beijei suas pernas, coxas afastei seu lábios e lambi demoradamente sua vagina que estava molhada novamente, abri sua bunda e lambi e enfiei a língua no seu rabinho, ela estava arrepiada de tesão, lambi demoradamente e ordenei que ela sugasse a vagina da Lucia como premio para o trabalho de aliciamento da Petra, Lucia abriu as pernas afastou os lábios e escancarou a vagina para Petra lamber, postei-me atrás da Petra e arreganhando a sua bunda encostei meu cacete na entrada do seu rabo, sem penetrar, fiquei pincelando seu rabo que piscava de tesão.
- Meu macho, arromba a sua nova puta, fode meu rabo, sou sua – implorava Petra.
Pressionei e lentamente fui penetrando sua bunda, com dificuldade enfiei a cabeça e lentamente fui enfiando tudo, logo minhas bolas tocavam a sua buceta, tirei todo ele para voltar a empurrar até o fim, repeti o movimento cada vez com mais vigor, ela estava sendo arrombada, meu cacete doía pelo atrito mas era delicioso foder a polaca, Lucia rebolava na boca dela e Carlos acorrentado assistia a tudo, olhei no chã e vi que ele já havia gozado e sabia que seria açoitado por isso, Petra remexia e a cada estocada jogava seu corpo para trás, dei-lhe uma primeira palmada na bunda e ela assustou-se pois não esperava, estocava seu rabo e dava palmadas cada vez mais intensas, depois debrucei-me sobre ela e enquanto estocava tocava seus seios, beliscando os bicos, ela ofegante pedia para deixa-la gozar, consenti e ela tendo verdadeiras convulsões gozou, senti sua coxas molharem com o sumo que saia de sua vagina, Lucia arqueando o corpo gozou também ensopando a boca da Petra.
- Rebola vadia, faz teu macho gozar, ordenei enquanto batia vigorosamente na sua bunda.
O contraste de cores era lindo, sua pele branca, tinha manchas róseas, vermelhas e roxas, a surra provocou hematomas e o estouro de pequenas veias, com essa visão afundei meu cacete na bunda dela e gozei deliciosamente, sai de cima da Petra e fui até onde meu tio estava acorrentado e puxando-o pelos cabelos ordenei que limpasse a minha vara, ele lambeu ela inteira, lambeu meu saco minha virilha ele terminou o serviço e me agradeceu, soltei-o e mandei preparar nosso quarto e depois se banhar.
Jogada no sofá Petra e Lucia se acariciavam , soltei a Lúcia e me juntei a elas, deitamos so sofá, uma deitada de cada lado, abracei-as e ordenei que me masturbassem.
- Deixem este cacete duro que vou foder a buceta da Lucia, ela merece mais um orgasmo, imediatamente iniciaram a masturbação e eu beliscando os seios de ambas, olhava o trabalho das vadias.
Quando meu cacete ficou duro mandei que Lucia me cavalgasse, ela sentou sobre meu cacete e o fez desaparecer na sua vagina, ordenei que Petra sentasse sobre a minha boca de frente para a Lucia, elas se beijavam e alisavam seus seios, Petra abriu bem as pernas e encaixou sua buceta na minha boca, lambi demoradamente e ela esfregava a buceta no meu rosto para voltar à minha boca, , Lucia gozou primeiro ensopando meu cacete meu saco e minha virilha, ordenei que saísse e Petra abaixou a cabeça e ficamos num 69 delicioso até gozarmos.
Carlos retornou do quarto e ficou nos observando e avisou quando gozamos:
- Senhor o quarto já está arrumado e eu de banho tomado, quer que prepare o vosso banho? – perguntou Claudio em voz baixa.
- Prepare e avise quando estiver pronto, as cadelas vão dar banho no dono para serem usadas mais tarde.
Enquanto ele saia em direção ao quarto eu o olhei com volúpia, nunca imaginei que meu próprio tio seria meu escravo e menos ainda que teria duas mulheres deliciosas ao meu dispor, aquela noite foi a primeira de uma série incontável de noites de prazer, sexo, tesão, muita paixão e amor que dedicamos aos nosso relacionamento.
Petra estava sempre conosco, seu marido viajava muito e uma noite pulamos o muro os três para fode-la no quintal enquanto o marido dormia. Essa é outra história que contarei brevemente. Quem quiser pode entrar em contato pelo e-mail mestre47sp@hotmail.com.
 

