Casais

warning: Creating default object from empty value in /home/maite/public_html/modules/taxonomy/taxonomy.module on line 1390.

Esposa dedicada ajudou a promover o marido

Agora estou com muita raiva ! Meu marido contou a piada do médico japonês que receitou um remédio que deixa toda mulher contente, dócil e obediente. E que o nome do remédio é Taron, ele disse que é o Taron de cheques e caiu na gargalhada, e foi trabalhar sem nem me dar um beijo de despedida. Isso me deixou muito brava, tratando as mulheres como mercenárias .... ainda mais eu !!! Se ele soubesse que só tem cargo de diretor na empresa graças a mim !!. Fiquei tão furiosa, que para tentar me acalmar, liguei meu computador comecei a viajar pela internet e encontrei esse site de confissões eletrônicas onde as pessoas põe para fora tudo que fica remoendo por dentro. Pois bem, até hoje guardei segredo, mas depois do que acabou de acontecer, quero extravasar, para poder me acalmar e também para tranqüilizar minha consciência. Meu marido hoje com 34 anos, é diretor de uma grande empresa e é o mais jovem diretor. Com 30 anos era gerente de divisão e respondia diretamente ao filho do dono, que o tratava com carinho especial, ele sempre me contava que o filho do manda chuva, o Dr. Andrade, com 45 anos na época e futuro sucessor do pai, sempre o defendia e o protegia e com isso eu me sentia muito grata a ele, mesmo sem o conhecê-lo.
.
A primeira vez que conheci o chefe dele, foi no casamento da filha, meu marido foi o único gerente a ser convidado. Fui com um vestido que meu marido me dera no aniversário. O vestido era justo da cintura para cima, realçando os seios, e o decote deixando ver o sulco entre eles, mais uma cinta para marcar a cinturinha e a parte de baixo até quase os joelhos, com meia e sapato lindo de saltinho, segundo meu marido eu iria ofuscar a noiva !
Tenho 1.62m e 49 Kg, como sou descendente de espanhóis, tenho o corpo típico das espanholas, magra, com bumbum arrebitado e seios grandes. Meu marido diz que quem viu uma espanhola, viu todas, pois todas são iguais, e acho que tem razão, pelo menos minha mãe, minhas tias e minhas primas são todas assim. Na igreja, ao cumprimentar os noivos ele me apresentou o Dr. Andrade, seu chefe, e notei que ele me olhou de cima a baixo. Ele é um homem muito atraente, lindo e charmoso, alto, parece o ator Antônio Fagundes (porém mais magro), inclusive com alguns cabelos grisalhos, alto, forte, corpo de atleta. Na festa da recepção, ele veio até nossa mesa e ficou conversando longamente conosco, mandou que eu parasse de chamar de Dr. Andrade e que para os amigos ele era apenas o Andrade. Ele me convidou a ir ao escritório da empresa, para conhecer a sala do mais competente gerente, que era meu marido.
Ele era adorável, simpático, bonitão, bem falante, divertido. Me fez prometer que quando fosse visitá-lo no escritório, iria à sala dele tomar um cafezinho. A esposa dele ao contrário, era arrogante, narizinho empinado, só sabia falar de viagens ao exterior, restaurantes desse ou daquele país, todos só ficavam ouvindo por ser a esposa do chefe, devia pesar mais de 100 quilos, apesar de ter minha altura, e exibia muitas jóias caras nos dedos e no pescoço, roupa sofisticada, provavelmente de grandes costureiros.
Um dia, meu marido estava na filial de Curitiba e me ligou pedindo que eu procurasse um relatório dentro da pasta dele e que o Dr. Andrade estava precisando urgente e não poderia esperar até o dia seguinte, pois o avião dele só chegaria a São Paulo, em Congonhas as 18H, e perguntou se eu poderia levar imediatamente até o escritório. Quando percebi o desespero dele, me ofereci para levar o documento ao escritório. Coloquei uma saia justa preta, blusa de malha colante branca manga curta que realçava minha cinturinha fina e meus seios grandes, sapatinho preto de salto, e uma linda bolsa. Olhei no espelho e a imagem refletida me fez sentir bem, blusa modelando meu corpo em cima, embaixo a saia justa até passar os quadris e mais solta daí para baixo até os joelhos, daí para baixo um par de pernas brancas finas completada com um sapatinho de laços lindo. Parecia uma executiva a caminho do serviço! Tomei um taxi e chegando ao escritório, fui mandada direto para a sala do Dr. Andrade que já me esperava, pois meu marido já o tinha informado que eu mesma iria levar o documento. Como sabia que o documento era urgente, imaginei em apenas entrar, cumprimentá-lo entregar e sair. Ele apesar dos inúmeros afazeres, me dispensou toda atenção, ele era tão cavalheiro que dava a impressão de que no mundo só existia eu, e falava tão bem que me sentia como se fossemos bons amigos.
.
Ele me mostrou uma outra sala enorme no andar da diretoria, com uma belíssima vista da cidade, e disse que aquela sala estava vazia até que um novo diretor fosse nomeado, e que esse diretor teria carro da empresa, secretária, bom salário, etc, etc. No momento, não sabia nem porque ele estava me contando tudo isso, que a meu ver, era assunto da empresa e que não me dizia respeito. Ele disse que estava se esforçando para que meu marido ocupasse a sala, como novo diretor, mas que a luta estava muito difícil porque havia pretendentes ao cargo. Na hora eu achei graça e ri, pois sabia que meu marido nunca ocuparia um cargo tão alto. Ele continuou insistindo que ele estava fazendo de tudo que ele podia para promover meu marido. Naturalmente, eu agradeci a ele, por isso. Ele disse que todos precisavam se esforçar para que esse objetivo fosse atingido, e perguntou se eu também me esforçaria para isso. Eu disse que sim, claro, era a esposa dele, e desejava o sucesso dele. Foi aí, que ele me perguntou, até que ponto eu estava disposta a me empenhar nesse esforço, pois dependendo do meu engajamento na causa, esse sonho poderia se realizar. Foi aí, que percebi onde ele queria chegar !!
.
A promoção do meu marido a diretor, tinha um preço, e o preço era eu !
E eu que achava que o Dr. Andrade fazia isso por ser um homem bondoso que reconhecia o valor do meu marido ! Ele mandou que eu sentasse na poltrona que poderia ser do meu marido, na sala fechada, só eu e ele.
Ainda nervosa, ele me empurrou pelos ombros até aquela cadeira enorme de diretor, onde me sentei, percebi o olhar dele nos meus seios, nas minhas pernas que apareciam pois sentei e cruzei as pernas, aparecendo os joelhos e um pedaço das coxas brancas que contrastavam com a saia preta. Ele segurou a minha mão e perguntou, novamente, você faria tudo o que fosse necessário para a promoção dele ?
Fiquei vermelha, nervosa, decepcionada, brava, enfim, fiquei meia perdida. Ele começou a enumerar as vantagens que meu marido teria como diretor, e que eu não deveria ter remorsos porque eu estava no fundo fazendo isso para o sucesso do marido, e que isso era uma prova de amor. Minha reação, era sair correndo, mas ele era persuasivo, falando que no mundo dos negócios é assim que as coisas são, e que dependendo da minha reação, ao invés de ser promovido, meu marido poderia ter muitas dificuldades, e que tudo só dependia de mim.
Eu disse que namorava meu marido desde muito nova, e que até hoje, ele foi o único homem que conheci, e que sempre fui uma mulher fiel. Ele, muito sábio, disse que isso não seria traição, pois todos estavam unidos no esforço para promover meu marido, ele estava lutando também dentro da empresa e eu também estaria fazendo a parte de esposa dedicada. Quando perguntei o que ele pretendia de mim, ele como dirigente de grande empresa, foi direto :
"Nós vamos agora num motel, podemos almoçar lá mesmo, e a tarde você já volta para sua casa, com o sentimento de ter batalhado pelo sucesso do marido".
.
Depois de muito pensar, de pesar os prós e o contra, depois de imaginar a alegria do meu marido sentado naquela sala com secretária, com carro da empresa, além do fato da esposa de um colega do meu marido viver gabando que seu marido era o peixinho do Dr. Andrade e que logo ele seria promovido e se ele fosse promovido, eu seria esposa de um subordinado daquela mulher arrogante e acho que a imagem daquela mulher falou mais alto que minha consciência, eu disse que eu iria tentar, mas que caso não conseguisse me relaxar que ele não forçasse e se eu desistir de fazer algo, no motel, que ele prometesse não perseguir meu marido, esquecesse o assunto. E que seria apenas uma única vez, apenas naquela tarde e nunca mais e que caso algo acontecesse dentro do motel, depois disso deveríamos esquecer e mantermos um relacionamento normal como se nada nunca tivesse ocorrido.
.
Ele aceitou todas minhas condições e mandou que eu o esperasse no subsolo, até ele desse instruções para a secretaria. Fui pelo elevador direto para o sub-solo, por sorte, não tinha ninguém, e fiquei escondida num cantinho, pois dava a impressão que se alguém visse, já saberia que eu iria a um motel com o chefe do meu marido. Logo ele chegou e saímos no carrão importado dele, com vidros escurecidos, graças a Deus. Eu ia tremendo de nervosismo, até que ele entrou no motel, ele pediu a melhor suíte, entrou na garagem da suíte e a porta se fechou automaticamente assim que o carro entrou. Eu tremendo, só de saber que estava num motel com outro homem. Com todo cavalheirismo, ele abriu minha porta, e me conduziu para a suíte, eu continuava tremendo e super nervosa.
.
Era a primeira vez que estava com um homem diferente do meu marido em um motel. Ele foi muito carinhoso, não veio me atacando, com toda gentileza, pediu duas garrafas de champagne, queijos, e ficamos tomando sentados um na frente do outro na mesinha do terraço junto a piscina com água aquecida, saboreando a deliciosa champagne. Não estou acostumada a bebidas alcoólicas, mas tomei para dissipar o nervosismo, ainda mais com estômago vazio o champagne logo começou a fazer efeito, fui ficando alta, passamos a conversar e me divertir com as coisas engraçadas que ele falava, quando percebi, estávamos tão próximos um do outro que de vez em quando ele me dava um beijinho no rosto, depois na orelha me arrepiando toda, até que ele convidou para irmos tomar uma sauna. Logo ele entrou no banheiro e saiu com uma apenas uma toalha enrolada na cintura, e ficou olhando para mim, ele alto, bonitão com uma toalha enrolada na cintura, descalço, sem o terno.
.
Toda trêmula, tomei coragem fui ao banheiro, com a cabeça confusa, primeiro resolvi que ia ficar de soutien e calcinha sob a toalha, mas vi que seria ridículo depois do ponto que cheguei, além do fato de que na sauna iria molhar tanto soutien como calcinha e eu teria de voltar para casa com eles molhados, e ainda vi pendurada a roupa do Andrade inclusive sua cueca mostrando que ele estava completamente nu por baixo da toalha.
.
Ainda hesitante, desabotoei meu soutien deixando meus seios balançando livremente, tirei também minha calcinha deixando a mostra o tufo triangular de pêlos que deixo em cima e raspado ao redor dos grandes lábios, enfim, me despi toda, trêmula, ao ver minha imagem refletida no espelho com os seios, o triângulo de pêlos vaginais a mostra, fiquei envergonhada e me enrolei numa toalha que cobria dos seios até o meio das coxas.
Saí do banheiro, vermelha de vergonha, tremendo de nervosismo, nunca aconteceu isso de eu estar nua enrolada numa toalha com outro homem, ainda mais dentro de um motel, sabendo que ele também estava nú por baixo da toalha, eu não sabia o que fazer, marinheiro de primeira viagem é fogo. Ele, como se fosse a coisa mais natural do mundo, nós estarmos enrolados em toalhas, me conduziu à sauna e ficamos sentados um ao lado do outro, num estrado de madeira, sempre me divertindo com suas historias, e com o vapor começando a encher o ambiente. Logo, havia tanto vapor, que até a respiração já se tornava um ato forçado, os azulejos ficaram todos úmidos, nossas mãos, rosto todo úmidos e pingando, o calor foi ficando insuportável, ele continuava me animando me fazendo sentir como se fosse a coisa mais natural, e com alcool agindo em mim, eu nem sabia mais o que fazia. Eu me sentia bem porque até aquele momento, ele não tentou em nenhum momento me agarrar, só falava bem próximo de mim e de vez em quando dando beijinhos na face, no ouvido, no pescoço e também nos lábios, me deixando arrepiada, afinal ele é lindo, alto, bem falante e forte. Na sauna, tinha um registro no alto da parede, ele perguntou se eu conseguiria pegar o registro e girar para entrar um pouco de ar fresco na sauna, eu disse que não daria pois o registro ficava a uns 2,50m justamente para ninguém mexer, mas ele disse que deveríamos girar um pouco para tornar o ar mais fresco. E sugeriu de eu subir nas costas dele, como as crianças que ficam no ombro dos pais para enxergar melhor, e que ele ficaria em pé comigo sobre os seus ombros, eu iria alcançar.
Como estávamos altos devido champagne, levando tudo como uma brincadeira, aceitei rindo, e subi no banco de madeira por trás, onde ele estava sentado, e subi nas costas dele, passando cada coxa ao lado da bochecha dele. Mas para eu poder sentar no ombro dele, tive de puxar a toalha para cima para deixar minhas coxas livres, fiquei envergonhada ao ver que apareceu o tufo de pêlos mas não liguei porque ele estava de costas, mas quando sentei nas costas dele, ele sentiu meu bumbum nas costas, as coxas em cada lado do pescoço, e para me segurar, ele passou cada mão sobre cada coxa.
.
Ele se levantou devagar, eu comecei a ficar excitada, afinal eu sentia minha vagina esfregando na parte traseira do pescoço, dele. Tentei segurar e girar o registro mas não consegui, nessa tentativa, a toalha dele caiu e vi o tamanho da excitação dele, um pênis enorme como nunca tinha visto antes, rígido apontado para cima, com a pele repuxada e a enorme cabeça a mostra! Meus líquidos vaginais começaram a escorrer, minhas coxas prenderam forte seu pescoço, eu sentia ficar cada vez mais lisa a superfície entre minha vagina e o pescoço dele.
.
Quando tentava girar o registro, minha toalha também caiu, e já nem liguei mais para o fato de estar toda nua, sentada nas costas do chefe do meu marido com os seios totalmente a mostra, nem de ele mostrar uma ereção descomunal, enorme, pulsante, o clima era de desejo, de excitação, de tesão. Em toda minha vida, nunca fiquei tão excitada, com tanto tesão, chegava a doer os mamilos já rígidos e uma dorzinha em baixo também.
.
Eu não pensei em mais nada, esqueci que nunca ficara nua com outro homem até aquele dia, que nunca tinha visto outro pênis ainda mais daquele tamanho enorme, nem que era casada, nem que jurara fidelidade no altar, nada disso. Ele me girou para frente dele, de modo que minha vagina se encaixou no pomo de adão dele, e começou a me descer, segurando minhas nádegas, minha vagina ia deixando uma marca líquido pelo pescoço dele, pelo peito dele, ele apoiava minhas nádegas, uma em cada mão enorme que ele tinha, devido desproporção de tamanho entre nós, ele me carregava com a maior facilidade.
.
Quando meus seios passaram pela sua boca primeiro falou "que peitão lindo que você tem, parece uma mamão dos grandes e firmes, vou chupar cada um deles como um bebezinho" aquilo era demais, eu quase gritava dizendo "chupa, chupa, me mata de tesão", ele os abocanhou e ficou mamando longamente cada um dos seios, chupando, fazendo um barulhão nas chupadas e mordendo os mamilos, abocanhando e mordendo os seios, passando a língua, e eu não conseguia conter os gemidos, continuava a me molhar tanto que sentia pingar no chão, pois estava com as coxas abertas ao máximo, a vagina arregaçada pelas mãos enormes dele.
Depois quando ele começou a me descer mais, eu abracei o corpo dele com minhas pernas, entrelacei minhas pernas nas costas dele e as mãos no pescoço dele, e ia soltando de pouco a pouco a medida que ele me abaixava e minha vagina continuava deixando rastro úmido por onde passava raspando, até meus seios ficaram molhados ao ficar em contato com o peito dele onde minha vagina deixou úmido, era umidade da sauna e da minha vagina misturadas, até que aconteceu o inevitável, o pênis dele começou a roçar minha vagina, eu gemia toda vez que o pênis dele pincelava todo rasgo da vagina, do clitóris até o anus. Com os dedos ele, empurrava e pincelava seu pênis gigante em toda extensão da vagina ao ânus, a cabeçona enorme já todo úmido com meus líquidos vaginais, deslizava de um lado para outro, me arrancando gemidos e me deixando mais molhada ainda.
.
Ele olhou para mim, e perguntou, "posso te foder ?", eu assenti com a cabeça. Ele disse "então pede para eu te comer" Eu disse, "você quer me matar de tesão, seu malvado, por favor me come, me come, por favor", ele continuou, dizendo que eu tinha que pedir para foder, para meter o pau na buceta, e eu disse, "por favor, me fode com esse seu pauzão, me come, me fode por favor, não estou agüentando de tesão". Ele com as mãos, encaixou a cabeça do pênis na minha entrada vaginal e começou pressionar meu corpo contra o pênis dele.
.
Como era muito desproporcional a grossura da cabeça do pênis e meu canal vaginal, não entrava, ele me abaixou mais, forçando ainda mais a penetração, já dava uma dorzinha pela tentativa de abrir minha vagina ao máximo, estava me arrregaçando, ele continuou me abaixando forçando ainda mais o pênis dele contra minha vagina, até que num momento, graças a lubrificação que não parava de sair da minha vagina, senti a cabeça do pênis pular dentro do canal vaginal, me deu uma dor e uma onda indescritível de tesão, soltei um grito alto, mas nada mais podia ser feito, a enorme cabeça estava entalada na entrada do canal vaginal, aquele canal que tinha sido só do pênis do meu marido estava recebendo um enorme pênis estranho, que estava entalado na entrada. Nem pensei no fato dele estar sem camisinha, nem no fato de aquele ser o primeiro pênis estranho que minha vagina abrigava, só sentia o quanto ele era bem dotado, enorme, ia me abrindo toda centímetro a centímetro, bem lentamente, de modo bem carinhoso enquanto ele me beijava e nossas línguas se encontravam, lágrimas de dor e de prazer saiam de meus olhos. Depois de um longo tempo, senti aquela cabeça enorme do pênis tocar meu útero, coisa que nunca senti com meu marido. Nunca me senti tão preenchida, dolorida, alargada, por sorte ele ficou um bom tempo parado, para meus músculos vaginais se adaptarem pouco a pouco com aquela tora.
.
Ele dizia, "Puta merda, que delícia de buceta, apertadinha, parece virgem ainda, quente, molhada, lisinha, sua buceta está mordendo meu cacete inteiro. Sua gostosa! Puta merda, que buceta gostosa". O pênis do Andrade era mais grosso e muito mais comprido que do meu marido e eu sentia isso, nunca minha vagina foi tão preenchida. Depois de um tempo, ele com as mãos fortes me suspendia bem devagar, para que o pênis fosse saindo pouco a pouco e depois ia soltando meu peso para baixo enterrando devagarzinho tudo outra vez, na segunda penetração já não doía tanto quanto na primeira, na terceira vez já saiu e entrou mais fácil ainda. Na quarta ou quinta vez que seu pênis invadiu minha vagina, não agüentei e gozei aos gritos, falei, "não agüento mais, não agüento mais, está vindo, já vou, vou gozar, vou gozar agora, estou gozaaandooo", me agarrei no pescoço dele, comprimindo meus seios contra o peito dele molhado de umidade da sauna e de meus líquidos e o atrito dos mamilhos duros nos pêlos do peito dele me dava mais tesão, entrelaçando forte as pernas para sentir o pênis todo enterrado cutucando meu útero, nunca senti tanto tesão na vida, era um gozo atrás de outro.
.
Não parava de estremecer e gemer, e ele não agüentou, afinal minha vagina ficava comprimindo fortemente seu pênis e ejaculou dentro, inundando meu útero, gritando "Puta que o pariu, não agüento mais, vou gozar na sua bucetinha, essa buceta gostosa e apertada, toma meu leitinho na buceta, toma sua gostosa", primeiro senti o já enorme pênis dele ficar mais grosso ainda inchar e depois senti um jato forte, quente e prolongado em várias golfadas. Por dentro meu útero deve ter ficado inundado de tanto esperma.
Minha vagina pela primeira vez na vida, estava conhecendo um esperma diferente do meu marido. Ele se sentou no estrado de madeira, e eu continuava sentada de frente, com o pênis dentro, pois ao contrário do meu marido que o pênis saía da vagina ao ejacular ao ficar flácido, o do Andrade, mesmo flácido, devido comprimento e grossura, continuava dentro de minha vagina, eu sentia ele dentro, me causando uma sensação indescritível de prazer, pois mesmo flácido era maior que do meu marido rígido. Ficamos conversando longamente sempre com o pênis dele dentro de mim, até que ele depois de um tempo, ficou com o pênis ereto, que cresceu dentro de mim e o meu tesão também aumentou com isso.
.
Ele sempre me segurando forte e com o pênis entalado na minha vagina, me levou até a cama, onde me deitou com todo carinho, e começou a me possuir na posição clássica, tudo isso sem tirar o pênis de dentro. Continuava me beijando nossas línguas se encontrando e ele elogiando, dizendo "você é linda, tesuda, que peitão, que delícia de buceta, coxas e pernas lindas, meu amor, nunca vi uma mulher mais perfeita, você me matava de tesão desde que a vi pela primeira vez, sempre sonhei em te comer.
Já imaginava como era o seu peito pelo decote do vestido daquele dia, nunca imaginei que tivesse uma bucetinha tão apertada, quente, molhadinha assim" Novamente, após um longo vai e vem, onde cheguei a ter alguns orgasmos me estremecendo e gritando abraçando-o com as pernas e braços, ele também, fez uma careta, e disse "caralho, não agüento mais, vou gozar de novo, abre a buceta, toma leitinho" e lançou jatos de esperma dentro da minha vagina. Depois disso me colocou sobre ele, sempre com o pênis dentro da minha vagina, ficamos conversando, nem sei quanto tempo isso durou, fiquei horas com o pênis atolado na minha vagina.
Admirei a disposição do Andrade, ele devia ter tomado algum remédio para ter aquele desempenho sexual. Só sei que saímos do motel um pouco antes do avião do meu marido chegar em SP. Por telefone meu marido disse que estava num taxi e que em 15 minutos já estaria em casa, Eu atendi dentro do carro do Andrade, em frente ao meu prédio, pois como estava chovendo estava esperando diminuir a chuva. O Andrade fez mil elogios, disse que eu era uma esposa perfeita, a mais linda mulher que ele conheceu, e que eu cumpri minha parte e ele iria cumprir a dele. Eu estava preocupada com a chegada do meu marido e queria descer logo, e ao me inclinar para ele para dar um beijinho de despedida, ele me puxou me abraçou forte, me deu um beijo na boca, com a língua entrando na minha boca.
Acabei correspondendo, afinal ele é um homem lindo, charmoso, senti ele levantando minha blusa, lutei mas ele era mais forte, acabou levantando a blusa e tirando meus seios do soutien, devido a chuva não tinha transeunte e com os vidros escuros, nada se via de fora, ele passou a apertar morder e chupá-los, lambendo deliciosamente cada mamilo, enquanto isso ele tirou seu pênis para fora e ficou se masturbando, até que gritou: "vou gozar" e empurrou minha cabeça contra seu pênis, tive de colar meus lábios na glande e receber na boca todo jato de esperma, e engolir tudo, pois não tinha onde colocar, era a primeira vez que eu engolia um esperma engoli tudo, até que eu recobrei a sensatez, me recompus e como a chuva tinha diminuído, corri para dentro do prédio.
Foi só eu chegar em casa, tirar os sapatos e colocar um chinelo, e meu marido já chegou. Estremeci ao perceber o quanto eu arrisquei, por pouco ele ia me pegar saindo do carro do chefe dele a essa hora. Ele me abraçou, me beijou, fiquei até com medo de ter gosto diferente na boca gosto de esperma, mas ele por sorte não sentiu nada. Se ele soubesse que até pouco, estava com um pênis na boca engolindo esperma, nem sei qual seria sua reação.
Meu marido me pediu desculpas por ter pedido para levar o documento. Se ele soubesse .... Meu marido me puxou para tomarmos um banho junto, não tive como recusar, ao me despir, percebi que meus seios apresentavam vermelhidão onde a mãozona do chefe dele ficou apertando, mordendo e chupado, tinha marcas das mãos e dentes, manchas vermelhas, quase imperceptíveis mas eu notava, e por isso fiquei de costas encostada nele para não ter perigo de ele ver, peguei suas mãos, coloquei sobre os seios e apertei forte, para ele pensar que a marca era dele. Durante o banho veio a comparação, no motel, o chefe dele me ensaboou todo meu corpo carinhosamente, meus seios, nádegas, costas, pescoço, coxas, até minha vagina, tudo, mas meu marido não, só ele se ensaboou esquecendo de mim.
Depois, na cama, quando ele me possuiu na posição clássica, fechei os olhos e imaginei o chefe dele em cima de mim, com aquele pênis enorme me penetrando, depois fiquei temerosa de meu marido perceber que minha vagina estivesse mais aberta, mais larga, afinal fiquei horas com um pênis enorme entalado, me abrindo toda, mas pelo visto ele não percebeu nada, graças a Deus. Quando meu marido ejaculou, foi algo sem graça comparado com outro, logo o pênis dele ficou pequeno, escapou de dentro, ele se virou e começou a roncar, sabia que só iria acordar horas mais tarde para jantar.
Enquanto meu marido roncava, eu sentia o esperma escorrendo de dentro de mim, sabia que ainda tinha um pouco do esperma do Andrade e do meu marido misturados, e isso me excitava, eu molhava os dedos na vagina e lambia aquela mistura de dois espermas.
No dia seguinte meu marido me ligou todo eufórico, dizendo sobre ter sido promovido e que a noite iríamos comemorar num restaurante, com isso meu peso na consciência diminuiu.
.
Conforme norma daqui do confessionário, autorizo publicar minha confissão também. Meu e-mail: maria_cristina_toledo@hotmail.com

