Crossdresser

warning: Creating default object from empty value in /home/maite/public_html/modules/taxonomy/taxonomy.module on line 1390.

Camilla cd – No sul de Minas

Ultima assistência do semestre e por sorte minha em uma cidade do sul de minas, me instalei em uma pousada bem tranqüila e aconchegante com piscina e tudo os proprietários um casal muito simpático me receberam com muita atenção era um casal típico de minas muito bem humorados ela trabalhava na cidade em um outro comercio que eles tinham que era de artesanato mineiro e ele um senhor de uns cinqüenta e poucos anos a pousada estava vazia apenas um casal de BH estava hospedado mas passavam o dia fora passeando , como o meu trabalho só é feito durante a noite fiquei com os dias livres visto que a empresa em que vou dar assistência tem horário comercial ativo , o meu trabalho fica pra depois de seu expediente , no primeiro dia andei bastante conhecendo a cidade , a noite terminado meu expediente por volta das 2 da madrugada fiquei conhecendo a vida noturna daquela cidade que era bem tranqüila e isso me dava algumas idéias pois havia poucos turistas , no dia seguinte acordei por volta das nove tomei um belo café da manhã como é típico de minas e fui tomar sol na piscina conversei rapidamente com o proprietário da pousada Sr. Osmar que sempre muito atencioso me mostrou a piscina dizendo que ficaria sozinho pois só estava eu e ele na pousada dei um sorriso disse que era bom a tranqüilidade , e fiquei tomando sol , passado algum tempo o Sr. Osmar apareceu novamente me dizendo que ia descer até a mina de água para verificar a bomba d água , aproveitei para deixar minha sunga bem enfiadinha para deixar marca no meu bumbum , depois de algumas horas escutei barulho e me recompus , era o Sr Osmar voltando e me trazendo um lanche , eu estava no paraíso fiquei o dia todo na piscina , a noite terminei meu trabalho mais cedo pois havia faltado energia no lugar , cheguei na pousada por volta da meia noite , e já com algumas idéias em mente eu estava louco pra liberar alguém que estava preso dentro de mim “Camilla” , tomei um banho demorado , passei hidratante pelo corpo e peguei minha bolsa mágica coloquei uma calcinha preta que adoro , meias 7\8 pretas de renda , coloquei um vestido tipo tubinho preto , salto , me maquiei bem coloquei minha peruca preta que vai até as costas e mais alguns acessórios pra dar um cham , vocês imaginam como eu estava ainda toda queimada de sol eu tava uma delicia , abri porta de meu apartamento bem devagar pra ninguém me ver meu carro tava na porta do chalé andei com um pouco de dificuldade na grama de salto mas cheguei até o carro , andei pela cidade fui até um lugar onde ficava alguns rapazes desci fui até o orelhão fingindo ligar pra alguém escutei alguns gracejos que adorei mas ainda com aquela mistura de medo e tesão , voltei para carro rebolando meu bumbum com nunca , como gosto dessa sensação a meia a calcinha enfiadinha e sendo desejada por marmanjos , por essa noite estava bom voltei para a pousada e dormi de calcinha toda feliz .

De manhã acordei como de costume fui para piscina , Sr. Osmar muito gentilmente foi até a piscina me levando um suco geladinho e com uma cara de sacana me disse “ Eu te vi a noite e gostei muito do que vi “ inclusive hoje também você esta sozinho aqui na pousada então não precisa enfiar a sunga nessa bundinha coloca esse biquini aqui , tirando do bolso um biquine laranja fiquei constrangido mas sorri , ele saiu e deixou o biquíni , fiquei assustado ele ficou me olhando la da sacada me mostrando o biquini em cima da mesa , fiquei parado por alguns instantes olhando para biquini , respirei fundo peguei fui até o vestiário e coloquei era lindo tipo asa delta voltei para piscina olhei para sacada e ele estava sorrindo com aquela cara de safado nessa hora “Camilla” assume entrei na piscina rebolando joguei a toalha ajeitando e deitei de bruços deixando meu bumbum bem amostra pra ele , de vez em quando virava e soltava meus pequenos seios pra tomarem sol também , logo o Sr. Osmar veio perguntando se eu precisava de algo, eu disse que estava bem mas estava com dificuldades para passar o bronzeador , ele de imediato já pegou o tubo passando em suas mãos e em minhas costas , ombros , costas , cintura , de ladinho próximo aos meus peitinhos , nas minhas canelas , coxas , nossa na hora que passou nas coxas arrebitei o bumbum e ele entendeu jogou mais bronzeador no meu bumbum a ponto de virar um meleca e ficou passando no bumbum hora em movimentos fortes que eu chegava a gemer baixinho hora bem suave passando debaixo do biquini que eu sentia a ponta de seu dedo no meu buraquinho , nem preciso dizer que eu estava ficando louca de tesão , foi quando ele me disse no meu ouvido sussurrando se veste daquele jeito de ontem pra mim que vou no seu quarto hoje , apenas confirmei com a cabeça , a noite não consegui nem trabalhar não via a hora de voltar para pousada cheguei a inventar uma dor de cabeça e sai as 23 horas , fui para pousada e deixei Camilla assumir , tomei um belo banho fiz uma duchinha intima pois sabia que hoje tinha o que eu queria , fiquei toda produzida , como a ansiedade era muita me arrisquei a ir la fora desfilei um pouco pela varanda , nossa que tesão que eu estava , logo apareceu Osmar não sei da onde nem vi ele me abraçou por traz , me pegando pela cintura e me cheirando a nuca , vocês não tem noção do que eu senti naquele momento , era uma mistura de desejo com medo mas enfim era o que eu queria , entramos para o chalé em uma das mãos ele levava um vinho geladinho , ele tava muito cheiroso e bem arrumado de barba feita ele também havia se preparado pra mim , tomamos o vinho conversando sobre meu jeito de ser ele achou demais e me deu um beijo que retribui passando minhas mãos pelos seus cabelos grisalhos e já subindo em seu colo não preciso dizer que foi aquele garro de passa mão aqui passa mão ali , quando dei conta já segurando seu pau que não era grande mas era muito grosso que mal consegui chupar mas me esforcei rsrsrs , ele gozou em minha boca com jatos de um toro , e eu não perdi nem uma gotinha daquele leite , então tirei sua roupa deitei ele na minha cama , tirei meu vestido ficando só de calcinha , meia e salto , e fiquei me insinuando pra ele jogando o cabelo , arrebitando a bundinha queimada com a marquinha do biquini que ele havia me dado , ele ficou me elogiando dizendo que tava errado aquela menina no corpo de menino , então me deitei a seu lado e fiquei alisando seu peito mordendo o bico de seus peito até que fui descendo naquele pau grosso que estava adormecido e vocês não tem noção do tanto que gosto de chupar um pau molinho e sentir ele endurecer na minha boca , coisa que não demoro muito pra acontecer nesse momento montei em cima dele puxei minha calcinha pro lado passei mais saliva no meu cofrinho e fui devagar mais bem devagar tentando alojar aquele membro grosso no meu buraquinho que já estava implorando pelo prazer , entre muitas tentativas e gemidos consegui sentir aquele macho dentro de mim mas como doía parecia que tava me rasgando , mas nem chegava perto do prazer que estava me dando , Osmar pegou em minha cintura eu me curvei ele caiu de boca nos meus peitinhos que tesão louco me deu comecei a rebolar em seu pau num desejo de fêmea em cima de seu macho que quando dei por mim estava pulando e gemendo alto que Osmar colocou a mão em minha boca na tentativa a abafar meus gemidos , me jogou de lado e continuo a me penetrar apertando meus peitinhos , e falando ao meu ouvidos palavras que me deixavam mais louca tipo , mexe gostosa , você gosta vagabunda , vou te comer todo dia que você ficar na minha pousada e não foi diferente me comeu mesmo , e ele nessa noite terminou em um gozo louco e alucinante em que ele gozou e eu também com espasmos fortes e eu nem coloquei a mão no meu pauzinho , vocês pensam que ficou por ai não ficou não o Sr. Osmar no ano seguinte veia na festa do peão de Barretos que é uma cidade próxima a minha e me ligou eu tinha esquecido que ele tinha meu cadastro no hotel , mas essa eu conto na próxima , beijos a todos .

Camilla-cd@hotmail.com

 

Minha amiga me libertou

Desde pequeno eu já sentia uma vontade incontrolável de me vestir de menina e não raro nas brincadeiras infantis com minhas colegas eu era sempre uma irmã ou prima, o que acompanhava uma caracterização com roupas femininas (o que eu adorava).

Com o tempo fomos crescendo e poucas amigas de infância mantiveram contato, sendo que uma delas foi sempre muito chegada a mim. Um dia fomos uma festa juntos e bebemos um pouco mais e fomos para a casa dela onde começamos a recordar nossas brincadeiras e afins.

Até que certa hora resolvemos brincar como antigamente e lá fui eu de novo me vestir de prima, porém agora com maiores requintes pois minha amiga fez questão de me montar e maquiar completamente. Pronto lá estava eu montada e linda, uma mulher, minha amiga adorou a transformação, disse que eu estava perfeita e que se não soubesse quem era passaria por uma verdadeira mulher. Eu iá estava com a vaidade lá em cima, cheia de tesão e vontade de expor minha real vontade interna de ser CD.

Começamos a ouvir musica, dançar e beber um pouco mais, foi aí que para minha surpresa minha amiga se declarou bissexual e que tinha ficado com o maior tesão de me ver montada, eu surpreso,porém aliviado, também lhe contei sobre o meu intimo. Ela então com o maior sorriso pegou minha mão e me levou para o quarto onde começamos a nos acariciar e nos beijar de todas as formas possíveis.

Ela tinha vários acessórios sexuais guardados em sua mesinha de cabeceira, tais como vibradores, gel, camisinhas e consolos diversos. Rapidamente nos despimos para aproveitarmos imediatamente nosso delicioso momento de sexo pleno, foi absolutamente maravilhoso. Iniciamos uma sessão infindável de chupadas, dedadas e caricias, sua língua era divina percorria meu anus, saco, pênis, eu ia a loucura e retribuía com lambidas nos seios, vagina, anus, enfim pelo corpo todo. Em certa altura ela perguntou se eu já havia sido penetrado, eu disse que não e que aguardava uma situação especial para isto, ela então pegou um enorme pênis de cintura e disse que era hoje esse dia. Fiquei meio paralisado: um misto de medo,ansiedade,felicidade e prazer, ela lubrificou bem meu anus bem como o poderoso membro e foi delicada e carinhosamente me penetrando de uma forma alucinantemente vagarosa, prazerosa e inesquecível.

Ficamos nos divertindo a madrugada inteira e dormimos exaustos de prazer. No dia seguinte acordamos conversamos e rimos muito relembrando o tempo perdido por não nos abrirmos anteriormente. Já realizamos várias fantasias em outros sessões sexuais maravilhosas e sem preconceitos, adoro ver ela transando com outras mulheres ou homens e ela adora me observar com outros homens.

Ela me apresentou amigos e amigas que também são altamente liberados, bi, lésbicas ou transexuais, tem sido ótimo, pois já chego montada e mando ver, tomara que vocês todas encontrem amigos e amigas assim.

 

Minha primeira saída às ruas

Como todas nós CDs fazemos, adoro me vestir de mulher e ficar o dia todo pela casa de calcinha, sutiã, vestidinho, salto alto, etc. Também gosto de me mostrar na webcam para pessoas que conheço em salas de bate papo.

Já saí com travestis e somente para uma delas em tive coragem de me vestir de menina com as coisas que levei em uma mochila.

Até ontem eu nunca tive coragem de sair à rua montada. A Marcela só existia entre as paredes do minha casa. Mas resolvi fazer a maior loucura da minha vida: sair de carro completamente montada.

Para colocar meu plano em prática, à tarde fui às compras em uma feira de roupas que tem aqui em Brasília. Eu já tenho um guarda-roupas feminino básisco mas todas roupa de putinha. Eu precisava de algo mais comportado. Rodei pelos boxes da feira procurando algo que mostrasse as curvas das minhas belas pernas e bumbum mas que escondesse os pelinhos do braço que não posso depilar. Dizendo à vendedora que eram de presente para minha namorada, comprei uma calça jeans azul clarinha com lycra daquelas justinhas que deixam o bumbum redondinho e uma blusa branca folgadona com mangas compridas e decote canoa (quase um tomara-que-caia). Comprei também um cinto daqueles largos de elástico. Quase comprei mais uma calcinha mas já tenho muitas.

