Casais

warning: Creating default object from empty value in /home/maite/public_html/modules/taxonomy/taxonomy.module on line 1390.

A esposa do meu melhor amigo

Esta
é uma história real, por esse motivo vou trocar os nome por razões
obvias. Já passava das quatro horas da tarde quando fui procurar o
Lúcio, e como ele estava estudando numa universidade da capital, queria
lhe pedir que levasse um documento importante para uma determinada
repartição pública na capital. Nós sempre fomos muito amigos, daquele
tipo de freqüentar a casa um do outro, apesar de eu morar sozinho, eles
sempre iam a minha casa, mas nunca havia acontecido o que vou lhes
contar agora. Bem voltando. Eu fui lhe procurar queria falar com ele
antes dele sair.

Não acreditei no que vi

Olá
amigos, neste relato, achei melhor não citar nomes para preservar as
identidades das pessoas envolvidas. Sou casado com minha esposa há
dezessete anos, temos um casal de filhos, o menino com 16 anos e a
menina com 12 anos. Os anos não prejudicaram tanto a minha esposa, pois
apesar dos seus 34 anos ela continua muito atraente e desejável, um
pouco fora do peso, (pouca coisa), mas ainda mantém suas curvas e suas
formas generosas de quando me apaixonei por ela. Tenho 43 anos. Também
um pouco fora de forma, mas apesar de uma barriguinha de cerveja ainda

No cruzeiro com a casada

Meu namorado e eu resolvemos fazer um cruzeiro de navio pelo litoral brasileiro, com duração de uma semana. Sou uma garota, trabalho como executiva numa agencia de propaganda e meu gato num banco. Sou bem resolvida sexualmente, gosto de homens, mas não jogo fora uma garota gostosa e sexy! No navio, sentaram a nossa mesa, entre outras pessoas, um casal com mais ou menos a nossa idade (25 anos) Disseram estar casados a quase dois anos e ainda não tinham filhos para não atrapalhar a vida profissional dela, que chamarei de Lilia.

Na sala de casa

Estávamos na sala quando finalmente as crianças dormiram. Após colocarmos as crianças na cama, minha esposa foi tomar um banho extremamente demorado, o que já prenunciava que a noite seria especial. Como medida de cautela, com cuidado tranquei o quarto das crianças com a chave para evitar qualquer perigo de sermos surpreendidos, apesar de saber que elas dificilmente acordam depois que dormem. Quando ela finalmente saiu do banheiro, já veio pra a sala apenas com a toalha amarrada em seu corpo, e já veio me oferecendo seus lábios carnudos para que lhe desse um beijo. Enquanto a beijava, já fui tirando minha bermuda, ficando apenas de cuecas.

Ela estava mesmo quente, pois já foi me acariciando e eu também já fui deslizando minhas mãos pelo seu corpo, apertando seus seios e acariciando suas coxas grossas e fartas, as quais sempre achei deliciosas. Após demorados carinhos para leva-la ao limite da excitação, sabendo que nestes momentos ela se abre facinho, resolvi perguntar maiores detalhes da transa que ela tivera com o “outro” namorado enquanto ela ainda era solteira, e que numa outra noite, de madrugada, após voltarmos de uma festa de embalo, regada a muita bebida, num descuido ela havia me confessado que a houvera “comido”, mas ainda envergonhada, ela se recusava a me dar maiores detalhes. Nervosa, ela se recusava a comentar o assunto, e para fugir ao assunto, ela ajoelhou-se à minha frente e colocou meu pau inteiro em sua boca e chupou com força, como se quisesse engoli-lo. Como eu ainda insistisse em saber mais, dizendo-lhe que ficava tarado com os detalhes, depois de muita insistência, ela parou de me chupar, olhou bem fundo em meus olhos e perguntou se eu queria mesmo saber.