 

Corneado pelo Marcos

Este foi na época que eu namorava com minha ex-mulher...r.s..não é bem como bissexual e sim mais para de corno mesmo.

Eu e minha namorada na época tínhamos uns 21 anos. Saíamos quase todas as seixta-feiras e íamos ao teatro ao cinema e depois sempre terminávamos a noite em hoteis..passávamos na verdade a noite toda.

Bem deixe dizer como ela era...era uma morena de pele jambo muito bonita de rosto ela era um pouco baixa tinha 1,57 e seus seios eram daqueles redondos e super duros e não eram aquele exagerados tb..era sobre medida certa...e o que ela tinha de melhor eram as pernas..muito bem torneadas e o tom de pele chamava muito a atenção tb...só não tinha sintura fina para chamar mais atenção de sua bunda que era muito bonita tb.

Bem certa vez estávamos no centro da cidade de SP na galeria Metrópole onde havia um cinema...fomo 1o. a uma casa de chá na mesma galeria e depois fomos assistir a um filme e isso já era na última cessão..r.s..tard da noite.

Bem o cinema estava quase que vazio devido ao horário...nem lembro direito o filme que era, mas tava super vazio como disse e procuramos uma fileira bem no meio do cine...não havia ninguém nem na frente nem nos lados e nem atrás..r.s..dava para contar quem estava no cine aquele horário...

Bem eu estava vestido de social esporte com camisa social de manga curta e calça social tb...ela estava com um vestido na altura dos joelhos e com um decote em V super sexy no que na rua muitas pessoas ficavam olhando tanto para suas pernas como para seu colo...

Bem entramos no cine nos acomodamos e ficamos namoranda até começar o filme...nisso as luzes se apagaram e ia começar o filme...bem logo começou o file e começos a ter uns amassos bem gostosos e como estava vazio o cine nem nos preocupamos..r.s..tirei logo a rola para fora e ele punhetava gostosamente...e eu a acariciava nas pernas e chegava até sua xaninha já toda molhadinha e ao mesmo tempo ficávamos nos beijando calientemente...

E estávamos assim neste extase quando em certo momento ela me diz que tem um cara perto da gente umas duas poltronas ao meu lado...nem havíamos reparado tamanha era nossa sacanagem dentro do cine...

Bem a princípio nem tomamos conhecimento...e continuamos nossos amassos deliciosos...ela já estava super excitava havia gozado em minha mão e eu tava com o pua todo babado tb..minha rola não é nenhum exagero normal por sinal mede uns 15 cm mas é bem grossa..rs...

Depois de um tempo ela fala para mim no meu ouvido que o cara que estava a umas poltronas do meu lado parecia que estava de rola para fora e se masturbando...

Bem dei uma olhada do lado e parece que o cara se tocou e não deu para ver nada..e continuamos nossos amassos...mas fiquei de espreita para ver se o cara tava mesmo batendo uma nos olhando...no que percebi que realmente ele estava apesar do escuro dava para ver a silueta de sua rola..e era enorme e grossa por isso dava para notar que tava com ela para fora tb...

Notei que minha namorada ficou mais excitada vendo aquela cena e me beijava mais caliente que nunca e me punhetava mais gostasamente ainda...e notei tb que vira e mexe ela abria o oho para ver o cara se masturbando...percebendo isso perguntei a ela se tava gostando do que via..no que ela balançando a cabeça consentiu que sim..e me disse que aquilo tava deixando ela doidinha..vendo o tamanho da rola do cara....disse para mim que realmente era bem maior que a minha..r.s.

Bem ficamos assim um bom tempo então eu ousei mais e tirei seus peitos para fora e comecei a mamá-los e as vezes dava uma olhadinha de rabo de olho e notava que o cara agora até dava umas gemidinhas baixinhas vendo a cena e notava tb que minha amada tava de olho na rola do cara...e tb gemia gostosamente...

Então disse a ela..tá gsotando né safada..tá vendo a rola do cara e adorando né..to sentindo sua buceta mais molhadinha e quente que nunca...e disse a ela que ia até o banheiro para ver a reação do cara...então me levantei e fui até o banheiro...não é que o cara veio atrás de mim no banheiro...aí notei que ele estava bem vestido de roupa social mesmo paleto e gravata e era um mulato bem apessoado bonito msmo...fez de tudo para mim olhar para sua rola no que deu uma olhadinha de rabo de olho e realmente constatei que devia ter uns 25 cm de rola ali e muito grossa tb além de estar super dura e ele chacalhava propositalmente para mim ver...

Etnão ele disse é notei que sua mina não tirou os olhos de minha rola será que ela não quer dar uma pegadinha..falou isso maliciosamente e chacalhando aquela enormidade aquilo me deixou super excitado de pensar em ver ela masturbando aquele cara do meu lado...então eu cheio de tesão disse...vou ver com ela e conforme for fazemos assim eu estou sentado do lado que você está se ela consentir eu me sendo do outro lado dela aí será a deixa para você sentar onde estou do outro lado dela...assim ela ficará no meio nosso...

Bem voltei 1o. para o lado dela e ele depois de um tempo se sentou no mesmo local...ela então perguntou ele foi no banheiro tb..eu disse que sim e que era um cara super bem apessoado e que havia notado que ela não tirava os olhos da rola dele e que ele tinha perguntado se ela não queria sntir sua rola...ela na hora ficou sem geito e negou...mas logo percebi que tava mesmo era afim e então eu disse...não tem problema amor se tiver afim de sentir outra rola que seja assim na minha frente mesmo...

Então ela me deu um beijo cfaliente de lingua e disse que me amava muito...então eu disse vou me sentar do outro lado seu pois foi a deixa que disse a ela que se voc~e consentisse ele então viria se sentar onde estou agora...e levantei e me me sentei de seu lado esquerdo e ele logo se levantou e sentou do lado direito dela...

Ela quando viu o cara adorou notou que ele era bonito e tinha um porte físico legal...então ele se apresentou que até então não tinha feito...se chamava Marcos...ela adorou o cara era conversador brincalhão...bem ficamos em silêncio e logo voltei a beijá-la e tirei minha rola para fora e segurei sua mão e levei até minha rola no que ela logo pegou e começou a me punhetar e comecei tb a massagear seus seios...ela já estava toda molhado de novo..tinha maior tesão nos seios...como sabia logo cai de boca..nisso o cara tira tb a rola para fora e pega sua outra mão e leva em sua rola no que ela nem se faz de rogada e segura...

Quanto ela sente o volume a testura da um gemidinho de tesão que nunca havia sentido...pelo visto adorando aquilo..e punhetava o cara e ele aproveitou e dividiu seus seios comigo..ela delirava de tesão sentindo outra boca e mão lhe acariciar e tb por estar sentindo aquela rola diferente em sua mão...

Ficamos nessa malhação um bom tempo e ele então enfiou o dedo em sua buceta que nesta altura tava toda melada e não demorou muito ela gozou na mão dele...mas não parava de gemer estava uma cadela no cio mesmo..estava super excitada e adorando tudo aquilo..

Como o cine estava super vazio as poucas pessoas que ali estavam nem eprceberam nada...depois de um tmepo nessa putaria ela não se conteve e caiu de boca na rola do cara..nossa nunca havia me chupado com aquela volupía que chupava o cara..lambia a cabeça, depois enfiava até onde dava dentro da boca e chupava com uma velocidade impressionante uma gulosa mesmo ela estava...nisso não demorou muito e o cara encheu sua boca de porra no que ela até se engasgou de tanta porra que saiu...

Ficamos assim um tempo nos recompondo..e ela não tirava a mão da rola do cara..estva super excitada segurando a mesma então fiz uma loucura...ajoelhei no chão do cine na sua frente e comecei a chupar sua buceta..ela delirava de tesão eu a chupava e ela punhetava o cara com uma vontade louca de ver a rola dele dura de novo..no que não demorou muito a subir...eu ali ajoelhado no chão lhe chupando ele rebolando na minha cara e punhetando o cara que lhe percorria o corpo toco com as mãos...não demorou e ela deu uma gozada deliciosa na minha boca...mas nãoe stava saciada queria mais e mais...

Então caiu de boca novamente na rola do cara que a esta altura gemia muito de tanto tesão...eu tb estava que não aguentava mais de tanto tesão com as cena..então disse vamos lá para trás...e notamos que não havia ninguém e ficamos em pé naquele balcão do corredor da entrada do cine...e ali eu peguei uma camisinha que tinha e dei para o cara...então levantei seu vestido e coloquei minha pica na sua buceta ela deu uma enclinada para frente e enquanto eu comia sua buceta ela chupava a rola do cara então eu disse agora e a vez do Marcos amor...e ela então deu auqelo sorriso delicioso enquanto ele punha a camisinha e veio onde eu estava e meu aquela rola enorme dentro dela...eu fui para frente dela para ela me chupar para não azer escandalo gemendo alto...quando ele enfiou sua rola nela ela me chupou como nunca havia feito..

Com uma vontade louca e ele percebendo banbava muito e muito e não demorou muito ela gozou na rola dela quase que desvalecendo e eu percebendo a segurei e disse aguentar amor que ela vai gozar ainda...e ela então aguentou e ele começou os movimentos frenéticos e gozou dentro dela que disia ai amor que rola maravilhosa o Marcos tem..estou sentindo ela latejar e a camisinha encher de porra ai que tesão amor isso que é rola...mas te amo amor e obrigado pela foda deliciosa.

Depois nos recompomos fomos sentar e ele foi para o banheiro e não o vimos mais...mas ela confessou que foi tudo de bom e que me amava muito por ter dado este prazer a ela...Bem que gostou é só me escrever...guine43@itelefonica.com.br

O dia que vi minha esposa sendo enrabada

Estou casado há 8 anos, sempre tive uma boa vida sexual com minha esposa, tive umas pequenas aventuras nesse período mas pelo que eu sabia ela nunca tinha feito o mesmo, bem, isso é pelo eu que pensava. Todos os dias as 18:00 eu apegava na empresa até a empresa onde ela trabalha para irmos para casa. Em uma sexta-feira qualquer, acabei chegando mais cedo, como tinha que esperar e não estava afim de ficar no carro, fui entrando, cheguei até a sala dela e não a vi por ali, ela é secretária de um dos diretores. Sentei e fiquei esperando. Com o silencio acabei ouvindo pequenos gemidos da sala ao lado, a sala do diretor dela. Fiquei claro curioso e mais ainda desconfiado, afinal ela não estava ali e os gemidos eram de uma trepada. Abri com todo cuidado a porta procurando evitar qualquer ruído, típico do corno manso. Então eu vi o que eu esperava ver. Ela estava de 4 sobre o tapete da sala e o tal do diretor por trás dela, ambos de costas para a porta. Minha loirinha gostosa estava recebendo o pau do chefe dela em sua bunda, ele entrava e saia do seu cu, chegou a tirar todo o cacete e meter tudo de novo, ela segurava o gemido e agüentava o mastro dele enterrando em sua bunda. Quando ele parava ela continuava com o movimento para absorver ainda mais o outro dentro dela. Ele a deitou no chão e então socou com muita força, ela mordia o tapete para não poder gritar e ele socando com tudo dentro dela, não agüentou muito e o vi gozando dentro do rabo da minha loirinha linda. Fechei a porta e sai.
Voltei para o carro e esperei, fiquei revendo a cena do outro a comendo, meu pau duro, vontade de bater uma punheta ali mesmo. Durante todo o tempo de casados ela só tinha me dado o cu uma vez e mesmo assim nem terminamos nele, diz que sentia dor e não queria, sequer eu tinha enfiado todo o pau dentro do rabo dela e no entanto naquele dia eu a via receber aquele cacete enorme dentro do cu e se divertia com ele. Na hora de sempre ela chegou. Beijou minha boca e estava como sempre estava todos os dias, falando, feliz, contando novidades e entusiasmada com o trabalho. O final de semana passou, transamos, tentei comer o cu dela mas foi impossível, ela disse que isso ela não fazia porque doía demais, fiquei lembrando da imagem do cacete do outro dentro daquele rabinho e ela quase pedindo mais.
Nas terças-feiras ela tem aulas a noite de um curso de aperfeiçoamento e desconfiado resolvi segui-la naquela semana. Tão logo a deixei, o chefe chegou e os dois foram para o motel, ficaram por duas horas por lá. Quando a encontrei lá estava ela com a mesma felicidade e entusiasmo. Tentei come-la naquela noite mas ela não quis, por que será não é mesmo? Acabei batendo uma punheta e gozando pensando no chefe a possuindo.
Uma semana depois abri o jogo, disse a ela que sabia de tudo e por mais incrível que parecesse estava excitadíssimo com tudo aquilo. Falei ainda mais, falei que queria vê-la dando pra outro. Ela topou a idéia mas achou melhor que isso não fosse com o chefe dela, afinal éramos conhecidos e as coisas não poderiam fica legais depois. Concordei. Saímos um dia a noite e de uma boate saímos eu, ela e um outro rapaz louco de vontade de fode-la.
Ela o deixou acabado na cama, fez o serviço completo com ele, primeiro o recebeu no cu, o cara não acreditava que estava comendo uma bunda como aquela, linda, branquinha, com um cuzinho gostoso. Ele meteu como um louco e ela gemia demais, gritava recebendo o cacete duro dele e foi assim até ele socar tudo dentro dela e liberar toda a porra na camisinha. Ela tirou a camisinha dele, chupou de novo o seu pau e sentou sobre ele, ainda que estivesse em meia recuperação, foi sentando, subindo e descendo até ficar bem duro de novo, então aumentou a velocidade e aproveitou, gozou duas vezes com ele, enquanto gozava me xingava e me chamava de corno, me chamava de chifrudo frouxo, de corno manso e mais e mais dava para o outro. Eu estava nu batendo uma punheta, cada vez que ia gozar eu parava, segurava e apreciava a minha esposinha dando como nunca. O cara também estava entusiasmado e quando estava para gozar viu ela sair de cima dele, viu a camisinha sendo tirada e a o boca na minha linda esposa engolindo o cacete dele e o chupando com toda velocidade possível, não suportou e soltou a sua porra na garganta dela. Em todo este tempo ela nunca havia tomado minha porra, agora se fartava com a de um desconhecido, com certeza fazia o mesmo com a do chefe. Ela tinha me confessado que o fazia gozar quase todos os dias e nas terças iam sagradamente ao motel, ela nunca havia assistido uma aula do tal curso.
Depois dessas duas trepadas ainda fez o rapaz gozar mais duas vezes em sua buceta e bateu uma para mim até que gozei sobre os seus seios.
Nossa vida sexual ficou diferente depois de tudo isso. Durante a semana ela continua dando para o chefe e o fazendo gozar quase todos os dias, normalmente em sua boca em uma chupeta na ora do almoço. Nos finais de semana normalmente saímos e pegamos algum rapaz pra ela se divertir, as vezes participo comendo sua buceta mas o cu ela só me deu uma vez, embora sempre o de para outro, também com minha porra, apenas uma vez a tomou, embora diga que adora quando um homem a solte em sua boca quente e macia.

jacklenon1@yahoo.com.br

 

A iniciação sexual da minha mulher

Somos um casal, eu com 53 anos e  a minha mulher com 55, ambos funcionários públicos  que resolveu, para apimentar a nossa relação,  dar a conhecer algumas das nossas experiências, sobretudo as da Joana, pois a sua vida, a este níve,l começou mais cedo e de certa forma è mais rico

É uma longa história  que começa à cerca de 40 anos e o que se conta , é o resultado de uma série de conversas, e de acontecimentos , que sucederam  depois  de termos começado com determinados jogos, de que mais tarde falaremos.
Tudo começa  em Moçambique, durante o período da guerra colonial, para onde os pais da minha mulher tinham ido viver, habitando numa  vivenda nos arredores de Lourenço Marques,  dando a janelas de uma das casas de banho do rés do chão para um  um jardim com algumas árvores  bastante descuidado