Não aguentando de vontade de sentir aquelas roupas no meu corpo, ali mesmo na feira fui ao banheiro e me fechei numa das cabines sanitárias. Fiquei só com a calcinha que eu usava por baixo da bermuda e experimentei a calça. Gente, que delícia é uma calça de lycra apertadinha nas pernas. Na hora de passar pelo bumbum tive que dar aquela reboladinha puxando a calça para cima. O caimento ficou ótimo com meu bumbum socadinho naquele tecido elástico. Vesti também a blusa que ficou perfeita com o cinto. Tive uma ideia louca de sair da cabine daquele jeito e dar uma volta pelo banheiro. Mas era loucura demais, me segurei.

Fui para casa cheia de tesão e comecei a me preparar: um banho gostoso e demorado. Um retoque na depilação das pernas e na xaninha (eu deixo um montinho de pelos acima do pipi). Após me enxugar, passei creme hidratante pelo corpo todo. Com aquele cheirinho de creme no ar, fui para a melhor parte: escolher as roupas para sair: a calça e a blusa novas já eram certas, faltava apenas escolher a sandália, os acessórios e a calcinha. Vesti a minha fio dental preta preferida, minha peruca de cabelos longos e pretos, anéis, pulseira, uma gargantilha, unhas postiças vemelhas e a calça... ah a calça de lycra, deliciosa de vestir e sentir. Completei com o sutiã, o enchimento de seios, a blusa tomara-que caia e uma sandália de salto alto prateada. Quando me vi no espelho até eu mesma fiquei surpresa com o resultado: de bundinha empinada, seios redondinhos e cabelos longos, que morena gostosa que eu fiquei.

Quando acabei de me maquiar esatava pronta para sair mas ainda era muito cedo. Fui para as salas de bate-papo do UOL. Me mostrei para um monte de gente. Fiz 4 caras gozarem.

Finalmente o relógio marcou 2:30 da manhã. A rua da minha casa deserta, todas as luzes da vizinhança apagadas. Agora eu já poderia sar dirigindo sem risco de ser vista por alguem. Coloquei numa mochila roupas e calçados de homem, uma garrafa de água e lenços de papel para o caso de uma emergência e eu precisar desmontar meu look.

Já dentro do carro, abri o portão eletrônico com o coração a mil. Sai bem rápido e ganhei a avenida. Eu me olhava no espelho retrovisor enquanto dirigia e ficava surpresa em como eu estava linda. Depois de rodar por meia hora trocando olhares com motoristas que passavam, resolvi que já era hora de parar o carro e finalmente ganhar as ruas com meu salto alto. Todos os bares de rua estavam fechados, as ruas desertas eram perigosas. Ao dar uma volta ela rodoviária do Plano Piloto, nenhum ônibus circulando, apenas uma pastelaria aberta com poucos clientes e alguns mendigos. Mas havia uma viatura da polícia. Sentindo-me segura com a presença dos PMs, parei o carro, respirei fundo, esperei alguns segundos, abri a porta e senti o vento frio da madrugada. Saí do carro, me arrumei puxando a calça um pouco mais para cima, e enquanto ajeitava os cabelos, de repente ouvi ou "fiu fiu". Tremi de tesão. Fingi que não escutei e atravessei a pista em direção a um orelhão. Enquanto o salto alto fazia toc-toc no asfalto, os clientes e funcionários da pastelaria a 10m de mim assoviavam e falavam "Ô gostosa", "Delícia", "fiu fiu". Foi um momento muito, muito erótico, eu andando nas ruas como mulher pela primeira vez e aqueles homens todos me desejando. Fingi que fiz uma ligação no orelhão e voltei para o carro. Novamente ao atravessar a pista os homens todos mexendo comigo me chamando de "linda", "deliciosa". Olhei pra eles e mandei um sorriso safado. Eles ficaram doidos. Entrei no carro e saí.

Em seguida lembrei de outro lugar que sempre tinha algum movimento à noite toda e seria relativamente seguro: em frente ao Hospital de Base, onde fica um cachorro-quente. Parei o carro a uns 20m do dog. Fiquei caminhando fingindo falar ao celular. Não haviam cliente, só os vendedores que ficaram me olhando o tempo todo mas não falaram nada. No outro lado da pista, uma ambulância parada, o motorista me fala "Ô morena gostosa, quer uma carona?" Sorri para ele e dei um tchau. Ele fez o retorno voltou passando perto de mim bem devagarinho falando "Você é gostosa demais, coisa linda, deixa eu te pegar de jeito". Voltei para o carro e fui para casa.

Essa foi a maior experiênica erótica da minha vida. Nada comparada a ficar na webcam. Era uma situação real, eu toda gostosa e produzida, aqueles homens todos me desejando como mulher. Chegando em casa, peguei meu consolo, fui para a frente do espelho, baixei a calça, puxei a calcinha de lado e me masturbei com o rabinho bem cheio. Gozei litros.

Tomei um banho, vesti uma outra calcinha e uma camisola. Fui dormir me sentindo mais mulher do que nunca.

 

Lucas me fez mulher de bikini

Noite de lua cheia. Passei no shopping, comprei um bikini com calcinha marrom, de fio dental, e um sutiã de oncinha. No caminho, parei no acostamento e me troquei. Coloquei o bikini com muita satisfação, sentindo o toque gostoso da lycra em minha bundinha. Me senti super feminina. Dirigi assim por um bom tempo, até chegar no loteamento. De lá dava pra ver toda a cidade. O lugar era deserto e escuro, mas com a lua dava para ver bastante. Saí do carro e o coração disparou. Era a primeira vez que andava ao ar livre vestido como uma menininha.

Me senti livre e andei para um lado e para o outro, testando e desfrutando minha meninice. Rebolava com vontade.

Mais um pouco e Lucas chegava com seu carro de boy, todo preparado. Desceu do carro, vestindo uma bermuda de surfista e uma camiseta. Seu corpo musculoso me fez tremer só de ver. Foi chegando e, sem falar nada, me pegou pela cintura. Me encostou no meu carro e me apertou com vontade, beijando meu pescoço. Eu passava a mão por todo o seu tórax, sentido aqueles músculos torneados, como nunca havia sentido antes. Ele me acariciava todo o corpo, me dizendo: "Hoje vou te fazer uma mulherzinha. Está de bikini, é? Pois hoje vou ser o seu surfista.". eu dizia "Ai, meu surfista gostoso, eu sou toda sua." Ele me acariciava e nossos corpos suados iam se entregando. Tirou a camisa e pude ver o tórax mais perfeito do mundo. Eu mesma fiz questão de abaixar sua bermuda azul e vi maravilhada aquele volume na sunga preta. Abaixei e beijei o pau dele dentro da sunga ainda, lambendo suas bolas. Ele então me pegou, colocou de quatro sobre o capô do carro, acariciando minha bundinha. "Esse fio dental me enche de tesão".

Eu gemia: "Ai, meu gostoso, vem ser meu homem, vem!" Então ele lambuzou meu cuzinho de cuspe, tirou o pau da sunga e começou a brincar na portinha o meu cuzinho, tirando a calcinha de lado. O meu tesão foi aumentando, me sentia uma putinha na mão daquele macho gostoso. Ele foi penetrando lentamente, primeiro a cabecinha, depois mais um pouco, até que senti seu pau todinho dentro de mim. Eu me entregava cada vez mais, até esquecendo que era homem, empinava a bundinha cada vez mais. Então ele começou a se movimentar devagarinho, A cada movimento seu eu sentia seu pau entrando e saindo, me tocando lá no fundo, o que me dava o maior tesão. O toque do bikini só aumentava meu tesão, me sentindo uma menininha com seu namorado. Fomos achando os movimentos que mais davam tesão, e comecei a sentir uma coisa diferente, a cada bombada dele eu dava uma gozadinha. Assim ficamos por um bom tempo, sentido nossos corpos e a leve brisa, observando a cidade ao longe, que nem imaginava o que estava acontecendo.

Quando lucas gozou, eu já me sentia sua mulher, já havia gozado várias vezes sem nem encostar no meu pau, que estava encolhidinho entre minhas pernas, dentro do bikini, como uma bucetinha. Ele me abraçou forte e se despediu com um beijo. Combinamos que dali em diante eu seria sua menininha.

 

Me descobri femea para um mulato maduro.

Hoje vou contar uma história que aconteceu comigo e que mudou minha vida completamente. Na infância tive experiência como passivo aos treza anos e foi uma experiência inesquecivel, mas por restrições da familia que descobriu mais tarde, resolvi deixar meu desejo adormecido. O tempo passou, me casei e passei por uma crise no casamento e acabei me separando. Depois de separado comecei a entrar nas salas de bate-papo e vi o termo crossdress que ainda não conhecia. Comecei a teclar com umas cds e aquele desejo antigo veio a tona me consumindo por dentro e não demorou muito para desejar ser femea novamente para um macho. Ser uma crossdress sempre foi o que queria mas até então não sabia o que era, mas era tudo que sempre quis ser. Entrei em alguns sites de lingerie e comprei meu primeiro conjunto de lingerie pretinho com um fio dental maravilhoso, meia 7/8 de rendinha e uma cinta liga. fiquei inquieto esperando a entrega que chegou numa quinta-feira. Quando cheguei do trabalho minha visinha do apartamento me entregou em uma caixa muito discreta que me deixou aliviado. Logo abri o pacote para ver e fiquei simplesmente irradiante. Tomei um banho demorado, raspeio bumbum e as coxas deixando-as bem lisinha e coloquei a lingerie, fiquei apreciando horas em frete ao espelho. Peguei meu celular e tirei varias fotos e montei meu perfil. Tudo que queria era conhecer um macho maduro confiável para realizar meu desejo com sigilo e muito carinho.
Depois de algum tempo teclando nas salas de bate-papo conheci Afonso, um senho de 58 anos, viúvo muito simpático e que buscava uma cdzinha para compromisso sério. Me deu sua descrição e que me deixou assustado e ao mesmo tempo com muito tesão. Ele era moreno, 1,80, 102 kilos, barrigudinho, grisalho, cavanhaque e dote de 22 cm. Dúvidei do dote que depois comprovei vendo na cam. Afonso estava muito carente, tinha ficado viúvo a 6 meses e sua esposa nunca tinha lhe oferecido o cuzinho e as vezes que pediu sempre foi negado. Conversamos por 20 dias e trocamos muitas fantasias e nos conhecemos mais sobre o que buscavamos e nos entendemos do começo ao fim. Afonso me chamou para passar um sabado com ele, me passou o endereço e fone e me pediu insistentemente para que fosse ve-lo, para conversarmos e ver o que rolava. fiquei apreensivo, aceitei o convite e depois liguei desistindo. Por volta das 13:00h da manhã não aguentei e liguei para Afonso, que me atendeu assustado pensando em ser algum familiar com problema, mas logo me identificou e me chamou carinhosamente de flor e perguntou o que havia acontecido. Expliquei tudo a ele e ele me me chamou novamente para passar a noite com ele e que seria muito carinhoso, iria me pentrar até onde ficasse gostoso para ambos, esse era meu maior receio. Chegando na casa de Afonso ele me atendeu com um sorriso maralvilhoso dizendo que nem acreditava que estava la. entrei e Afonso me me abracou por tráz dando uma fungada em meu pescoço que me arrepiou completamente, logo senti uma encoxada gostosa e vigorasa, sentido aquela tora dura como aço deslizar pelo meu bumbum. Encostei no sofa e arrebitei meu bumbum para afonso que logo tirou minha calça e ficou maravilhado com meu bumbum branquinho naquele conjuntinho preto. Sua respiração estava profunda no meu ouvido me dizia o quanto aquele macho deseja meu cuzinho. Me pegou no colo e levou até a cama, desci sua samba canção e fiquei impressionadocom o tamanho da tora de Afonso, toda úmida e dura como aço. Seu saco apresentava duas bolas enormes que nem pensei e cai de boca me lambuzando todo, do saco a cabeça interrando garganta a dentro. Perdi a cabeça e o tesão estava a mil. O cuzinho piscava pedindo aquele cacete maravilhoso. afonso foi preparando meu cuzinho com Ky e masagendo com um dedo e depois dois, meu cuzinho foi relaxando eté que não aguentei mais, deitei de lado e ofereci meu cuzinho para Afonso, pedi que fosse com carinho bricando e dilatando aos poucos. Afonso foi muito carinho colocando a cabeça e interrando centimetro a centimetro. Senti minhas preguinhas estorarem uma a uma, mas com muita pouca dor e isso aumentava mais meus desejo. Não demourou muito para sentir meu bumbum encaixar no colo do Afonso, simplesmente havia interrado tudo com muita habilidade e a dorzinha foi sumindo e dando espaço para um tesão que me consumia ardentemente. Afonso começou a mexer lentamente pouquinho a pouquinho e logo começou a deslizar da cabeça ao talo, simplesmente me desmanchei de tesão. Estava muito gostoso. Afonso me pediu para ficar de quatro, deitei na berada da cama e Afondo interrou me pedindo permisão para ir mais forte, me senti preparado e disse que sim. Afonso começou a estocar fundo e rápido, sussurava e respirava profundo, nunca tinha visto nada igual e eu gemia como uma femea e provocava mais ainda meu macho. Pedi para segurar o gozo para curtimos mais, e para minha surpreza Afonso pediu para beber o leitinho que estava por vir. Estava tomado pelo teão e respondi com um sorriso sacana. afonso enlouqueceu e anunciou o gozo, tirou repentinamente do meu cuzinho e tirou a camisinha. Virei de joelhos e Afonso colocou a cabeça próximo aos meus lábios e disparava jato de leitinho denso e quentinho, era muito leitinho e quando acabou engoli tudo e acabei chupando o pouco que havia ficado na tora. depois disso contunuamos a nos encontrar e vivemos uma relação intensa. Passamos noites juntos e cada dia estamos mais apaixonados.

