Travesti

warning: Creating default object from empty value in /home/maite/public_html/modules/taxonomy/taxonomy.module on line 1390.

Travesti séria e que não faz programa, de São Gonçalo, procura por namorado

Seu nome ou Apelido: 
Tatiane
Em qual Estado do Brasil ou País você mora?: 
RJ
Qual o nome da cidade onde você tecla?: 
Sao Gonçalo
EU SOU:: 
Travesti
PROCURO POR: (obs - você pode selecionar mais de uma opção neste &i

Médicos sem preconceitos

Neste espaço você encontrará profissionais de diversas áreas médicas que atendem "sem preconceito" (como todos deveriam ser) - em vários locais do Brasil.

Se você for um médico que atende comunidade LGBT, e sem outro preconceito qualquer.... envie seus dados para casadamate@gmail.com

 

CIRURGIÃO PLASTICO EM CURITIBA

* Dr. Pablo Huber - http://www.pablohuber.com.br/

Doce Mirela

Olá Meu nome é Jackson hoje tenho 25 anos quero relatar um conto erótico que tive e que foi Verdadeiro.
 

Comida de fato

Este não é o meu primeiro conto; penso muito em sexo e gosto de escrever. Mas é o primeiro onde é tudo, tudinho verdade.

Sou uma crossdresser de armário e posso me considerar uma sortuda, sou pequena clara e lisa. Ao natural tenho peitinhos por causa de ginecomastia, efeito colateral de um remédio na adolescência. Calço só 39, sempre acho sapatos e ainda sou bastante bem servida de pernas e bunda. Penso também que a maioria das pessoas desconhece a diferença entre penetrar em alguém até gozar e comer efetivamente esse alguém. Será que quem me enrabou pode dizer que me comeu? Fodeu de verdade? Aquela coisa do bem ou mal comida...

Minha primeira vez com uma bonequinha/libertação

Histórica verídica!!

Me chamo B, moro em Belo Horizonte e sou um caso clássico daqueles que vivem por anos a fantasia com as bonequinhas mas não tem coragem de tomar uma atitude. Famoso dentro do armário.

Foram anos a fio. 7 pra ser mais exato. Passei anos colecionando fotos, vídeos e me apaixonando por várias bonequinhas.. várias delas famosas no circuito nacional. A vontade era tanta que acabei me aventurando como cdzinha e mantenho um arsenal de calcinhas, corpetes, meias e até uma peruca escondida no meio das minhas roupas.O tesão foi tanto que comprei um consolo, que me satisfez umas 4 vezes com louvor. Adorava me sentir uma putinha safada.. mas meu sonho mesmo era comer fervorosamente uma bonequinha.

Travesti lésbica de Camboriu, com boa formação e carreira profissional definida, procura alguém para relacionamento mais sério

Seu nome ou Apelido: 
Lara
Em qual Estado do Brasil ou País você mora?: 
SC
Qual o nome da cidade onde você tecla?: 
Balneário Camboriú
EU SOU:: 
Travesti
PROCURO POR: (obs - você pode selecionar mais de uma opção neste

Acho sublime aquela que vejo, cheiro, toco ou desejo

Acho o feminino  sublime. Não apenas a feminilidade que levo dentro de minha alma, mas toda aquela que vejo, cheiro, toco ou desejo. Personalidade é algo que não construímos intencionalmente, que se forma por si sem qualquer controle de quem quer que seja.

Orientação sexual e identidade de gênero são características individuais que fazem parte de nossa personalidade, como tantas outras características formadas por uma mescla de influências genéticas e experienciais de cada um, tão variáveis e únicas como as digitais humanas.

Por que desejo uma mulher que passa? Por que tocar a sua boca, seus cabelos ou sua pele parecem ser essenciais à minha existência? Que impulsos irresistíveis são esses e, mais incompreensível ainda, por que quero e preciso ser exatamente como ela, mesmo sabendo que a satisfação desse desejo tornará o outro quase impossível de ser realizado?