Minha tia Lúcia - parte 1

Após ler muitos relatos eróticos em sites resolvi contar casos de minha vida.
Meu nome é Francisco, tenho hoje 50 anos, sou casado, tenho 2 filhos.
Minha família é do Paraná, em 1978 vim para São Paulo para estudar e fui trabalhar no restaurante do meu tio na época ele tinha 48 anos e minha tia Lúcia tinha 32 anos.Eles tinham um restaurante no bairro do Brooklin, o prédio era formado por dois sobrados geminados que foram reformados e tornaram-se apenas um prédio, nos fundos havia duas edículas que foram mantidas uma servia como vestiário para os funcionários e outra como uma casa de hospedes.
Ficou acertado que eu trabalharia com meu tio e moraria na edícula de hospedes.
As primeiras semanas foram normais e eu me adaptando ao novo ritmo, já que trabalhava durante o dia no restaurante e à noite cursava Direito em universidade renomada, voltava da faculdade por volta da meia noite, lanchava, tomava um banho e dormia iniciando no trabalho na manhã seguinte.
Deixe-me falar sobre a minha tia Lúcia, ela é uma mulata, e eu andava alucinado por ela, com 18 anos vivia me masturbando pensando naquela mulher deliciosa. Ela tem seios e bundas grandes, quadris largos e coxas grossas, eu vivia olhando-a com volúpia e perdi a conta de quantas vezes acordei de madrugada pensando nela, acordava de cacete duro e sempre terminava em saborosas punhetas.
Durante o dia eu a seguia pelo restaurante esperando oportunidades para roçar no seu corpo, dezenas de vezes rocei em seus braços, seios, pernas e bunda, sempre me desculpava pelo ato, uma vez olhando-a na cozinha, pude ver os seios pelo decote do vestido, lindos com aureolas grandes e bicos enormes, meu cacete endureceu na hora e ela percebeu olhando –me com espanto e desaprovação. Sai dali em direção ao banheiro e me masturbei como louco, chegava a me masturbar 5 vezes por dia.
Certa noite, vindo da faculdade notei que tinha movimento no vestiário dos funcionários, fui até a janela e por uma fresta podia ver minha tia em pé com o vestido levantado até a cintura e o meu tio sentado na cadeira sugava a sua vagina enquanto ele a sugava tocava o cacete, duro feito pedra, olhando os dois saquei meu cacete e me masturbei, ouvindo os gemidos deles gozei lambuzando o chão em frente a janela, ainda vi Lucia gozando e meu tio gozando nas coxas dela, fui para o meu quarto e de os vi saindo do vestiário, Lucia saiu olhando para os lados e parou em frente a mancha de esperma no chão, agachou-se e com o indicador tocou o esperma no chão e cheirou, colocou o indicador na boca e lambeu indo embora com um sorriso maroto nos lábios.
Os dias transcorriam tranqüilos, até meu tio nos avisou que iria para o Paraná para fechar negócios com suas terras e outros bens que possuía por lá e ficaria ausente por uns 10 dias, pediu que neste período eu ficasse morando com minha tia na casa deles que ficava a 3 quadras do restaurante, meu tio viajou na 2ª feira pela manhã, trabalhamos normalmente no restaurante, à noite fui para a faculdade e na volta fui para a casa deles, cheguei e minha tia me esperava para jantar, ela estava com um pijama comprido que não combinava com aquele de monumento de mulher, fizemos um lanche rápido e La se despediu dizendo que ia dormir, eu ficaria no quarto de hospedes ao lado do quarto deles, fui para banheiro me despi tomei um banho e voltei para o quarto enrolado na toalha, ao passar pelo quarto dela vi a porta aberta e ela não estava, cruzei com ela no corredor voltando para o quarto com uma jarra com água.
- Tenho muita sede à noite – disse ela
- Durma bem tia Lúcia – emendei
- Vai ser difícil sem o seu tio aqui – murmurou tia Lucia
- Se precisar de algo me chame – disse indo para o quarto.
Me deitei e foi impossível não ter outra ereção pensando naquela mulher deliciosa no quarto ao lado. Me levantei tirei a calça do pijama e no escuro fiquei parado em frente a porta do quarto da tia Lucia, sentia o seu perfume e ouvia a sua respiração, como um louco me masturbei, gozei derramando meu esperma no chão e na porta do quarto.
Fui para o meu quarto e ma manhã seguinte fui ao banheiro e vi a Lucia agachada em frente ao seu quarto olhando as manchas de esperma.
- Bom dia tia Lucia, dormiu bem – perguntei
- Mais ou menos – murmurou ela
- Que engraçado já vi estas manchas na porta do vestiário do restaurante, o que será isso?? – perguntou ela, sorrindo.
- Não sei dizer tia – respondi indo para o banheiro.
Fomos trabalhar e o dia transcorreu normalmente, à noite cheguei em casa fiz um lanche, tomei um banho e fui dormir, percebi que não dormiria sem me masturbar já que meu cacete estava duro demais, levantei me despi e fui para a porta do quarto da Lucia, no escuro sai do quarto e fiquei parado na porta do quarto dela, comecei a me masturbar quando ouvi ela gemendo, ela estava se masturbando e chamava pelo meu tio.
- Vem meu macho vem foder a tua fêmea – gemia ela.
- Minha vagina está ensopada, quero seu cacete aqui- pedia Lucia.
- Vem Francisco vem foder a titia – pediu ela
Ao ouvir meu nome gelei, voltei para o quarto e me deitei, se meu tio soubesse disto eeu estaria ferrado.
Estava deitado quando ouvi ela me chamando, pedindo que fosse até seu quarto.
- Vem aqui, estou com medo de dormir sozinha – pediu ela.
Coloquei meu pijama e encabulado fui até o quarto dela, tentava disfarçar o meu cacete duro,.
- Deite aqui comigo, não consigo dormir – pediu Lucia.
Ainda no escuro deitei-me ao seu lado sem encostar nela,.
- Tenho me sentido muito só nestes dias, chegue mais perto – pediu ela.
Me encostei e minha mão encostou na sua coxa, ela estava nua, delirei de tesão, meu corpo tremia, ela virou de costas e pediu para abraçá-la. Tremendo de tesão abracei-a e segurei nas suas mãos, ela arrebitou a bunda e encostou no meu cacete, levou uma das minhas mãos ao seu seio e a outra às suas coxas, que mulher deliciosa, senti seus mamilos se arrepiarem e seus bicos endurecerem, senti seu perfume e a maciez de sua pele, ela estava arrepiada.
- Tira seu pijama e me abraça, estou carente de pele de macho – sussurrou ela
Tirei meu pijama e a abracei tocando seu seio e encostando meu cacete na sua bunda.
- Francisco você está com muito tesão, não se masturbou hoje como tem feito ultimamente, sei que você se masturbou em frente ao vestiário e em frente ao meu quarto, seu tarado, se masturbando pensando na sua tia, seu devasso- disse ela enquanto levava minha mão para a sua vagina.
- Toca a bucetinha da tia, veja como está molhada de tesão – gemeu ela.
Toquei levemente a sua vagina, ela gosta de manter a vagina peluda depilando apenas as laterais, sentia o perfume do seu corpo e estava quase gozando, ela tirou a coberta de cima de nós e pediu para acender a luz, queria que eu a visse nua, acendi a luz e me vi ante aquele monumento de mulher, seus seios arrepiados os bicos duros, a vagina peluda,
- Vem meu Francisco deite-se ao lado da sua tia – pediu ela
Deitei-me e ela veio por cima e me beijou, sua boca invadiu a minha e nos beijamos longamente, enquanto a beijava tocava sua buceta, abrindo os lábios e enfiando suavemente o dedo, ela estava ensopada, subiu o corpo e deixou na altura da minha boca seus seios deliciosos, beijei, lambi, mordisquei, ela gemia e arqueava o corpo para que eu beijasse os dois seios, continuava tocando a sua vagina e quando ela encostou as mãos no meu cacete eu pirei, não consegui segurar e gozei, lambuzando sua mão e suas coxas.
- Tia me desculpe, eu estou muito excitado e não pude segurar – falei envergonhado.
- Não se preocupe meu querido, vamos ter muito tempo para gozar- sorriu ela matreiramente.
Deitou-se de costas abriu as pernas e me pediu para beijar a sua vagina – enquanto falava levava minha cabeça para o meio de suas pernas, senti pela primeira vez o cheiro de uma buceta e fiquei alucinado, nunca mais consegui transar com uma mulher sem antes chupar a sua vagina.lambi seus pelos os lábios e me afundei na sua vagina, uma delicia, ela ensopada, gemendo e pedindo para não parar, em pouco tempo ela gozou e encheu minha boca com seu mel, puxou-me rápido e beijou minha boca para sentir seu gosto, ela adora fazer isso.
Deitei-me ao seu lado e ela começou a tocar meu cacete até que ele ficou ereto novamente, Lucia virou seu corpo e abocanhou meu cacete, primeiro colocou a cabecinha na boca e ficava dando chupões, tirando a boca, eu delirava, meu corpo tremia, ele virou o corpo até deixar a sua vagina próxima da minha boca, afastei suas pernas e me afundei novamente na sua buceta, Lucia foi posicionando a te que seu rabinho estava nos meus lábios, lambi o rabinho e enfie minha língua dentro dele.
- Chupa meu macho, chupa meu rabinho, lambe meu cuzinho – gritava ela.