Meu coração se acelerou, meu pau, como que criou vida nova e pulsou forte nas mãos dela que me punhetava. Eu disse a ela que saber sobre a vida sexual dela era tudo que eu queria. Então, entremeando chupadinhas no meu pau ela me contou que um dia eles haviam se encontrado no parque da cidade e depois de algum tempo conversando ele a convidou para irem até o seu carro para ficarem mais à vontade... O carro dele estava estacionado num lugar escuro e ali chegando, ele passou a abraçá-la e a beijá-la, até que começou a passar suas mãos pelo seu corpo. Enquanto ela contava sobre o que fizera com o “outro”, eu fui abrindo sua toalha e então ela se levantou do chão e ajoelhou-se sobre o sofá, vindo para o meu colo, como se fosse me cavalgar.

Nesta posição seus seios ficaram bem na altura da minha boca e então comecei a mordisca-los seios e para estimular sua confissão, perguntei : - Ele tirou seus seios para fora da blusa, assim...? - Tirou..., disse ela baixinho, de olhos fechados e curtindo os beijos e as pequenas mordidas que eu lhe dava em seus seios. - Ele beijou seus seios assim?, disse ele beijando-os. - Beijou... muito... - E depois? - perguntei querendo saber o resto. - Depois ele me convidou para ir ao motel... Você foi? - Fui... No começo eu não queria, mas ele foi me acariciando os seios e me beijando e também me apalpando a xaninha, e o tesão foi aumentando, e ele insistindo, até que eu topei. - E então, como foi lá no motel? - ah!..., nós fomos lá, transamos e viemos embora. - Não... Não é assim que eu quero que você conte. Quero saber os detalhes. Ela então escorregou do meu colo novamente para o chão, me ofereceu os lábios para que eu os beijasse novamente. Adoro quando a vejo de lábios estendidos, os olhinhos fechados à espera do meu beijo. Ainda sentado no sofá, colei meus lábios nos dela para apreciar o tesão que eles me transmitiam. Minha esposa de joelhos no tapete, em minha frente, continuava de olhos fechados a oferecer seus lábios e seus seios para as carícias do desavergonhado marido, que no caso sou eu. Ao mesmo tempo, meus dedinhos malandros foram deslizando por entre as pernas dela, para lhe acariciar a bucetinha gostosa, deixando-a mais e mais excitada. Voltei ao ataque e perguntei novamente; - Conta, vai..., como foi lá no motel.

Ele tirou sua roupa, você tirou a dele, como foi? Com uma das mãos me punhetando de leve e a outra, me acariciando o peito ela novamente me olhou e vendo minha expectativa, prosseguiu seu relato: - Quando chegamos no motel ele pediu um quarto de luxo. Depois que entramos eu deitei naquela cama maravilhosa e ele foi logo tirando a roupa. Depois ele veio pra cama, tirou minha roupa, deitou em cima de mim e me beijou. Desculpe falar, mas o beijo dele é uma falta de educação. - E daí? - perguntei ainda a beijando-a e fazendo-a apertar um pouco mais o meu pau. Ante o silencio dela, suspendi o beijo e continuei a espicaçando: - Ele passou a mão na sua xaninha? Perguntei acariciando sua bucetinha. Ainda de olhos fechados e apertando o maiôs forte o meu pau ela respondeu; - Passou... Ele abusou até, porque passou a mão na xaninha, apertou e até me enfiou o dedo. - Ele passou a mão na sua bunda? - Passou... Passou por tudo, coxas, seios, bunda, tudo... - Ele enfiou o dedo no seu cuzinho? - Ele tentou... Mas eu tirei a mão dele e disse pra ele que ali não! - E ele? - Ele disse que ali é que era bom. Mordendo ainda mais seus seios, perguntei; - Você pegou no pau dele? - Peguei né?