A sua educação foi  feita num colégio interno de freiras, onde era tudo bastante rigoroso e controlado e qualquer expressão de sexualidade fosse fortemente reprimida e castigada . Só no período de férias vinha a casa, na cidade, pois o pai tinha uma fazenda o que fazia com que, por vezes,  tivesse  que estar ausente algum  tempo e como  a mãe trabalhava, durante o dia no centro de Lourenço Marques, não tinham tempo para cuidar da sua instrução, além disso era "bem" que as meninas  fossem educadas nesse tipo de colégios

Assim, férias  e fins de semana ela passava-as  muitas vezes  sozinha em casa, com a criada com a qual se dava  muito bem , mas  também  com as suas filhas e amigas que eram africanas e mais ou menos da mesma idade o que fazia com muitas das suas conversas girassem, muitas vezes, em torno dos rapazes e como é lógico de sexo, pois algumas delas já tinham tido relações com os namorados o que a fazia arder de curiosidade, contrastando tudo isto com a sua timidez o que a fazia corar, tanto de prazer como de vergonha  e calar-se, ao imaginar-se nessas situações. Outras vezes escapuliam-se e iam até ao rio espreitar os miudos a tomarem banho, nus, no rio, ficando a minha mulher espantada com o tamanho do sexo de alguns deles, o que a levava , por um lado, a  ter medo da dor que uma coisa tão grande lhe poderia provocar, ao que se juntava toda a vergonha transmitida pelas freiras sobre pensamentos e actos pecaminosos e por outro um desejo enorme de mexer e sobretudo chupar uma  coisa daquelas, como uma das amigas contava que  fazia ao namorado - sempre adorou sexo oral

Do ponto de vista fisico ela tinha já praticamente a altura que tem hoje, 1,70m, mamas pequenas mas duras e com um bico bem espetado, praticamente como hoje em dia, apesar de ter tido já uma filha, o que até foi bom porque lhe alargou as ancas ficando com um rabo que só apetece ...enfim, era, e continua a ser magra com uns pés e uns tornozelos lindos, cabelo meio alourado e comprido o que lhe acentuava a magreza, olhos castanhos  e uma boca grande com lábios finos, não se pode dizer que fosse muito bonita mas tinha um ar de quem andava sempre com "fome" o que, juntamente com a sua timidez a tornava muito sensual, aliás, ainda tem esse ar e essa sensualidade acentuou-se

Tudo começa com a chegada de um primo com vinte e dois anos, que foi cumprir o serviço militar e que, tendo sido destacado, numa primeira fase  para a zona Lourenço Marques os tios convidaram-no para, se quisesse,  ficar em sua casa (primo esse  que mais tarde vim a conhecer e que ainda irá se irá cruzar algumas vezes nas  nossas vidas). Era daquele tipo de pessoas com quem simpatizamos à primeira vista, bastante moreno, olhos castanhos  mas um pouco para o gordo  ( já na altura tinha uns quilitos a mais), com umas mãos sapudas,  que terminavam com uns dedos curtos e grossos - este pormenor das mãos  é referido porque a Joana se por um lado as achava nojentas  por outro excitava-se; sempre gostou em certas situações, como se veio a verificar, de sexo sujo, isto é, mais excitada ficava quanto mais lhe repugnante era o sujeito ou a situação, mas que na altura não compreendia o porquê de certos sentimentos e por isso os foi recalcando -  de sorriso fácil , grande conversa mas sabendo calar-se quando necessário  e de grande discrição e que tinha acabado o curso de engenharia mecânica e louco por mulheres tendo como  particularidade o seu membro ser comprido, dezoito centímetros,  mas estranhamente fino, cerca de 2,5 cm.  de diâmetro, o que lhe valeu a alcunha de Estilete.  Ao contrário da prima era bastante peludo e de comum só a libido.
Aproveitando alguns dias de licença, Afonso resolveu aceitar o convite dos tios, pois já estava farto do mato e  passar a semana do Carnaval  tendo chegado a Lourenço Marques ao fim da tarde onde o tio o esperava
Sendo ainda muito nova, e com os peitos rijos, a minha mulher, não usava sutien em casa e para receber o primo, o qual não o via à uns bons seis anos, vestiu um vestido que lhe ficava ligeiramente justo, não reparando que, em determinadas posições , os mamilos destacavam-se provocadoramente, o que, durante o jantar começou a chamar, cada vez mais, a atenção do Afonso, que até aí só a tinha visto, como uma miúda sem nenhum atractivo especial e até, como referiu mais tarde , bastante escanzelada. Assim, e sem se dar conta passou toda a refeição, enquanto conversava com os tios, sem ela dar por isso, a olhar  para o peito da prima, imaginando como seriam aquelas maminhas , o que não passou despercebido à Joana que passou todo o jantar a corar num misto de excitação e de vergonha, até ao momento em que os seus olhares se cruzaram e, instintivamente se aperceberam , embora ela de uma maneira confusa , da excitação que provocavam um ao outro, porque ele, de facto estava a ficar com o pénis todo rijo e ela....agora diz-me que estava a ficar excitada, mas na altura eram apenas um turbilhão de sentimentos que a obrigaram a fugir para o quarto assim que acabou o jantar, acabando por não dormir nada , relembrando as histórias que as amigas lhe contavam. O mesmo aconteceu, mais ou menos,  ao primo, que acabou por adormecer a pensar na melhor maneira de se divertir um pouco com a prima durante aqueles dias. Estava a faltar-lhe, à seis meses, mulher e se conseguisse alguma coisa sempre poupava algum dinheiro nas putas....não estava a pensar tirar-lhe os três porque era óbvio que a prima era virgem  mas... logo se veria.

No dia seguinte, mal dormido,  ao fazer a barba Afonso apercebe-se de um movimento através do espelho. Abro agora um parêntesis para descrever a casa de banho, que como já se referiu ao principio dava para um jardim lateral, pouco usado e que subia ligeiramente, o que através da janela, que estava na parede oposta ao espelho e onde também ficava a banheira, dava para observar praticamente toda a casa de banho, para quem estivesse na parte de cima do jardim. Observando com mais atenção verificou, apesar de meio escondida, que era a prima que o observava. Sorrindo para si, reflectiu, enquanto fazia a barba, como tirar partido da situação, fazendo com que ficasse cada vez mais excitado, o que o levou a considerar que se a prima o queria ver, o melhor que tinha a fazer era bater uma punheta e esperar pela  reacção dela, assim despiu o robe, encostou-se ao lavatório e, voltado para a janela, para que  a minha mulher pudesse ver tudo, e como que dizendo "eu sei que estás a ver", começou lentamente a esfregar-se, aumentando a velocidade até se vir num jacto que alcançou a banheira que ainda estava um bocado afastada, depois disto olhou para onde estava a prima e sorriu, como que dizendo...gostaste?  na esperança de que ela não se tivesse ido embora e tivesse visto tudo, porque a partir de certa altura, enquanto fazia a barba deixou de a ver.
Mas, de facto, ela não se tinha ido embora, apenas se tinha escondido melhor, tendo assistido a toda a cena -  nunca lhe passou pela cabeça, quando desceu, do quarto às  escondidas, para ver se conseguia ver o primo, como os miúdos no rio,  já que nunca tinha visto nenhum branco nu e tinha muita curiosidade de ver se as pilas deles eram iguais às que tinha visto  -     ter um espectáculo tão completo.  Ainda hoje, passados tantos anos, ainda fica excitada, é aliás uma cena recorrente que usa para se masturbar .
 Ficando completamente descontrolada e assustada, pois ficou toda molhada, sentia o coração a bater-lhe descontroladamente, fugiu para o seu quarto, por uma porta lateral do jardim, onde se desfez em lágrimas, sem se conseguir aliviar, pois nunca se tinha masturbado, apesar das conversas com as amigas e estava convencida que era pecado e poderia ir para o Inferno (era muito ingénua na altura).

Tendo-se isto passado no sábado, o que começou a preocupar a minha mulher, era como encarar o primo à hora do almoço, já que não se podia escapulir, pois o pai vinha passar o fim de semana a casa e obrigava a toda a família a estar presente e ela não se atrevia a desobedecer ao pai, que por acaso era uma besta. Assim, tentou, quando se acalmou, convencer-se que o primo não a tinha visto e que ninguém repararia, indo tomar   banho mas em lugar de ir à casa de banho da família, resolveu ir à dos hóspedes, o que foi um erro,  onde tinha estado o primo, para verificar se ele a podia ter visto, o que se confirmou  pois de facto o espelho, como ela já calculava mostrava o jardim e o local onde se escondera, como também lhe aumentou a excitação ao ver o local onde o primo se viera o que a levou, inconscientemente  a passar a mão por cima da borda da banheira e depois de se despir roçar-se pelo mesmo sítio. Excitadíssima, mesmo depois de tomar banho subiu para o quarto, deitando-se e tomando a resolução de  deixar que o primo fizesse dela o que quisesse, abandonando-se num doce torpor até que a chamaram para ir almoçar. Vestiu-se à pressa com o mesmo vestido da noite anterior mas sem pôr cuecas, não por pensar que  se passaria alguma coisa, nunca com o pai em casa, mas apenas inconsciente perversão que a levava a fantasiar situações que... Enquanto se arranjava, nervosa sorria timidamente enquanto calçava umas sandálias que achava que lhe ficavam bem e que o primo haveria de gostar, pois realçavam-lhe os pés e os tornozelos.

Quando desceu verificou que já estavam todos sentados, o pai, a mãe e o primo. Ficando ela defronte do Afonso, sentiu-se nervosa por ter de o enfrentar, mas ao mesmo tempo satisfeita, sem saber realmente porquê  mas  acabando por tirar algum partido do lugar onde se sentou, o que já revelava uma certa, mas inconsciente safadeza, da sua parte, e que aliás faz parte do seu encanto hoje em dia, como se verá mais adiante.
O almoço decorria normalmente, com a conversa normal sobre a família, a guerra, estudos... entre os pais e o primo sem que ela interviesse e sempre com os olhos baixos, sem encarar o primo, mas suficientemente  atenta para reparar que ele sempre que podia olhava para o seu peito e ela, nessas alturas, se podia, tentava endireitar-se mais para que os bicos das maminhas ficassem mais visíveis, voltando-se depois a curvar-se para o pai não notar nada, pois podia haver uma cena. A certa altura o pai ao falar das obras que estava fazer na casa pediu desculpa ao Afonso por este ter de utilizar a casa de banho que dava para o jardim...aqui ela sobressaltou-se e olhou para o primo que na mesma altura que respondia ao tio, arriscando uma jogada, lhe sorriu e disfarçadamente lhe piscou um olho o que fez corar imenso e atrapalhar-se não conseguindo, no entanto, impedir que se formar-se um  pequeno sorriso de prazer coisa que não escapou ao Afonso (sempre foi bastante perspicaz) e que levado por um impulso, fingiu deixar cair um garfo, podendo assim espreitar as pernas da prima, que ao notar o movimento do primo abriu um pouco mais as coxas, o que lhe permitiu ter um vislumbre da cona da minha futura mulher. Ao levantar-se, agradecendo a todos os deuses por ter batido uma punheta de manhã,  ainda foi a  tempo de ver o pequeno sorriso estampado na boca da prima que era uma mistura de inocência, vergonha e sensualidade e - disse-nos ele mais tarde - lhe deu uma vontade imensa de a pôr ali mesmo a fazer-lhe um broche. De qualquer maneira havia tempo para  isso, pois tinha a certeza que ela o vira, durante o banho, até ao fim e gostara do que vira. Era só uma questão de ficarem sozinhos para ele estrear aquela boca.

Quanto a ela não tirou, durante todo o resto da refeição, os olhos do prato, sentindo a perna do primo procurar a sua o que ela timidamente procurava facilitar, mas sempre com medo que se notasse alguma coisa acabou por pedir licença aos pais  para ir para o quarto alegando que estava mal disposta, o que não estranharam , pensando que poderia estar com febre, devido à vermelhidão e ao modos estranhos que demonstrava. Assim a mãe acabou por ir leva-la e  dar-lhe um comprimido de quinino, acabando por dormitar, apenas com uma combinação, que entretanto vestira e um lençol a tapa-la, imaginando a cena da manhã e o que o Afonso lhe faria, pois ela sabia que ele sabia que ela sabia e que queria.

Durante o resto do dia não viu o primo e ao jantar poucas probabilidades tiveram de namoriscar pois havia convidados, disfarçando ambos a perturbação que sentiam. Ele melhor, por ter já experiência e por ser um "bon vivant" e ela desculpando-se por ainda não se sentir bem...o que era verdade e o único remédio, para o seu mal era o primo que lho podia dar...enfim outra noite mal dormida tanto para um como para outro. O Afonso ainda pensou em se masturbar mas conteve-se pois estava decidido a pô-la a mamar no caralho já no dia a seguir . Queria encher-lhe a boca até a nhanha lhe escorrer pelo queixo, obrigando-a a engolir tudo. É claro que estes pensamentos o deixaram mais excitado mas ao mesmo tempo mais compelido a ter a prima, por isso tentou abster-se, mas sem grande resultado pois imaginou-se a chupar aquela cona que divisara, a roçar o caralho naquela coizinha  que parecia tão macia, a comer-lhe o cu à canzana. Cu esse que ao principio lhe parecia magro e que agora era uma tentação...e com isto tudo acabou por se vir.

Quanto à minha mulher disse-me que, durante uma noite agitada e mal dormida, em que se misturavam devaneios mais ou menos conscientes com o Afonso, em que queria ser ela a banheira em que ele se viera e como seria bom sentir escorrer aquele liquido pelas maminhas, ou como fora pateta e se viera embora quando a amiga dela a convidou para  irem, às escondidas, terem com o namorado dela e com um amigo dele que também era preto. Acabou por ter um orgasmo em que, não se lembrando bem qual era o sonho, tinha a vaga consciência que entravam pretos e o primo...e que na altura o que sentiu não soube reconhecer porque ainda não tinha tido nenhum. Mal sabia ela que daí a dois dias as coisas se iam modificar tanto.

No domingo a situação não se alterou muito devido à presença do pai...nem conseguiu ir espreitá-lo no banho - aliás, ela já estava a imaginar que ele a chamasse enquanto o estivesse tomar...

A única situação que poderam  aproveitar, nesse domingo, mais ou menos de fugida, foi quando, depois de almoço a criada saiu e os pais se foram deitar para dormir a sesta como era costume tendo eles ficado na sala, com a desculpa de irem ouvir um pouco de rádio. Conscientes do que estava a acontecer e um pouco nervosos, ele já a ficar de pau feito antevendo o que poderia vir a acontecer e ela com aquela mistura de sensualidade e ar pudico, só precisavam de uma desculpa para quebrarem o embaraço, que surgiu quando ele lhe pergunta se já alguma vez tinha guiado um carro - o que ele já sabia de antemão que não - e que ela confirmou.

- Não?!!! Mas é tão simples...deixas-me explicar?

Ainda mais corada, se possível, a minha mulher só conseguia anuir com a cabeça, indo-se sentar num sofá junto dele,  não conseguindo pronunciar palavra de nervosa que estava nem, todavia despregar os olhos do inchaço que se estava a formar entre as pernas do primo. Assim que ela concordou, chegou-se mais para ela pondo-lhe um braço por cima dos ombros, ficando com a mão a tocar-lhe nos mamilos, que nessa altura já quase rebentavam de tesão  e com a outra mão pegou na dela dizendo para ela fechar os olhos, e que para conduzir um carro era só saber como mexer na alavanca das mudanças, e que portanto ela que imaginasse que o que ela ia sentir na mão era apenas isso, ao mesmo tempo em que lhe punha a mão em cima do caralho e a outra mão descia para dentro da blusa apalpando-lhe as mamas e torcendo-lhe os bicos do peito. Assustada mas sentindo um prazer até aí desconhecido ela deixava-se apalpar, gemendo baixinho enquanto lhe ia esfregando o pau, que já quase lhe saía pelo cós das calças, enquanto que ele, com a outra, lhe ia subindo pelas pernas até lhe conseguir tocar e palpar a cona que lhe enchia a mão, conseguindo afastar-lhe as cuecas, começou a esfregar-lhe lentamente o clitóris, e penetrando-a, com cuidado com a ponta do dedo, ia perguntando-lhe se ela se costumava masturbar, se outros já lhe tinham feito o mesmo...(sempre gostou duma conversa  porca, ela só mais tarde), ao que ela só abanava a cabeça, arfando, entregando-se totalmente ao prazer que estava a sentir e que nunca imaginara poder existir. Já com o membro do primo totalmente  de fora das calças ( diz que não se lembra como lhe abriu a bre guilha, o Afonso diz que não foi ele) ela  ia-se encostando cada vez mais para tentar que aquilo que viu o primo fazer na casa de banho se concretizasse, o que aliás aconteceu, bem contra a vontade do bom do Afonso, que ao verificar que se estava a vir ainda tentou faze-lo na boca dela o que claro, não conseguiu, porque ela não estava preparada para isso e como não sabia o que ele queria quando a puxou para si, pensou, se é que pensou alguma coisa, que quereria que ela lhe encostasse o peito, acabando ele por se vir em cima daquelas maminhas e dos bicos... foi a primeira mas não havia de ser a ultima a viram-se aí. Ao mesmo tempo que ela sentia o jacto daquele liquido morno e leitoso não aguentou mais, explodindo na mão do primo, tendo-lhe pregado um susto de morte, porque ainda hoje não sabe como é que os pais não ouviram o grito que ela deu (talvez pelo som da telefonia estar alto)  e por ter ficado quase um minuto sem   dar acordo de si, aliás não foi só ela que ficou assim, pois ele só passado um pedaço é que viu o que tinham feito e o perigo que corriam.

2º CAP.

Assim que se recompôs,  ainda com a blusa aberta e com o sémen do primo a escorrer-lhe pelo peito, Joana correu para o quarto onde tentou acalmar todos os sentimentos de culpa que lhe afloravam a consciência. Que loucura fora aquela? Deus iria certamente castiga-la... tinha de se confessar. Como iria encarar o primo? Os pais tê-la-iam ouvido?
Ajoelhada junto da cama, tentou acalmar o coração que lhe batia descompassadamente, mas, ao encostar a mão ao peito sentiu o liquido viscoso que a encharcara e um sentimento de náusea avassalou-a. Como poderia ter feito aquilo com o gordo do Afonso? Como pudera que aquelas mãos horríveis pudessem ter percorrido a intimidade do seu corpo? Como podia ela ter deixado que ele lhe tivesse enfiado um daqueles dedos nojentos no ânus? Como pudera ela gozar tanto junto daquela barriga anafada e peluda? Como pudera sentir o que sentiu quando ele se veio para cima de si....? Porque foi tão bom? Porque foi tão bom ele mexer-lhe...e mão desceu lentamente, como se vontade própria tivesse, em direcção àquele sítio que fora massajado tão docemente, as coxas abriram-se voluptuosamente  e num súbito e novo  ataque de luxúria começou a masturbar-se como o primo lhe tinha feito, imaginando-se novamente com ele, querendo mais dele, oferecendo-se lhe toda  no extremo do deleite.  Acabando-se por se vir, tentou abafar o grito mergulhando a cara na almofada enquanto o seu magro corpo estrebuchava de prazer

...Então era assim? - Pensou já mais calma - era isto o que as amigas  eufemísticamente chamavam de "tocar à viola"?...se tivesse sabido mais cedo... mas não, não podia ser, era pecado. Mas como uma coisa tão boa podia ser pecado?
Foi com estes pensamentos a redemoinharem-lhe na cabeça que se conseguiu escapar para a casa de banho para se lavar, não sem antes se observar ao espelho e verificar que, apesar de se ter rebolado pela cama, ainda restos de esperma se agarravam ao seu corpo. Num gesto impensado tocou num deles e depois de lhe sentir o cheiro acre levou-o à boca tomando-lhe lentamente o gosto...Afonso sem o saber já tinha estreado a boca da minha mulher.

Quanto ao Afonso, já no seu quarto e depois de se ter certificado que ninguém ouvira nada, fumava na cama um cigarro com um sorriso de auto-satisfação estampado na cara, embora um pouco preocupado...

Afinal era ainda menor...ou não? Não tinha a certeza da idade da prima... ainda  uns anos atrás ela se tinha sentado ao seu colo, em Lisboa...mas uma coisa ele sabia. Era virgem..paciência. Nada de loucuras, se tivesse cuidado ainda se poderia divertir bastante...