Espero que outras cdzinha tenham a mesma sorte que eu.
Bjs.

 

4 brutos me usando sem dó

Sou a Raphaella Cdzinha que vem relatar mais uma aventura real.
No relato anterior contei como fui abusada por um massagista tarado e hiper,ultra e mega dotado (26x8 ) que abusou de mim e que tornou-se meu dono e amante.Após esse dia ele começou a frequentar minha casa quando queria uma escrava submissa pra se fatisfazer e com nossa intimidade ele foi me conhecendo melhor e pode ver que eu sou uma cadelinha mesmo sem frescura que realiza qualquer fantasia sem reclamar,com isso ele está apaixonado,coisa que eu estou adorando.Ele é o tipo de dono que eu amo,pois é extremamente safado e puto na cama.
Bom!!! vamos ao que interessa.
Fomos pro sitio dele que fica no interior de SP ( Itu ) nesse fim de semana (29/05/2010),la chegando vi que era um lugar maravilhoso e bem cuidado,logo entrei na casa e fui fazer o reconhecimento da área e de dentro ouvi Marcelo conversando com alguem que depois soube que era o caseiro,conheci a casa e quando fui ao encontro do meu macho fiquei admirada com a visão,um homem de quase 2 metros de altura,lindo,tesudo,gostoso sem camisa com um short agarrado , mostrando um volume acima do normal,noooossaaaaaa,me deu um arrepio na hora.ele por sua vez acho que sentiu o mesmo,pois me olhou de cima a baixo por varias vezes.Estava eu com salto 10,Micro-saia e tomara que caia,Marcelo não estava ali no momento,me apresentei e ele me olhando bem dentro dos olhos disse se chamar Roberto,Perguntei de Marcelo e ele me disse que foi na cocheira ver uma égua que estava prenhe e achava que daria luz naquele dia.Ele super educado me ajudou a levar as bagagens e compras pra dentro da casa e eu sempre a frente dele sabendo que estaria olhando pro meu rabo quase a mostra,Claro que eu como uma verdadeira e assumidissima putinha rebolava e me mostrava mesmo pra aquele macho delicioso.Numas dessas me esbarrei nele por querer mesmo e logo o volume estava 10 x mais(risos),Logico que me aproveitei disso.O que fiquei meia assim é que ele estava sendo bem safadinho e sem nenhum respeito,pelo contrario,estava sendo bem cachorro declarado,Começou a me elogiar,a falar das minhas coxas,meu cabelo,minha boca e por final da minha bunda,achei estranho,pois ali eu era a mulher do patrão dele,mas deixei rolar e sempre e cada vez mais me insinuando.Isso levou uns 10 minutos até Marcelo chegou todo feliz por saber que sua egua preferida lhe daria um potrinho.Eu bem vadia lhe falei ; '' Ahhhhhh...quer dizer que vç tem mais de uma Égua além de mim seu puto ''... ele bem safado respondeu ; '' Claro que não minha putinha vadia ... vç é a minha égua preferida vagabunda '' .... fiquei cheia de tesão na hora e o Peão ali ao nosso lado ouvindo tudo , com isso fiquei mais tesuda ainda e sem pudor falei pro meu dono ; '' Aiiiiiiiiiii amor ... não fale assim se não vou conseguir me controlar e sabes o que sou capaz de fazer ''...Ai ele disse ; '' Não passa vontade não minha vagabunda ''...Essa foi a deixa e logo estava eu de joelhos tirando aque cacetão pra fora e tentar coloca-lo na minha boquinha,lambi,chupei,mordi,estava la eu com aquele monstro na boca quando ouvi ele falar ; '' vai chupar o pau dele e mostre pra ele como vç é uma putinha ''...Nem pensei , me virei e ja vi que o peão estava com um cacete enorme tbém na mão e ja fui metendo na boca como uma louca . mamei muuuiiittooooo...nossaaaaa....que cacete delicioso,nisso meu dono ja foi tirando a pouca roupa que eu vestia e o peão se assustou quando viu que eu não era mulher e que tinha 1 grelo enorme e muuiiittooo duro , mesmo assim elogiando meu corpo.Meu dono lhe falou que eu era todinha dele e que fizesse o que quizesse comigo e ja foi enfiando a lingua no meu cuzinho eu de 4 toda empinadinha e rebolando na lingua dele deixando meu cuzinho todo molhadinho , eu gemendo e pedindo rola pros 2 ... eu dizia: quem vai ser o primeiro a me arrombar todinha ... meu Macho mandou o peão me foder primeiro sem dó .. , nisso Marcelo veio enfiando a rola na minha boca enquanto o peão foi tentando meter a cabeçona no meu cuzinho , estava dificil e eu pedi : vai caralho ... me fode logo ... mete sem dó caralho .... mete tudo ... sou uma puta vai ... mete .... Nooossaaa....senti aquele cacetão me arrombando de uma vez ... gritei e levei um tapa na cara e a ordem de ficar calada .... aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii ja estou com tesão ...... em pouco tempo eu ja estava rebolando naquela rola enorme e grossa e gemendo como uma cadela de zona ... ele socava sem dó mesmo .. niso meu macho socava a rola dele na minha boca me fazendo engasgar e metia mesmo , me xingando de tudo ... e eu ali maravilhada com aqueles 2 machos me mal tratando ... nisso o peão disse que ia gozar , logo sai da rola dele , me virei e coloquei na minha boca pra engolir toda a porra dele e meu dono a foi metendo tudo no meu cú ... gente ... que delicia vc estar recebendo um monte de porra na boca e com um cacete de 26x8 todinho entalado no rabo ... vçs não tem noção da maravilha que é ... como o peão gozou ... acho que foi um dos que mais encheu minha boquinha até hoe pela quantidade de porra ... engoli tudo e continuei chupando , até receber o leitinho do meu macho na boquinha tbém ... depis de beber tudo dos dois ainda fiquei chupando os 2 ... meu macho me fez dar um belo de um banho neles o que fiz com prazer . e ainda fui fodinha mais uma vez pelo peão que dessa vez encheu meu rabo de porra , foi ai que achei estranho , pois Marcelo me virou e lambeu toda a porra do peão sem deixar uma gotinha no meu rabo ... adorei claro , mas achei estranho por ela ser o patrão e estava fazendo tudo isso juntinho com o peão ai me veio uma ideia na cabeça e dei a ordem a ele assim : agora que vc chupou toda a porra do meu cú , limpa o cacete dele com sua boquinha ... sem nenhum pudor ele enfiou quase toda a rola do peão na boca e foi lambendo ... isso me deu um tesão indescritivel , pois ali estava vendo meu dono com uma super rola na boca , eu logo me juntei a ele e chuoamos juntos tudo aquilo , então como sou a mulher do dono do sitio dei a ordem pro peão dormir conosco ... ele na hora ficou meio assim , mas dei a ordem novamente e ele aceitou ... metemos a noite toda ... ele chegou a chupar eu e marcelo tbém ... foi tudo de bom ... adormeçemos e eu no meio dos 2 .... acordamos ja tarde do dia com buzina de um carro ... o peão levantou assustado e foi logo saindo do quarto nú correndo .... depois de 1 tempo escutamos ele conversando e rindo muito e escutamos outras vozes ... Marcelo lavantou e foi ver quem era ... Como demorou me levantei pra ver o que era .. eu estava com um shots jens ultra curto e cavado no rabo e blusinha ... sai na porta e vi que estavam em 4 , era 2 amigos do peão de um sitio perto dali ... eram 2 peão bem tipicos mesmo ... sujos de roça sabem .... Marcelo me chamou e fui ao encontro deles , me mediram de cima em baixo e eu logo bem vadia como sou me apresentei e logo me virei em direção a casa toda rebolando e olhei pra tras e claro que todos me olhando ... aquilo ja me acendeu novamente e quando fico com tesão tenho que fazer alguma coisa ... Logo chamaei o peão e ele veio .. quando entrou me viu de joelhos e fui logo pegando na rola dele e tentou sair , mas o agarrei e disse : me da essa rola gora ... estou com tesão seu filho da puta ... me da agora caralho ... o tesão falou mais alto e fui logo engolindo quase tudo ... chupei por uns 5 minutos e logo vi os 3 em pé na porta nos olhando e se aproximaram e eu claro ...fui tirando todas as rolas pra fora , Marcelo ficou admirado com meu apetite por rola , por sexo e deixou rolar ... Gente ...Digo a vçs que me foderam muuuiiiitoooo , muuuiiiittoooo mesmo , até tentamos fazer dp , mas não aguentei , foram 3 dias de muito rola , muita porra , apanhei muito , fui totalmente usada pelos 3 sem dé sem piedade , os 2 amigos do peão eram realmentes chucros , me arrombaram , me batiam sem dó ... fiquei totalmente doloria em todo corpo ... a saideira foi que os 3 mijaram em mim ... isso é muito humilhante , mas pra uma vadia e escrava como eu , isso é o maior troféu .... agora estou combinado uma suruba no sitio de Marcelo ou em minha casa com 4 cds , 4 travestis amigas e claro os 4 machos . Eu e Marcelos estamos juntos de verdade . eu sempre como sua escrava submissa , mas dessa semama pra ca ja comi ele 6 x , ou seja .... além de ser meu macho , meu dono .... é tbém minha biscatinha sem vergonha .... Ele sabe que sou livre pra ter caso e envolvimento com quem eu quiser , por tanto podem me solicitar que dependendo serei sua tbem ... Quero cds , machos , mulheres e trans , mas que sejam sem vergonhas e que não tenham pudores e nem frescuras ok ...
Email e MSN : raphaellasaopaulo@hotmail.com só responderei com fotos e pra ser real . nem percam tempo se não for assim ta bom
Bjs bjs bjs
 

Primeira vez com um crossdresser

Não sou crossdresser mas escrevo para relatar um situação inesperada que me sucedeu e mudou completamente a minha sexualidade seguramente para o resto da minha vida.

Sou um homem normal que já tive várias namoradas e com quem tive relações sexuais.

Tive uma educação muito machista daquele tipo que me fazia repudiar tudo o que se relacionasse com o mundo GAY e afins.

Mas tudo começou a mudar quando um dia ao estar a navegar na internet onde explorava vários sites de sexo deparei-me involutariamente com uma foto de uma mulher super sexy não só devido ao seu corpo mas também devido à maneira como se vestia o que nada não teria de estranho se não fosse o facto de a tal suposta fêmea espectacular ser um homem ou um crossdresser como nessa noite então aprendi.