Ele passava a mão em mim e eu nele. Então peguei, apertei... - E como ele era? - Era grosso... - disse ela gemendo ante as mordidas que eu lhe dava nos seios. Mas temendo que eu me sentisse ofendido, ela corrigiu rápido: - Mas o seu é mais gostoso, disse ela logo em seguida. - Ele chupou você, perguntou perguntei curioso? - Não, ele beijou minha barriga, minhas coxas, mas não chegou a por a boca na minha lilita. - E você, chupou o pau dele? - Não, nunca! O seu foi o único que eu coloquei em minha boca. - Mas porque você não chupou o pau dele? O meu você sempre chupou... - Ora, não chupei porque ele nunca pediu. - Se ele pedisse, você chupava? Parando para pensar um pouco ela respondeu. - Acho que sim! - Acha que sim ou chupava? Irritadinha ela respondeu: - Chupava..., chupava sim, porque não? Depois de saber que ele havia tentado colocar o dedinho no cuzinho dela, eu queria saber se ele havia comido seu cuzinho. No início ela jurava pra mim que eu era também o único que havia comido seu cu. Mas depois de muita insistência, ela terminou confessando que ele havia sim, colocado o pau no seu rabinho. Mas ela fez questão de dizer que ele não tinha comido direito à sua bundinha. - Comeu ou não comeu o seu cu? - Comeu. Mas não colocou tudo. - Não? Quanto ele colocou? - Ahhh! Só um pouquinho. Ele apenas colocava a cabecinha e ficava tão excitado que antes mesmo de eu sentir ele entrar ele já estava gozando. - Mas ele gozou no seu rabinho? - Gozou... - Só que ele era muito fraquinho.

Não aguentava se segurar como você. Ele enfiava a cabecinha e acabava logo. Nem dava tempo de enfiar inteiro. Só a cabecinha, às vezes um pouquinho mais, mas pronto, era entrar um pouco e ele j[á gozava. - E como é que era? - Como que era o que? - perguntou ela sem entender direito a minha pergunta. - Como ele fazia pra te comer o rabo? A primeira vez que eu deixei ele colocar ele veio por trás de mim, mas tremia tanto, não sei se de nervoso, se de tesão, só sei que eu pensei que ele ia ter um ataque. Depois acho que ele foi ficando mais calmo, quando ele queria me comer o rabo, ele me virava de bruços, puxava meu corpo para ficar de “quatro” pra ele, aí, ele vinha por trás e colocava seu pau. - Colocava seu pau onde? - Há!!! Onde mais podia ser? Atrás né? Mas só um pouquinho. Não dava nem tempo pra nada e ele já gozava. - E como você fazia para gozar? - Nem lembro. Acho que nem gozava. - Mas você deixava ele enfiar assim, a seco, sem acariciar nem nada? - Bom, antes de virmos para o motel, e também antes de transarmos, ele me beijava muito, tirava meus peitos, chupava, acariciava minhas coxas até chegar na minha lilitinha que já ficava todinha babada. Assim, quando a gente chegava nos “finalmentes”, eu já estava em ponto de bala, e deixava ele fazer o que quisesse.

Ele só não meteu tudo no meu cu porque não quis. Bom, não quis, não... Ele não conseguia de tão excitado que ele ficava. - E aí? - Aí é que era eu ficar de quatro pra ele que ele já quase gozava antes de me comer a bundinha. Ele metia um pouquinho, mal entrava cabecinha, dava uma mexidinha e já gozava... (continua)... Este caso é real. Se quiser saber as fantasias que resulktaram destas confissões, me escrevam.

 

 

Não confie em amigos

Olá meu nome é Lucimara sou casada a seis anos morena clara 1.63 de altura 58 k com um bumbum lindo e seios fartos e meu marido não chega ser aquele cara ciumento mesmo porque sempre confiou em mim mesmo eu sempre usando mini saia e blusinhas degotadas. Bem mais eu sempre procurei me comportar mas o que aconteceu comigo foi real e vou relatar porque me deu um tesão enorme que outras pessoas soubessem e que aprendam a não confiar em amigos freqüentando suas casas .