Mas..e se ela contasse aos pais...?!! O coração ia-lhe saltando pela boca. Já se via preso, julgado em tribunal militar, impedido de se inscrever na Ordem dos Engenheiros...mas não, não acreditava que ela fosse contar alguma coisa, afinal fora ela que o provocara e ele sempre poderia desdizer tudo ...mas não, não contaria,  não da maneira como ela  tinha gemido quando lhe apertara os bicos das mamas, não como tão rapidamente ela lhe tinha aberto totalmente  as pernas, não como tinha rebolado quando lhe afagara o monte de Vénus e arfado ao esfregar-lhe o grelo... e que papo de cona ela tinha. Tinha conhecido putas que invejariam um assim volumoso, macio com gordos lábios através dos quais o clitóris, atrevido, espiava um útero apertadíssimo, que ele pressentira ao enfiar-lhe o dedo ......de qualquer maneira nunca pensar em lhe tirar os três , era uma pena, mas um dia , mais tarde, quem sabe? E quanto ao rabinho? Isso aí era outra história...também ele apertado, e que pela forma como a prima tinha reagido, com um movimento de deleite das ancas, quando ele lhe enfiou o dedo, teve a certeza que ainda se iria divertir muito.

À hora do jantar, mais recomposta mas de semblante carregado, Joana desceu para a sala, tentando convencer-se  a  si própria que tudo tinha sido uma loucura e que jamais, aquela situação se voltaria a repetir e para evitar equívocos sentou-se o mais longe possível do primo, evitando a todo o custo os olhares que, Afonso, sub-repticiamente lhe lançava, começando este a ficar preocupado.

O que é que se passará com aquela putinha? -  Pensava ele, enquanto, distraidamente ia conversando com os tios. Tenho de apanhar a jeito e ver o que se passa, ou então logo à noite ir ter com ela...mas com o tio cá...está certo que o quarto fica longe do dos tios, mas mesmo assim...

A oportunidade surgiu quando, ao fim do jantar, a minha mulher, devido à criada não estar de serviço aos domingos, se preparava para ajudar a mãe a  levantar a mesa. Assim cavalheiramente, Afonso ofereceu-se para substituir a tia, que coitada, precisava de descansar, e que ele era novo e não lhe custava nada...que ficassem a ouvir a rádio que eles rapidamente tirariam a mesa... Enquanto falava ia recolhendo os pratos olhando de soslaio para Joana  que compreendendo as intenções dele, começava a corar, lutando para se manter firme nas decisões que tomara.

Caminhando à frente do primo sentia o seu olhar percorrer o seu corpo de menina/mulher o que lhe provocava um tremer de pernas e ao mesmo tempo uma doce sensação agitava o seu estômago fazendo-a sentir-se esquisita e sem forças, dando por si a pensar que afinal o que é que tinham feito de mal? Aliás, ele  fora o único rapaz a interessar-se por ela. Nos bailes nenhum a convidava para dançar, todos  a achavam muito magra (possivelmente hoje convidá-la-iam para modelo) e feia por isso nunca tinha tido namorado...é claro que estes pensamentos lhe foram minando as resoluções que tinha tomado e que bem à pouco as tinha por seguras.
Quanto a ele, ia observando aquele corpo magro de cabelos compridos, onde se destacava a cintura estreita e um rabinho empinado, que mal cabendo nas suas mãos, se meneava de uma forma provocante, deixando-o excitadíssimo pensando na hora em que o teria à sua disposição.

Assim que chegaram à cozinha Afonso rapidamente largou os pratos no primeiro sitio que encontrou, e enquanto Joana os punha no lava louças, aproximou-se  dela e rapidamente agarrou-a por trás, mas perante a reacção da prima que o tentou repelir ainda com alguma convicção, teve de a dominar, ainda assim com alguma força e prevenindo-a que se fizesse barulho e os pais ouvissem isso só lhe iria trazer problemas e que ele só queria conversar.

Dominada, rapidamente lhe desabotoou o corpete começando  a apalpar-lhe  as maminhas fazendo rolar os mamilos que nessa altura já estavam completamente túrgidos, ao mesmo tempo lhe ia perguntando se tinha gostado do que se tinha passado... se não estava zangada... se queria mais, fez deslizar uma mão por entre as coxas da prima -  que tentando fugir ao contacto acabou por se encostar ainda mais ao baixo ventre do Afonso, sentindo o seu membro duro por entre as calças roçar-se   no seu cu -  lhe ia dando beijos no pescoço e dentadinhas na nuca o que acabou por vencer as  suas últimas resistências da prima, concordando por pequenos gemidos com tudo o que o ele ia dizendo que lhe faria, ambos num desvairo de lascívia, ela já procurando com a mão o caralho do primo, ele, depois de subido o vestido e descido as cuecas, lhe acariciava a cona.

Conseguido, assim, certificar-se da cumplicidade da prima, forçou-se a larga-la, não fossem os tios aparecer de repente, aconselhando-a a ficar na cozinha a lavar a loiça até se recompor, pois não estava em condições de ir para a sala. E de facto não estava...se a vissem assim..parte de cima do vestido aberto por onde espreitavam as mamas espetadas e duras como peras, cuecas  descidas até aos joelhos e vestido subido que ela ainda segurava deixando-lhe ver aquele, ainda hoje macio, sumarento e delicioso monte por entre umas coxas todas molhadas...teriam de certeza um homicídio em casa.
Ele ao ver o que estava deixar para trás ainda hesitou, mas Joana apercebendo-se do perigo, rapidamente  tentou recuperar do orgasmo que tinha tido quando sentiu o pénis dele de encontro ao seu rabo, mandou-o embora com um pequeno sorriso. Subindo as cuecas, abotoou-se e começou a lavar a louça...era de facto uma boa desculpa. Mais calma, pensando no que tinha acontecido, surpreendeu-se pela excitação que sentiu, quando Afonso a dominou, ao imaginar que ele a iria violar ali mesmo na cozinha...foi estranho, uma mistura de temor e repulsa misturadas numa ânsia que a imaginação se tornasse realidade.

 p.aulosantos@sapo.pt

 

Ajudando uma colega

Meu nome é Leidiane, tenho 28 anos e sou casada com Raul de 42 anos. Sou moreno de cabelos negros e encaracolados abaixo dos ombros emoldurando meu rosto de menina sapeca de grandes olhos negros e uma boca carnuda que insinua delícias! Meus seios são pequenos e durinhos de biquinhos pontiagudos que furam o tecido de minhas roupas, principalmente porque quase nunca uso sutiãs! Tenho 1,65m, peso 50 kg e tenho a cintura finda de quadris largos que culminam numa bundona grande, redonda e arrebitada como manda o figurino das morenas! Finalmente tenho uma xoxota pequena, mas tão gorda que, espremida entre as coxas, parece fugir delas! Meus negros pentelhos são sempre aparadinhos de forma a expôr a rachinha gorda e saliente.
Raul meu marido é alto e forte, educado, gentil e bom papo. É bonito, bom de cama e possui uma enorme piroca de nada menos que 22 cm, grossa e cabeçuda recebo na minha xoxotinha apertada apesar do colosso que tenho no meio das pernas todas as noites!
Há algum tempo começou a trabalhar no meu setor uma jovem e linda mulher chamada Renata. Aos 20 anos ela mais parece uma gatinha de uns 17 anos, pele muito branca, cabelos ruivos emoldurando seu rostinho mimoso onde se destacam seus olhos claros e uma boca carnuda naturalmente vermelha que leva os homens às mais loucas fantasias! Com 1,66 m e uns 54 kg, Renata tem os seios grandes, mas firmes e redondos daqueles que despertam tesão até em monges! Sua cintura é fina de quadris largos culminando numa bundinha delicadamente redonda e empinada, as coxas grossas espremem uma xoxota grande e super gorda que fica partida ao meio nas minúsculas e justas calcinhas que ela usa! Enfim: Renata é um arraso de mulher, mas não dá a menor bola pra ninguém e por séria e bela, é muito criticada pelas demais mulheres da empresa. Como eu também não sou muito popular entre aquelas fofoqueiras, senti-me solidária a ela e logo nos tornamos amigas de almoçar juntas e freqüentar a academia e a biblioteca da empresa nos horários de almoço. Tudo parecia normal com Renata, mas percebi que ela tinha algum problema em seu casamento, eu ia sacando isso nas suas atitudes e em frase soltas. Até que um dia em que eu contava as proezas que Raul e eu protagonizávamos, vi seus olhos brilhando, os lábios úmidos e uma sobra de tristeza no olhar. Segurei sua mão e perguntei que mal lhe afligia, pois percebia que ela não era totalmente feliz. Então Renata desabafou: disse que estava casada havia dois anos, mas que nos últimos dez meses não sabia mais o que era um pau duro no meio das pernas, que seu marido fora aos poucos se afastando até confessar (e provar) que não conseguia mais ter ereções para penetrá-la! E que por isso, ele também não a tocava mais, não fazia sexo oral, enfim: ela estava subindo pelas paredes! Disse que era difícil resistir às cantadas que recebia, e por isso mesmo se comportava de forma até certo ponto grosseira, justamente para afastar os homens! Deixei-a chorar acariciando seus cabelos e depois comecei a falar. Disse que sentia muito por tudo, que imaginava o que seria isso para uma mulher linda e jovem como ela e depois perguntei se ela não teria coragem de se entregar a outro homem! ela disse que até gostaria, mas todos que se aproximavam dela eram cafajestes e ela tinha medo de se expôr e se machucar, afinal isso poderia se tornar público e seria muito complicado para ela e o marido. Aí perguntei “e se fosse um homem casado, discreto e bom de cama que não te expusesse, que fosse apenas sexo entre vocês”? Renata ficou um pouco em silencio refletindo e depois me perguntou se eu conhecia esse homem. Eu disse que sim: que esse homem se chamava Raul e era o meu marido! Ela quase engoliu a caneta que tinha na mão de espanto gaguejando: “mas... Leidiane, você não se importaria de seu marido comer outra mulher? Emprestaria seu marido para ele me comer? Não acredito, você está dizendo isso pra ver se sou mesmo sua amiga”! rindo, expliquei a ela que eu tinha uma antiga fantasia: ver meu marido metendo em outra mulher, fazendo-a gemer na sua pica como eu gemia! Como deu sinal pra retornarmos ao trabalho tivemos de interromper a conversa, mas durante o expediente vespertino, a toda hora Renata me olhava com um jeitinho sapeca como a comunicar que o que eu dissera havia mexido com ela! quando nos tocávamos no vestiário ao final do expediente ela mostrou o quanto seus seios estavam de bicos duros e a bocetona inchada! “tudo isso é efeito das suas maluquices”, disse! Perguntei se ela não sentia nem um pouco de vontade de gemer na vara de meu marido e olhando para os lados, perguntou como era Raul! Então mostrei-lhe uma foto de meu marido completamente nú com o pauzão em riste e ela mal abafou um gemido, sussurrando: “Nossa, mas que pauzão amiga! E você agüenta tudo isso? realmente ele é lindo e gostoso, mas... será que Raul vai querer me comer”? Eu disse a ela que tinha certeza, mas que ia conversar com ele e lhe daria uma resposta. Mas, que só faria isso se ela de fato estivesse disposta a dar pra ele. Para minha surpresa, tirou uma foto da bolsa e me entregou dizendo: “isso é a prova de que eu topo. Mostre a seu marido e se ele me achar gostosa o suficiente eu dou pra ele na sua frente”! Olhei a foto e estava completamente nua, como era gostosa: seus seios eram tão empinadinhos quanto os de uma menina de 15 anos e a bocetona peluda fazia um lindo contraste com a pele clara! Mas, aí ela disse que não faria isso sem o consentimento de seu marido, que só daria pra Raul se Mauro a liberasse. “ih então vai ser difícil, não é” observei. Ela disse que esperava que não, pois ele mesmo já havia dito que a deixaria dar pra outro se fosse apenas pra resolver a carência de pica dela!
Meu marido babou na foto e nessa noite me fodeu como nunca, chamando-me, com meu consentimento, de Renata! E eu me fazendo passar por ela dizia “me fode gostoso, fode a amiga de sua mulher, mete forte na bocetona da Renata”! gozamos loucamente!
Na segunda-feira dei a Renata a grande noticia: Raul havia me comido chamando-me de Renata e eu me fizera passar por ela! minha amiga abraçou-me quase chorando e disse que seu marido havia concordado desde que pudesse estar presente já que eu estaria! Como eu e Raul somos exibicionista, eu disse que não haveria problema algum, que ela e Mauro marcassem o dia de irem lá em casa. Renatinha trabalhou com ânimo dobrado e ao se despedir de mim beijou-me no canto da boca dizendo: “deixe “nosso” Raul descansar por hoje pois ele precisa estar bem macho pra apagar meu fogo amanhã”!
Na noite combinada nossos amigos chegaram pontualmente em nossa casa: Renata estava deslumbrante e Mauro era um homem muito bonito! Nós duas fizemos as devidas apresentações e fomos todos para a espaçosa sala beber alguma coisa que nos deixasse mais à vontade. Na realidade, Raul estava de pau duro e eu percebia que Renata era desejo só. Enquanto Mauro parecia tenso eu estava na maior expectativa de enfim ver meu macho socar a vara na xoxota de outra fêmea! Aos poucos fomos todos relaxando e embalados pela bebida e as piadas picantes de Raul e Mauro as gargalhadas iam fluindo de forma natural desanuviando o clima. Quando começou tocar uma música lenta Mauro levantou-se e disse à sua mulher: Renatinha porque não dança com nosso amigo? E eu vou dançar com sua esposa, a bela Leidiane disse estendendo-me a mão! Renata levantou-se e puxou meu marido pela mão enquanto seu homem apertava-me em seus braços conduzindo-me de forma elegante e suave pela sala! Ele era ótimo dançarino e nós dançamos duas músicas como se fôssemos um casal: eu enlaçava sua nuca e apertava-me de encontro a si pela cintura! Dei uma olhada e vi que além dos corpos colados, Raul e Renata se beijavam de forma escandalosa e ele acariciava a bundinha da mulher de meu par! Sussurrei em seu ouvido: “olhe sua mulher e meu marido, nem parece que estamos aqui”! Mauro apertou-me ainda mais enquanto sua mulher sentando-se no sofá tirou o enorme cacete de meu marido para fora e começou a chupar aquela pica gigantesca! Então para minha surpresa ele buscou minha boca com a sua e deu-me um beijo delicioso e especial: seus lábios pousaram suaves sobre os meus, depois foram pressionando mais e mais e finalmente a língua abriu minha boca penetrando nela e duelando com a minha língua! Foi um beijo longo, ardente e quando abri os olhos por causa dos gemidos de Renata, vi que esta já estava completamente nua sendo chupava nos seios por meu marido que também nú exibia seu colossal caralho em riste! Antes que ele chegasse na sua bocetona, ela começou a chupar seu pauzão parando vez em quando para pedir “me fode, enfia esse pauzão na minha xoxotona carente”... finalmente Raul deitou Renata no tapete e abrindo suas deliciosas coxas, foi pra cima dela com o cacetão em riste! Aos poucos meu marido foi penetrando a bocetona de Renata que gemia, estremecia e gritava loucamente pedindo: “calma, devagar, ah enfia tudo, mete, me come seu cachorro, fode a amiga de sua mulher, me fode, me faça fêmea nessa piroca descomunal”... “estou metendo gostosa, ah que xoxota apertada e gostosa Renata, ah vou te foder muito”. Renata: “isso me fode, e come, olhe amor como ele enfia até os bagos, Leidiane seu marido esta me fodendo na sua frente, ah me fode na frente deles, me come, me coooome caralho” gritava a gatinha entregue ao prezar que a vara de meu macho lhe proporcionava!
Então para minha agradável surpresa senti o cacete de Mauro ficando mais e mais duro até que ele cochichou em meu ouvido: “consegui, quero te comer Leidiane, quero te foder como seu marido está fodendo minha mulherzinha”! Claro que eu não poderia perder a chance de “curar” o marido de minha amiga e de quebra ainda experimentar outra vara na xoxota! Em dois tempos eu estava completamente nua e molhada como estava, não precisava de preliminares de forma que deitei-me de barriga pra cima esperando Mauro que se despiu e veio pra cima de mim com a vara ereta, nossa, como era grande e grosso! Sem muita cerimônia ele penetrou-me em duas estocadas fazendo-me ver estrelas! Urrando feito uma fera ele começou a me foder com estocadas poderosas enquanto gritava: “eu consegui, vocês me curaram, Renata olhe como estou de pau duro e fodendo uma xoxota, ah Leidiane sinta todo o cacete do marido de sua amiga, ei Raul, pode foder minha mulher porque eu estou comendo a sua, olhem ”...
Renata que levava vara por trás mal acreditou quando viu se marido de pica em riste e me fodendo daquela forma! Cheia de tesão e prazer ela gritou: “fode ela amor, mete a vara na xoxotinha da Leidiane, fode essa cadelinha igual o marido dela fode a minha bocetona, ai amor que delícia te ver fodendo outra mulher enquanto sou comida pelo macho dela”...
Raulcontinuou metendo por trás em Renata e eu era fodida por Mauro na posição de papai-mamãe, Renata tinha razão: era muito bom levar vara de outro homem vendo o marido da gente fodendo a mulher dele! Sentindo um prazer diferente por estar nua embaixo de outro homem eu também entrei na gritaria: “isso Renata, fode com meu marido, sinta a pirocona de meu macho na sua bocetona, mete com ele porque seu marido está me comendo gostoso, ah que pica grossa ele tem, ai amor, veja como o marido de Renata me fode gostoso”... :Raul: “isso amor, dá essa xoxotinha apertado pro porque eu estou fodendo a mulher dele, mete fundo na minha fêmea porque eu estou enfiando até os bagos na sua mulher, estou pegando ela por trás, ah como isso é bom”...
Depois Mauro pediu que eu ficasse de quatro pra ele me foder por trás. Como amo ser dominada de quatro fiz questão de ficar pertinho de Renata que ainda levava vara de meu marido por trás. Então os dois machos ficaram próximos um do outro cada qual fodendo a mulher do outro. Vendo meu marido fodendo outra mulher e ainda levando vara de outro macho eu realizava duplamente minha fantasia e gritava entre gemidos: “ah estou fodendo com outro homem, amor eu estou dando pra outro homem, estou sendo fodida por outro macho, ah como isso é gostoso, Renata, seu marido é muito gostoso”... Renata: Leidiane,o seu marido também tem um pirocão enorme e fode muito gostoso, ah como isso é bom, que delícia é levar vara de outro macho, amor, mete forte na mulher do Raul, come essa safada porque eu estou dando pro marido dela”... Raul: “isso, grita na minha pica, vou gozar nessa bocetona, amor, fode com o Mauro porque eu estou metendo na xoxotona da mulher dele”... Mauro para não ficar para trás: “isso mesmo amor, dá essa bocetona pro Raul enquanto eu como a mulher dele, cara sua mulher é demais, que xoxotinha pequena e apertada, espero que esteja gostando da bocetona da porque eu quero foder sua mulher outras vezes”... Raul: “pode comer amigo, pode foder minha sempre que quiser porque eu quero também foder a Renata outras vezes. Vocês querem foder conosco garotas”? Em coro eu e respondemos: “quereeeeemos, queremos foder com vocês todos os dias”!
Foi quando nossos machos anunciaram que ia gozar. Pedimos que eles gozassem dentro e logo senti os primeiros jatos de pôrra de inundando minha xana. Como ele não gozava havia meses, pareceu uma cachoeira de caldo quente me inundando e com isso eu tive um orgasmo sensacional. Raul e Renata também gozaram juntos!
Caímos no tapete arfando e rindo de tudo que havíamos passado, foi sensacional a experiência a quatro! Renata deitou-se ao lado de meu marido enquanto eu e Mauro ficamos nos tocando próximos a eles. Depois que recuperamos o fôlego fomos os quatro tomar um super banho juntos e lá Raul possuiu Renata por trás com ela encostada à parede enquanto eu fui fodida por Mauro debruçada na pia! Mas era apenas um aperitivo e logo fomos pra cama onde eu chupei o cacetão de Mauro enquanto Renata se esbaldava no pauzão de meu marido! Depois eu subi em cima dele fazendo aquele cacetão entrar em mim até o talo e fiquei cavalgando-o vendo meu marido foder Renata na posição de papai-mamãe. Gemidos e palavras de tesão eram ditas por todos enquanto fodíamos loucamente. Agora Mauro veio por cima de mim e me fodia de frango-assado e Renata cavalgava meu marido, sua bundinha era linda e a bocetona peluda ficava totalmente exposta recebendo o pauzão de meu homem! A pressão que o cacetão de Mauro fazia na minha xoxotinha ao entrar em mim provocava um prazer tão grande que eu passei dos gemidos às expressões verbais: “óh me come, isso me fode meu macho gostoso, óh que pau delicioso, enfia fundo, enfia tudo na Leidiane, ah me fode”... “estou te fodendo gostosa, sinta meu pau até o fim, óh que xoxotinha apertada, caralho estou fodendo uma mulher casada, estou metendo a ripa numa mulher casada da frente do marido dela”... Raul: “isso cara, fode minha mulherzinha porque eu estou fodendo a sua mulher, veja como ela sobe e desce no meu caralho, óh Renata como você é gostosa”... Renata: “me fode, me fode, óh que pica, enfia tudo na Renata, enfia, me fode, me come Raul, fique por cima de mim e me pegue pra valer”...
Raul colocou Renata deitada de lado, virada para nós e penetrando-a fundo passou a foder por trás, aquela bocetona peluda, era extremamente excitante ver sua xoxotona peluda engolindo a enorme piroca de meu marido, isso me dava mais e mais tesão expresso nas palavras que saíam entre gritos e gemidos: “ah me fode Mauro, veja como meu marido mete na sua mulher, faça o mesmo comigo, enfia essa pirocona na minha xoxotinha, veja como seu marido enfia até os bagos a pica na minha xaninha, ah caralho como ele fode gostoso”... “estou vendo sua cadelinha, meu homem está te comendo na minha frente, está fazendo você urrar na sua vara, mete com ele porque estou dando minha bocetona pra seu marido, que delícia foder com o marido da outra não é, me diga que você gosta de foder com meu homem porque estou amando foder com o seu macho”... E nessa gritaria toda, eles acabaram gozando em nossas xoxotas ao mesmo tempo em que gozávamos também!
Depois daquela noite memorável Mauro ficou totalmente curado, agora ele tem pique pra foder Renata todas as noites e ainda me comer pelo menos uma vez por semana! Renata também está mais do que feliz, pois além da pica do marido, ela também recebe na xoxota a vara de Raul a hora que quiser. Combinamos que haveria inteira liberdade entre nós quatro: eu posso dar pra Mauro a hora que quiser, estando Renata ou Raul presentes ou não. Renata também pode foder com meu marido nas mesmas circunstâncias. Também podemos, Renata e eu, juntas, foder com Mauro ou Raul. Foi dessa forma que ambos já fizeram DP em mim e em Renata! E é claro, fazemos muito o quê mais gostamos: os quatro juntos cada um fodendo a mulher do outro! Esta é a vida que vivemos hoje, de prazer e sem ciúmes entre os dois casais!