Eu freneticamente chupava seu rabo e sua buceta, ela logo gozou me encharcando a boca novamente com seu mel, continuei chupando seu rabo até que ela gritou que ia gozar pelo cú, e gemendo gozou pelo rabo, eu alucinado enche sua boca de porra e ela bebeu tudo, caiu ao meu lado e adormecemos.
Fui acordado por ela de madrugada para tomarmos banho, fomos nus para o banho, eu estava no paraíso, só havia transado com prostitutas no Paraná e mesmo assim nenhuma que chegasse aos pés da Lucia, o banheiro tinha uma banheira enorme, ela ligou o chuveiro e entramos na banheira, em pé eu a abracei por trás e meu cacete duro encostou na sua bunda, com uma das mãos tocava os seios e a outra dedilhava sua vagina, ela abriu as pernas para que os meus dedos entrassem na vagina, beijei sua nuca e mordisquei sua orelha, ela com a pele arrepiada gemia e trazia sua bunda de encontro ao meu cacete.
- Vou levar você ao paraíso meu macho – gemeu ela
Ajoelhou-se e levou meu cacete até sua boca e chupou gulosamente, quando estava bem duro ela virou-se de costas ficou de quatro e pediu para eu chupar seu rabo, mordisuavemente sua bunda e abrindo ainda mais suas pernas arreganhei sua bunda e lambi seu rabinho que piscava a cada lambida.
- Vem meu macho fode a bundinha da sua puta – pediu ela.
Me ergui e pincelei a bunda dela com meu cacete, ela com pressa de ser fodida, agarrou meu cacete e levou até seu rabo , enfiei a cabecinha e ela abrindo a bunda gritava:
- Fode a sua titia, fode, arromba minha bunda – gritava.
Alucinado enfiei tudo de uma vez, ela urrou de dor e tentou fugir, segurei pelos quadris e fui bombeando, tirava todo o cacete para enfiá-lo de uma vez, após alguns minutos ela já rebolava para receber ele no rabo.
- Vem meu macho, faz a tia gozar – pedia ela
Rebolando gozou, tirou meu cacete do rabo e depois de lavá-lo, chupou novamente , ficou novamente de quatro e pediu para foder a bucetinha.
Que visão deliciosa, aquela mulher deliciosa de quatro, abrindo a buceta para ser fodida, encaixei meu cacete na portinha da buceta e ele deslizou naquela buceta ensopada, bombeava e de repente ela pede:
- Bate na minha bunda, bate na titia – gemia
Dei um tapa suave e ela gritou:
- Bate na sua puta, bate na sua pretinha, quero apanhar do macho – pedia Lucia
Fiquei enlouquecido com o pedido, tirei meu cacete da sua buceta, sai da banheira, agarrei-a pelo cabelo e levei-a até a cama.
- Fica de quatro sua puta, abra as pernas que eu vou foder a sua buceta – ordenei
-Sim meu macho fode a tua puta – gemia Lucia.
Peguei uma sandália dela e me posicionei atrás dela, fui enfiando meu cacete na vagina dela enquanto batia vigorosamente na sua bunda. Ela rebolava e gritava, pedindo para bater com mais força, com uma das mãos agarrei seus cabelos e puxei para trás com a outra dava lambadas na sua bunda, ela começou a gozar e gemendo gozou várias vezes, eu continuava bombeando sua buceta e quando vi que ia gozar, tirei da buceta, virei-a de frente para mim e atolei meu cacete na sua boca, gozei enchendo a boca dela de porra.
- Bebe tudo sua puta, bebe a porra do teu macho, sua vadia – ordenei
Ela engasgando com a porra tentava tirar o cacete da sua boca e eu batia no seu rosto afundando meu cacete na sua garganta, virei e enquanto ela limpava meu cacete abri suas coxas e suguei sua vagina e rabo alternadamente, fazendo-a gozar feito louca.
Descansamos um pouco, tomamos um banho e fomos para o restaurante, durante todo o dia eu descaradamente a encoxava, beliscava sua bunda e seios e quando não havia ninguém por perto dava tapas na sua bunda. À tarde passei por ela e falei te espero no vestiário, fui para lá e me despi da cintura para baixo, ela chegou e eu ordenei que se ajoelha-se e me chupasse, ela tentou sair e eu ordenei que não saísse pois se o fizesse seria castigada. Ela ajoelhou-se na minha frente, abocanhou meu cacete e chupou com carinho e tesão, quando ele estava bem duro, ordenei que ficasse de quatro apoiada na janela, Levantei seu vestido, rasguei sua calcinha e lambuzando meu cacete na sua buceta, enfiei no seu rabo, ele gritou de dor e tentou escapar.
- Fique calada sua puta, agüente sem gritar sua vadia, você gosta de levar no rabo, cadela – ordenei.
Ela arreganhou ainda mais a bunda e eu a invadi por inteiro, socava e sentia meu saco bater na sua vagina, ela rebolava e quando se aproximou o gozo enterrei tudo no rabo da Lucia, enchi ela de porra e ela gemendo gozou.
Tirei meu cacete da sua bunda e dei para ela chupar, ela tentou fugir, eu a agarrei pelo cabelo e a derrubei ela caiu sentada, segurei-a pelos cabelos e empurrei meu cacete na boca dela, ela tentava tirar, eu dei várias bofetadas e ela chorando engoliu meu cacete, chupando-o até ele amolecer,
Me vesti e a deixei sentada, chorando ela me pediu para educá-la e ensinar a ser a minha puta, que ela queria muito me servir, ser a minha escrava, a minha cadela.
Fomos trabalhar e à noite antes de ir para a faculdade, passei em casa para tomar um banho e ver a minha amante, a minha tia estava se mostrando uma verdadeira puta e eu estava adorando a idéia.
Quando cheguei ela estava no banho, me despi entrei no banheiro e ordenei que ficasse deitada na banheira, encostei ao lado da banheira e urinei sobre o seu corpo, mijei nos seios, na buceta e mandando ela ficar de bruços, mijei também na sua bunda. Lucia fechou os olhos e gemia a cada esguicho que caia no seu corpo, Quando terminei, ordenei:
- Vem agora chupa meu cacete sua vadia –
Ela ajoelhou-se na banheira e tomou meu cacete com a sua boca, seu corpo tremia de tesão, toquei seus seios que estavam arrepiados e duros.
- Chupa, me faz gozar sua cadela – ordenei.
Ele acelerou os movimentos e eu despejei novamente na sua boca uma carga de esperma que ela bebeu até a ultima gota.
- Não vou para a faculdade, vou fode-la a noite inteira, vagabunda.
Ordenei que ela toma-se banho e fosse para o quarto me esperar, quando ela saiu eu tomei um banho demorado e fui para o quarto ver a minha amante, ela deitada de costas com as pernas abertas tocava a buceta, com os olhos fechados dedilhava a vagina, deitei na cama afastei a sua mão e comecei a sugar aquela buceta deliciosa, ela gemia, pedia para eu não parar implorava para gozar, beijava seu grelo e tocava seus seios, que se eriçavam a cada toque. Ela gemendo gozou em minha boca.
- Levante-se e venha para a cozinha – ordenei
Fui na frente e ela me seguiu, mandei que ela subisse na mesa e ficasse de quatro, voltei ao quarto peguei uma escova de cabelo e um pote de creme, quando voltei para a cozinha ela estava de quatro com as pernas abertas, seu gozo escorria pelas coxas, passei o dedo e lambi, que delicia o gosto do mel da Lucia, dando palmadas na sua bunda, besuntei seu rabo de creme e enterrei o cabo da escova no seu cuzinho ela gemeu, mais de prazer do que de dor, fui até a geladeira e retirei a forma de gelo, peguei os cubos e fui enfiando na buceta dela, logo pelo menos seis cubos estavam enfiados na sua buceta, o gelo derretia e escorria pelas pernas, em pouco tempo todo o gelo havia derretido, toquei a sua vagina e estava gelada como um sorvete, peguei a escova e retirei da sua bunda, deitei-a de costas na mesa e suguei sua buceta, logo estava fervendo e expelindo uma mistura de água e mel, lambi e pegando a escova enterrei no seu rabo ela gemia de prazer e logo gozou novamente, peguei-a no colo e a levei para a cama, deitei e ordenei que ela sentasse no meu cacete, ela abriu as pernas e encostando o cacete na buceta sentou engolindo-o inteiro, Enquanto ela me cavalgava eu beijava seus seios, e dava palmadas na sua bunda, que delicia de mulher, extasiado com aquele mulherão, gozei e enchi novamente sua buceta de porra .
- Lucia, a partir de hoje você será a minha escrava para me servir e me dar prazer, quando estivermos em casa, quero-a sempre nua, vou me mudar para cá para treparmos sempre que me der vontade.
- O único problema será o meu tio, como contar para ele que a esposa é uma puta e vai trepar com o macho dela. – questionei Lucia
- Isso não será problema eu me encarrego de falar para ele, ele não tem tido muitas ereções só me satisfaz com sexo oral, como você viu naquele dia no vestiário do restaurante, há muito tempo venho falando sobre ter um amante e ele não foi contra só pediu para não transar com ninguém sem a aprovação dele.- confessou Lucia
- Mas não foi possível esperar, e ele vai aprovar o novo macho da casa tenho certeza.
Até a chegada do meu tio trepamos muito em todas as posições possíveis e em todos os lugares imagináveis, quando ele chegou sem avisar encontrou a Lucia de quatro na cama sendo fodida por mim no rabo.
Mas isso é outra história que conto em breve.
Entrem em contato e-mail mestre47sp@hotmail.com