Lembro-me que nesse dia fiquei um pouco até envergonhado pois mesmo depois de ter descoberto que aquilo era um homem, continuava a ter uma enorme erecção.... estranhamente muito mais do que se tivesse a contemplar uma foto de uma mulher.

Lembro-me que fechei a imagem repentinamente com um misto de consciência pesada pelo aquilo que me estava a suceder mas também com a sensação de ter descoberto algo que me excitou imenso e que eu até então desconhecia completamente.

Aquela foi uma imagem que ficou-me na cabeça durante alguns dias o que fez com que alguns dias depois não resistisse e por consequência me pusesse na internet a procurar/explorar sites sobre crossdressers.

Lembro-me de ter encontrado primeiramente o URNOTALONE, depois o ANDYTV e depois vários outros que me iam deliciando e que pouco-a-pouco e sem me aperceber ia alterando a forma de encarar a minha sexualidade.

O desejo de "possuir" um crossdresser não saía da minha cabeça embora a minha consciência reprimida me impedisse de dar qualquer passo no sentido de efectivamente algum dia vir a o fazer.

Vivo numa cidade relativamente pequena e cuja sociedade é extremamente preconceituosa daí que essa realidade (crossdressers, travestis etc) não são coisas que haja por cá (pelo menos publicamente!!)

Passados 3 / 4 anos, aconteceu algo de surpreendente .

Na realidade vim por um acaso a reencontar de uma forma involuntária um antigo colega de escola com quem não falava à imensos anos (desde crianças).

Era o Paulinho que havia andado na mesma escola básica que eu quando nós tínhamos cerca de 6 ou 7 anos.

O Paulinho era uma criança gorducha (não gordo !!) lourinha com cabelinho lisinho, olhos azulinhos claros meio acizentados e desde criança que já revelava comportamentos estranhos/diferentes em relação às demais crianças o que o fazia ser colocado à parte e ser vítima de brincadeiras "estúpidas".

Naquela altura infelizmente eu era um dos que não brincava nem me relacionava com ele (coisas de crianças !!) mas no entanto era dos poucos que não o maltratava o que talvez fazia com que ele à vezes me observasse muito silenciosamente no seu canto.

Ora bem deu-se a coincidência que muitos anos depois (após ter-me sucedido aquelas cenas de descobrir os crossdressers na internet) reencontrei o Paulinho.

Paulinho é quem trabalha numa loja tipo aquelas que vende um pouco de tudo e que pertencia aos seus pais situando-se perto da escola onde nós andámos e a uns quinhentos metros acima da casa dos meus pais onde eu havia crescido e morado até à relativamente pouco tempo.

Tudo começou durante um período de férias aquando duma visita à casa dos meus pais. (moro muito perto dos meus pais)
Como era usual sempre que tinha algumas camisas faltando botôes levava para a minha mãe arranjar.
Como tal, nesse dia levei algumas roupas mas minha mâe apercebeu-se que não tinha alguns botões de determinadas cores daí que seria necessário comprá-los.

De imediato disse-lhe que não havia problema que durante a semana comprava os botões necessários e que depois nesse fim-de-semana quando lá fosse novamente, levaria os ditos botões.

Minha mãe sugeriu-me no entanto que fôsse à loja do senhor Gervásio comprar os botões que ficava ali perto e sendo assim no próprio dia arranjava toda a minha roupa de maneira a que eu a pudesse levar de volta naquele mesmo dia.

Achei uma boa ideia, pois já nem me lembrava da existência da velha loja pois é daquele tipo de lojas antigas semi-falidas que não se consegue entender como continuam abertas e a resistir contra o evoluir dos tempos.

A loja do senhor Gervásio é a loja do Paulinho. O senhor Gervásio era o seu pai que entretanto faleceu.

Chegando à dita loja entrei .

Continuava como sempre aquele balcões antigos de madeira com prateleiras e vidros cheios de tudo o tipo de coisas que se possa querer (tipo loja de Chinês com roupas, artefactos tudo o que possa querer) mas que basicamente são coisas baratas e às vezes até já fora de moda.

Ao aproximar-me vejo uma figura atrás do balcão que aparentava ser uma mulher meio gordinha mas ao aproximar-me apercebi-me que era afinal o Paulinho .

Paulinho depois de adulto continua a ter aquele aspecto de menina com aqueles olhinhos clarinhos o cabelo lourinho muito fraquinho e um lábios nuito finhinhos também.

Do lado de fora do balcão estava a senhora Lurdes que era uma velhota vizinha (uma beata) que passava a vida a falar da vida alheia na vizinhança.
Assim que entrei a velhota despediu-se de Paulinho e saíu.

Ao aproximar-me apercebi-me que Paulinho reconheceu-me mas no entanto não me cumprimentou como seria lógico por nós termos sido antigos colegas de escola.

Disse-lhe "olá" e ele respondeu-me simplesmente "Bom dia"

Pedi-lhe os botões.

Afastou-se e foi aí que vi que os anos passaram e acabaram por confirmar aquilo que se já se previa.

Paulinho andava e gesticulava duma forma escandalosamente afeminado.

De repente sucedeu um pequeno pormenor que fortaleceu/reavivou os meus desejos proibidos que havia descoberto 3 / 4 anos atrás.

Quando Paulinho buscou o escadote e subiu para poder abrir a porta dos armários onde tinha arrumado as caixas de botões, retira primeiro uma caixa que estava à frente ...e coloca em cima do balcão para então poder retirar as caixas com os botões que estavam mais atrás.

A caixa que pôs temporariamente em cima do balcão continha pacotes com meias-calça para vender.

Paulinho é gordinho ..mas é aquele gordinho bem feito ....ou seja um cu enorme mas com uma cintura delgada.

Inesperadamente a ideia de associar Paulinho com aqueles gestos afeminados e com aquele cu enorme usando uma daquelas meias-calça dando o cu para mim, provocou-me um tesão de outro Mundo de tal maneira que creio ele ter-se apercebido que eu estava a apreciar o seu cu.

Fiquei um pouco atrapalhado !!!!

Chegou perto de mim começou a escolher os botões e ai aproveitei para meter a conversa e perguntar-lhe se não se lembrava de mim!

Perguntei-lhe pela mãe a dona Dolores e ele respondeu-me que ela infelizmente já não podia trabalhar na loja juntamente com ele, pois a cataratas nos olhos acabaram praticamente com a sua visão e além disso estava praticamente acamada (passava o tempo todo na cama) vítima de sucessivas quedas que tinha dado nos últimos tempos.

Embora se mostrasse um pouco tímido no início para falar comigo, agora a conversa fluía como água. Eu estava conversando mas sempre que me lembrava da cena do CU ...ficava com um tesão de todos os tamanhos.

È aí que notei que a atenção dele ficou subitamente focada por alguns segundos naquilo que estava a passar na televisão.

Na realidade existia na loja uma pequena televisão em cima dum dos armários vitrine que estava sempre ligada.
Nesse momento estava dando uma notícia e passando imagens sobre um desfile de Orgulho gay que se havia realizado dois dias antes em Amsterdão creio eu.

Comecei a ver televisão e quando apareceram dois gays de bigode a se beijarem em frente à câmara aproveitei para dizer que aquilo me enojava ver dois homens com aspecto de homens a se beijarem entre si.

Mas logo sublinhei que quanto aos outros Gays e dei um exemplo aqueles que já nascem assim e que se sentem de tal maneira femininos que chegam ao ponto de inclusive sentirem a necessidade de se vestirem de mulheres ....eu aí nesse caso não condenava minimamente.

Paulinho simplesmente não pronunciou uma palavra que fosse.

Continuei eu a dizer que havia deles que se vestiam de tal maneira que por incrível que se pudesse pensar, conseguiam ficar mais femininos que muitas das mulheres da actualidade que adoptam muito aquele estilo tipo desportivo.

Paulinho continuava a ouvir mas não manifestava-se.

Mudámos de conversa e pouco depois despedi-me e saí da loja

Naquele dia chegando a casa bati uma grande Punheta fantasiando que estava a comer a "Paulinha" dando o cu para mim usando um meia-calça.

Depois disto andei a rondar a loja sempre com desculpas mas sempre com cuidado para não suscitar desconfianças na vizinhança.

Depois de algumas visitas creio que o "Paulinha" (vou começar a chamá-lo assim) começou a ver que a minhas compras / visitas / brincadeiras simpáticas talvez fosse pretexto para algo mais (tivesse alguma segunda intenção).

Daí que tenha tido a sensação que ele ficava mais nervosa e eis que um belo dia após chegar a casa com um pequeno saquinho de uma daquelas compras sem grande necessidade que fazia na loja do Paulinho ......encontrei um pequeno envelope.

Abri e era uma declaração de amor.

Era mesmo sentimental não era coisa de sexo.

Fiquei eu um pouco nervoso com aquilo e lembro-me de pensar para mim mesmo "vê lá em que é que te andas a meter" ...mas paralelamente fiquei também com um tesão de todos os tamanhos só de imaginar que podia me aproveitar da situação para fazê-lo vestir-se para mim como eu quisesse e deixar-me fazer dele o que quisesse.

Fiquei cerca de um dia pensando no assunto pois tinha também a parte de consciência religiosa que era na altura o maior impedimento para deixar soltar o meus desejos proibidos.

Mas falou mais alto o tesão. Daí que dois dias depois tivesse ido à loja. Paulinho que quando me lá viu chegar ficou nervosíssimo. Assim como eu fiquei também.

Aproximei-me perguntei se estava tudo bem. Ele olhou para mim fixamente sem dizer nada.

E foi aí que comecei a desbobinar.

Comecei por me fazer rogado no que respeitava os sentimentos dele e disse-lhe que ele tinha que ter bem a noção que a vida não é feito de amores Platónicos (e então comecei a levar as coisas como me convinham)...disse-lhe que aquilo era algo muito sério pois quando por exemplo dois seres humanos assumem entre si uma relação de afecto deste tipo isso acaba inevitavelmente mais tarde em implicar SEXO.

E logo perguntei para ele se tinha a noção do que seria aquilo !?!? e se teria preparado para tal situação..!?!?? e se imaginava sequer o que tal seria !?!??

Finalmente Paulinho impetuosamente exclamou muito decidido que da parte dele estava seguro do que estava a fazer ....e ....que inclusive já nos tinha imaginado juntos e que estava pronto a levar a situação em frente ....

Quando me disse que já nos havia imaginado juntos fiquei com um tesão de todo o tamanho e prontamente confessei-lhe que embora me sentisse atraído sexualmente por ela ao ponto de já nos ter inclusivamente imaginado juntos ele vestido de mulher e eu a possuí-lo, não estava ainda completamente à vontade para ir em frente uma vez que aquilo era uma situação completamente nova para mim e que me tinha apanhado de certa forma surpreendido .

Alertei-lhe que havia ainda o problema sobre onde é que no encontraríamos visto ele não saír praticamente de casa para cuidar da mãe!!?..

De repente agarrou-me na mão ...foi a primeira vez e fiquei meio atrapalhado e um pouco receoso visto que a qualquer momento alguém poderia entrar na loja e ver, mas não dei parte de fraco e perguntei-lhe se nós levássemos aquilo em frente se ele seria capaz de se vestir de mulher para mim ...ao que ele disse que sim e perguntou-me que tipo de roupas eu gostava que ele usasse quando estivesse comigo .

Eu disse-lhe e aproveitei a oportunidade para elogiar-lhe que ele tinha umas ancas de mulher. Perguntei-lhe se podíamos nos encontrar no sábado. Respondeu que sim desde que fosse na loja ou na casa que ficava por cima da loja mas que lhe telefonasse antes.

Dois dias depois (sábado) telefonei-lhe e combinámos que fôsse ter a casa junto à loja mas que entrasse numa porta lateral que dava para uma esquina escondida junto a um antigo fontenário. Aproveitei para garantir-lhe que eu seria muito carinhoso e levaria as coisas com muito cuidado para não magoá-la. "Ela" aproveitou para me confessar que embora nunca tivesse estado com homem antes, havia já no entanto imaginado muitas coisas e apimentou a situação acrescentamdo que já costumava inclusivamente fazer umas "brincadeirinhas" com cabos de escovas de cabeleireiro.