Realizando nossa fantasia

Eu Joana sempre tive a fantasia de transar com outro homem tendo meu marido Guilherme como espectador.Depois de algum tempo ele concordou e disse-me que também era sua fantasia.Sábado passado aconteceu o que desejávamos.Avisei ao filho da minha vizinha, para o qual eu dava aula,que meu marido havia viajado e só chegaria de noite,assim estava esperando-o lá pelas 15:00 horas em determinado endereço.Meu marido pediu a um seu amigo que lhe emprestasse o apartamento .Logo depois do almoço fomos para lá e fiquei boquiaberta com a estrutura do local.Em frente a cama de casal existia um espelho imenso que cobria toda a parede ,perguntei o porquê daquilo e fui levada ao quarto de empregada.

Quando entrei comecei a ficar muito excitada,dali se via toda a cama de casal e se escutava tudo o que se falava lá dentro,minha calcinha ficou molhadinha na hora só de pensar no que ia acontecer. Na hora marcada o menino chegou,estava que não me aguentava ,mas segurei as pontas e começamos a brincar.Ele me deixou só de calcinha e me beijou toda,tirei sua roupa e cai de boca. A cada minuto ficava mais louca por saber que meu marido assistia tudo.Já não aguentando mais começamos a transar , quando estava todo dentro de mim,cruzei as pernas em volta de sua barriga de modo que o Guilherme pudesse ver aquele pau gostoso entrar e sair de minha bucetinha.Não demorou muito e comecei a gozar e o meu amante aumentava mais o ritmo ,tive vários gozos seguidos ,cheguei a ficar tonta,quando ele também gozou.

Ficamos abraçadinhos e ele dentro de mim,após algum tempo começamos a nos beijar ,isto é ,estava fazendo com ele o que fazia em casa. Levantei-me a pretexto de beber água e fui até o quarto de empregada, meu marido me agarrou e me beijou feito um louco querendo me comer de qualquer jeito,pedi para ter calma,pois queria deixá-lo com mais tesão e aí sim eu seria dele.Voltei e parti para a segunda parte do plano,fiquei de costas e pedi ao garoto que me desse um abraço.Ele nem pestanejou e logo me agarrou,seu pau endureceu e ele pediu para comer meu bumbum,fiz um pouco charme ,mas acabei deixando.

Meu marido sempre come minha bunda e eu adoro sexo anal,fiquei de quatro e o garoto mandou ver.Enquanto era enrabada ,tocava uma siririca e pensava naquilo que o Guilherme via,em pouco tempo meu cuzinho ficou cheio de esperma e gozei muito.Depois desta enrabada despachei o garoto,neste momento fui levada para cama e meu marido literalmente me estuprou na frente e atrás,nunca o vi com tanto tesão. Combinamos que iremos repetir esta fantasia e eu também quero vê-lo,através do espelho, transar com outra mulher.

 

 

Realizando um Casal que se Ama

Amigos, eu(castanho claro, 1,77 de altura, 80kgs. Dote de 19cm de comprimento e 6cm de diâmetro), estava casado, e trabalhava e minha esposa tomava conta de casa. Certo dia ela começou a fazer academia, e fez amizade com outra garota um pouco mais velha que ela deveria ter uns 28 anos (morena, cabelos longos cacheados olhos castanhos gostosa). (minha esposa 23anos).

Passados uns dois meses minha esposa convidou a amiga e seu marido para almoçarem num domingo com a gente, foi um encontro normal, depois noutra oportunidade almoçamos na casa dele, e logo já estávamos todos familiarizados, num sábado a tarde ficamos jogando caxeta, e comecei a sentir alguém encostando em minhas pernas por baixo da mesa, achei normal, mas aquilo continuou e eu discretamente dei um jeito de ver quem era, para minha surpresa era a nossa amiga, e ela percebeu continuou falando só que me encarou, eu dei um sorrido discreto, e continuei curtindo aquele assedio gostoso sem
que nossos pares percebessem, e depois desse dia várias outras oportunidades aconteceu a mesma coisa, até que chegou final de ano e combinamos de passar o reveion em minha casa, eles vieram, e La pelas 21 hs nossa amiga disse que tinha esquecido sua maquina fotográfica na sua casa e ela queria porque queria tirar umas fotos, como eles estavam sem carro, eu ofereci para eles irem com o meu, mas ela disse que seu marido não gostava de dirigir o carro dos outros, como minha esposa estava terminando os preparativos eu disse que iria com ela, e fomos sozinhos pois o marido dela ficou fazendo companhia para a minha esposa.

Fomos conversando normalmente quando chegamos em frente a casa dela ela pôs a mão sobre meu joelho e acariciou, eu fui para cima dela e comecei a beijá-la nossa que delicia, fazia muito tempo que eu não saia com outra mulher, após algum tempo de amassos, entramos na casa dela ai eu não conseguia me comportar mais, eu a agarrava
levantava sua blusa chupava seus seios, puxava sua saia, acariciava sua bocetinha deliciosa, e aquele clima todo a deixou molhadinha de tesão. Mas acabamos ponderando que os dois estavam nos esperando e não deveríamos levantar suspeitas, então voltamos e daí a noite foi só flerte. No dia seguinte fomos a casa deles almoçar e tomarmos caipirinha tomar sol, e ela estava La safada deitada sobre uma toalha com a bundinha pra cima, e pouco depois que eu cheguei ela pediu para eu passar protetor nela, meio sem graça (minha esposa e o marido dela estavam ali), passei com muito tesão, mas fui discreto, mas não excitei em passar na sua deliciosa bundinha também, que delicia. Passou dois meses acabei me separando de minha esposa por outros motivos (minha vida de casado já não ia bem fazia tempo), e eles passarão a ser meus amigos de verdade, continuei a freqüentar a casa deles, só que agora tinha muito mais liberdade, sempre tomávamos cerveja e
caipirinha juntos e quando ela me pedia para passar protetor, eu nem excitava mais, passava e demorava bastante em sua bundinha e quando ela ficava de frente dava um jeitinho para acariciar seus peitinhos e discretamente apalpar sua bocetinha. Num desses dias o marido dela alegou que iria ao mercado mas que eu ficasse e fizesse companhia a ela enquanto isso.

Logo que ficamos sozinhos, eu corri comecei a abraçá-la, beijar ficamos no maior dos amassos, quando falei para ela de seu marido que poderia retornar, ela me disse assim “Que se dane, ele sempre fala de eu arrumar um amante, então agora eu quero vc se ele não gostar problema dele”, fiquei meio sem saber direito o que fazer, mas continuamos no maior sarro tirei meu pau pra fora pincelava em sua bocetinha enquanto nos beijávamos ficamos no maior amasso, até que ouvi o barulho do carro dele, então me recompus, e fui abrir a porta para ele. Durante a semana liguei para ela e ela falou para
eu ir na casa dela quarta feira que ele iria viajar e retornaria no dia seguinte. Fui cheguei no maior tesão, começamos na sala, nos beijando acariciando nos chupando, fiz ela sentar no braço do sofá levantei sua saia até a cintura, puxei sua calcinha De ladinho e comecei a pincelar meu pau nela nossa que delicia de mulher, quando senti meu pau molhadinho pelo tesão dela, então soquei meu pau de vez até o fundo da bocetinha, e comecei um vai e vem bem profundo fazendo ela gemer gostoso, e dizia pra ela “tava querendo levar pau então toma, vou te comer todinha” e ela gemia gostoso enquanto eu chupava seus peitinhos ao mesmo tempo que socava firme e bem fundo, depois a virei de quatro no sofá e segurei firme em sua cintura socando firme ela gemia gostoso, quando eu falei que iria gozar, ela falou para não gozar dentro porque não tomava pílula, então tirei e gozei sobre seus peitos e rosto, e espalhei tudo deixando-a todinha lambuzada, e eu a abraçava gostoso beijava ela assim mesmo foi delicioso.

Esta noite acabei dormindo na casa dela abraçadinhos de madrugada acordei com ela mamando gostoso meu pau, fiquei doido, e ela veio por cima de mim me cavalgando gostoso, gozou como uma doida novamente quando fui gozar, avisei ela saiu rapidinho abocanhou meu pau e ficou mamando até eu terminar de gozar, ai veio com carinha de safadinha veio pertinho de mim, falou que estava adorando, então acabei beijando-a e senti o gosto de porra na boca dela, e pela manha antes de ir trabalhar novamente demos uma gostosa trepada agora papai e mamãe, com calma muitos beijos caricias bem devagar e novamente acabei gozando na sua boquinha.
Quando estava indo embora ela disse que iria contar para o marido dela assim que ele chegasse, nem iria tomar banho para ele sentir o cheiro no corpo dela. Confesso que fiquei no maior medo imaginando a reação dele pois ela falou com determinação.

No sábado seguinte ele me ligou para ir a tarde na casa deles para tomarmos uma cerveja, e claro aceitei na hora, cheguei meio sem graça não sabia se ela havia contado mesmo pra ele ou não, na primeira vez que ele foi ao banheiro perguntei para ela se ela realmente havia falado para ele, e ela confirmou que sim e que ele tinha adorado.

Quando ele retornou do banheiro, convidou-nos para assistirmos um filme, então fomos para a sala, enquanto ele arrumava o DVD, ela buscou um lençol e um colchonete esticou no meio da sala e se deitou, ele deitou ao lado dela, e eu fiquei ali sem saber o que fazer, então ela me chamou para deitar também ao lado dela, me acomodei e os dois começaram a se acariciar ele a beijava, passava as mãos em suas coxas, me deixando com tesão de ver os dois ali, e ele fazia questão de dizer que a amava muito, então ela esticou a mão até onde eu estava e começou a me acariciar eu fiquei imóvel sem saber o que fazer, logo ele me perguntou “ela é um tesão você não acha?” eu respondi de imediato que sim, ela começou a me acariciar e eu com o maior tesão mas ao mesmo tempo com receio pelo marido dela estar ali ao nosso lado, por fim o tesão começou a falar mais alto, e comecei a acariciá-la também, até que num determinado momento fui acariciar
sua bocetinha e ele estava com a Mao La, fiquei super sem graça e ele me disse aproveita que hoje ela esta deliciosa, ai me liberei geral, comecei a beijá-la tirei meu short, seu biquíni e começamos a maior farra, primeiro a comi de papai e mamãe, depois a peguei de ladinho, enquanto ela chupava o pau do marido, ai pedi para ela ficar de quatro a segurei firme na cintura socava bem fundo e ao mesmo tempo ela continuou a chupar o maridão, ficamos assim a tarde toda assim metendo gostoso com ela revezando hora ela me chupava e ele metia hora eu metia ela o chupava, sempre que eu ia gozar eu a avisava.

Acabei me tornando amante dela, sempre que ele tinha que viajar eu dormia na casa deles e claro metiamos como loucos a noite toda, e por vezes ele ligava para ouvi-la gemendo gostoso no meu pau e nos finais de semana passe a ser assíduo freqüentador da casa deles, e depois de mais ou menos um mês que conquistei essa liberdade toda com eles, num domingo a tarde disse pra ela que estava louco para comer seu cuzinho, ela suspirou e disse que se eu fosse bonzinho daria para mim, e claro me comportei, e a tardezinha, ela estava prontinha após metermos bastante ela ficou de quatro e me disse, já que vc se comportou direitinho agora vai ganhar seu premio, mandou o maridão passar KY no seu cuzinho, peguei um pouquinho passei no meu pau e comecei a pincelar no seu cuzinho e acariciar com meus dedos, fazendo caricias hora com um depois dois dedos, meu dedão até que senti que estava preparado, então encostei a cabeça do meu pau e fui forçando ele foi
rasgando tudo, ela gemia pedia pra ir devagar que estava doendo, eu parava mas não recuava, eu estava no maior tesão, quando sentia que ela relaxava eu voltava a socar novamente até sentir meus pentelhos batendo na porta de sua bocetinha segurei firme mandei ela apertar meu pau com seu cuzinho e ela o fez, ai comecei o vai e vem gostoso tirando até deixar apenas a cabeça e voltava a meter tudo novamente, e a cada metida era um suspiro dela que tarde deliciosa, após um bom tempo tirei meu pau sem ter gozado ainda e ela quis sentar no pau do maridão e deixar ele comer sua bocetinha, então disse pra ela sentar no pau dele e arrebitar bem a bundinha para mim que iríamos fazer uma DP nela, ela se acomodou e arrebitou bem a bundinha então me cheguei e fui metendo estava mais apertado mas não causava dor pois já estava laceado apenas mais apertado pelo fato do pau do marido estar ali ao lado na bocetinha dela, que delicia aquele vai e vem não tem
coisa mais gostosa do que dar prazer a uma mulher fogosa, eu estava quase gozando ela pediu para segurar mais um pouco que ela iria gozar também, e o marido dela avisou que também estava no ponto, ela se esforçou mais um pouco e falou vai podem gozar, e começou a gemer gostoso e nos dois começamos a esporear quase ao mesmo tempo um na bocetinha outro no cuzinho dela, que delicia, quando terminamos ela estava literalmente molhada de tanta porra, acabamos adormecendo assim um de cada lado ela nomeio cheia de porra.

Tivemos ótimos momentos juntos fomos amantes por 3 anos, tivemos varias historias juntos que posso contar-lhes depois. E assim passei a me relacionar com casais casados iniciando-os ou saindo com aqueles já experientes.
Espero que tenham gostado de como tudo aconteceu.

Sou o Sandro meu email: Sandro_garcia@yahoo.com.br


Como Apimentar o Relacionamento

Meu nome é Joana e na última vez escrevi sobre uma experiência que mudou a minha vida sexual .Outro dia estava na praia com minha vizinha ,que havia se mudado há pouco tempo para o condomínio, jogando conversa fora quando ela perguntou se eu não poderia dar umas aulas particulares,,já que eu era professora universitária,para seu filho.Tentei mas não consegui que ela desistisse pois estava com pouco tempo,todavia ela implorou e não tive como sair fora.Marquei para segunda-feira às 20:45 h ,pois meu marido viajaria e eu teria um tempo .de folga.Na hora marcada o garoto chegou,na realidade era um homem muito bonito,moreno,forte ,um tesão.

Como estava em casa,vestia uma blusa sem manga de tecido bem fino, uma micro saia e uma mini calcinha completamente transparente.Conversamos sobre suas dificuldades,quando seriam as próximas provas,estabelecemos um calendário de aulas e ficamos batendo papo.O menino estava sentado de frente para mim ,mas do outro lado da mesa.Não tirava os olhos de meus seios,disse-me que já havia me visto na praia com meu marido e que este era um homem de muita sorte,por ter uma mulher tão bonita quanto eu.Aquilo me acendeu e resolvi brincar um pouco com ele.Disse-lhe que meu treinamento seria com base em resultados,isto é,estabeleceríamos uma nota que deveria ser tirada em cada prova,se fosse abaixo ele me pagaria uma multa ,se fosse acima eu pagaria.

A nota base seria 9 (nove ),ele topou na hora e já queria definir a multa,disse-lhe que esperasse chegar o momento,não fosse afoito.Enquanto conversávamos encolhi as pernas e coloquei os dois pés em cima da cadeira de modo que minha saia não cobrisse mais nada .Sem que ele notasse deixei cair em baixo da mesa um lápis ,ele logo se prontificou a apanhar.Quando conseguiu apanhar e se levantou,parecia que tinha visto algo do outro mundo,o garoto gaguejava.Disfarcei e combinei com ele para começarmos as aulas no outro dia,abraçamo-nos na despedida com beijinhos no rosto e senti sua excitação no meio das minhas coxas.Liguei para meu marido contando o ocorrido,ele delirou e disse-me que continuasse pois logo,logo estaria de volta.Fui para cama e toquei uma siririca imaginando que estava sendo comida pelo garoto e meu marido assistia a tudo.Durante a semana as aulas começaram,lápis caíram debaixo da mesa,foram apanhados pelo garoto e a intimidade cresceu de forma exponencial.

Na sexta-feira na hora da despedida estávamos abraçados eu de bermuda bem larga e sem calcinha,ele também de bermuda e sem cueca com o pau encaixado entre minhas coxas,quando ele disse que me faria uma proposta,caso ele tirasse 10 na prova do dia seguinte eu transaria com ele.Eu ainda não tinha dado para ele ,pois meu marido pediu para esperar pois queria ver,respondi que iria pensar e nos beijamos na boca.Depois que ele foi embora fui direto para meu quarto e me acabei de tanto gozar.

O resultado da tal prova só sairá nos próximos dias,mas já avisei ao meu marido que,independente da nota escolar,eu transarei com o menino a semana que vem em nossa cama e quero que ele veja a sua mulherzinha ser comida por outro homem.

O aluno e sua esposa

Fui indicado ao Sr. Otávio por um ex-aluno, para ministrar aulas de informática a domicílio, de imediato fui contratado. Sr. Otávio era um executivo com anos de idade, grisalho, alto e forte, muito educado. Com o decorrer das aulas, Sr. Otávio e eu ficamos amigos, e já conversávamos sobre variados assuntos. Em certa aula, ele chegou, sentou-se ao meu lado e constantemente levava a mão ao saco para coça-lo, em uma destas vezes disse:
- Acho que machuquei o saco jogando futebol, mas onde sinto a dor não vejo, você poderia observar para ver se realmente machucou, seria um grande favor?
Disse, e foi tirando o calção, notei que estava sem cueca, mesmo mole pude notar que seu pau era grande e grosso, ele levantou o saco e caminhou em minha direção, colocando-o em frente a minha cara. Estava tão próximo que pude sentir o cheiro do seu pau.
- Não vejo nada, parece que tudo está bem, Sr. Otávio.
- Somente assim não dá para saber, passa a mão aqui e vê se encontra algum caroço.
Antes que eu dissesse alguma coisa, ele pegou minha mão e levou até seu saco. Estava muito quente, e imediatamente após eu ter tocado em seu saco, seu pau cresceu assustadoramente, era realmente enorme e muito grosso, cheio de veias salientes e uma cabeça rosada e gorda, neste momento seu enorme pau ficou a altura da minha boca, olhei para o Sr. Otávio, ele deu um sorriso sacana e disse:
- Acho que ele gostou de você, a dor está até sumindo, continua passando a mão minha criança, não tenha medo...meu sexto sentido me diz que vc tem muita curiosidade e vontade de examinar uma pica de verdade pricipalmente com esse calibre...e foi forçando e insistindo para eu segurá-la...Tentei tirar a mão, mas ele a segurou fortemente, passando-a por todo seu cacete e disse:
- Ajuda seu amigo, ninguém vai saber de nada, me faz gozar gostoso com uma punheta que eu deixo você comer minha esposa, ela está doida para te dar.
Marina é o nome da esposa do Sr. Otávio era uma loira irresistível, coroa malhada, bunda empina e seios durinhos, não resisti a oferta, peguei em seu cacete e comecei a punheta-lo lentamente e pela expressão no rosto de seu Otávio, ele estava adorando, em dado momento ele segura minha cabeça e começa a levar em direção ao seu pau. Recuo e desisto da idéia toda, foi quando sua mulher saiu de dentro do armário com uma câmara de vídeo dizendo:
- Filmei você batendo punheta para o meu marido e divulgarei este filme para todos os teus amigos e conhecidos caso você não nos obedeça, fui bem clara?
Pensei rapidamente e concluir que não tinha saída eu acabava de entrar em uma roubada.... fiquei apavorado e comecei a obedecer naquele exato momento a primeira ordem de Marina:
- Chupa bem gostoso...assim enfia todinho na boca...lambe as bolas...vai subindo até a cabeça...passa a língua lentamente...e começa tudo de novo...e depois que chupar bastante o pau do meu marido vem lamber a minha boceta...