 

Primeira vez com um crossdresser

Não sou crossdresser mas escrevo para relatar um situação inesperada que me sucedeu e mudou completamente a minha sexualidade seguramente para o resto da minha vida.

Sou um homem normal que já tive várias namoradas e com quem tive relações sexuais.

Tive uma educação muito machista daquele tipo que me fazia repudiar tudo o que se relacionasse com o mundo GAY e afins.

Mas tudo começou a mudar quando um dia ao estar a navegar na internet onde explorava vários sites de sexo deparei-me involutariamente com uma foto de uma mulher super sexy não só devido ao seu corpo mas também devido à maneira como se vestia o que nada não teria de estranho se não fosse o facto de a tal suposta fêmea espectacular ser um homem ou um crossdresser como nessa noite então aprendi.

Lembro-me que nesse dia fiquei um pouco até envergonhado pois mesmo depois de ter descoberto que aquilo era um homem, continuava a ter uma enorme erecção.... estranhamente muito mais do que se tivesse a contemplar uma foto de uma mulher.

Lembro-me que fechei a imagem repentinamente com um misto de consciência pesada pelo aquilo que me estava a suceder mas também com a sensação de ter descoberto algo que me excitou imenso e que eu até então desconhecia completamente.

Aquela foi uma imagem que ficou-me na cabeça durante alguns dias o que fez com que alguns dias depois não resistisse e por consequência me pusesse na internet a procurar/explorar sites sobre crossdressers.

Lembro-me de ter encontrado primeiramente o URNOTALONE, depois o ANDYTV e depois vários outros que me iam deliciando e que pouco-a-pouco e sem me aperceber ia alterando a forma de encarar a minha sexualidade.

O desejo de "possuir" um crossdresser não saía da minha cabeça embora a minha consciência reprimida me impedisse de dar qualquer passo no sentido de efectivamente algum dia vir a o fazer.

Vivo numa cidade relativamente pequena e cuja sociedade é extremamente preconceituosa daí que essa realidade (crossdressers, travestis etc) não são coisas que haja por cá (pelo menos publicamente!!)

Passados 3 / 4 anos, aconteceu algo de surpreendente .

Na realidade vim por um acaso a reencontar de uma forma involuntária um antigo colega de escola com quem não falava à imensos anos (desde crianças).

Era o Paulinho que havia andado na mesma escola básica que eu quando nós tínhamos cerca de 6 ou 7 anos.

O Paulinho era uma criança gorducha (não gordo !!) lourinha com cabelinho lisinho, olhos azulinhos claros meio acizentados e desde criança que já revelava comportamentos estranhos/diferentes em relação às demais crianças o que o fazia ser colocado à parte e ser vítima de brincadeiras "estúpidas".

Naquela altura infelizmente eu era um dos que não brincava nem me relacionava com ele (coisas de crianças !!) mas no entanto era dos poucos que não o maltratava o que talvez fazia com que ele à vezes me observasse muito silenciosamente no seu canto.

Ora bem deu-se a coincidência que muitos anos depois (após ter-me sucedido aquelas cenas de descobrir os crossdressers na internet) reencontrei o Paulinho.

Paulinho é quem trabalha numa loja tipo aquelas que vende um pouco de tudo e que pertencia aos seus pais situando-se perto da escola onde nós andámos e a uns quinhentos metros acima da casa dos meus pais onde eu havia crescido e morado até à relativamente pouco tempo.

Tudo começou durante um período de férias aquando duma visita à casa dos meus pais. (moro muito perto dos meus pais)
Como era usual sempre que tinha algumas camisas faltando botôes levava para a minha mãe arranjar.
Como tal, nesse dia levei algumas roupas mas minha mâe apercebeu-se que não tinha alguns botões de determinadas cores daí que seria necessário comprá-los.

De imediato disse-lhe que não havia problema que durante a semana comprava os botões necessários e que depois nesse fim-de-semana quando lá fosse novamente, levaria os ditos botões.

Minha mãe sugeriu-me no entanto que fôsse à loja do senhor Gervásio comprar os botões que ficava ali perto e sendo assim no próprio dia arranjava toda a minha roupa de maneira a que eu a pudesse levar de volta naquele mesmo dia.

Achei uma boa ideia, pois já nem me lembrava da existência da velha loja pois é daquele tipo de lojas antigas semi-falidas que não se consegue entender como continuam abertas e a resistir contra o evoluir dos tempos.

A loja do senhor Gervásio é a loja do Paulinho. O senhor Gervásio era o seu pai que entretanto faleceu.

Chegando à dita loja entrei .

Continuava como sempre aquele balcões antigos de madeira com prateleiras e vidros cheios de tudo o tipo de coisas que se possa querer (tipo loja de Chinês com roupas, artefactos tudo o que possa querer) mas que basicamente são coisas baratas e às vezes até já fora de moda.

Ao aproximar-me vejo uma figura atrás do balcão que aparentava ser uma mulher meio gordinha mas ao aproximar-me apercebi-me que era afinal o Paulinho .

Paulinho depois de adulto continua a ter aquele aspecto de menina com aqueles olhinhos clarinhos o cabelo lourinho muito fraquinho e um lábios nuito finhinhos também.

Do lado de fora do balcão estava a senhora Lurdes que era uma velhota vizinha (uma beata) que passava a vida a falar da vida alheia na vizinhança.
Assim que entrei a velhota despediu-se de Paulinho e saíu.

Ao aproximar-me apercebi-me que Paulinho reconheceu-me mas no entanto não me cumprimentou como seria lógico por nós termos sido antigos colegas de escola.

Disse-lhe "olá" e ele respondeu-me simplesmente "Bom dia"

Pedi-lhe os botões.

Afastou-se e foi aí que vi que os anos passaram e acabaram por confirmar aquilo que se já se previa.

Paulinho andava e gesticulava duma forma escandalosamente afeminado.

De repente sucedeu um pequeno pormenor que fortaleceu/reavivou os meus desejos proibidos que havia descoberto 3 / 4 anos atrás.

Quando Paulinho buscou o escadote e subiu para poder abrir a porta dos armários onde tinha arrumado as caixas de botões, retira primeiro uma caixa que estava à frente ...e coloca em cima do balcão para então poder retirar as caixas com os botões que estavam mais atrás.

A caixa que pôs temporariamente em cima do balcão continha pacotes com meias-calça para vender.

Paulinho é gordinho ..mas é aquele gordinho bem feito ....ou seja um cu enorme mas com uma cintura delgada.

Inesperadamente a ideia de associar Paulinho com aqueles gestos afeminados e com aquele cu enorme usando uma daquelas meias-calça dando o cu para mim, provocou-me um tesão de outro Mundo de tal maneira que creio ele ter-se apercebido que eu estava a apreciar o seu cu.

Fiquei um pouco atrapalhado !!!!

Chegou perto de mim começou a escolher os botões e ai aproveitei para meter a conversa e perguntar-lhe se não se lembrava de mim!

Perguntei-lhe pela mãe a dona Dolores e ele respondeu-me que ela infelizmente já não podia trabalhar na loja juntamente com ele, pois a cataratas nos olhos acabaram praticamente com a sua visão e além disso estava praticamente acamada (passava o tempo todo na cama) vítima de sucessivas quedas que tinha dado nos últimos tempos.

Embora se mostrasse um pouco tímido no início para falar comigo, agora a conversa fluía como água. Eu estava conversando mas sempre que me lembrava da cena do CU ...ficava com um tesão de todos os tamanhos.

È aí que notei que a atenção dele ficou subitamente focada por alguns segundos naquilo que estava a passar na televisão.

Na realidade existia na loja uma pequena televisão em cima dum dos armários vitrine que estava sempre ligada.
Nesse momento estava dando uma notícia e passando imagens sobre um desfile de Orgulho gay que se havia realizado dois dias antes em Amsterdão creio eu.

Comecei a ver televisão e quando apareceram dois gays de bigode a se beijarem em frente à câmara aproveitei para dizer que aquilo me enojava ver dois homens com aspecto de homens a se beijarem entre si.

Mas logo sublinhei que quanto aos outros Gays e dei um exemplo aqueles que já nascem assim e que se sentem de tal maneira femininos que chegam ao ponto de inclusive sentirem a necessidade de se vestirem de mulheres ....eu aí nesse caso não condenava minimamente.

Paulinho simplesmente não pronunciou uma palavra que fosse.

Continuei eu a dizer que havia deles que se vestiam de tal maneira que por incrível que se pudesse pensar, conseguiam ficar mais femininos que muitas das mulheres da actualidade que adoptam muito aquele estilo tipo desportivo.

Paulinho continuava a ouvir mas não manifestava-se.

Mudámos de conversa e pouco depois despedi-me e saí da loja

Naquele dia chegando a casa bati uma grande Punheta fantasiando que estava a comer a "Paulinha" dando o cu para mim usando um meia-calça.

Depois disto andei a rondar a loja sempre com desculpas mas sempre com cuidado para não suscitar desconfianças na vizinhança.

Depois de algumas visitas creio que o "Paulinha" (vou começar a chamá-lo assim) começou a ver que a minhas compras / visitas / brincadeiras simpáticas talvez fosse pretexto para algo mais (tivesse alguma segunda intenção).