Ao ouvir aquilo, fiquei louco de tesão e não via a hora de chegar a sábado.

A zona onde ficava a loja era ideal visto que ficava numa parte da estrada muito íngreme onde a estrada ficava mais estreita e situava-se de frente (no lado oposto da rua) para uma moradia enorme circundada por um muro alto a toda a volta dos terrenos circundantes mas que pertencia a emigrantes que passavam a maior parte do ano fora vivendo em França e que geralmente ocupavam a casa somente durante as férias no mês de agosto.

Quanto à loja, para o lado da rua havia duas portas.

Uma das portas era a da loja que estava ladeada por duas janelas que serviam de vitrine para expôr mercadoria e mais acima ficava a porta de acesso exterior da casa (embora houvesse uma escada de comunicação interior entre aloja e casa)

Em baixo, ao dobrar a esquina do edifício fica um recanto escondido onde antigamente existia um velho fontenário e onde se situava uma porta que só esporadicamente era aberta para carregar mercadoria para a loja.

Chegando ao Sábado andei o dia todo um pouco nervoso é certo mas sempre cheio de tesão. Marcámos por telefone às 20h00 na porta do canto escondido. Chegando ao início da noite muito discretamente aproximei-me da loja sempre receoso para não ser visto (fui a pé) bati levemente na porta que ficava no recanto escondido onde antigamente existia o velho fontenário e logo a porta abriu um pouco e o suficiente para eu entrar.

Chegando a dentro fiquei completamente babado e o meu caralho (o cacete) quase que não cabia dentro da calças.
Aí estava ela toda maquilhada (um pouco exagerado ...mas excitante) lábios cheios de baton vermelho berrante ...estava vestida, com um vestido branco justíssimo abaixo do joelhos, collants negros debaixo do vestido e uns sapatos de verniz cõr-de –rosa altíssimos:
Era notório que tratava-se de roupa barata (talvez daquilo que tinha na loja para vender) mas que dava-lhe um ar ordinário de puta.

Logo após fechar a porta agarrei-a encostei-a à parede tendo lhe metido a lingua dentro da boca dando um beijo cheio de intenções sexuais ao mesmo tempo que agarrava-lhe naquele CU descomunal e que apalpava sem fim.

Estávamos cheíssimos de tesão mas estava a ver que teria de tomar a decisão, foi quando agarrei-lhe na mão e pus-lhe em cima do volume das minhas calças.

Ela que inicialmente parecia pouco à-vontade para tomar a iniciativa, logo que se viu com a mãozinha (ela é alta ...principalmente com os saltos altos...mas tem umas maõzinhas, pezinhos e boquinha tão pequenos em relação ao corpo.) no meu volume, agarrou-se ao Caralho com tal avidez que parecia não o querer deixar mais nunca ...era quase como ....se fosse finalmente aquilo que tanto queria depois de tantos anos.

No local onde estávamos, a luz estava desligada sendo que a única claridade vinha de cima do início das escadas mas isso (a sensação de estar a fazer aquilo escondido) fazia com que ficasse ainda mais cheio de tesão.
Baixei-a, pus-lhe de joelhos, e fui então que vi que ela estava completamente ansiosa com aquilo que eu ia a fazer....abri os botões das calças e meio atabalhoadamente tirei o Caralho para fora que estava completamente duro.

Era incrível tinha a sensação que o tesão era tal que o Caralho parecia maior do que o costume.

Pus-lhe em frente á cara dela que parecia hipnotizada pelo "BICHO" foi então que meio à bruta abri-lhe a boquinha e meti o máximo que pude do Caralho lá dentro... agarrando-lhe na cabeça...ela ficou louca começou a "mamar" meio desajeitamente, mas de assim que apanhou o jeito do vai-vem começou a mamar vigorosamente e cada vez mais a engolir o máximo caralho que podia emitindo uma respiração ofegante sendo que esporadicamente como que se atrapalhava com a própria saliva mas mamava como uma grande Puta...não demorou muito soltei o AHHAHAHHAHA e disparou-se o primeiro esguicho de leite ....ela ia tirar da boca mas eu cheio de tesão agarrei-lhe no cabelo e obriguei ela a engolir o leite todo.

Levantei-a dei-lhe um beijo, comecei a beijar-lhe o pescoço e pus-me por detrás dela a comprimir o meu Caralho contra o rego dela. Comecei puxando o vestido dela rapidamente para cima mas com dificuldade visto que tinha um cu enorme e o vestido era muito apertado.

Logo de seguida baixei-lhe os collants o suficiente para conseguir meter-lhe o caralho no cu mas quando começava a fazer planos para finalmente lhe enrabar eis que surge uma voz nos confins da casa lá em cima que tem comunicação por dentro com a loja cá em baixo ....foi um grande susto ...era a Velhota Dolores a chamar pelo filhinho ..que .meio aflito interrompeu tudo e praticamente pôs-me pela porta fora dizendo que depois falávamos.

Saí, fui para casa e nessa noite só pensava em repetir aquilo novamente. Foi incrível.
Domingo de manhã telefonei para a loja (ele não tem telefone celular) mas dava um toque no máximo de forma a não alertar/chamar a atenção da velha Dolores.

Finalmente o telefone atendeu e lá estava Paulinho.

Perguntei como foi depois de eu saír.
Respondeu-me que apesar de tudo, correu bem, pois tirou logo os saltos altos mas que o problema foi subir rapidamente as escadas com aquele vestido apertado e com as meias um pouco abaixo do cu e que além disso o facto de estar com as meias mas sem sapatos a faziam escorregar no chão de madeira quando dirigia-se rapidamente ao banheiro para despir-se e tirar as pinturas afim de ir rapidamente ao quarto da mãe.

Disse-lhe que gostei muito e que gostaria que nos encontrássemos outra vez.

Marcámos para essa noite.

Chegada à noite (combinámos às 23h00 assim talvez a mãe dele já estivesse dormindo e não tornasse a interromper) estava uma chuva enorme e cheguei meio alagado, toquei levemente na porta que se abriu um pouco devagarinho, entrei e aí fiquei completamente estupefacto e super louco de tesão.

Ali estava o meu viadinho de bunda descomunal me esperando todo produzido com o mesmo baton e pinturas do dia anterior mas desta vez vestido com uma chemise vermelha semi-transparente comprida só mostrando os pés que indicava que usava por baixo da chemise um cinto de ligas e umas meias 7/8 côr-da-pele escuras, umas chinelinhas brancas com duas pequenas tirinhas na parte dianteira suficientes para conseguir manter as chinelinhas enfiadas nos pezinhos mas que tinham um salto de tal maneira altíssimo que praticamente o pezinho ficava quase na horizontal apoiando-se no chão somente na zona dos dedinhos o que fazia com que Paulinho ao movimentar-se a sua maravilhosa bunda grande, branca e bem-feita, ficasse em relevo e abanasse imenso lá em cima daqueles saltos conforme eu podia ver através da chemise semi-transparente que usava .

Fiquei com um tesão tal que até parecia que sentia as pancadas do coração na glande do caralho que parecia estar latejante.

Reparei através das costuras das meias que saíam na parte dianteira das chinelinhas que , tinha-se até dado ao cuidado de pintar com verniz vermelho as unhas dos pezinhos. Estava numa verdadeira PUTA.

Nunca na minha vida havia sentido tanto tesão !!

Agarrei-a beijei-a apalpei-lhe vigorosamente aquela bunda monumental e disse-lhe que queria foder-lhe o CU.

Ela agarrou-me pela mão e puxou-me para subir atrás dela pelas escadas acima, imediatamente segui-lhe subindo as escadas agarrando-lhe a cintura e comprimindo já o meu volume das calças pela Bunda dela dentro enquanto que aproveitava para ajudá-la a subir as escadas visto que caminhava com dificuldade devido às chinelas altíssimas que usava.

Uma vez que nos aproximávamos do andar de cima (da casa) tivemos que fazer menos barulho visto que todo o chão da casa assim como a escadaria que sobe da loja até à casa no andar de cima é de madeira antiga. Além disso ao chegarmos a cima tínhamos de passar em frente ao quarto da Velha que estava na cama meia cega mas não totalmente surda para poder então passar para o quarto do viado onde eu o ia enrabar.

Entrámos no quarto fechámos a porta. Tinha um género dum pequeno corredor depois da porta do quarto até chegar propriamente a zona do quarto onde ficava a cama e os outros móveis.
Aí logo no corredor ao ver/sentir aquela bunda enorme através da chemise associado aos sons superfemininos provocado pelo roçar das meias com a chemise e o barulhinho dos seus pezinhos a bater nas chinelinhas deu-me um tesão tal que beijei-lhe o pescoço encostei-lhe o volume do meu tesão pela bunda dentro e apressei a chegada (empurrei-a delicadamente) até à zona da cama onde eu o ia enrabar.

Uma vez chegado lá notei que dormia numa cama que parecia um ninho.

A cama era tão fôfa e tinha tantas almofadas que quase que dava para ficar enterrado a meio daquele ninho de amor.

A cama já estava meia desfeita o que dava para advinhar que alguém já tinha planos para aquela noite além de que , ela tinha fechado as cortinas da janela que dava para um pátio traseiro e tinha somente a luzinha da mesa de cabeçeira acesa mas com um pequeno pano por cima para que a luz ficasse muito ténue.

Beijei-lhe o pescoço agarrando-lhe por trás e continuando a comprimir o meu caralho contra a chemise dele dentro na zona da bunda insinuando-lhe o que eu queria.

O viadinho ficou louco de tesão.

Desamarrou imediatamente o cinto da chemise e deixou-a caír no chão.

Usava um soutien branco .....ao ver aquele cu branco bem feito e enorme com aquelas duas queixadas carnudas suspensas lá em cima daquelas chinelinhas de salto altíssimo com aquele cinto de ligas branco prendendo umas meias cõr-de-pele tipo PUTA e com um fio dental que praticamente desaparecia-lhe a meio do CU ....foi demais !!!!

Perante este cenário agarrei-me num apíce ao lubrificante que tinha trazido rasguei-lhe o fio-dental e empurrei-a à minha frente para cima da cama.

Ao caír em cima cama perdeu as chinelinhas e ficou só de soutien, com as meias e o cinto de ligas.

Pôs-se de quatro abri-lhe aquelas queixadas do cu e comecei a lubrificar-lhe o anus ...!!

Ela(e) começou a gemer ...!

Aproveitei quando tinha o buraquinho a comprimir-se dei-lhe um beijo no cuzinho molhei o dedo novamente com o lubrificante e comecei a preparar o buraquinho que entretanto não parava de palpitar.

O tesão aí era tal que pus-me nu em segundos (foi mesmo em segundos).

Depois agarro no meu Caralho que estava rijo como um ferro e lubrifiquei-o muito bem .

A Paulinha entretanto curvou-se baixando um pouco a cabeça junto a cama e deixou-me o CU espetado lá em cima à minha disposição.

Pus-me a jeito.

Chegou à hora !!

Fiz pontaria da glande do Caralho contra o CU dele cujas contracções do buraquinho pareciam dizer mete.

Comecei a meter a Cabeça ... e Paulinha estremeceu um pouco e começava a gemer um pouco

Aquilo pôs-me louco e fez-me meter a cabeça toda e mais um pouco do caralho.

Ela agora gemia mais acentuadamente

Então comecei devagarinho a metê-lo mais a abrir-lhe o cu e ela agora ou suspirava ou gemia !!

Quando já tinha entrado para aí uns 80% ela disse que não sabia se entrava mais ....foi então que deu-me um ataque ultra tesão e então é que lhe enterrei o caralho todo do CU até bater com as bolas contra o cu dela. Ela estremeceu toda.

Agarrei-lhe por detrás e enrabei-a um tempinho de forma a que ela conseguisse disfrutar bem a virilidade do meu caralho quente e duro como un ferro dentro do seu CU o que a pôs louca.... só depois comecei recuando o caralho para trás devagarinho.
Tornei a enterrar devagarinho e repeti isso algumas vezes o que a fazia gemer de prazer ....logo que o "canal" estava bem escorregadio e pronto para o vai-vém, coloquei-me a jeito encavalado em cima dela de maneira a que lhe cobria toda (TIPO GARANHÂO) e comecei a foder-lhe o CU com vigor.