Aos 14, meu corpo não mudava como os das outras meninas

Minha identidade de gênero: feminina.

Eu nasci menino. Aos quatro anos, mexia nas coisas da minha mãe pela primeira vez. Aos sete, já usava as roupas dela escondida e aos 12 já me maquiava e desfilava pela casa quando estava sozinha.

Aos 14, meu corpo não mudava como os das outras meninas, as roupas não ficavam como eu queria, então perguntei a uma travesti o que ela tomava e comecei a tomar também.

Três meses depois, meus peitinhos começaram a crescer, meu pai percebeu e me levou a um médico para entender o que estava acontecendo. Tive que contar que queria ser uma menina, ao que me convenceram que era uma péssima ideia, principalmente porque ficaria estéril com a hormonização e as garotas não iriam me querer.

Travestilidade e transexualidade são características humanas como bondade ou nacionalidade

Eram os deuses astronautas? Talvez tenham sido médicos, afinal, tão investidos que são da legitimidade para decidir o ideal humano e seus limites de correção, o certo, o patológico. Alto demais, baixo demais, magro demais… gigantismos, nanismos, raquitismos e tantos outros “ismos” são denominações condenatórias de nossa humanidade.

Derrubar um desses e transformá-lo em homossexualidade, por exemplo, demandou não apenas uma forte manifestação social, mas todo um movimento multidisciplinar de cientistas apoiados em seus estudos campais e lógicos. Ainda temos o termo transgenerismo que inclui o transexualismo e o travestismo descritos na medicina, balançando entre as luta de forças de todo o mundo científico.

‘Quem sou, afinal, senão eu mesma?’

Quem sou eu? Sou homem, sou hétero e gay. Sou mulher, sou hétero e lésbica. Sou bissexual. Quem sou, afinal, senão eu mesma?

Ser travesti é ser homem e é ser mulher, tanto quanto é não ser uma coisa nem outra. Engano a um homem por não ser uma mulher, a uma mulher por não ser um homem ou na verdade enganava a todos enquanto negava quem realmente sou ao desempenhar o papel do modelo perfeito que era de enquadramento social?

Já escutei de um gay que eu não precisava virar uma mulher para conseguir homens, e já escutei de uma lésbica que sou homem demais para ela gostar de mim, como se minha existência pudesse depender do desejo do outro, da forma como ele me vê ou gostaria que eu fosse. Pai, mãe ou irmão: afinal de contas, quem é você? Você que me aponta é sincero com o mundo? O é consigo mesmo? O que esconde sob esse manto?

MInha primeira vez com travesti

Meu fraco ou minha tara sempre foi chupar uma buceta e a chupei durante uma boa temporada.
Quando assitia filmes e via aquela chupação de rola, começou despertar em mim uma vontade louca de experimentar chupar uma, mas pensava assim, isto era um absurdo, um homem que era viciado chupar buceta e de repente chupar rola? Não pode ser. Quando fui para Belo Horizonte trabalhar à noite em um hospital, cedo eu saia e ficava andando pela cidade até ir para casa. Eu sempre com aquele desejo de experimentar chupar uma, mas pensava assim: para eu tentar terá que ser de uma boneca (travesti) porque ela era muito parecida com mulher, tinha mamás grandes, vestia roupa de mulher, enfim era quase uma mulher.

Luanda primeira Travesti e deliciosamente "grande"!

Bom pessoal de começo peço desculpas caso algum erro de português seja presenciado, vou começar me apresentando...Me chamo Junior, sou de Sorocaba - SP, moro aqui faz uns 5 anos + ou -, eu namoro, estudo e trabalho numa multinacional aqui na cidade, sou branquinho de cabelo escuro, boca vermelha, magro, 1.75 de altura, meu pau tem 17cm e particularmente acho q tenho uma bundinha gostosa rsrs...

 


Conteúdo sindicalizado