Daí que tenha tido a sensação que ele ficava mais nervosa e eis que um belo dia após chegar a casa com um pequeno saquinho de uma daquelas compras sem grande necessidade que fazia na loja do Paulinho ......encontrei um pequeno envelope.

Abri e era uma declaração de amor.

Era mesmo sentimental não era coisa de sexo.

Fiquei eu um pouco nervoso com aquilo e lembro-me de pensar para mim mesmo "vê lá em que é que te andas a meter" ...mas paralelamente fiquei também com um tesão de todos os tamanhos só de imaginar que podia me aproveitar da situação para fazê-lo vestir-se para mim como eu quisesse e deixar-me fazer dele o que quisesse.

Fiquei cerca de um dia pensando no assunto pois tinha também a parte de consciência religiosa que era na altura o maior impedimento para deixar soltar o meus desejos proibidos.

Mas falou mais alto o tesão. Daí que dois dias depois tivesse ido à loja. Paulinho que quando me lá viu chegar ficou nervosíssimo. Assim como eu fiquei também.

Aproximei-me perguntei se estava tudo bem. Ele olhou para mim fixamente sem dizer nada.

E foi aí que comecei a desbobinar.

Comecei por me fazer rogado no que respeitava os sentimentos dele e disse-lhe que ele tinha que ter bem a noção que a vida não é feito de amores Platónicos (e então comecei a levar as coisas como me convinham)...disse-lhe que aquilo era algo muito sério pois quando por exemplo dois seres humanos assumem entre si uma relação de afecto deste tipo isso acaba inevitavelmente mais tarde em implicar SEXO.

E logo perguntei para ele se tinha a noção do que seria aquilo !?!? e se teria preparado para tal situação..!?!?? e se imaginava sequer o que tal seria !?!??

Finalmente Paulinho impetuosamente exclamou muito decidido que da parte dele estava seguro do que estava a fazer ....e ....que inclusive já nos tinha imaginado juntos e que estava pronto a levar a situação em frente ....

Quando me disse que já nos havia imaginado juntos fiquei com um tesão de todo o tamanho e prontamente confessei-lhe que embora me sentisse atraído sexualmente por ela ao ponto de já nos ter inclusivamente imaginado juntos ele vestido de mulher e eu a possuí-lo, não estava ainda completamente à vontade para ir em frente uma vez que aquilo era uma situação completamente nova para mim e que me tinha apanhado de certa forma surpreendido .

Alertei-lhe que havia ainda o problema sobre onde é que no encontraríamos visto ele não saír praticamente de casa para cuidar da mãe!!?..

De repente agarrou-me na mão ...foi a primeira vez e fiquei meio atrapalhado e um pouco receoso visto que a qualquer momento alguém poderia entrar na loja e ver, mas não dei parte de fraco e perguntei-lhe se nós levássemos aquilo em frente se ele seria capaz de se vestir de mulher para mim ...ao que ele disse que sim e perguntou-me que tipo de roupas eu gostava que ele usasse quando estivesse comigo .

Eu disse-lhe e aproveitei a oportunidade para elogiar-lhe que ele tinha umas ancas de mulher. Perguntei-lhe se podíamos nos encontrar no sábado. Respondeu que sim desde que fosse na loja ou na casa que ficava por cima da loja mas que lhe telefonasse antes.

Dois dias depois (sábado) telefonei-lhe e combinámos que fôsse ter a casa junto à loja mas que entrasse numa porta lateral que dava para uma esquina escondida junto a um antigo fontenário. Aproveitei para garantir-lhe que eu seria muito carinhoso e levaria as coisas com muito cuidado para não magoá-la. "Ela" aproveitou para me confessar que embora nunca tivesse estado com homem antes, havia já no entanto imaginado muitas coisas e apimentou a situação acrescentamdo que já costumava inclusivamente fazer umas "brincadeirinhas" com cabos de escovas de cabeleireiro.

Ao ouvir aquilo, fiquei louco de tesão e não via a hora de chegar a sábado.

A zona onde ficava a loja era ideal visto que ficava numa parte da estrada muito íngreme onde a estrada ficava mais estreita e situava-se de frente (no lado oposto da rua) para uma moradia enorme circundada por um muro alto a toda a volta dos terrenos circundantes mas que pertencia a emigrantes que passavam a maior parte do ano fora vivendo em França e que geralmente ocupavam a casa somente durante as férias no mês de agosto.

Quanto à loja, para o lado da rua havia duas portas.

Uma das portas era a da loja que estava ladeada por duas janelas que serviam de vitrine para expôr mercadoria e mais acima ficava a porta de acesso exterior da casa (embora houvesse uma escada de comunicação interior entre aloja e casa)

Em baixo, ao dobrar a esquina do edifício fica um recanto escondido onde antigamente existia um velho fontenário e onde se situava uma porta que só esporadicamente era aberta para carregar mercadoria para a loja.

Chegando ao Sábado andei o dia todo um pouco nervoso é certo mas sempre cheio de tesão. Marcámos por telefone às 20h00 na porta do canto escondido. Chegando ao início da noite muito discretamente aproximei-me da loja sempre receoso para não ser visto (fui a pé) bati levemente na porta que ficava no recanto escondido onde antigamente existia o velho fontenário e logo a porta abriu um pouco e o suficiente para eu entrar.

Chegando a dentro fiquei completamente babado e o meu caralho (o cacete) quase que não cabia dentro da calças.
Aí estava ela toda maquilhada (um pouco exagerado ...mas excitante) lábios cheios de baton vermelho berrante ...estava vestida, com um vestido branco justíssimo abaixo do joelhos, collants negros debaixo do vestido e uns sapatos de verniz cõr-de –rosa altíssimos:
Era notório que tratava-se de roupa barata (talvez daquilo que tinha na loja para vender) mas que dava-lhe um ar ordinário de puta.

Logo após fechar a porta agarrei-a encostei-a à parede tendo lhe metido a lingua dentro da boca dando um beijo cheio de intenções sexuais ao mesmo tempo que agarrava-lhe naquele CU descomunal e que apalpava sem fim.

Estávamos cheíssimos de tesão mas estava a ver que teria de tomar a decisão, foi quando agarrei-lhe na mão e pus-lhe em cima do volume das minhas calças.

Ela que inicialmente parecia pouco à-vontade para tomar a iniciativa, logo que se viu com a mãozinha (ela é alta ...principalmente com os saltos altos...mas tem umas maõzinhas, pezinhos e boquinha tão pequenos em relação ao corpo.) no meu volume, agarrou-se ao Caralho com tal avidez que parecia não o querer deixar mais nunca ...era quase como ....se fosse finalmente aquilo que tanto queria depois de tantos anos.

No local onde estávamos, a luz estava desligada sendo que a única claridade vinha de cima do início das escadas mas isso (a sensação de estar a fazer aquilo escondido) fazia com que ficasse ainda mais cheio de tesão.
Baixei-a, pus-lhe de joelhos, e fui então que vi que ela estava completamente ansiosa com aquilo que eu ia a fazer....abri os botões das calças e meio atabalhoadamente tirei o Caralho para fora que estava completamente duro.

Era incrível tinha a sensação que o tesão era tal que o Caralho parecia maior do que o costume.

Pus-lhe em frente á cara dela que parecia hipnotizada pelo "BICHO" foi então que meio à bruta abri-lhe a boquinha e meti o máximo que pude do Caralho lá dentro... agarrando-lhe na cabeça...ela ficou louca começou a "mamar" meio desajeitamente, mas de assim que apanhou o jeito do vai-vem começou a mamar vigorosamente e cada vez mais a engolir o máximo caralho que podia emitindo uma respiração ofegante sendo que esporadicamente como que se atrapalhava com a própria saliva mas mamava como uma grande Puta...não demorou muito soltei o AHHAHAHHAHA e disparou-se o primeiro esguicho de leite ....ela ia tirar da boca mas eu cheio de tesão agarrei-lhe no cabelo e obriguei ela a engolir o leite todo.

Levantei-a dei-lhe um beijo, comecei a beijar-lhe o pescoço e pus-me por detrás dela a comprimir o meu Caralho contra o rego dela. Comecei puxando o vestido dela rapidamente para cima mas com dificuldade visto que tinha um cu enorme e o vestido era muito apertado.