E não parava de filmar...eu estava mesmo encrecado...aí comecei a gostar da sacanagem e fui me soltado...ele enfiou o pau na minha boca, mal cabia de tão grosso, começou a foder minha boca como se fosse uma boceta, entrava fundo e retirava novamente para depois recolocar tudo de uma só vez, quando enfiava segurava minha cabeça na tentativa de enfiar até minha garganta, me engasgava e eles riam. Sua mulher, tentava enfiar o dedo em minha boca junto com o pau do marido, batia em minha cara e mandava eu chupar direito, eu babava muito naquele pau. Ela tirou toda a roupa dela, do marido e a minha, pegava a baba da minha boca e passava em minha bunda dizendo:
- Rebola na minha mão putinha safada, abre mais esta bunda pra mim brincar com seu cuzinho.
Pensei em sair fora, mas me lembrei da fita, e então abri mais as pernas para que Marina ficasse a vontade com meu cuzinho. Minha bunda já estava muito melada e sentia o dedo dela tentar entrar em meu cuzinho. Ela segurou meu pau, batia uma punheta com uma mão e com a outra forçava a entrada em meu rabo....que cuzinho apertadinho...será que vai caber o pau do meu marido...nisso Seu Otávio começou a gemer mais alto dizendo que ia gozar, tentei tirar o pau da boca, mas ele segurou minha cabeça impedindo e começou a encher minha boca de porra, no momento em que seu Otávio esguichou o primeiro jato de porra em minha boca, Marina enfiou todo o dedo em meu cú, meu grito foi sufocado pela porra que já vazava pelos cantos da boca, seu Otávio não parava de gozar e Marina aproveitava e fodia meu cú sem dó, já enfiava e tirava dois dedos, enquanto continuava a me punhetar...tá gostando de ser transformada em uma putinha minha fofa...toma...no cú sua cadelinha safada...isso vagabunda...hoje vc será nossa mulher...de qualquer jeito....e enfiava e tirava a essa altura eu não tinha ideia de quantos dedos ela estava atolando no meu cú...
Marina me mandou deitar no chão, sentou encima da minha cara e me mandou chupa-la enquanto rebolava como louca, sentava em minha cara, me tirando o fôlego e melando todo o meu rosto, ela batia em minha cara e enfiava os dedos em minha boca, esfregava seu cuzinho em minha boca, enquanto isto seu Otávio enfiava o dedo em meu cú com algum gel pois eu sentia algo geladinho...e enfiava seu dedão e mexia com forçar eu estava adorando e aprendendo a ser uma puta de verdade....
- Vai Márcia senta na cara dessa putinha, deixa esse viadinho sem fôlego, sufoca o grito dele que eu vou arrombar o seu cuzinho, agora.
Márcia abriu bem a boceta e sentou forte em meu rosto, me imobilizando, seu Otávio aproveitou e enfiou a cabeça do cacete em meu rabo...eu me contorcir de dor...remexia e gemia de dor, mas não dava para gritar, ele parou um pouco, Marina se levantou, me beijou a boca, segurou minha cabeça e começou a esfregar a boceta em minha cara novamente, seu Otávio começou a arrombar o meu cú, foi enfiando lentamente e estourando todas as minha pregas...toma vagaba...é isso que vc queria e não sabia...toma mais....vou enfiar tudo até o talo...issso minha bichinha...uii...ai...hummmm....aiii...tá doendo...deixa eu respirar...nisso a Marina ordenou Vai, meu amor, arromba o rabo dele, enfia tudo, até o saco, faz ele virar uma mulher de verdade e virar nossa putinha. Esfola o cú dele com seu pauzão. Dizia Marina eufórica observando meu defloramento, enquanto gozava em minha boca.
Seu Otávio enfiou até eu sentir seu saco encostar em minha bunda, era inacreditável que seu enorme cacete estivesse todo dentro de mim. Ele começou um foder-me com força enquanto Márcia me chupava.
- Putinha safada, sua vadia, agora você vai trepar conosco sempre que desejarmos, eu minha mulher vamos te comer sempre e quando ela quiser te dar, só então você vai comer. Vai mexe... essa bundinha...rebola sua priranha...viadinho delicioso...te prepara que eu vou te engravidar agora...vou encher essa sua bunda de porra...vc vai seintir meu leitinho quente... te prepara que eu vou gozar.
Seu Otávio gozou dentro de meu cuzinho, continuou socando por bom tempo e depois saiu, ainda de pau duro socou na boceta da mulher que estava de quatro, me mandou ficar em baixo e chupar os dois, ele se abaixaram um pouco e eu lambia seu pau que entrava e saia da boceta melada de Marina, chupava ela recebendo todo seu mel em minha boca, seu Otávio tirava o pau da boceta dela, ela sentava em minha boca e eu engolia muito de seu líquido, seu Otávio enfiava o pau na minha boca e depois enfiava novamente na bocetona de Marina. Ficaram nisto bom tempo, até que gozaram, seu Otávio saiu de Marina que me pediu para limpa-la toda com a língua, o que fiz com o maior tesão, lambi bastante aquela bocetona toda fodida e gozada.
- Agora é sua vez de gozar, vem me foder meu gostoso.
Comi Márcia de todas as maneiras e gozei delirantemente com seu dedo enfiado em meu cuzinho. Sempre que seu Otávio e Márcia me chamam vou correndo satisfaze-los e me satisfazer. Abraços

Bem

benjamimmaiadias@yahoo.com.br

Joana e Guilherme - o casal

Meu nome é Joana e meu marido se chama Guilherme.Resolvi lhe enviar esta história que é muito sacana.Toda vez que transávamos ele perguntava se eu não tinha vontade de ir para cama com outro .Reagia negativamente dizendo que ele não gostava mais de mim .Um dia cheguei em casa depois do serviço muito irritada com o que havia acontecido comigo.Contei que ao experimentar um sapato que iria comprar, o vendedor,um garoto,virou minha perna de modo minhas coxas ficaram totalmente a mostra e por conseguinte minha calcinha,pois uso saias muito curtas.Falei que sai com raiva da loja e nem comprei o sapato,ele começou a tirar minha roupa e me beijar ,ficou nu e começamos a transar.

Me perguntou se eu não tinha ficado excitada e respondi que não,perguntou de novo e respondi que havia ficado um pouquinho e que minha calcinha ficou molhada e eu não queria isso.Ele então disse uma coisa que mudou para melhor nosso relacionamento,falou que no outro dia eu voltaria até a loja ,procuraria o mesmo vendedor para experimentar um sapato,só que eu usaria uma calcinha transparente e ele estaria lá para me ver fazer isso.Meu tesão foi a mil e gozei feito uma louca.Antes de continuar quero dizer que sou uma mulher de coxas grossas e uma bunda que deixa os homens loucos e minhas calcinhas por serem bem pequenas deixam meus pelinhos saírem pelos lados.Ao chegar na loja no outro dia estava molhadinha,meu marido se colocou estrategicamente de modo que visse tudo.

O garoto trouxe vários pares de sapatos e comecei a experimentar,não ofereci a menor resistência de modo que ele pudesse ver tudo.Já no segundo par de sapatos notei um volume imenso debaixo da calça do menino e eu não aguentei mais de tanto tesão , queria ser comida de todas as maneiras.percebendo isso meu marido fez um sinal ,paguei o sapato , me encontrei com ele fora da loja e fomos para um motel ali perto.Começamos a transar e perdi completamente o controle, pedi que ele me deixasse ser comida por outro homem,mas com uma condição,que ele ficasse escondido e assistisse tudo,pois a minha fantasia era essa.Ele aceitou na hora e em pouco tempo realizaremos nosso desejo.

 

A amiga de minha esposa

Meu nome e Marcos tenho 25 anos, sou casado com uma mulher muito gostosa e muito fogosa chamada Katia, Katia tem 40 anos e adora foder. Trabalho numa empresa de consultoria posso almoçar todos os dias em casa, minha esposa Katia tambem, A katia minha esposa tinha uma amiga que vou chamar de Lorena(nome ficticio) muitas vezes cheguei em casa e la estava a Lorena(l,70, loira e muita sintatica) sempre sorrindo e muito prestativa, um dia Katia me contou que a Lorena vivia perguntando como era a nossa vida sexual devido a diferença de idade, Minha casa parecia a casa de um adolescente, com revistas e dvds de sexo em varios lugares...

Minha esposa me disse que falou abertamente a Katia que faziamos de tudo na cama, e ela espantada lhe perguntou: ate anal? E so repondeu : e claro o Marcos e maluco pelo meu cuzinho, e se eu deixar ele come todo dia, ela me disse que a amiga ficou espantada pois o marido nunca tinha nem tentado colocar o dedo no cuzinho dela, bem a vida continuava eu comia a katia e dava umas escapadas para a casa da tata pois não podia deixar de foder o cu da linda colega de trabalho, ate que um dia falei pra katia comprar umas calcinhas novas, e ela convidou a lorena para ir com ela e me disse que havia dado um conjunto de lingerie para a lorena e a convidou para almoçar conosco no dia seguinte e pediu para ela estivesse usando o conjunto.

Chequei para almoçar e la estavam as duas a conversar, quando entrei a lorena se calou e abaixou a cabeça, comprimentei as duas e ouvi um monte da katia pois estava atrasado, começamos a almoçar e conversa vai minha esposa disse que estava um pouco indisposta e que iria tomar algo e já voltava, mas eu sabia que era uma jogada dela para que eu ficasse sozinho com a lorena, puxei assunto e comentei sobre diversas coisas ate que perguntei a ela se tinho gostado do presente que a katia tinha lhe dado e a minha surpresa foi ela dizer quer ver? Prontamente lhe respondi que sim e ela começou a se despir e fiquei louco com o que vi um conjunto de borboletinha que tampava so a bucetinha logo me levantei e me aprossimei e comecei a beija-la metendo a mão por dentro da calcinha e pude sentir uma bucetinha de pelos ralinhos, abaixei-me e fui lhe tirando a calcinha a virei de costas e pude ver aquele rabo gostoso, comecei a beijar e abrir a sua bunda e pude ver aquele cuzinho virgem, começei a lamber e enfiar a lingua bem no centro e lorena começou a rebolar e gemer, falando que estava bom ate que pediu ahhh marcos come o meu cu!

Coloquei ela de quatro peguei a camisinha e comecei a pincelar o botãozinho virgem, fui colocando bem devagar e lorena gemendo quando para a minha surpresa aparece a katia e fala: aguenta amiga que já entrou a metade e veio e me beijou quando entrou tudo lorena respirou e disse que era pra eu ir devagar, comecei de leve e logo ela pediu para aumentar o ritimo e comecei a bombar cada vez mais rapido, Katia olhava e se masturbava era uma coisa linda de ver coloquei a lorena para cavalgar e comecei a chupar a katia, lorena levou a mão na buceta e começou a gritar que dar o cu era muito bom e que queria levar sempre, katia gozou em minha boca, comecei a bombar rapido e tirei do cu da lorena e enchi as costas dela de porra, minha esposa começou a espalhar e lamber tudinho, depois de um breve descanço emrrabei tambem a minha limda esposa pois ela merecia por ter me dado o cu virgem da sua amiga... essa e so uma das muitas historias que passamos juntos pois lorena se tornou a nossa amante, mas isto é uma outra historia.

 
 

Enrabado pela noiva e seu primo

Minha gente ! Quero relatar aqui a experiência que minha nova noiva me proporcionou. Sempre fiquei excitado em usar calcinhas, roupinhas, sandalinhas, etc...e virar uma menina sapeca... isso aconteceu  com minha noiva anterior que eu já relatei aqui...Mas temiminamos....Ai comecei a nomorar a Lígia, uma mulher maravilhosa, super sensual, linda e inteligente,  depois de um ano de namoro ficamos noivos, passei a confiar nela e contar todas as minhas taras , pois ela é uma mulher de mente aberta...inclusive tomei coragem e contei minha aventura com minha noiva anterior que ficava muito excitada em me transformar em uma putinha..Ela ria e contava tb suas aventuras amorosas . Certa vez estávamos num arreto gostoso , nossas mãos percorrendo o corpo , um do outro , e o tesão aumentando....De repente , enquanto ela me fazia um oral delicioso , senti seus dedos roçarem no meu cuzinho , fiquei com mais tesão ainta , mas depois fui tendo uma recaida e as lembraças deliciosas de ser comido por uma linda mulher aflorou dentro de mim e senti um tesão incrível . Ela percebeu e falou...gostou né seu viadinho...eu sabia que vc estava doidinho para eu comer esse seu cuzinho..e começou a me penetrar com seus dedos e senti uma deliciosa sensação de prazer , meu pau ficou duríssimo e acabei gozando na boquinha da minha noiva que bebeu tudo , se deliciando com a minha porra . Depois deste episódio , conversamos , rimos muito e ela me disse que ficou maluquinha ao me penetrar e me ver como eu fiquei excitado com a sua iniciativa .Mas a grande surpresa ainda estava por vir...Num belo final de semana , Ligia veio em minha casa , estava com um ar de excitação que era fácil de notar ,com uma caixa enorme embrulhada em papel de presente... e então me contou que tinha um surpresa para mim e me deu o pacote...abra meu amor...abri imediatamente e lá estava um "kit menina moça"

uma mini-saia jens, meia-calça preta, uma tanguinha vermelha de rendinha, sutiãzinho tb vermelho e uma businha azul...uma sandália salto alto lindissima....vá para o seu quarto e vista tudinho, eu não tenho pressa...Adorei mas figir que ela exagerou e estava levando muito a sério essa brincadeira...Depois de algum tempo voltei como uma verdadeira menina deliciosamente linda.... encontrei minha noiva vestida uma cinta com um belo pênis , enorme , e perfeito como se fosse uma  pica de verdade que coisa mais linda... que delícia!!!!! Ligia  tb tomou um susto...Nossa!! Vc está uma gatinha...vc ficou d+ como uma verdadeira mulher eu nem tinha notado que vc tem um corpinho feminino...e que bundinha safada..., Vem cá minha putinha...mostre tudo que vc aprendeu com sua noiva anterior e ordenou que eu ficasse de quatro e fosse engatinhando até ela e chupasse seu pau , obedeci com uma alegria e um tesão incontrolável... coloquei na minha boca e fiz um oral que nem uma vadia faz ...cara é inacreditavel o seu talento...vc é mestre em tratar uma pica...isso minha puta...assim...chupa..., minha noiva ficou excitada ao me ver chupando o consolo não agüentou e veio por trás de mim . Senti o dedo de Ligia passando no meu cuzinho, nossa..que delicia...tá molhadinho...e piscando....ele tá pedido pica...ela começou  lambuzando com um creme que ela comprou .

Ligia então me falou :
- Agora vc vai ser minha putinha....vc é meu....vc quer virar uma mulher de verdade...quer ou não quer...fale...responda dengosa..como uma menina de programa...Mal posso descrever o tesão que senti quando ouvi suas palavras , ela começou a me penetrar com seu dedo...nossa viadinho...seu cuzinho está piscando forte....está mordendo o meu dedinho...isso abra esse cu para sua noivinha...e foi lubrificando...relaxe minha menina...que eu vou dar o que vc quer...logo senti consolo  entrando devagarinho....tá gostando minha gata...tá machucando...vc quer que eu te machuque....ou vc quer com bastante carinho.. e foi enfiando tudo em meu cuzinho que doía , mas que me fazia  sentir um gatinha sedenta por uma pica ,  eu rebolava , fazia os movimentos de uma verdadeira profissional do sexo, sentia aquele pau me invadindo com tesão descomunal , isso safada...já entrou a cabecinha tá sentindo...tá gostando....relaxa essa bundinha para aceitar todo o meu cacete vai.. e foi enfiando...isso meu corninho viadinho...já entrou a metade...nossa esse seu cuzinho está parecendo uma boceta faminta....eu quase não faço força...ele é que está engolindo o meu caralho...e pentrou tudinho...tá vendo sua cadelinha já entrou tudo  e vc ainda quer mais....toma viadinho safado...corninho e puta....eu começei a gemer...não dava para segurar....Filha de uma puta...vc nasceu para ser mulher....tinha que namorar um homem.... um homem caralhudo...  assuma....é ou não é... fale   sua vagabuda safada...e não parava de bombar... eu estava sem voz...só sabia gemer e rebolar...logo depois Ligia me pediu para ficar posição de franguinho assado, assim minha linda...agora meu pau vai mais fundo... e começou a foder meu cuzinho novamente... isso piranha...solte a puta que vc tem inrrustida.... isso...geme como uma mulherzinha....rebole amor...vai....toma no cu....tá sentindo meu pau catucar...o fundo da sua grutinha de piranha...toma...toma safada...tá uma delicia... estou me sentindo poderosa comendo vc como uma menina bem puta uma  vagabudinha safada que vc é,  e catucava com força...que me faziar estremecer...de prazer...issa safada.. ela continuava...me fodendo e também começou a me punhetar....quer gozar minha menina....quer espirra leitinho por seu grelinho...quer....gozar.. goza  amor... vai deixa sua bocetinha gozar...  não resisti mais, não tinha como segurar...e gozei , Ligia fez com que o meu leitinho ficasse em sua mão e começou a esfregar em minha cara e mandou eu lamber e beber tudo, falando :
- Bebe sua cadela safada , quero ver minha putinha engolindo cada gota do meu leite....eu bebi...ela lipou sua mão no seu cacete e falou não acabou ainda...vem limpar tudinho...vai chupa safada....tu gosta de uma pica melada mais do que eu....safada...vai engole...lambe...isso...que coisinha mais fofa..vc é uma menina deliciosa....isso...vc lambe direitinho,
Senti aquela porra quente escorrendo na minha garganta . Foi uma transa inesquecível , mas Ligia conseguiu me surpreender ainda mais . Em outro final de semana ela veio até minha casa com seu primo , no alto dos seus 1,91 , sem dúvida um belo rapaz . Ligia retirou da sua bolsa um DVD , colocou no vídeo te e quando começamos assistir , era um filme pornô , muito forte...super hot... fomos ficando cada vez mais excitados . Lia começou a passar a mão na minha pica que estava a ponto de bala , seu primo incrédulo ficava apenas olhando e aí a minha surpresa....Lia mandou-me ficar quieto , virou-se para o seu primo e começou a fazer-lhe uma chupeta que nunca tinha feito em mim , fiquei muito bravo e com um ciúmes mas aos poucos aquilo foi me dando um tesão danado , queria participar , mas Ligia disse que eu deveria apenas olhar . Presenciei uma trepada daquelas de filme pornô , Ligia então me falou que ela e seu primo transaram muito quando mais jovens e que ela sentia saudades de trepar com ele , justo na minha frente ? Vc hoje vai sentir esse monstro que eu estou chupando todinho dentro dessa bundinha de menina...Então Lia mandou-me eu vestir a calcinha, botar uma camisolinha.. novamente me dizendo que agora sim eu aprenderia ser uma puta de verdade , isso minha putinha vem cá corninho viado...vc tá adorando me ver com essa mostruosidade na minha boca, veja só...aprenda...como se chupa...e lambia a cabeçona vermelha...tá vendo como é...agora é sua vez  e me pôs de joelho e  ordenou  vai seu corno safado começa seu show..chupe um cacete de verdade... chupa o pau do do meu primo , nunca imaginei que faria isso de novo  , mas me entreguei , pois a vontade de chupar aquele belo caralho era muito grande. Saboreava cada centímetro daquela pica na minha boca quando Ligia surgiu por trás , com o vibrador , e começou a me comer loucamente , ...tá gostando safada..quer mais....toma e não para chupar meu primo...chupa e toma nesse bundinha de mulherzinha... a sensação era de mais ! Uma pica na minha boca e outra no meu cuzinho , gemi e chorei de tesão...isso meu corninho...vai querer sempre...vai virar uma vadia....uma vagabuda...toma...toma...quer mais...toma...e socava...como se fosse uma boceta,...nisso o Guga...era o nome do seu primo...começo a gemer....e a LIgia gritou...goze na boca dessa safada....o cara segurou minha cabeça e puxou com força...sua pica invadiu minha garganta..que me fez passar mal...e despejou uma quantidade enorme de porra direto na minha garganta...que eu nem sentir o gosto da porra....quando ele ia tirar o caralho da minha boca Ligia ordenou não faça isto...deixe ele chupar e lamber atá a última gotinha...ai sim eu sentir o gosto e o cheiro delicioso do leitinho especial....ai não deu outra coisa....e gozei , desta vez num copo que Lia havia buscado enquanto seu primo , não se contendo de tesão , começou a me beijar a sua lingua enorme..invadia a minha boca , nunca tinha gozado tanto em minha vida ,  .depois Lia pegou um canudinho e me fez beber o leitinho que estava no copo...isso safadinha...beba tudinho....Botamos de novo o DVD que a essa altura tinha acabado e ninguem tinha visto o final do filme...Terminou o filme todos estavamos excitados de novo..a sala tinha cheiro de sexo por todo o lado...A Ligia então tomou de novo a liderança das ações...vem meu querido corninho vem me comer...deitou no sofá e eu começei a come-la com muito tesão...Ela tinha combinado  tudo com o Guga...  quando eu começei a bombar sentir o cacete do seu primo forçar a entradinha do meu cuzinho...e Ligia falou....meu viadinho delicioso agora chegou a melhor parte é um presente para vc...vc vai gozar na bocetinha da sua noivinha enquanto meu primo goza dentro de vc....e o seu primo já estava fungando no meu cangote..com todo aquele mastro dentro da minha budinha....eu bombava fazendo a Ligia gemer...e ele bombava me fazendo gemer....a sensação...não dar para descrever vcs tem que passa por uma deliciosa experiencia dessa para comprovar...e a ligia falava...meu machinho viadinho...tá gostando...de tomar no cú enquanto me come....tá meu amor....Quer sempre issso....fale a verdade sua safadinha...é isso que vc quer e é isso que será daqui para frente....nós seremos um trio maravilha de fazer amor....eu começei a encher a bocetinha da minha noivinha de porra e logo comecei a sentir o pulsar o latejar do caralho do Guga entalado no meu cú começar a esquentar as minhas entranhas com o seu leitinho quentinho...ficamos asssim deitados eu encachado na boceta da Ligia e o seu primo atolado aquele lindo cacete enfiado até o talo dentro do meu cuzinho....foi muito bom...foi demais....foi uma maravilha.... Atualmente eu , Ligia e seu primo nos encontramos pelo menos uma vez por semana para  continuamos a fazer loucuras , cada vez mais ousadas , mas estas histórias ficam para uma próxima vez !