Minha mulher me ajudou a ser putinha

U SOU UM HOMEM CASADO.MINHA MULHER POR VEZES TEM HORARIOS DIFERENCIADOS.UM DIA QUANDO ELA ESTAVA TRABALHANDO DE TARDE EU ESTAVA DE REGRESSO A CASA.COMO JA ERA HABITO MEU NESTAS OCASIOES EU VESTI-ME DE MULHER COM ROUPA DELA MAQUILHEI-ME ,PUS PERUCA ENFIM ESTAVA PRODUZIDA E BELA,ACHAVA-ME BEM FEMININA,OLHAVA-ME NO ESPELHO E GOSTAVA-ME DE VER ACARICIAVA-ME E ISSO EXCITAVA-ME BASTANTE, DESEJAVA ARDENTEMENTE SER POSSUIDA POR UM MACHO,ESTAVA EU NESTA EXCITAÇAO QUANDO SEM DAR POR ISSO MINHA MULHER CHEGA AO PE DE MIM ,EU NAO A TINHA OUVIDO ENTRAR EM CASA.FIQUEI SEM SABER QUE DIZER.

Eu, minha esposa e amigos, carnaval na praia

O
que relatar aqui é verídico na totalidade. Bom, somos da capital RJ e
resolvemos passar o carnaval 2005 em Cabo frio, Eu (Roberto)e minha
esposa (Maria) queríamos um carnaval fora da rotina da cidade e escolas
de samba, combinamos com um casal de amigos para nos encontrar lá.

Como virei corno manso

Ola
a todos, sou o corninho, maridinho da Adriana, pois isto que sou e
adoro ser chamado assim, somos um casal alegre de bem com a vida e
liberais, eu sempre tive o desejo de ser corno manso, desde cedo, lia
relatos em revistas masculinas, de homens que tinham levado chifres e
fica super excitado, fantasiando aquilo tudo acontecendo comigo. Tive
varias namoradas a qual falei meu desejo, mas sempre foi em vão,
algumas ate me chifraram mas eu só fiquei sabendo depois que tinha
terminado o namoro. Aos 26 anos de idade conheci a Adriana que tinha 20

Viagem erótica

Minha esposa , Isis, e eu estamos sempre viajando. São viagens que, em geral, ocorrem em locais onde
impera um clima de sexo, pois nessas viagens se procura unir o útil ao agradável. A maioria do
pessoal vai acompanhada de maridos ou esposas, porque muitos aproveitam também para relaxar as
tensões e se divertir um pouco. Como somos participantes do voyeurismo e minha esposa gosta de
transar com mulheres também, sempre procuramos locais que provavelmente ocorra algo. Minha esposa é

Eu, minha esposa e sua amiga II

Eu e a minha esposa a quem carinhosamente chamaremos de Nata, uma morena clara de 1,72m, cabelos
longos e olhos igualmente castanhos, pele clara, seios médios porém bicudinhos que sempre se
permitiam mostrar pêlos decotes ousados, pernas divinas e totalmente depilada, e uma bundinha muito
gostosa...sempre fui um apaixonado por ela.... Sempre fomos muito íntimos conversava-mos muito e
sobre tudo, mas jamais me dei permissão a um assedio mais incisivo sobre minhas fantasias, por medo

Diário de um marido corno

Olá
pessoal, meu nome é Agenor, tenho 33 anos, sou branco tenho cabelos
pretos e olhos castanhos, 1.77mt e porte físico compatível com a minha
altura, sou casado com uma delicia de mulher e seu nome é
Vilma(Fictícios)
Helena tem cabelos claros e olhos esverdeados,
também tem 33 anos e é toda “uda”, peituda, coxuda, bunduda e sua
buceta é toda depilada exceto pelo topete de pelos que ela deixa acima
daquele sexo suculento que ela tem.

Presente de aniversário

Eu
me chamo Dyana e meu mariso Eduardo. Estamos casados a pelo menos 15
anos. Nossa vida sexual é bastante intensa, e estamos sempre criando
"coisinhas" novas para não ficarmos na rotina. Eu me lembro bem do
nosso aniversário de 15 anos de casados.Meu marido fez questão de que
viajássemos para Parati e ficássemos em um determinado hotelzinho perto
de uma praia. Eu não entendia o porquê desse interesse todo por esse
hotel, mas logo logo descobriria. Chegamos na cidade ainda cedo, pois
meu marido estava doido para irmos bem cedinho, queria aproveitar todos

Eu não sabia...