Logo de seguida baixei-lhe os collants o suficiente para conseguir meter-lhe o caralho no cu mas quando começava a fazer planos para finalmente lhe enrabar eis que surge uma voz nos confins da casa lá em cima que tem comunicação por dentro com a loja cá em baixo ....foi um grande susto ...era a Velhota Dolores a chamar pelo filhinho ..que .meio aflito interrompeu tudo e praticamente pôs-me pela porta fora dizendo que depois falávamos.

Saí, fui para casa e nessa noite só pensava em repetir aquilo novamente. Foi incrível.
Domingo de manhã telefonei para a loja (ele não tem telefone celular) mas dava um toque no máximo de forma a não alertar/chamar a atenção da velha Dolores.

Finalmente o telefone atendeu e lá estava Paulinho.

Perguntei como foi depois de eu saír.
Respondeu-me que apesar de tudo, correu bem, pois tirou logo os saltos altos mas que o problema foi subir rapidamente as escadas com aquele vestido apertado e com as meias um pouco abaixo do cu e que além disso o facto de estar com as meias mas sem sapatos a faziam escorregar no chão de madeira quando dirigia-se rapidamente ao banheiro para despir-se e tirar as pinturas afim de ir rapidamente ao quarto da mãe.

Disse-lhe que gostei muito e que gostaria que nos encontrássemos outra vez.

Marcámos para essa noite.

Chegada à noite (combinámos às 23h00 assim talvez a mãe dele já estivesse dormindo e não tornasse a interromper) estava uma chuva enorme e cheguei meio alagado, toquei levemente na porta que se abriu um pouco devagarinho, entrei e aí fiquei completamente estupefacto e super louco de tesão.

Ali estava o meu viadinho de bunda descomunal me esperando todo produzido com o mesmo baton e pinturas do dia anterior mas desta vez vestido com uma chemise vermelha semi-transparente comprida só mostrando os pés que indicava que usava por baixo da chemise um cinto de ligas e umas meias 7/8 côr-da-pele escuras, umas chinelinhas brancas com duas pequenas tirinhas na parte dianteira suficientes para conseguir manter as chinelinhas enfiadas nos pezinhos mas que tinham um salto de tal maneira altíssimo que praticamente o pezinho ficava quase na horizontal apoiando-se no chão somente na zona dos dedinhos o que fazia com que Paulinho ao movimentar-se a sua maravilhosa bunda grande, branca e bem-feita, ficasse em relevo e abanasse imenso lá em cima daqueles saltos conforme eu podia ver através da chemise semi-transparente que usava .

Fiquei com um tesão tal que até parecia que sentia as pancadas do coração na glande do caralho que parecia estar latejante.

Reparei através das costuras das meias que saíam na parte dianteira das chinelinhas que , tinha-se até dado ao cuidado de pintar com verniz vermelho as unhas dos pezinhos. Estava numa verdadeira PUTA.

Nunca na minha vida havia sentido tanto tesão !!

Agarrei-a beijei-a apalpei-lhe vigorosamente aquela bunda monumental e disse-lhe que queria foder-lhe o CU.

Ela agarrou-me pela mão e puxou-me para subir atrás dela pelas escadas acima, imediatamente segui-lhe subindo as escadas agarrando-lhe a cintura e comprimindo já o meu volume das calças pela Bunda dela dentro enquanto que aproveitava para ajudá-la a subir as escadas visto que caminhava com dificuldade devido às chinelas altíssimas que usava.

Uma vez que nos aproximávamos do andar de cima (da casa) tivemos que fazer menos barulho visto que todo o chão da casa assim como a escadaria que sobe da loja até à casa no andar de cima é de madeira antiga. Além disso ao chegarmos a cima tínhamos de passar em frente ao quarto da Velha que estava na cama meia cega mas não totalmente surda para poder então passar para o quarto do viado onde eu o ia enrabar.

Entrámos no quarto fechámos a porta. Tinha um género dum pequeno corredor depois da porta do quarto até chegar propriamente a zona do quarto onde ficava a cama e os outros móveis.
Aí logo no corredor ao ver/sentir aquela bunda enorme através da chemise associado aos sons superfemininos provocado pelo roçar das meias com a chemise e o barulhinho dos seus pezinhos a bater nas chinelinhas deu-me um tesão tal que beijei-lhe o pescoço encostei-lhe o volume do meu tesão pela bunda dentro e apressei a chegada (empurrei-a delicadamente) até à zona da cama onde eu o ia enrabar.

Uma vez chegado lá notei que dormia numa cama que parecia um ninho.

A cama era tão fôfa e tinha tantas almofadas que quase que dava para ficar enterrado a meio daquele ninho de amor.

A cama já estava meia desfeita o que dava para advinhar que alguém já tinha planos para aquela noite além de que , ela tinha fechado as cortinas da janela que dava para um pátio traseiro e tinha somente a luzinha da mesa de cabeçeira acesa mas com um pequeno pano por cima para que a luz ficasse muito ténue.

Beijei-lhe o pescoço agarrando-lhe por trás e continuando a comprimir o meu caralho contra a chemise dele dentro na zona da bunda insinuando-lhe o que eu queria.

O viadinho ficou louco de tesão.

Desamarrou imediatamente o cinto da chemise e deixou-a caír no chão.

Usava um soutien branco .....ao ver aquele cu branco bem feito e enorme com aquelas duas queixadas carnudas suspensas lá em cima daquelas chinelinhas de salto altíssimo com aquele cinto de ligas branco prendendo umas meias cõr-de-pele tipo PUTA e com um fio dental que praticamente desaparecia-lhe a meio do CU ....foi demais !!!!

Perante este cenário agarrei-me num apíce ao lubrificante que tinha trazido rasguei-lhe o fio-dental e empurrei-a à minha frente para cima da cama.

Ao caír em cima cama perdeu as chinelinhas e ficou só de soutien, com as meias e o cinto de ligas.

Pôs-se de quatro abri-lhe aquelas queixadas do cu e comecei a lubrificar-lhe o anus ...!!

Ela(e) começou a gemer ...!

Aproveitei quando tinha o buraquinho a comprimir-se dei-lhe um beijo no cuzinho molhei o dedo novamente com o lubrificante e comecei a preparar o buraquinho que entretanto não parava de palpitar.

O tesão aí era tal que pus-me nu em segundos (foi mesmo em segundos).

Depois agarro no meu Caralho que estava rijo como um ferro e lubrifiquei-o muito bem .

A Paulinha entretanto curvou-se baixando um pouco a cabeça junto a cama e deixou-me o CU espetado lá em cima à minha disposição.

Pus-me a jeito.

Chegou à hora !!

Fiz pontaria da glande do Caralho contra o CU dele cujas contracções do buraquinho pareciam dizer mete.

Comecei a meter a Cabeça ... e Paulinha estremeceu um pouco e começava a gemer um pouco

Aquilo pôs-me louco e fez-me meter a cabeça toda e mais um pouco do caralho.

Ela agora gemia mais acentuadamente

Então comecei devagarinho a metê-lo mais a abrir-lhe o cu e ela agora ou suspirava ou gemia !!

Quando já tinha entrado para aí uns 80% ela disse que não sabia se entrava mais ....foi então que deu-me um ataque ultra tesão e então é que lhe enterrei o caralho todo do CU até bater com as bolas contra o cu dela. Ela estremeceu toda.

Agarrei-lhe por detrás e enrabei-a um tempinho de forma a que ela conseguisse disfrutar bem a virilidade do meu caralho quente e duro como un ferro dentro do seu CU o que a pôs louca.... só depois comecei recuando o caralho para trás devagarinho.
Tornei a enterrar devagarinho e repeti isso algumas vezes o que a fazia gemer de prazer ....logo que o "canal" estava bem escorregadio e pronto para o vai-vém, coloquei-me a jeito encavalado em cima dela de maneira a que lhe cobria toda (TIPO GARANHÂO) e comecei a foder-lhe o CU com vigor.