Felizmente estava chovendo imenso lá fora (a chuva fazia imenso eco quando caía em cima de umas chapas zinco dum viveiro de pombos que tinha lá perto) o que dava para disfarçar os sons resultantes do que estava sucedendo dentro daquele quarto ou seja:

A partir do momento em que comecei a dar-lhe no CU com vigor ouvia-se

O viado a gritar

A minha respiração bastante ofegante também contribuía para o barulho assim como o barulho na cama a ranger e o barulho de carne a bater contra carne resultante das estocadas viris do meu corpo batendo contra a sua bunda à medida que lhe ia dando no CU

Quando olhava para um espelho do armário que tem no quarto e que ficava situado em frente da cama,... não conseguia ver o meu caralho a entrar-lhe no cu mas conseguia ver o meu corpo peludo na cama encavalado em cima dele passivamente debaixo de mim a dar o cu vestido somente com um soutien e o cinto de ligas com as meias o que me ponha ainda mais completamente excitado.

Pouco tempo depois de ela se vir (gozar) tive aquele que provavelmente foi o maior orgasmo da minha vida. Não faço ideia ...mas devo ter-lhe enchido o CU de leite até não poder mais.

Fiquei um pouco dentro dela e depois tirei o Caralho que curiosamente já dava indícios de querer ficar pronto para outra ...foi então que inexplicavelmente a Paulinha apesar de ter delirado com a primeira foda que levou tirou o soutien e de repente começou a chorar !?!!?

Perguntei-lhe se a havia magoado mas disse-me que não... que não era isso que era tontarias (bobagens) que já passavam.

Enquanto dobrou-se para a mesinha de cabeceira para buscar um lenço para limpar as lágrimas mostrou-me aquela bunda branca, grande, bem-feita e efeminada que associada
àquelas pernas bem longas e bem torneadas relevadas por continuar a usar as meias que lhes dava um ar imensamente feminino e erótico, deu-me um tesão de todo o tamanho.

Dei-lhe uns beijos no pescoço e inventei que a amava..(disse-lhe que a amava) ... .ela ficou toda derretida (era o que eu queria) disse-lhe que gostava de continuar a fazer amor com ela o que ela concordou beijei-lhe o pescoço e .... pus-lhe de lado....pus um mão por debaixo dela e abraçei-lhe a sua cintura e enterrei-lhe o caralho no CU e coloquei uma das pernas em cima dela.
Depois comecei com o vai-vem a foder-lhe o cu.......estava demorando um pouco e ela dá sinal de começar a chorar outra vez ...só que nessa altura eu já estava com um tesão louco, pois já a fodia com estucadas rapidíssimas (tipo coelho) e estava quase a atingir o segundo orgasmo e portanto não liguei ao pequeno choro dela ....e pouco depois estava novamente vir-me dentro do cu dela. (ela desta vez ela não atingiu o orgasmo).

Um vez mais perguntei o que passava ao que ela uma vez mais disse que "não era nada !... que ia passar!". Pediu para puxar os lençois para cima porque entretanto estava a sentir um pouco de frio.

Perguntei se ela não tinha gostado da segunda vez !?'! ela disse que sim mas como tinha-lhe dado para chorar sem saber porquê, entretanto não se tinha concentrado suficientemente no acto para disfrutar completamente como da primeira vez ao ponto de ter atingido o orgasmo antes de mim.

Ficamos calados um tempo com ela deitando a sua cabecinha no meu peito peludo.

Quando ela movimentou-se ligeiramente para buscar outro lenço na mesa de cabeceira o roçar nos lençois das meias que ela continuava a usar, encheu-me novamente de tesão.

È ai que quando volta-se para mim peço-lhe para fazer-mos mais um pouco de amor.

Pois estava cheio de tesão e louco para dar-lhe mais uma FODA mas agora numa posição diferente..... ela concordou. À já algum tempo que não havia tido uma sessão de sexo tão cheia de tesão ao ponto de ter vontade de dar três praticamente seguidas.
Se dúvidas houvesse, agora estava tudo esclarecido, finalmente tinha descoberto qual era verdadeiramente a melhor faceta da minha sexualidade ......"comer crossdressers gays efeminados e passivos".

Abraçamo-nos beijámo-nos e é quando abro-lhe as pernas (espreitei debaixo dos lençois e vi que ela tinha um penis pequeno cuja glande nem aparecia por estar envolvido pela pele) ponho-a na posição de missionário ela descansa as pernas nos meus ombros e eu começo a enterrar-lhe o caralho no cu.
Ponho-me todo em cima dela de forma cobrir-lhe toda de tal maneira que olhando para o espelho do armário que ela tinha em frente à cama ...só dava para notar que estava alguém debaixo dos lençois por baixo de mim através da sola dos pézinhos dela esticados que mantinham-se descansados nos meus ombros ladeando o meu pescoço mostrando somente a costura das meias que na altura já eram as únicas peças de roupa que continuava usando.

È então que começo a foder-lhe animalescamente o cu para cima e para baixo de tal maneira que se tinha havido barulhos com a primeira a FODA isto não era nada comparado com esta Foda.

Fodíamos como loucos e parecíamos estar em transe

Ela gritava cada vez mais alto AI AI AI AI AI AI

Eu agora urrava pois sentia o meu caralho teso como um ferro a entrar e saír incontroladamente louco naquela bunda quentíssima!!!!!

A cama parecia que se ia desmanchar .

Pouco depois viemo-nos . naquilo que foi mais um fodão inolvidável.

Felizmente continuava chovendo imenso lá fora e o barulho resultante da chuva batendo nas chapas de zinco lá fora tinha disfarçado imenso o barulho resultante daquele inovidável coito anal que se tinha consumado.

Caso contrário a velha Dolores (mãe do Paulinho) que se encontrava dormindo num quarto alguns metros afastado poderia ter deduzido que o viadinho do seu único filhinho estava fechado no seu quarto dando o CU para um macho.

A partir desse dia temos fodido como loucos e sempre cheios de tesão sempre envolvidos em cenas altamente eróticas!

 

Minha ex é minha amiguinha

Vou me descrever: hoje tenho 29 anos, corpinho bem gostoso, 1,75 a 68 kg, pele sempre lisinha, pois me depilo, os poucos pelos que tenho, num salão de uma amiga íntima de 20 em 20 dias com cera quente, no qual me deixa sempre lisinho. Tenho peitinhos inchadinhos e um pouquinho desenvolvido, devido aos exercícios que fiz e os hormônios que tomei por quase um ano. Adoro usar lingeries e fazem mais de 5 anos que não sei o que é usar cuecas. Só uso calcinha, pequenininhas que ficam toda enterradinha no meu bumbum. Bom mas vamos ao que interessa. Quando completei 18 anos, estava meio confuso, pois gosto de mulheres também.

Acabei conhecendo uma gatinha sensacional, gostosinha demais, aliás até hoje continua. Começamos a namorar e não demorou um ano e estávamos casados. No começo estava tudo a mil maravilhas. Acabei confessando a ela minhas taras e fantasias. Compramos então vibradores e ela passou a me comer também. Adorava usar calcinha, camisolinhas na sua frente. Só que as brigas começaram e no sexo eu conseguia satisfazer ela só na base do oral. È que eu não conseguia mais ereção e até hoje é assim. Tínhamos 6 anos de casados, quando ela se cansou e disse que queria se separar. Fazer o que, tive que aceitar, mas falei que não tinha para onde ir. Ela aceitou que morássemos juntos, mas em quartos separados. E assim foi. Ficamos uns 6 meses com poucas conversas.

Ela começou então a sair nas noitadas. E eu ficava acordado até ela chegar lá pelas 3 horas, meia de pilequinho. Por diversas vezes ficava atrás da cortina e via ela chegar com um cara. Se beijavam e ele ia embora. Aquilo me dava, em vez de ciúmes, um enorme tesão. Me masturbei várias vezes, só de pensar que ela estava trepando com outros. Um dia porém ela me viu espiando. Quando entrou no meu quarto, fingi que estava dormindo, quando ela chegou, de pilequinho e disse que não adiantava eu fingir porque ela me viu atrás da cortina. E disse também se eu vi ela beijando o fulano na boca. Disse que sim. Ela me perguntou se eu não gostaria de saber de onde estava vindo. Eu disse que sim e ela na lata me falou: de um motel. Nesse momento dei um suspiro de tesão, que quase gozei sem me tocar. Percebendo minha excitação, tirou o vestido e ficou nuazinha pra mim. Abriu as pernas e mostrou aquela xaninha lizinha e guiou minha boca pra lá dizendo._Chupa gostoso e sinta o gosto de porra que ele me deixou. Fiquei louco de tesão e chupei fazendo ela gozar muito. Ela então tirou minha bermuda e minha camisa e ai ela viu eu estava de calcinha. Ela riu bastante e achou que eu estava uma gracinha. Chupou meu pauzinho, tentando deixar ele duro, mas foi inútil. Ela de uns dois tapas nele e disse que eu tinha que virar fêmea mesmo, pois isso ai já era, apontando pro meu pênis. Eu estava cansado e ela também. Então ela me convidou pra dormir com ela. Fomos tomar um banho.

Então ela me deu uma camisolinha dela para eu vestir. Dormimos abraçadinhos. A partir deste dia, por incrível que pareça, nos tornamos amigos pra lá de íntimos. Como estamos separados, ela aceitou eu do jeito que sou e ela claro, ta dando mais que xuxu na serra. Ta livre pra trepar com quem ela quiser. E é assim até hoje. Começamos a nos bronzear no quintal de casa, que tem muros altos. Eu e ela sempre de fio dental, onde ficamos com marquinhas bem sexy no bumbum. Para vocês terem uma idéia da nossa amizade e felicidade, semana passada quando estava saindo a noite ela me perguntou se eu ia sair. Falei que não, estava afim de ficar em casa mesmo. Então ela me falou: _ Toma um banho gostoso, e veste o que eu deixei em cima da cama e fica assim, me esperando. Quando vi, era uma camisolinha bem curtinha preta e uma calcinha fio dental também preta. Nossa adorei. Já passavam das uma da manhã, eu estava tomando uns drinks e já estava meio embaladinho, resolvi ir descansar. Deitei na cama e acabei dormindo. De repente fui acordando com alguém me acariciando meu corpo e escutando muitos gemidos.

Quando acordei totalmente quase explodi de tesão. Vi minha ex chupando um cacete enorme de um negão enquanto outro, também negão me acariciava. Ela então olhou pra mim e disse: _ Gostou da surpresa? Dei um gostoso beijo em sua boca lhe agradecendo. A partir daí, foi so sacanagem. Os dois foderam eu e ela de todas as maneiras. Bebemos muita porra até de manhã. E até hoje somos assim. Ela sempre chega com dois convidados para fazermos nossas festinhas. Agora ela está tendando arrumar não dois, mas uns dez negões bem dotados para nos saciar. Quando isso acontecer, eu conto tudinho pra vocês.