 Bem

benjamimmaiadias@yahoo.com.br

Como comi deliciosamente o rabinho do meu marido

Somos um casal bem casado e juntos resolvemos contar nossas fantasias, experiências,  queremos mostrar que é possível, ter uma vida ativa sexualmente, picante, excitante, com muita fantasias, desejos, queremos deixar vcs. com água na boca. Naquela noite, que o cuzinho do meu marido foi desvirginado pelos meus dedinhos maliciosos , conversamos sobre o assunto, e ele disse que tinha o enorme tesão em inverter os papeis. Queria que eu fosse o seu macho. Então tentamos chegar num acordo. Pois apesar do tempo que já estávamos juntos ele ainda não tinha me dado seu rabinho . Combinamos então que quando pintasse um clima gostoso, ele iria tentar me seduzir para que eu comece a sua bundinha virgem, se ele  tivesse sucesso eu iria comer o rabinho dele.... Vcs. devem estar achando “ QUE CASAL LOUCO”, mas é isso que queremos passar para vcs.,e a pura verdade, a melhor coisa num relacionamento, ou no nosso caso, no nosso casamento, falar de tudo e sobre tudo, é maravilhoso, excitante, tanto eu como meu marido procuramos primeiramente dar prazer ao outro, todo dia procurar alguma coisa diferente, pensamos sempre em algo diferente para excitar o parceiro, pois isso deixa nosso AMOR, cada vez melhor. Esse é o princípio básico, regra numero um. Vcs. podem ter certeza, É MARAVILHOSO e SADIO. Bom passado alguns dias e varias fodas, sempre excitante e picantes, num belo sábado a noite, assistindo um filme, deitado no colchão da sala, pintou uma cena erótica, fiquei excitada, comecei acariciá-lo, passando as mãos pelas sua coxas, senti o calor no meio de suas pernas, sob a sua cueca, senti  seu mastro estava muito duro, subi por cima dele, roçando minha xoxota molhadinha contra seu sexo, beijando sua boca, desci, chupei seu pescoço, sussurrei ao seu ouvido, “estou louco de tesão por vc. minha puta”, entre beijos, amassos, tirei o baby doll e pedir que ele usasse, deixando ele como uma mulherzinha pedir que ele tb colocasse a minha calcinha, que já estava com o fundinho meladinho...nossa minha putinha vc está apetitosa....vá dê uma voltinha e se olhe no espelho ele ficou sem graça mas atenteu o meu pedido...., meu esposo percebendo minha cara de tarada, disse o que vc vai fazer comigo... e eu quero que vc seja minha puta...quero ver vc sofrer como eu sofro quando vc come meu cuzinho... Venha mamar minha bocetinha ela está louquinha para sentir sua boca ele caiu  de boca, ora chupando, ora lambendo isso minha putinha fique imaginando que é o meu saco, ora dando leves mordidinhas, enquanto minha eu gemia de prazer. Deslizei minha língua por sua barriga, brinquei um pouco sob seu umbigo, enquanto minhas mãos acariciavam suas coxas, desci minha boca mais um pouco, ainda sob a calcinha comecei a morder seu grelinho.....que estava em ponto de bala....ele deu um grito de prazer, cravou suas unhas nas minhas costas, como querendo que eu enfiasse a cara e a lingua dentro da sua bundinha....estávamos loucos de tesão, lentamente, fui tirando sua calcinha com a boca, entre um puxam e outro, chupava seu cuzinho, seu pau, sua coxa, até deixa-lo nu, só com o baby doll...Comecei a masturbá-lo e fui ao mesmo tempo massageando o seu cuzinho...  e disse para eu ficar quietinho, e comecei a enfiar um dedinho com bastate saliva... e sussurei ao meu ouvido, hoje eu quero vc. todinho pra mim, vou te levar a loucura....hoje vc é todinho meu e eu farei de vc uma verdadeira putas, isso me deixa louca de tesão por essa bundinha de menina,  e disse venha minha vadia, venha fazer seu macho aqui delirar..foi colocando mais um dedinho...tá gostado safada...vc quer mais....eu sei que vc sempre quis dar essa bundinha e não teve coragem... com um apetite voraz,  eu enfiava meus dedos com maestria e violência ia empurrando tres dedos...toma vagabundinha...rebole para sua mulherzinha meu viadinho safado....Ninsso ele começou a gemer e rebolar deliciosamente....Eu não tinha nenhum consolo em casa...então madei ele ficar deitadinho de bruços e fui na cozinha e peguei um pepino....melei com um creme hidratante e...comecei a forçar sua entradinha...ele gritou o que é isso...quando ele vio o pepino chiou...por favor isso não vai machucar...eu acalmei....calma meu amor...eu vou ser carinhosa...vc vai aguentar que eu sei....sentir ele estremecer...ele estava com muito tesão e não iria desistir.... segurando com uma mão a base do pepino com força...comecei a empurrar sem dó... e com a outra mão acariciando seu pau e comecei a bater uma punhetinha... era um jeito diferente de sentir prazer...aquilo me deixava muito excitada....era uma emoção enorme eu humilhar aquele machão autoritario...alí estava uma menina assustada..., parecia que não iria caber naquela bundinha...ele reclamava chingava...a pressão do seu cú era muito grande...ele estava sem ação...era todinho meu...eu estava comendo o meu maridinho..começou a entrar...isso amor..relaxa...abra essa bundinha como uma putinha safada...vai amor aceite o meu cacete...estava quase no meio...ele foi rebolando, reclamando mas,  ele       estava adorando ser violentado pelo aqule pepino....toma meu viadinho...toma nesse cuzinho...e fui empurranto...até ele acitar todinho....isso minha puta safada entrou tudinho...sinta como é delicioso está todinha preechida....tá gostando minha gata....ele disse que estava uma delicia...foi a senha para eu começar a tirar e botar...assim tá bom...cada bombada a safadinha... soltava um gemido.......veja como está entrando...sinta suas preguinhas dilatando...ele estava entrando em delírio, pediu que eu diminuísse o ritmo, pois queria prolongar o gozo o máximo possível, atendi o seu pedido, já com um friozinho na barriga, misturado com tesão, tara, uma loucura. Disse “ PRONTO MINHA PUTINHA, SEU MACHO ESTA TE ARREBENTANDO...VOU ABUSAR DE VC A NOITE TODA...VC TEM QUE AGUENTAR COMO UMA PROFISSIONAL DO SEXO....TOMA SAFADA...E JUDIAVA MESMO... VC. NUNCA MAIS VAI ESQUECER ESSE DIA, VAI FICAR DELICIOSAMENTE DOLORIDINHA...E BOMBAVA...ISSO SAFADA...NÃO GOZE AGORA...VOU LARGAR O SEU PAU EU QUERO VER ELE GOZANDO SOZINHO COMO UMA XOXOTA NO CIO....VAI SE SOLTE....ISSO MINHA PUTINHA SAFADA...AGUENTE MEU CACETE...., logo , fui tomada por uma sensação gostosa de tesão, tara e comece a gozar...nem sabia que poderia gozar sem ter um mastro dentro de mim..., mas meus bons pensamentos foram interrompidos quando senti um jato do pau do meu marido melar minha mão, o baby doll, o tapete da sala...e ele soltar um gemido como jamais tinah ouvido...isso safada...vc já é uma mulher e será sempre a minha mulhezinha....Agora meu corno meu viadinho, CHUPE , SINTA MINHA XANA MOLHADINHA, e começamos um delicioso 69, voltei a sentir aquela sensação louca com o com a lingua do meu marido dentro da minha xana..., correspondi chupando seu cu, seu pau suas bolas....enquanto penetrava meu dedo sentindo todo o calor daquele buraco gostoso, todo melado, ensopado, ele rebolava  sob meu dedo, quando senti os seu seu gozo dentro da minha boca...que delicia...bebi tudinho lambir....mas continuei fudendo o seu rabinho,  e ele me olhando  com aquela cara de puta, deslizando sua língua por minha virilha e boceta.. e eu freneticamente me fudendo fudendo o viadinho com meus dedos,  ISSO MINHA CADELINHA, REBOLA GOSTOSO, TÁ GOSTANDO, HOJE JÁ TE FALEI QUERO COMER VC A NOITE TODINHA, ISSO SAFADA TÁ CANSADINHA...VOU TE CANÇAR MUITO MAIS E ENFIAVA UM DEDO, DOIS TREIS...TÁ GOSTANDO SAFADA...RELAXA SEU PUTO, ESSE CUZINHO É MEU HOJE, TENTEI FORÇAR A MÃO TENTANDO ABRIR AQUELA GRUTA  AÍ ELE CHOROU E EU FIQUE COM PENA...MAS, UM DIA EU ENFIO A MÃO NO RABO DA MINHA CADELA E BUSCAR O PRAZER TOTAL.... EU ALIVIEI E VOLTE AO MEUS TRES DEDOS ELE URROU DE  PRAZER, É maravilhoso  da o rabo, é ou não é...ELE GRITOU  É MEU AMOR ISSO METE DE NOVO O PEPINO...METE TUDO, SOCA FUNDO, RASGA MEU CUZINHO QUE É TODINHO SEU,   ele estava louco para gozar pedi para ele cavalgar no meu pau, ele foi  sentando, nessas alturas o pepino entrava com facilidade naquele  rabo que piscava de tesão, agora entrou todinho de novo amor tágostoso, ele começo a rebolar, fazendo com que a base do pepino quase sumir no seu raboo, ele gemeu disse ISSO COME A SUA PUTINHA GOSTOSO, VEM QUERO SER FUDIDO POR ESSE SEU PAU GOSTOSO ME FODE  BEM GOSTOSO,  ENTERRA ESSA VARA, QUERO SENTIR TODINHA DENTRO DE MIM... Ele Começou um delicioso sobe e desce, e eu  ajudava como se aquele pepino  fosse  um pau de verdade, eu enrabava, e ele rebolava naquele pau gostoso comecei a bater uma punheta, até não me controlar mais, vendo a excitação dele fui pedindo “GOZE Minha  puta vai...., GOZE PARA MIM, COM ESSE PAU DENTRO DE VC”,  ELE ATENDEU gozando com uma pressão que nunca tinha visto, jorrou aquele “cordão branco” sob MINHA BARRIGA, desfalecido, curveu sob seu meu corpo, eu  susurrando em seu ouvido, “VC. GOSTOU, MINHA PUTINHA SAFADA...VC GOZOU COMO  UMA VERDADEIRA PUTA NO CIO”. Com as pernas ainda bambas, relaxei um pouco, mas mantendo minhas mãos acariciando SUA BUNDINHA. Ele logo correspondeu, acariciando minha xoxota, que rapidamente senti o fogo subindo meu corpo, comecei a chupar seu cacete, deixando durinho e excitados,  e ele disse “EU ADOREI DAR PRA VC., MAS QUERO GOZAR MAIS, E AGORA DENTRO DE VC ...  Minha estava dela molhadinha novamente,  cheia de tesão  ele me colocou de 4, e meteu sem dó ...eu delirava sentindo suas bolas batendo em minha bunda,  ELE FALOU COM AUTORIDADE AGORA QUEM RELAXA É VC. SUA BISCATE, VOU ARROMBAR SEU RABO TAMBÉM, VC. VAI VER COMO É BOM, deu mais umas bombadas na xana, abri bem a minha bunda, ele mirou seu pau que pulsava de tesão,  e colocou na portinha do meu cu  e lentamente fui forçando a entrada, meu cuzinho foi aceitando aquelegrelhão...e com uma das mãos  ele começou a roçar meu grelinho por baixo, senti que o maior prazer da minha vida, relaxei um pouco,  e curtir as estocadas de um guerreiro cançado de tanto dar a bunda...mas, agora virou um tigre tesudo...com o seu pau todinho dentro do meu rabo,  eu comecei a rebolar,  e ele começou a  fazer um delicioso vai-e-vem, indo pra frente e para trás, no meu cuzinho  e eu gritava ...AI QUE DOR MARAVILHOSA, ISSO ENFIA TUDO, QUERO SENTIR SUAS BOLAS BATENDO NA MINHA BUNDA, SOCA TUDO”, e como se ainda não tivéssemos gozados, explodimos num gozo. Ele me chamado de PUTA, e eu chamando ele de TOURO TARADO. Acho que nesse dia até os vizinhos escutaram, cada um caiu para um lado, trocamos um olhar, e ele me disse, “ADOREI DAR MEU RABO, MAS MELHOR TB FOI D+  COMER O SEU”, exaustos, sem mais forças para nada, acabamos dormindo, abraçados

Tenho muito mais experiencias com o meu lindo e exclusivo marido...vou contando para vocês devagarinho.