Felizmente estava chovendo imenso lá fora (a chuva fazia imenso eco quando caía em cima de umas chapas zinco dum viveiro de pombos que tinha lá perto) o que dava para disfarçar os sons resultantes do que estava sucedendo dentro daquele quarto ou seja:

A partir do momento em que comecei a dar-lhe no CU com vigor ouvia-se

O viado a gritar

A minha respiração bastante ofegante também contribuía para o barulho assim como o barulho na cama a ranger e o barulho de carne a bater contra carne resultante das estocadas viris do meu corpo batendo contra a sua bunda à medida que lhe ia dando no CU

Quando olhava para um espelho do armário que tem no quarto e que ficava situado em frente da cama,... não conseguia ver o meu caralho a entrar-lhe no cu mas conseguia ver o meu corpo peludo na cama encavalado em cima dele passivamente debaixo de mim a dar o cu vestido somente com um soutien e o cinto de ligas com as meias o que me ponha ainda mais completamente excitado.

Pouco tempo depois de ela se vir (gozar) tive aquele que provavelmente foi o maior orgasmo da minha vida. Não faço ideia ...mas devo ter-lhe enchido o CU de leite até não poder mais.

Fiquei um pouco dentro dela e depois tirei o Caralho que curiosamente já dava indícios de querer ficar pronto para outra ...foi então que inexplicavelmente a Paulinha apesar de ter delirado com a primeira foda que levou tirou o soutien e de repente começou a chorar !?!!?

Perguntei-lhe se a havia magoado mas disse-me que não... que não era isso que era tontarias (bobagens) que já passavam.

Enquanto dobrou-se para a mesinha de cabeceira para buscar um lenço para limpar as lágrimas mostrou-me aquela bunda branca, grande, bem-feita e efeminada que associada
àquelas pernas bem longas e bem torneadas relevadas por continuar a usar as meias que lhes dava um ar imensamente feminino e erótico, deu-me um tesão de todo o tamanho.

Dei-lhe uns beijos no pescoço e inventei que a amava..(disse-lhe que a amava) ... .ela ficou toda derretida (era o que eu queria) disse-lhe que gostava de continuar a fazer amor com ela o que ela concordou beijei-lhe o pescoço e .... pus-lhe de lado....pus um mão por debaixo dela e abraçei-lhe a sua cintura e enterrei-lhe o caralho no CU e coloquei uma das pernas em cima dela.
Depois comecei com o vai-vem a foder-lhe o cu.......estava demorando um pouco e ela dá sinal de começar a chorar outra vez ...só que nessa altura eu já estava com um tesão louco, pois já a fodia com estucadas rapidíssimas (tipo coelho) e estava quase a atingir o segundo orgasmo e portanto não liguei ao pequeno choro dela ....e pouco depois estava novamente vir-me dentro do cu dela. (ela desta vez ela não atingiu o orgasmo).

Um vez mais perguntei o que passava ao que ela uma vez mais disse que "não era nada !... que ia passar!". Pediu para puxar os lençois para cima porque entretanto estava a sentir um pouco de frio.

Perguntei se ela não tinha gostado da segunda vez !?'! ela disse que sim mas como tinha-lhe dado para chorar sem saber porquê, entretanto não se tinha concentrado suficientemente no acto para disfrutar completamente como da primeira vez ao ponto de ter atingido o orgasmo antes de mim.

Ficamos calados um tempo com ela deitando a sua cabecinha no meu peito peludo.

Quando ela movimentou-se ligeiramente para buscar outro lenço na mesa de cabeceira o roçar nos lençois das meias que ela continuava a usar, encheu-me novamente de tesão.

È ai que quando volta-se para mim peço-lhe para fazer-mos mais um pouco de amor.

Pois estava cheio de tesão e louco para dar-lhe mais uma FODA mas agora numa posição diferente..... ela concordou. À já algum tempo que não havia tido uma sessão de sexo tão cheia de tesão ao ponto de ter vontade de dar três praticamente seguidas.
Se dúvidas houvesse, agora estava tudo esclarecido, finalmente tinha descoberto qual era verdadeiramente a melhor faceta da minha sexualidade ......"comer crossdressers gays efeminados e passivos".

Abraçamo-nos beijámo-nos e é quando abro-lhe as pernas (espreitei debaixo dos lençois e vi que ela tinha um penis pequeno cuja glande nem aparecia por estar envolvido pela pele) ponho-a na posição de missionário ela descansa as pernas nos meus ombros e eu começo a enterrar-lhe o caralho no cu.
Ponho-me todo em cima dela de forma cobrir-lhe toda de tal maneira que olhando para o espelho do armário que ela tinha em frente à cama ...só dava para notar que estava alguém debaixo dos lençois por baixo de mim através da sola dos pézinhos dela esticados que mantinham-se descansados nos meus ombros ladeando o meu pescoço mostrando somente a costura das meias que na altura já eram as únicas peças de roupa que continuava usando.

È então que começo a foder-lhe animalescamente o cu para cima e para baixo de tal maneira que se tinha havido barulhos com a primeira a FODA isto não era nada comparado com esta Foda.

Fodíamos como loucos e parecíamos estar em transe

Ela gritava cada vez mais alto AI AI AI AI AI AI

Eu agora urrava pois sentia o meu caralho teso como um ferro a entrar e saír incontroladamente louco naquela bunda quentíssima!!!!!

A cama parecia que se ia desmanchar .

Pouco depois viemo-nos . naquilo que foi mais um fodão inolvidável.

Felizmente continuava chovendo imenso lá fora e o barulho resultante da chuva batendo nas chapas de zinco lá fora tinha disfarçado imenso o barulho resultante daquele inovidável coito anal que se tinha consumado.

Caso contrário a velha Dolores (mãe do Paulinho) que se encontrava dormindo num quarto alguns metros afastado poderia ter deduzido que o viadinho do seu único filhinho estava fechado no seu quarto dando o CU para um macho.

A partir desse dia temos fodido como loucos e sempre cheios de tesão sempre envolvidos em cenas altamente eróticas!

 

Um luxo de princesa

Sou carioca mas estou morando na capital da Bahia tem 1 ano. Sou heterosexual, nunca tive vontades ou fantasias de outro tipo.
E em um ponto de ônibus, conheci uma morena com quem eu viveria algo que nunca imaginei viver.

Eu só a via quando saia do clube onde nadava depois do trabalho. Saia por volta de 9, 9.30 da noite e lá estava ela no ponto de ônibus. Pernas grossas, panturrilhas desenhadas, seios grandes, cabelão. Com o tempo, depois de me ver por ali olhando-a com desejo tantas vezes, imagino eu, ela começou a corresponder. Eu ficava meio receoso de aborda-la, meio da rua, gente em volta, aquela coisa.

Mas um dia tomei coragem. Tinha só um senhor bem idoso e lá fui eu. Abri o jogo, disse que não conseguia tirar o olho dela e que queria conhece-la. Ela me passou o telefone e fomos cada um pro seu lado.

De perto ela tinha o queixo marcado, um nariz que não era dos mais delicados, mas nada feio ou que chamasse atenção. E já estava vidrado naqueles peitos, naquelas pernas e naquele lindo bumbum.

Marcamos de sair na sexta feira seguinte. Bebi muito no final da tarde daquele dia comemorando uma importantíssima vitória profissional com minha equipe. Tomei um banho relâmpago e sai apressado. Busquei-a em casa e fomos pro bar. No caminho começou a chover muito. Ficamos ali conversando e dizendo “e agora, vamos nos enxarcar!” e ela me disse calmamente “podemos ir pra sua casa, o que acha?” Claro que adorei a idéia...

Três garrafas de vinho na temperatura ideal esperavam por momentos como esse, assim como duas taças.

Logo que entramos na minha casa ela passou à minha frente e eu pude ver sua maravilhosa bunda. Fiquei louco. Puxei ela pela mão e lhe beijei. Ela correspondeu, já apertando meu pau com vontade por cima da calça.

Quando paramos de nos beijar, ela me olhou no olho e disse que precisava me contar uma coisa. “Ela é casada!” pensei desesperado. Mas nem minha imaginação estava preparada para o que estava por vir. Ela me contou que era um travesti. Assim que ela acabou de dizer aquelas palavras, foi como uma miragem se dissipando. Não vou mentir, olhei o nariz, o queixo e pensei desgostoso “como não percebi?!”.