Beijus,, Lú.

milena.rib@bol.com.br

O ovo de páscoa de Andreia

Com a chegada da páscoa, Pedro pensou em surpreender sua cdzinha
oriental, a cada dia mais mulherzinha e safada. Andreia também estava
com idéias novas na cabeça e pensava em presentear seu macho de
maneira especial. Abriu o armário e começou a procurar pela fantasia
ideal: estudante, coelhinha, mulher-gato, mulher maravilha,
enfermeira...eram tantas que ela, como boa fêmea, não conseguia
escolher.
- Nossa, não tenho roupa para vestir neste feriado...
Enquanto pensava, olhou para o porta-retratos sobre o criado-mudo e
viu a foto de Pedro abraçando-a por trás. Não teve dúvidas.
Neste mesmo momento, Pedro preparava sua surpresa com suas amigas bonecas.
- Vamos fazer de Andreia uma mulher especial hoje, gente.
- Ai, Pedro, como fazemos isso?
- Você vai ver.
Marcia e Patricia, as bonecas mais chegadas da vida noturna de Pedro,
morriam de vontade de serem possuídas novamente por ele. Desde que
conheceu Andreia, ele não fazia mais programas com as “garotas”. Mas
neste dia, Marcia, a mais antiga das amigas, sentiu que havia algo
novo em seu olhar. Notou que Pedro estava mais solto, descontraído, e
pensou mesmo em alisar seu cacete por cima da bermuda, mas pensou
melhor e se conteve.
Pedro ligou para Andreia e chamou-a para seu apartamento. Andreia, por
sua vez, colocou a fantasia escolhida na mochila e chamou um táxi. Em
minutos estaria batendo à porta.
- Oi, querido.
- Oi, gata.
Pedro beijou-a lentamente, enquanto alisava suas costas com um abraço
forte e amoroso. Andreia não resistiu e sentiu seu pequeno clitóris
reagir.
- Sua safadinha...vem cá, gatinha. Entre.
- Claro, amor.
- Olhe quem está aqui: Marcia e Patricia. Você se lembra da Patricia
daquela festa no sítio, não lembra?
- Claro, querido.
As bonecas vieram cumprimentá-la. Trocas de beijos e abraços que
apenas deixavam Pedro mais excitado. Andreia pediu licença para se
trocar. As bonecas ficaram curiosas.
- O que você vai vestir hoje, cdzinha?
- Surpresa, gente!
- Ah...conta...
- Esperem um pouco.
Dizendo isso, saiu toda feminina rebolando aquela bundinha durinha e
suave para dentro do quarto de Pedro.
- Meninas, é agora!
Pedro havia preparado uma surpresa para Andreia. Uma surpresa, na
verdade, para ambos. Há meses notava que sua putinha oriental estava
mais desencanada com o sexo e queria muito fazê-la experimentar algo
novo.
As bonecas também não sabiam toda a surpresa, apenas que deveriam se
vestir com as roupas de líderes de torcida que Pedro havia comprado
para elas. Depois da última transa com Andreia, ele não tirava esta
fantasia da cabeça.
Marcia e Patricia logo estavam vestidas e a visão das duas deixou
Pedro em ponto de bala.
- Querido, você está bem disposto hoje, não?
- Sim, Marcia. Vocês duas estão lindas.
Antes que continuassem o diálogo, Andreia apareceu com sua fantasia
escolhida: Mulher Maravilha. Pedro quase desmaiou de tesão. Há tempos
queria transformar sua cdzinha gostosa em uma heroína safada. Em suas
noitadas com as bonecas já havia tentado convencer algumas delas a se
vestirem assim, mas as mesmas nunca tinham a fantasia e algumas só se
preocupavam com o horário do programa, o que tirava boa parte de seu
tesão. Foi por isso tudo que o cacete de Pedro se fez presente com uma
pequena mancha em sua bermuda.
- Surpresa, Pedro...ah, garotas, vocês também estão fantasiadas hoje?
- Sim, querida!! Mas você está linda!
- Era meu sonho de infância ser a Mulher Maravilha, Andreia!
- Não diga, Patricia...
- Nossa, você ficou ótima...esse shortinho azul caiu bem em você...
Enquanto isto, Pedro mal podia esconder sua excitação.
- Agora que as duas gatinhas e minha mulherzinha estão todas
gostosíssimas, proponho um brinde de Páscoa!
Pedro trouxe as taças e abriu a champanhe. Todos brindaram e se
entreolharam. Pedro sabia que conseguira criar algo no ar. O clima
estava alegre e ao mesmo tempo o cheiro do que aconteceria era cada
vez mais forte. Olhou para as bonecas e Andreia. Notou que a conversa
entre elas estava animada. Serviu discretamente mais chamapanhe para
que sua cdzinha se soltasse mais.
- Japonesas tímidas... pensou quase em voz alta.
Mas podia ver que o shortinho estrelado de sua japonesinha estava bem
estufado, denunciando o tesão que, inutilmente, Andreia tentava
disfarçar. Depois de tantos treinos com picolés e siriricas alternadas
com Pedro, a menina não sabia mais o que fazer nestas horas. Sentia-se
perdida.
Olhando para o outro lado, Pedro notou que as bonecas mais femininas
que conhecia também estavam bem à vontade. Patricia e Marcia adoravam
a fantasia de líderes de torcida e as saias curtinhas de ambas
deixavam aquelas pernas bem torneadas e depilada à mostra, convidando
Pedro para o prazer.
Discretamente, Pedro foi até a cozinha e trouxe um par de algemas sem
que ninguém visse. Repentinamente, tirou Andreia do sofá, abraçou-a
por trás mostrando-lhe o volume de seu desejo e, enquanto a mais
feminina das cdzinhas se derretia de tesão, puxou suas mãos para trás
e algemou-a.
- Pedro...o que é isso??
- A Mulher Maravilha está presa!
- Ai..ui...querido...
Já meio tonta, Andreia não reagiu muito – e nem queria reagir –
fazendo-se de dengosa e se esfregando em Pedro que apertou-a mais
ainda.
- Agora, querida, você é minha prisioneira. Garotas, venham aqui.
- Pedro, querido...
- Calma, gata. As meninas só querem te ajudar.
- Ahn...?
As duas travestis se aproximaram.
- Garotas, a Mulher Maravilha quer sentir novas sensações. Venham
aqui. Márcia, dê um trato nos peitinhos da minha putinha.
- Sim senhor.
Marcia veio, toda delicada, como uma boa líder de torcida, e começou a
alisar os peitinhos da japonesinha sem tirar o top.
- Ui...ui...
- Patricia, minha japonesinha se sente pouco a vontade aqui.
Ajoelhe-se e cheire minha gueixinha.
Patricia veio correndo, ajoelhou-se e sentiu que o shortinho já estava
um pouco úmido. Não resistiu e começou a lambe-lo.
- Ai...ai...querido...
- Gosta, tesãozinho?
- Adoro...ui...ai...Marcia, te adoro...Pat....você é tão gostosa...
- Você se sente uma cdzinha lésbica hoje?
- Ai....
Pedro chupava sua nuca e alisava sua bundinha. De repente, saiu e foi
à cozinha. Patricia agarrou a bunda da menina e começou a cheirar e
chupar mais forte fazendo com que o clitóris de Andreia ficasse
rígido. Marcia já tirava o top e chupava os peitinhos da cdzinha.
Pedro voltou com um pequeno consolo.
- Querida, você precisa ganhar seu ovo de páscoa.
- Ui..ai...sim...
Pedro se ajoelhou e, lentamente, baixou o shortinho de Andreia.
Patricia pôde ver o pequeno clitóris depilado bem à sua frente e
começou a chupá-lo para alegria e desespero de Andreia.
- Marcia, vem cá, querida.
- Sim,tesão.
- Chupa aqui o “ovo”.
- Claro, querido. Quer que chupe o seu também?
- Depois falamos disso, se minha japonesinha deixar.
- tudo bem, Pedro.
Marcia enfiou o consolo em sua boca e começou a chupa-lo como se fosse
o de Pedro que, não resistiu e começou a se punhetar lentamente. Pedro
pegou o consolo e deu uma chupada gostosa no cuzinho de sua
japonesinha delicada. Em seguida, abriu-lhe as pernas. Andreia, já
relaxada com a champanhe e o trato das bonecas, cedeu fácil. Foi então
que Pedro lhe enfiou o consolo devagar.
- Ai, ai...calma...querido..
- É seu ovo de páscoa, gatinha
- Sim...eu quero..me dá...
- Sim, gata...
- Ui..ai...
Marcia não resistiu e começou a beijar Pedro, deitando-se no chão. Viu
o cacete rijo de Pedro sobre seu rosto e puxou-o para si, chupando
vorazmente como que matando as saudades.
- Andreia, Marcia pode me chupar?
- Ai, pode...pode...ui...enfia...
Patricia acelerou o boquete deixando Andreia em ponto de bala.
Levantou-se e começou a beija-la e morder seu pescoço. As sensações
de Andreia eram as mais loucas e deliciosas possíveis. Pedro socava o
consolo em seu cuzinho delicioso enquanto era ganhava uma chupada
apaixonada de Marcia e se sentia nos céus.
Andreia não resistiu e resolveu ficar de quatro.
- Pedro, querido, deixa eu te pagar um boquete por este ovo...
Pedro deixou o consolo no rabo de Andreia, pediu para Marcia continuar
o que estava fazendo e ofereceu seu cacete melado com a saliva da
boneca para sua cdzinha gostosa.
Marcia olhava para Pedro e mostrava sua calcinha arregaçada de lado,
molhada, com seu pequeno clitóris a mostra. Marcia era totalmente
passiva e não se enrijecia nunca, o que deixava Pedro mais louco ainda
de tesão. Patricia, uma boneca mais nova, quase rasgava sua calcinha
de tesão com seu clitóris excitado. Correu para Marcia e começou a
beija-la na boca enquanto roçava seu clitóris melado no dela. Já o
cuzinho de Andreia perdeu o consolo.
- Querido..meu ovo...ai..quero mais...
- Calma meu benzinho...
Pedro tirou seu cacete super-lubrificado da boca de Andreia, caminhou
em direção aquele rabo gostoso e se preparava para lhe dar um trato
quando foi agarrado por Marcia e Patricia.
- Agora, querido, nós vamos lhe dar o nosso presente.
Andreia, algemada, não consegui fazer muito, mas ao se virar, notou
que ambas punhetavam Pedro com força.
- Ui, garotas...que delícia...duas líderes de torcida me punhetando em
frente ao cu da Mulher Maravilha...eu não poderia desejar algo mais
tesudo...
- Isto, gato...vamos....que pauzão gostoso...
- Vai, tesão...vamos te punhetar para sua japonesa...
Pedro não resistia mais e ambas o empurraram para o cu de Andreia que
soltou um grito. Foi então que Pedro gozou com força e tesão em seu
cu, com jatos de porra quente. Andreia podia sentir como se fosse em
sua alma, tamanho o tesão do seu macho.
- Ah....tesão!
- Ui...meu macho!
Marcia e Patricia se beijaram. Em seguida começaram a alisar Andreia
que, de quatro, algemada, e, agora, possuída, estava quase sem forças.
Marcia se inclinou e viu que Andreia já melava o chão.
- Querida, não podemos deixar você assim. Venha nos chupar.
Dizendo isso, escorregou por baixo de seu corpo e convidou-a para um
69. Andreia cedeu às suas fantasias com bonecas e chupou-a com força.
Patricia tirou Pedro do cu de Andreia e chupou-o.
- Vou te lavar, gostoso!
- Fique a vontade, putinha!
Andreia não resistiu e gozou na garganta mais feminina de todas as
bonecas. Marcia quase engasgou e abraçou-a fortemente. Andreia,
algemada, não conseguia se mexer, mas podia sentir os tremores do gozo
e do tesão de ser mulher de seu macho, agora num outro nível, mais
sexual do que nunca. Sabia que ele era seu homem, mas não sabia se
suas fantasias com Marcia – e agora com Patricia ou outras bonecas –
seriam um aperitivo a mais em sua relação com Pedro ou se seriam um
problema.
Mas estava tão cansada para pensar calmamente no assunto que resolveu
relaxar. Pedro tirou seu shortinho e trocou-o pela calcinha de Marcia.
- Olha, querida, como você fica sempre bem com a calcinha de sua amiguinha...
Patricia não resistiu, tirou sua calcinha e punhetou-se um pouco.
Levou-a até a boca de Andreia que, algemada, ficou agora sem ter muito
o que falar.
Pedro agarrou-a por trás e levantou-a lentamente. Alisou seus
peitinhos e beijou seu rosto feminino.
- Querida Andreia, você é a melhor namorada que já tive. Espero que me
perdoe por este presente inesperado de Páscoa.
- Mmm.m...mmm
- Ah sim, você está com a calcinha. Patricia...olha o que você fez.
Vem cá e tire isto com os dentes.
Patricia se aproximou, tirou a calcinha com os dentes, jogou-a ao chão
e beijou Andreia com força.
- Espere, Patricia.
Marcia veio e lhe deu outro beijo.
- Ai..queridas...nossa...
Pedro, então, virou-a para si e lhe meteu a língua naquela boca
safada. Andreia retribuiu o beijo e ajoelhou-se. Beijou o cacete de
Pedro e disse:
- Vamos todos para a piscina do apartamento?
E todos se juntaram para o final da comemoração de Páscoa.

contosdavidap@yahoo.com.br

 

Andreia, a cheerleader

Andreia já vinha há algum tempo tentando tirar Pedro da frente da televisão. Seu macho só queria saber de assistir filmes com travestis femininas se curvando perante seus homens e fazendo aquilo que mais gostam: dar gostoso o rabo para homens de verdade, homens que não se intimidam com um bom cuzinho.