Sou
casado há 20 anos com uma bela mulher. Morena de 1,70m, 57 kg, olhos
escuros, cabelos lisos , 48 anos, com um corpo perfeito, seios médios,
coxas bem torneadas, um bum bum de fechar qualquer comercio, enfim tudo
nos seus devidos lugares. Eu, 50 anos, 1,80m 78 kg, grisalho e um corpo
saudável, não malhado mas em forma pela pratica constante de esportes.
Nosso relacionamento sempre foi normal e feliz, nossas relações
sexuais, embora sem grandes variações , sempre foram regulares e
satisfatória para ambos.

Minha esposa enfia

Minha mulher tem um corpo gostoso, ela é morena, tem 30 anos, sua
bunda é durinha, mas seu rego é deliciosamente rasgado, seus peitos são
empinados, adora se exibir e principalmente, gosta que enfiem coisas
nelas, foi o que aconteceu em uma das nossas últimas trepadas. Jorge,
amigo meu já fazem uns dez anos, praticamente mora aqui em casa, ele
prefere sempre que pode, ficar por aqui em vez de estar na casa dele
com a esposa, e também porque ele já come a Marta, nome verdadeiro da
minha mulher, já fazem uns quatro anos.

Comeram meu marido

Sou
casada há 10 anos, não tenho filhos, tenho 35 anos e um corpo bem
feito. Meu marido sempre me elogia e diz que tem o maior tesão por mim.
Somos relativamente liberais, quer dizer, não nos importamos com uma
paquerinha inocente, mas nunca chegamos as vias de fato da traição. O
que passo a relatar agora aconteceu há dois anos quando estávamos de
férias no nordeste.

Minha noivinha II

Ola pessoal, saímos de ferias e está sendo fantástico, nunca vi minha
noivinha tão testuda e com tanto fogo como nessas ferias, ela já traçou
três picas diferentes em locais diferentes, mas só vou relatar a
ultima, pois foi a que marcou mais! Muito mais....

Um corno a mais no mundo

E me especializei em trazer cornos para o mundo, tarefa que confesso me dá prazer e não é muito fácil. Não falo de transar com mulheres que traem o marido constantemente mas das que têm medo da traição, das que custam a se entregar ao adultério sob meu comando. Já comi senhoras com bodas de prata, recém-casadas, noivas, solteiras com namorado firme.

As vendedoras

Pelo menos uma vez por mês elas apareciam para vender roupa onde eu
trabalhava, duas garotas na faixa dos 20 aos 25, sempre sorridentes e
prestativas. A loira chamava-se Lúcia e a moreninha de olhinhos puxados
e cabelos encaracolados era a Adriana, esta tinha um olhar meio safado,
algo de devasso maquinava naquela cabecinha encaracolada. A loira era
mais alta e magra, mas tinha uma bunda considerável e seios fartos, já
a morena era baixinha e de seios pequenos e uma bunda muito bonita. E
aquele sorriso prenunciava uma mulher muito fogosa na cama. Elas sempre

Em busca do preenchimento total e profundo

Minha
mulher, apesar de seus 45 anos, é ainda uma mulher que desperta, na
maioria dos homens, o desejo de possui-la, em parte pelos seios,
médios, durinhos e de bicos grandes, em parte pela sua carinha de
safadinha. Loira, 1,72m, 65 kg, cabelos curtos e olhar malicioso, ela
adora ser enrrabada e se delicia mamando uma piça como ninguém, com sua
boca gulosa e aqueles barulhinhos característicos que enlouquecem
qualquer homem.

Meu Marido dando e comendo o Negrão na Sauna e eu só de olho

Estávamos num camping do interior, Vazio pela época do ano. Meu marido
foi arrumar o carro que tinha soltado o escapamento num buraco da
estrada e sozinha resolvi ir até a sauna. A sauna estava vazia e
desligada. Resolvi chamar um funcionário para ligá-la qdo. vejo um
negro, mexendo num fios, perguntei se ele poderia ligar a sauna, e ele
prontamente atendeu. Ele estava sem camisa, de bermuda deixando ver o
volume de uma rola descomunal. Eu olhei aquele volume e tentei
disfarçar mas acho que ele percebeu, sorridente ele colocou tudo em


Conteúdo sindicalizado