Cristina

cristinalyraoliveira@yahoo.com.br

Transformei meu marido em corno e viadinho

Vou contar essa historia para relatar que todo castigo para corno é pouco, e como realizei os desejos de meu marido, tenho 28 anos e ele tem 34. Conheci O Bob quando tinha 16 anos e ele 22 praticamente ele foi meu primeiro namorado tendo apenas alguns namoros bobos com alguns garotos do colégio. Quando tinha 20 anos nos casamos e passei a conhecer as coisas relacionadas ao sexo e se soubesse antes que era tão bom não teria esperado tanto tempo para experimentar. Algum tempo depois de casados Junior começou com uma historia de uma outra pessoa e disfarçava e falava as coisas pela metade e por final, após muito tempo ele queria me ver com outro homem, no principio não concordava de jeito nenhum com as fantasias dele, mas com o passar do tempo fui gostando, mais nunca querendo colocar em pratica seus desejos. Tudo começou durante nossas transas quando ele perguntava o que havia feito com meus namorados anteriores, como eu nunca tinha feito nada  não tinha o que falar pra ele e passei a inventar coisas - que teria feito com meus ex-namorados, e apos gozarmos, eu desmentia tudo que tinha falado. Com o passar dos tempos comecei a inventar historias: tipo eu fudendo com um ex-namorado, com um vizinho, os amigos dele, chegava até contar historias comigo perdendo a virgindade para um amigo meu que ele não gostava muito ou então ficando grávida ou até mesmo na nossa noite de núpcias e na lua-de-mel e o Bob sempre sendo o maior corno, era disso que ele gostava e gosta até hoje de ser corno. Algum tempo atrás, ele começou a comprar alguns acessórios, algemas, chicotes, mascaras e vários tipos de vibradores no começo eram para serem usados em mim, mas com tempo ele foi se abrindo e os acessórios ficaram sendo para usar nele e como ele gosta de dar a bundinha, adoro meter os vibradores nele e vê-lo gemendo igual a um viadinho, era isso mesmo que ele queria ser um corno manso com uma esposa bem puta e ser viadinho. Eu não tinha vontade de realizar esses desejos dele ate que: Uns seis meses atrás eu troquei de academia, pois não estava gostando da anterior e lá conheci meu novo personal (Carlão) e o horário em que eu malho é de manhã cedo, a academia fica fazia e poucos alunos freqüentam e lá também conheci o Fernando um aluno que malha junto comigo. No começo eu resisti as cantadas principalmente do Fernando, mas como meu marido sabia o nome deles e ainda pedia que contasse historinhas com eles, comecei a perder a resistência (aqueles machos lindos me cantando e meu marido ainda incentivando) eu já estava pensando seriamente em transformar meu marido em corno e talvez até em viadinho. Resolvi que se tivesse que rolar alguma coisa seria com o Carlão, parecendo adivinhar ele me convidou para tomar um suco na academia, aceitei sem problema nenhum e nesse dia ficamos conversando. No outro dia já falamos sobre assuntos mais íntimos e ele falou das suas dificuldades com sua esposa doente, ele parecia um cara familia e muito lega e fui ficando a vontade e permitia ele colocar a mão sobre a minha perna,  quando nos despedimos rolou um beijinho na boca (o primeiro que eu dava em outro homem em muito tempo). No terceiro dia não resisti e o Carlão me comeu dentro da sala de avaliação, foi muito bom uma coisa deliciosa  sentir outro macho dentro de mim. Como o Carlão e Fernando são muito amigos rolou aquela conversa entre os dois e como eu queria virar uma putinha de verdade dois dias depois não resistir as cantadas e transei com o Fernando na casa dele. Em menos de quinze dias já tinha me transformado em puta, pois já tinha transado com Carlão, Fernando e mais três professores da academia. Agora vou contar o que fiz com meu maridinho, falei com o Fernando tudo que tinha vontade de fazer com o Bob ele gostou muito da idéia e começamos a planejar tudo e como faríamos. Algumas semanas depois numa sexta à noite nos viajamos para nossa casa de praia e falei para ele se ainda queria virar corno e viadinho a resposta dele foi que sim que tem alimentado essa doce fantasia a tempos e que faria tudo que eu mandasse. Fomos dormir e no sábado de manhã, durante e café, perguntei se ele tinha certeza que se algum dia fosse fazer alguma coisa ele iria aceitar, mandei ele responder de joelhos e o corninho fez tudo que eu mandei, como eu já tinha tudo preparado para aquele dia era para ter mais certeza ainda, mandei ele ir para o quarto e tomar um copo de suco para provar que ele queria ser mesmo um corno viadinho. No suco eu tinha colocado um remédio que fez ele dormir em poucos segundos e nisso liguei para o Fernando que já estava próxima da nossa casa com o Carlão e mais três amigos (Leo, Junior que são da academia e o André que eu não conhecia) recebi eles na entrada da casa com um gostoso beijo na boca até no André, Fernando foi logo perguntado pelo corno -Ta dormindo o viadinho - chegamos no quarto Fernando foi logo fazendo um teste para ver se ele dormia realmente deu uns dois tapinhas  leves no rosto do Bob e ele nem mostrou reação dormia como um bom corno. Começamos a fazer tudo que tínhamos planejado. Começamos tirando a roupa dele todo e começamos e depilar o Bob todinho enquanto o Junior filmava tudo, enquanto eu raspava ele todinho sempre sobrava um pau para chupar ou sentia os dedos na minha bunda ou na bucetinha, depois que terminei de raspar-lo todo, André foi fazer seu trabalho (era Tatuador) nós compramos uma tinta especial que dura alguns dias, mas a tatuagem tinha que parecer de verdade. Ele tatuou na bunda do Junior as palavras CORNO MANSO e VIADO e mais em cima ENTRADA DE PAU e as letras FCLJA (as iniciais dos nomes deles) na parte da frente em cima do piruzinho dele VIADINHO e as letras FCLJA, no peito CORNO MANSO e FCLJA e até eu fiz uma na minha bunda com as iniciais dos meus machos, enquanto André fazia as tatuagens Junior filmava, eu, Fernando, Carlão e Leo metíamos no outro lado da cama, quando Leo gozou dentro da minha buceta Carlão mandou eu ficar quetinha sem me mexer que ele também queria gozar para encher bem a minha bucetinha..eu estava adorando tudo aquilo - logo o Carlão gozou e  mandou eu esfregar minha buceta na cara do Junior que ficou toda melecada e logo depois quando Fernado quis gozar foi direto na boca do Junior - Leo assumiu a filmagem e Junior veio comer meu cuzinho, nisso Carlão gozou novamente agora na minha boca e fui beijar o Bob com a boca cheia de porra, depois que Junior gozou no meu cu fui esfregar o cu na cara do Bob. Quando André terminou com as tatuagens fomos brincar com o Junior, pegamos um chicote e demos muitas chicotadas nele, com uma palmatória deixamos a bunda dele vermelha como um tomate, enfiamos um vibrador no cu dele, uma cenoura, um pepino ate André comeu o cu dele e quando ele ia gozar tirou do cuzinho dele e gozou foi na cara, resolvemos que deveríamos arrombar o cu dele de vez e metemos um pepino maior que o primeiro - ficamos meia hora nos divertindo com o pepino e quando vimos o estrago que tinha feito, pois o pepino saiu cheio de sangue. Para finalizar Junior colocou um  falso piercing no umbigo do Bob e colocamos brincos nas orelhas, pintamos suas unhas, maquiei ele todinho, colocamos um vestidinho  bem sexy,  uma peruca e alguns acessórios, o Bob é  muito bonito, ficou igualzinho a uma linda travesti. Deixamos o Junior no quarto e fomos para sala continuar nossa festa, depois de muito fuder e muitas gozadas na minha buceta, no meu cu, na minha boca e é claro guardamos um pouco da porra num copinho para o primeiro drink do Bob, tudo foi filmado o Junior é um craque na filmagem não perdeu um só lance. Como estava chegando a hora do efeito do remédio terminar resolvemos todos tomar banho que foi uma farra...nos vestimos e sentamos na sala para um bate papo - embora, mas antes arrumamos todas as baguças. Bob acordou e foi para a sala assustado...parecia um mocinha muito gostosa e linda e perguntou  o que fizemos com ele. Eu apresentei todos os rapazes...Ele estava muito constrangido, jamais poderia imaginar aquele exagero...E eu falei...meu amor vc não queria virar um corninho? você não queria virar um viadinho?...ele começou a tomar pé da situação, sentir uma ardência no cuzinho e um cheiro de sexo pois o seu rosto estva tdo melado....Queria ou não queria amor...vc não pediu isso?...ele balançou a cabeça num gesto de concordância....Então meu corninho...venha ver a filmagem...contei o que fiz com ele colocando remdinho no suco...e o Junior colcou um cabo na filmadora ligando ao nosso telão...Ele foi ficando corado...Temos que destruir essa filmagem...e o que eu vou fazer com essas tatuagens em meu corpo...eu ia explicar que era para sempre mas, o Carlão carinhosamente falou que era temporaria...e eu falei, nada disso de destuir essa fita meu corninho delicioso....Agora vc está em nossas mãos....Se vc não se comportar direitinho como um bom viadinho corninho...todo mundo no seu escrtório de advocacia vai conhecer o conteudo dessa fita...Ele foi pegando confiança em todos os meus novos intimos amigos...e montadinha como uma putinha...ficamos convesando e ele assistindo com o maior prazer o video....Para minha surpresa e de todos...o Bob com aquele olhar de puta...falou...Estou muito excitado vendo o vidéo, estou com minha bundinha ardida...tô sem entender como minha doce esposa conseguiu virar essa puta insaciavel que eu estou vendo nessa filmagem....mas, foi covardia eu estava dopado...e não posso avaliar e nem sinto que realizei essa minha fantasia....Foi uma gargalhada geral...Eu tomei a dianteira e falei...Meu maridinho que que o show contiue agora para valer - vcs topam...Todos riram e animadamente toparam fuder aquela nova mulherzinha...O Bob estava...louquinho para ser errabado de novo...eu peguei o copo até o meio de pôrra... tinha o leitinho de cinco caras...para começar beba isso minha donzela...ele protestou...e eu falei se sobrar uma gotinha não vai ter festa...o viadinho bebeu tudinho...agora meu viadinho vc vai beber da fonte...e sem nenhum constrangimento eu mandei ele chupar o pau do Leo...pois era o maior cacete de todos era uma mostruosidade de uns 23cm e bem grosso...vem meu viadinho...chupe esse caralho de verdade é quase o dobro do seu...foi essa mostruosidade que me deixou toda arrombada e dolorida....o Bob começou a chupar...quase não cabia dentro da sua boca...isso putinha...asssim...lambe...vai meu corno viado...fui ensinando ele como se chupa um pau deliciosamente...ele é muito iteligente e aprendeu rápido...parecia que chupava um pau desde adolecente...todos os rapazes começaram a se despir...era um verdadeiro festival de picas...eu começei a rasgar o meu vestidinho que o Bob estava usando...fui rasgando tudo...calcinha....deixando ele só com um sitiãzinho...agora vamos fazer de vc uma puta de verdade...muito mais do que vc vio no vídeo....continue chupando sua safadinha...enquanto...o Carlão começa a te fazer mulher...o André pegou um tubo de Ky e nós começamos a lambuzar aquele cuzinho sedento de pica...quando o Carlão colocou na protinha o putinho deu um gemido delicioso...tá gostando né viadinho...e sussurrei em seu ouvido...relaxa minha putinha que agora vc vai ser deflorada por cinco homens os mesmo que comeu sua mulher há poucas horas atrás...o Carlão foi introduzindo aquele pau na bundinha do meu marido...ele gemia...tanto que até eu sentia dor....eu quase não podia falar pois estava com a pica do Fernando na minha boca...isso safada geme, chora, rebole....mas curta esse momento unico...é o dia da sua plena realização...o Carlão deu uma estocada e empurrou até o talo no rabo do meu maridinho...ele deu um grito...Aiiiiiii tá machucando...eu falei vc não viu nada...quando o Leu te foder aí vc vai pensar que está parindo pelo rabo....mas, vc vai adorar minha putinha vagabunda....nisso o Carlão não aguentou e encheu minha menina de porra....ele vibrou com aquele colorzinho inudando a sua entranha de puta safada....e estava bantendo uma punhetinha no Bob..parei não queria que ele gozasse ainda eu queria que todos os rapazes fudesse aquele cuzinho....e foi o que aconteceu...começou o rodizio...toma safada jamais vc irá esquecer esse dia memoravel...ele chorava...rebolava....tá gostado corninho viado...tá quer mais....ele estava com a boca cheia de porra do Leo que era um touro reprodutor e tinha inudado a boca dele....Eu pedir para o Leo descançar pois ele fecharia com chave de ouro comendo a bunda do meu querido maridinho....e a fudelança não parava...eu não tenho idéia como meu viadinho conseguia...aguentar o rojão...mas, a menina era guerreira...e tomava na bunda...como acho que nenhuma mulher aguentaria....estavamos todos ofegantes....mas eu queria que meu corninho pedisse arrego...quando o quarto rapaz estava para terminar sua tarefa...eu tentei que o cuzinho do safado recebesse duas picas...mas, era querer muito...não cabia...mas, a tentativa foi uma deliciosa tortura...para o meu marido...ele esperniava...chega eu não aguento...duas não dar...e eu sussurrava em seu ouvido....vai aguentar sim meu viadinho...é isso que vc sempre quiz e eu demorei muito para te dá...relaxa...eu lubrifiquei bem...vai...aceite...esses dois paus deliciosos...vai amor...deixa...abre esse cusinho...pense que é uma bucetona....vei deixa...mas...o sofrimento era muito grande e nós desistimos para o alivio daquela mulher...sofrida, machucada e deflorada...foi um estupro...concentido....o Leo já estaava com aqule pau mostruoso em ponto de bala...os putos confessaram que todos tinha tomado um comprimido de viagra de 50mg...Agora estava explicado aquele vigor masculo....eu comecei a prepara o meu corninho para receber aqueles 23cm de pica no cú....agora vc vai sofrer um pouquinho...como toda menina sofre...abre bem essa bundinha minha fofinha....vai meu viadinho....abre mais....vai meu corninho...mais ainda...ele estava arreganhadinho...quando o Leo começou a fuder aquele cú como se fosse de uma colegial...ele gemeu...vai devagar...por  favor...e eu incentivando....tá gostoso amorzinho...é isso que vc queria....esse prazer...é o que vc imaginava....e ordenei com autoridade...não tenha pena meu bom Leo...fode essa vagabundinha sem piedade...o cara levou a serio deu uma estocada que o Bob deu um grito....assustado...o Leo judiou....epurrou até o talo...aqule rabo estava muito melado de tanta porra que tinha recebido...mas dilatou o que pode e aceitou todo aquele caralho...foi até o talo....e eu continuei a insentivá-lo...isso amor vc é minha heroina....toma no cú...vai amor rebole e relaxe para curtir esse momento que vc sempre sonhou....vai putinha rebole....vai....ele buscou forças eu não sei onde e começou a rebolar como uma batedeira de bolo...isso...que mulher maravilhosa....e o Leo não parava o entra e sai...e falava..com um vozeirão de macho...toma safada...toma puta de merda...seu viado...corno safado....bicha....boiola...toma...to arrebentando o seu cú....chora filho da puta...eu tive que intervir...Calma Leo...essa putinha safadinha é minha e eu quero para sempre...foda ela, maltrate só esse rabinho de corninho viadinho...mas, não ofenda....tá bom minha safadinha quer mais....o Bob começou a fraquejar...não tinha mais...condições...de ser fodido asssim....mas, não entregava os pontos....Nossa que menina gulosa....nisso todos os rapazes começou a punhetar para gozar na cara do Bob....o Leo começou a gemer tb e soltou um jato de porra nas entranhas do meu maridinho...e o Leo esbravejou, isso putinha...vc engravidou de varios homens como uma cadela...vai ter muitos filhotinhos por esse cuzinho.....ele tirou aquela picona do rabo do Bob estava toda melada de porra, sangue e merda....era um horror ver o estrago no cú do meu maridinho....botamos ele deitado de costas...todos os quatro rapazes começaram a gozar jatos e jatos de porra na cara do meu viadinho...era o espetáculo...pena que todos estavam ocupados e ninguem filmou essa putaria deliciosa....ficamos um tempo todos deitados no chão....quando o Fernando levantou falando que ia tirar água do joelho...eu não resistir...mandei ele mijar ali mesmo em cima do Bob e de mim...todos levantaram e começara a nos dar um banho de mijo...aquele líquido morno e acido...molhou eu e o Bob...a melhor chuva que eu e o meu corninho tomamos....Nem vou contar a trabalheira que eu tive para lavar e limpar a minha casa...e olhe que eu não poderia contratar ningeuém para fazer esse trabalho não tinha como explicar a sala inundada de mijo....Hoje eu sou a mulher e o homem da casa e o Bob é o Homem e a mulher da casa...e sempre que possivel nós juntamos os nossos cinco amantes para uma farra de sacanagem...

Esta minha hitória é deliciosamente verdadeira, abraços a todos

Cristina Oliveira

crhistina.oliveira@bol.com.br

O amante da minha ex-mulher

Escrevo para contar um fato delicioso que transformou meu casamento. Temos 53 anos  E AGORA ESTOU SOZINHO,  e apenas seis meses de casamento. Muito ativos sexualmente, a minha esposa descobriu logo o quanto eu me excito com
as histórias dos seus tempos de solteira. E eu descobri o quanto ela era sacana. Transou tanto e com tantos que daria para escrever um livro. Quase sempre eu comia-lhe a bundinha enquanto ela contava as suas transas. Uma noite perguntei se ela conheceu alguém bem-dotado. Ela respondeu que transou com vários, mas o último antes de mim foi especial. Disse que o cara tinha um pau descomunal, além de grosso, muitíssimo grosso, tinha 24 cm de comprimento e era duro como pedra. Meu cacete pulava dentro da bundinha dela. Num lento vai e vem, pedi para que contasse mais detalhes.

Ela disse que a primeira vez que viu o cara pelado, de pinto duro, teve medo de não agüentar, mas que o tesão foi maior naquela noite e gozou como uma égua no cio. Dias depois mais acostumada com as dimensões cavalares do pau,
cedeu aos pedidos dele e ficou de bruços aguardando a penetração anal. Como estavam sozinhos em um sítio, ela gritou o tempo todo que durou a transa. Gozou e fez gozar, e mesmo arrombada, rasgada e ardida, pediu mais e mais.
Viciou em dar a bundinha para aquele cara pintudo. E contou mais. Disse que na manhã do dia do nosso casamento ela o procurou no ape onde morava e, como despedida de solteira, entregou-se a ele novamente. E que quando entrou na
igreja, à tardinha, ainda sentia sua buceta ardida e inchada, o cuzinho dolorido e queimando e na boca o gosto quente do esperma quente daquele ex-namorado, o R.

Fiquei louco de tesão, subi em cima dela e mandei que ela gritasse como da primeira vez que deu o cuzinho para o R enquanto eu lhe fodia de bruços. E ela não deixou por menos: Ai, que pau grande você tem...Vem me machucar o cuzinho, vem meu macho pintudo, cacetudo. Enfia essa vara grossa no meu cu. Sou sua égua e você meu cavalo pauzudo. Vem me rasga o cu, enfia fundo esse monstro lindo no meu rabo. Vem com força, me mata com esse pintão gostoso.
Nunca senti um tão grande...

E assim gozamos feitos loucos. Nossas fantasias foram evoluindo até que uma noite perguntei se ela gostaria de reencontrar o tal de R, de sentir novamente um bem dotado em suas entranhas. A única condição era que o encontro ocorresse na minha presença. Ela disse que sim e adiantou que ele provavelmente ainda morava no mesmo local. Pegou meu pau com uma das mãos e com a outra o telefone. Ligou e começou a conversar com o cara. Disse que estava com saudades e muita vontade de tê-lo novamente dentro das entranhas, mas deixou claro que eu estaria presente ao encontro marcado para o dia
seguinte. Naquela noite ela não quis me dar a bundinha alegando que queria estar apertadinha para o ex-namorado. E mais, nem a bocetinha ela me deu pela mesma razão. Apenas me chupou até o gozo.

Na noite seguinte ela recebeu o ex-namorado toda arrumada, cheirosa e com uma lingerie super sexy. Tomamos vinho para descontrair e dançamos suavemente. Eu apreciava minha mulher com nosso convidado no maior amasso quando ouvi perguntar baixinho: "Quer me comer? Quer pôr essa coisa gostosa em minhas carnes?"

Mal perguntou, ela já estava nua ajoelhada no chão desabotoando a calça dele. Para sacanear, ela parou e disse que se eu quisesse vê-la chupando outro pau eu teria de tirar a calça do R. Quase recusei, mas meu tesão era tal, a minha vontade de vê-la com outro era grande demais e por que não admitir que sentia curiosidade de ver um pau maior que o meu? Um pouco
envergonhado, baixei a calça junto com a cueca e um pau descomunal saltou atingindo meu braço e o rosto dela. Fiquei impressionado com as dimensões cavalares. Longo, grosso, duro, com uma envergadura acentuada, cabeça arroxeada, brilhante e veias azuladas dilatando a pele ao redor do cacete. Que coisa monstruosamente linda!

Ela pegou, apertou e punhetou aquela vara enquanto chupava a cabeça. E emitiu uma ordem rapidamente: "Segure ele para que eu possa chupar melhor".

Não gostei do tom de suas palavras e ameacei engrossar. Ela pediu desculpas e carinhosamente refez o pedido dizendo que daria muito tesão a ela ver-me segurando aquele pau, que eu era macho e continuava assim e coisa e tal.
Topei já que eu sentia uma certa curiosidade em pegar outro pau que não fosse o meu. E pela primeira vez segurei o cacete de outro homem. Ela pedia e eu punhetava aquela verga enquanto ela chupava. Ela tirou a boca do pau e me beijou na boca. Pude sentir o gosto da vara na língua dela. Segurando o cacete do cara e encostando seus lábios nos meus, pediu, manhosa: "Chupa você também, chupa o pau do meu amante. Chupa, faz para agradar sua mulherzinha. Eu vou adorar".

Cedi mais uma vez. Minha garganta sentiu a cabeçorra grossa daquele pau, chupei e lambi toda a pica conforme ela me pedia. Foi muito bom! Depois o cara sentou na poltrona e ela foi por cima, ambos de frente para mim. Segurei o pau para que ela fosse se abaixando e engolindo tudo. Enquanto ela subia e descia, eu chupava a sua boceta e o que sobrava do pau. Ela gozou
alucinadamente. Mudaram de posição várias vezes até que gozaram juntos. Aí ela me convidou para comê-la arrombada e esporrada. Meu pau nadava dentro dela de tão dilatada e molhada a boceta. "Sinta como minha boceta está
grande, sinta ela arrombada pelo cacetão do R".

Após o gozo e o banho, chupamos eu e ela o pintudo do amante dela para endurecer o pau. Ela pegou um creme e me pediu para lubrificar o seu cuzinho e o pau do amante. De quatro, pediu para ser enrabada. Segurei o pau rumo ao
cuzinho dela e estremeci quando a cabeça entrou rasgando. Ela gritou e pediu: Vem meu macho pintudo, me machuca o cuzinho com esse cacetão. Vem fundo, vem, vem que tua égua está te esperando. Vem meu cavalo. E foi! Em poucas estocadas minha mulher agasalhou todo aquele monstro no rabo.

Mudaram de posição enquanto ela gozava seguidas vezes. Depois de mais de meia hora, ela pediu para ele tirar o pau. Deitou-se de bruços e me chamou: Come meu cu, sinta como ele está. Era como se eu comesse uma boceta tal o tamanho que estava aquele rabo.

Suas fantasias estavam longe do fim. Em seguida ela abriu a minha bunda e disse que queria que desse a minha bundinha virgem. Eu não estava em condições e nem queria recusar nada. Fui passivo e disse que tudo bem. Ela decidiu que seria na posição de frango assado. Deitei-me de costas e ela em cima de mim em posição invertida.

Segurou minhas pernas sob os braços de forma que meus joelhos quase tocavam meu peito. Sentou em meu rosto quase me sufocando com a boceta molhada ainda vazando esperma do outro. Abriu minha bunda já lubrificada e disse ao
amante:
- Enfia esse caralhão no cu do meu marido. Vem foder o cuzinho dele.

Senti o calor da cabeça encostar-me nas pregas e rapidamente saltar para dentro de mim. Foi impossível não gemer de dor, mas também de satisfação. Dizem que o difícil é a cabeça, que o resto é fácil. Não foi assim comigo, não. Doeu até o fim. Mesmo quando as bolas encostaram em minha bunda eu sentia alguma dor. Mas foi tudo até o fim. Iniciamos  movimentos de vai e vem e eu delirava.

Minha mulher pediu que mudássemos de posição. Eu sentei na vara dele e ela na minha. O peso dela e a cavalgada que me fazia empurrava mais profundamente o pinto do cara para dentro do meu cu. Ela gozou e eu também, mas o R não. Mais uma vez ela comandou o espetáculo. Eu e ela fazendo um papai e mamãe enquanto o cara, após lavar-se, enfiava o pintão entre minha boca e a dela. O pau escorregava entre nossos lábios molhados. Ele ia e vinha com se fodesse uma boceta ou um cuzinho. Tanto foi e voltou que gozou em nossas línguas uma quantidade enorme de porra quente. PENA O QUE E BOM
DURA  POUCO, ELE SE MUDOU PARA OUTRO ESTADO, SE ALGUEM QUISER TREPAR  COMIGO
ME  ESCREVA

pedgard@fazenda.sp.gov.br

Iniciação ao Swing

Olá, meu nome (fictício) é Ricardo. Tenho 43 anos, já fui casado, mas não tenho filhos. Ao longo da vida, tive meia-dúzia de relacionamentos “sérios”. Entretanto, sempre busquei o prazer sexual sem preconceito, ou seja, relacionamentos sem compromisso nem vínculos emocionais; apenas a busca pelo prazer. Sou culto, bem viajado e já morei em diversos lugares, inclusive no exterior.

Casal

Os relatos abaixo foram feitos em meu consultório psiquiátrico por um casal que fez terapia comigo durante algum tempo. Costumo gravar todas as seções de terapia de meus clientes e resolvi escrever esses relatos, por serem muito interessantes e inéditos.
Meus pacientes procuraram-me para que os ajudasse a resolver um problema que os afligia. Resolvi aceitar o caso e recebia-os separadamente uma hora por semana.

Depois da NET

Eu sou casado com uma mulher linda chamada Claudia ela tem 42 anos eu 44,o que irei relatar aconteceu 4 anos atrás,apesar da gente se dar bem sexualmente nao conversavamos nada a respeito de sexo ou fantasias.Certo dia ela me pegou (namorando) numa sala de bate papo da net,ficou P da vida,brigamos ela tinha razao,eu apenas devia concordar...mesmo assim  tinha alguns contatos no ICQ que nao passavam so de namoricoa afinal eram todas de longe e sem chance alguma de conhecer pessoalmente.Isso foi o argumento com qual me defendi.


Conteúdo sindicalizado