Fiquei prostrado no sofá, ela sorria e me fazia carinho na mão dizendo que aquilo não era motivo para não termos uma noite agradável. Confesso, eu tinha vontade de mandá-la embora. Disse que não dava e fui pegar mais vinho. Ela relaxou, talvez pensando que não ia sair nada dali e começamos a falar da vida. Ouvi impressionado como era o dia a dia de um travesti, das taras de homens e mulheres, do preconceito. Foi uma conversa longa, e os copos nunca ficavam vazios.

De repente, lá pras tantas, começou a vir uma música muito gostosa das minhas caixas de som. Lenta. Ela me chamou pra dançar, tentei declinar, mas ela insistiu tanto que aceitei. Mas não dançamos de frente, ela se virou e encaixou aquela bunda enorme e carnuda no meu pau. Não gostei de início, mas o vinho, a música, e aquela volúpia toda começaram a fazer seu efeito e fui ficando excitado.

Não demorou para ela me puxar para o sofá. Sentei sem saber o que fazer, num misto de tesão e desconforto. Talvez para não me assustar, ela não me beijou, mas começou a abrir minhas calças e caiu de boca no meu pau, já bem duro. Foi uma chupada ESPETACULAR. O desconforto passou e o tesão reinou absoluto.

Ela começou a tirar a calça, de lado, e ficou de quatro no chão rebolando a bunda pra mim. Eu não conseguia ver o pau, que estava por ali em algum lugar, por causa da pouca luz e pensei “vou me divertir antes que o tesão passe, vou viver essa experiência”, peguei uma camisinha, coloquei na pica e me ajoelhei. Ela gemia, pedia pica e dizia que a buceta de nenhuma menina ia me dar prazer como aquele cuzinho. Isso me excitou. O tesão e a vontade dela me excitavam muito.

Comecei a empurrar meu pau devagar, ela gemia, como se fosse alguém com sede bebendo água gelada. Meu pau entrou todo. Começamos a transar muito gostoso e eu logo esqueci que era um travesti quem eu comia. Meti de quatro e de ladinho. Foi maravilhoso. Ela rebolava e mostrava um prazer que me deixavam querendo transar mais e mais. O corpo dela, nesses ângulos, era perfeito e o cuzinho muito gostoso de comer.

Já suados, exaustos, eu avisei que ia gozar. Ela disse gemendo como se estivesse em outra dimensão que queria beber cada gota do meu suco. Tirou a camisinha e começou a me chupar de novo, gemendo, esfregando meu pau na boca e no rosto enquanto me olhava no olho. Gozei gostoso como poucas vezes gozei. Ela ficou toda melada com meu leite quente.

Ficamos ali deitados no chão, ela se arrumou e eu a levei pra casa.

Nunca mais nos vimos. Tive medo. Mas nunca esqueço minha única vez com uma boneca.

E querem saber? Ás vezes sinto muita vontade de repetir a dose...

Se você for uma boneca bem linda e feminina, me escreva.
Quem sabe podemos nos encontrar? Ah! Hoje moro em Natal...
email: marceloditilandia@gmail.com

 

Minha ex é minha amiguinha

Vou me descrever: hoje tenho 29 anos, corpinho bem gostoso, 1,75 a 68 kg, pele sempre lisinha, pois me depilo, os poucos pelos que tenho, num salão de uma amiga íntima de 20 em 20 dias com cera quente, no qual me deixa sempre lisinho. Tenho peitinhos inchadinhos e um pouquinho desenvolvido, devido aos exercícios que fiz e os hormônios que tomei por quase um ano. Adoro usar lingeries e fazem mais de 5 anos que não sei o que é usar cuecas. Só uso calcinha, pequenininhas que ficam toda enterradinha no meu bumbum. Bom mas vamos ao que interessa. Quando completei 18 anos, estava meio confuso, pois gosto de mulheres também.

Acabei conhecendo uma gatinha sensacional, gostosinha demais, aliás até hoje continua. Começamos a namorar e não demorou um ano e estávamos casados. No começo estava tudo a mil maravilhas. Acabei confessando a ela minhas taras e fantasias. Compramos então vibradores e ela passou a me comer também. Adorava usar calcinha, camisolinhas na sua frente. Só que as brigas começaram e no sexo eu conseguia satisfazer ela só na base do oral. È que eu não conseguia mais ereção e até hoje é assim. Tínhamos 6 anos de casados, quando ela se cansou e disse que queria se separar. Fazer o que, tive que aceitar, mas falei que não tinha para onde ir. Ela aceitou que morássemos juntos, mas em quartos separados. E assim foi. Ficamos uns 6 meses com poucas conversas.

Ela começou então a sair nas noitadas. E eu ficava acordado até ela chegar lá pelas 3 horas, meia de pilequinho. Por diversas vezes ficava atrás da cortina e via ela chegar com um cara. Se beijavam e ele ia embora. Aquilo me dava, em vez de ciúmes, um enorme tesão. Me masturbei várias vezes, só de pensar que ela estava trepando com outros. Um dia porém ela me viu espiando. Quando entrou no meu quarto, fingi que estava dormindo, quando ela chegou, de pilequinho e disse que não adiantava eu fingir porque ela me viu atrás da cortina. E disse também se eu vi ela beijando o fulano na boca. Disse que sim. Ela me perguntou se eu não gostaria de saber de onde estava vindo. Eu disse que sim e ela na lata me falou: de um motel. Nesse momento dei um suspiro de tesão, que quase gozei sem me tocar. Percebendo minha excitação, tirou o vestido e ficou nuazinha pra mim. Abriu as pernas e mostrou aquela xaninha lizinha e guiou minha boca pra lá dizendo._Chupa gostoso e sinta o gosto de porra que ele me deixou. Fiquei louco de tesão e chupei fazendo ela gozar muito. Ela então tirou minha bermuda e minha camisa e ai ela viu eu estava de calcinha. Ela riu bastante e achou que eu estava uma gracinha. Chupou meu pauzinho, tentando deixar ele duro, mas foi inútil. Ela de uns dois tapas nele e disse que eu tinha que virar fêmea mesmo, pois isso ai já era, apontando pro meu pênis. Eu estava cansado e ela também. Então ela me convidou pra dormir com ela. Fomos tomar um banho.

Então ela me deu uma camisolinha dela para eu vestir. Dormimos abraçadinhos. A partir deste dia, por incrível que pareça, nos tornamos amigos pra lá de íntimos. Como estamos separados, ela aceitou eu do jeito que sou e ela claro, ta dando mais que xuxu na serra. Ta livre pra trepar com quem ela quiser. E é assim até hoje. Começamos a nos bronzear no quintal de casa, que tem muros altos. Eu e ela sempre de fio dental, onde ficamos com marquinhas bem sexy no bumbum. Para vocês terem uma idéia da nossa amizade e felicidade, semana passada quando estava saindo a noite ela me perguntou se eu ia sair. Falei que não, estava afim de ficar em casa mesmo. Então ela me falou: _ Toma um banho gostoso, e veste o que eu deixei em cima da cama e fica assim, me esperando. Quando vi, era uma camisolinha bem curtinha preta e uma calcinha fio dental também preta. Nossa adorei. Já passavam das uma da manhã, eu estava tomando uns drinks e já estava meio embaladinho, resolvi ir descansar. Deitei na cama e acabei dormindo. De repente fui acordando com alguém me acariciando meu corpo e escutando muitos gemidos.

Quando acordei totalmente quase explodi de tesão. Vi minha ex chupando um cacete enorme de um negão enquanto outro, também negão me acariciava. Ela então olhou pra mim e disse: _ Gostou da surpresa? Dei um gostoso beijo em sua boca lhe agradecendo. A partir daí, foi so sacanagem. Os dois foderam eu e ela de todas as maneiras. Bebemos muita porra até de manhã. E até hoje somos assim. Ela sempre chega com dois convidados para fazermos nossas festinhas. Agora ela está tendando arrumar não dois, mas uns dez negões bem dotados para nos saciar. Quando isso acontecer, eu conto tudinho pra vocês.

Beijus,, Lú.

milena.rib@bol.com.br


Conteúdo sindicalizado