Ela pensava no que havia acontecido entre eles, em como sua andava seu namoro e resolveu que iria tirá-lo da frente do dvd player com sua sensualidade. Afinal, não é todo dia que uma cdzinha oriental aparece na vida de um macho safado como Pedro. Pensou até que a visita recente das amigas travestis de Pedro, Marcia e Patricia poderiam deixa-lo mais disposto a explorar seu corpo cheio de curvas e sua pele lisa e naturalmente depilada, mas ele nem deu muita bola para as duas gostosas bonecas.

Foi então que Andreia resolveu entrar nos "jogos". Foi até uma sexy shop e comprou uma fantasia de líder de torcida. Vestiu-a, colocou as meias, o tênis branquinho e se preparou cuidadosamente para a chegada de Pedro naquela noite de terça-feira. Quando ouviu o barulho da chave na porta, escondeu-se na cozinha.

- Andréia, querida, cheguei.
- Estou na cozinha, querido.
- Tudo bem, gata.

Andréia podia sentir a voz cansada de Pedro, seu desânimo com a rotina e sua sensação de monotonia.

"- Tenho que reconquistar minha vida de tesão" pensou a cdzinha safada.

Pedro entrou, jogou a mala no sofá, sentou-se e ligou a televisão. De repente sentiu a mão suave de Andréia em seu ombro.

- Oi, gato...
- Oi, gata...

Voltou-se para trás e viu Andréia vestida como uma daquelas líderes de torcida. Assustou-se e algo o fez sentir-se como nos velhos tempos.

- Andréia, querida...o que é isso?
- Eu comprei para você, meu macho.
- Você está muito sexy...adoro estas fantasias..
- Eu sei...

Andreia encarou-o nos olhos e depois notou que o volume na calça de seu macho estava como nos velhos tempos. Seu olhar safado foi notado e ela mesma sentiu-se excitada.

- Querida, estou vendo corretamente ou você está molhadinha?

A minissaia de Andreia acusava a pequena mancha de tesão de seu pequeno "clitóris". Pedro acariciou seus peitinhos e puxou-a para si. Deu-lhe um longo beijo de língua e Andreia não resistiu...caiu em seu colo no sofá.

- Querida, você está muito gostosa...está uma verdadeira putinha...
- Ai, Pedro, assim você me deixa com vergonha...
- Que é isso...vem cá...

Sem conseguir se controlar, Pedro acariciava as pernas lisas de Andréia e a beijava apaixonadamente. Andreia tentava não se siriricar na frente dele, mas a vontade era imensa. Quando Andreia pensava em que fazer, Pedro agarrou uma de suas mãos e levou-a para o meio de suas pernas, de sua minissaia.

- Isso, putinha, bate uma siririca para mim.
- Ai...mas...
- É isso o que eu quero. Vamos, putinha. Vem cá minha "cheerleader", mostra que me quer no seu cuzinho de femea safada!

Andreia não resistiu e começou a se siriricar em honra de seu amante. Seus gemidos excitavam Pedro mais ainda e ela podia sentir seu cacete roçando sua bundinha com força. Pedro beijava e mordia o pescoço e a nuca de sua cdzinha putinha. Isso a enlouquecia e a fazia acelerar sua siririca.

- Gostei do rabo de cavalo.
- Ai...ui...

Pedro apertava seus peitinhos e puxava sua calcinha para baixo, procurando roçar seu cacete grosso na entradinha de sua cheerleader oriental.

- Andreia gostosa...sempre vou te amar..
- Ui...querido...

Andreia não resistiu....gozou e melou sua mão. A calcinha ganhava novo cheiro e Pedro se sentiu na obrigação de terminar seu serviço como macho. Aproveitou que sua putinha estava relaxada e encaixou seu cacete naquele cuzinho que sempre o enlouquecia, arredando a calcinha de lado. Andreia sentiu e gemeu, mas ele não parou. Pelo contrario, apertou-a para si e começou a socar freneticamente.

- Ui, ui...ai...Pedro..estava ui...ai..com saudades...
- Sim...sim...Andreia....
- Ai...você gosta do meu cuzinho oriental.....não gosta?
- Claro, safada...ahh...humm...
- Mais do que o das bonecas?
- Mais...mais...
- Se você quiser, querido..ai...devagar...eu transo com você e te deixo comer uma delas na nossa cama....
- Ui...ai...

Pedro não resistiu. Com tanta sacanagem, gozou. As últimas frases de Andreia ecoavam em sua mente enquanto seu cacete latejava e ejaculava jatos de porra naquele cuzinho apertado e quentinho. Andreia sentia as bombadas e, mais uma vez, sentia-se realizada como uma mulher. Uma mulher que adora dar, gozar pelo rabo, dar o cu para um macho safado que nunca a deixava na vontade.

- Você está linda de cheerleader, japonesinha...
- Ai, obrigado...nossa...que intenso...
- É, você bem que podia me chupar aqui, gatinha..
- Posso?
- Pode, cheerleader.

A calcinha de Andreia, já molhada, agora também estava melada com os respingos de Pedro. Andreia se sentiu a própria cheerleader sexy e putinha da escola, algo que ela sempre sonhou em ser. Pedro sentiu-se fraco e relaxou. Mas não conseguiu relaxar totalmente pois Andreia como cheerleader o excitava muito.Andreia virou-se e beijou-o. Em seguida, desceu a boca e tentou encontrar as últimas gotas de porra que seu amante deixara para ela.Isto enlouqueceu Pedro mais ainda, já que Andreia estava mais sexy do que nunca. Sentiu seu tesão por ela renovar. E também começou a pensar no que a cdzinha lhe dissera. Será que conseguiria fazer um menage com ela e uma boneca? Ou isto seria apenas uma fantasia? Sentiu que Andreia relaxava e sua mão se aproximava de seu cacete, como em busca de segurança. Pensou em como havia sido gostoso comer uma cheerleader oriental cdzinha. Sorriu e, em seguida, dormiu.

contosdavidap@yahoo.com.br

 

Meu adoravel massagista

Olá a todos(as)

Sou a Raphaella cdzinha gulosa e venho pra contar meu quinto conto real e que foi delicioso e inesperado.
Acordei com uma dor de coluna terrivel tipo nem conseguia andar direito,ai liguei pra um amigo me ajudar,esse amigo veio até minha casa e viu que eu estava mau realmente.Então resolvel me levar numa clinica de massagem oriental na Av. Santo Amaro-SP,chegando lá entrei de cadeira de rodas pra vçs terem uma ideia.Uma observação...Estava de camisola e fio dental.fui atendida imediatamente me levando a uma sala que tinha uma maca-cama,esperei por uns 5 minutos quando entrei um loiro de 1,90,linnnnnnnndddooooooooo....nossa gente...ele começou a me fazer perguntas e ai que percebeu meu lado ''menina'' e eu logico toda delicada e dengosa claro.Ele então pediu pra eu sentar na cama,tentei,mas não consegui,ai ele me pegou tipo no colo e me colocou na cama e fou me deitando de bumbum pra cima,sofri muito gente,mas aos poucos fui me acomodando,ai ele começou a tirar o avental da clinica,eu de canto de olho vi que ele não tirava o olho do meu rabo.mesmo assim sendo sempre profissional.passou talco no meu corpoe nas mãos e começou a massagem bem delicado e aos poucos começou com mais dureza,foi uma tal de ai daqui,ai dali toda dengosa e uma pouquinho de biscatagem( rsrsrsrsrsrs ) até que chegou bem no coquis (Na beirinha da bundinha) alias no bundão ( 112cm totalmente empinadinho ) e assim foi até que ele começou a fazer literalmente na minha bunda mesmo e eu ja entrei no clima e começei um aiiiiiiiiiiiiiiiiiii mais de tesão mesmo e empinava literalmente meu rabo pra ele e abri um pouquinho minhas pernas,ele a sacando , começou a fazer perguntas sobre eu e respondia tudo sem pudor nenhum e sei que isso o deixou com muito tesão e dizia a ele que o levaria pra minha casa pra me massegear todo dia , pois elogiava suas mãos, ele é sacana tbém , dizia que era melhor pararmos com aquela conversa se não daria certo e pergunte o porque não daria certo e ele dizia que açi era o trabalho dele e não era certo , eu disse a ele que deixasse rolar,ele entao ficou bem de frente acima da minha cabeça,a cama tem um buraco pra encaixar o rosto e quando olhei por debaixo vi sua calça estufada com um cacete muuuuiiiiitttoooooo duro,ai esqueci a dor e fui logo pegando naquele cacete que por sinal era um cacetão muito grande e muito grosso,ele não se esquivou,pelo contrario,me perguntou se eu gostava,disse que amava,então ele chegou mais perto bem proximo a minha boquinha e fui logo mordendo por cima da calça,ai foi ele que não aguentou mais e tirou pra fora e ja foi enfiando na minha boca que começei a lamber,chupar,morder e assim foi e ele gemia,me xingando de putinha gostosa,vadia,cadelinha e ,andava eu mamar e eu mamava muuuiiiittttooooooooooooo,ele fou alisando meu rabo e enfiando o dedinho no meu cuzinho e continuava me xingando e eu cada vez mais louca pra sentir aquilo tudo no meu rabo.ainda estava com dor na coluna,menos , mas ainda doia e adoro sentir dor.tirava a rola dele da boca e implorava pra ele meter em mim tudo aquilo sem dó.ele foi me ajeitando na maca tipo frango assado e pegou uma pomada tipo gel e foi lambusando meu cuzinho e o pauzão dele e eu pedia pra ele meter e me fuder muuuuiiiitttooooooo,e foi isso que ele fez,foi logo metendo e eu gemendo que nem uma cadelinha de zona
sentindo uma puta dor e ele me humilhando e xingando dizendo que eu era uma puta e era pra parar de choromingar e eu então pedi pra ele me bater na cara,a principio ele não entendeu e eu repeti,; vai macho,me bate,bate na sua cadelinha,vai bate sem dó e só senti uma tapa que me fez ver estrela e pedi mais e mais e ele enlouqueçeu e mandou ver.....nossa gente....foi a terceira vez que minha vida sexual sem me tocar,gozeiiiiiiiiiiiiiiiii muuuuuiiiiitttooooooooooooo e ele tapando minha boca e eu gemendo....aiiiiiiiiiiiiiiii....meu grelo ta rurissimo aqui agora........eu pedia pra ele me dar porra,leitinho pra putinha dele e ele socando mais rápido disse que ia me encher de porra e o fez....ele me encheu mesmo ....ai ele se debruçou sobre eu , me olhou dentro dos meus olhos e nos beijamos muito gostoso , que boca mais deliciosa , que bj mais gostoso , ficamos assim por uns 10 minutos , ai senti seu cacetão saindo do meu rabo e pedi pra ele enfiar na minha boquinha pra deixa-lo bem limpinho e ele o fez e me chamando de putinha , assim que deixei bem limpinho ja estava meio duro sabem , e continuei por mais uns 15 minutinhos e senti seu leitinho todinho na boquinha e engoli tudinho , Ai começamos a conversar e ele sempre elogiando meu corpo de mulher , meu rabo que ele dizia que muita mulher não tinha e sonhava em ter um rabo como o meu , uma citura como a minha e assim ficamos e ele então disse que voltariamos a massagem e colocaria minha coluna no lugar e foi assim . a seção que seria de 40 minutos foi quase 2 horas , antes de sair ainda ''namoramos'' mais um pouquinho , trocamos tels. , na mesma semana ele me ligou e combinamos dele vir me ver em minha casa e tudo acertado ele veio mesmo e passamos o final de semana inteirinho na cama trepando como se o mundo fosse acabar e eu como sua putinha submissa cuidando dele em todos os sentidos , fizemos de tudo , até um 69 delicioso . e eu sempre como a mulherzinha do meu dono .... Sempre estou disponivel pra cds,travestis,afeminados,mulheres tipo lesbicas .
OBS...Ja deixei vários recados aqui na querida Maite que não vou de forma alguma add alguem no meu Orkut e MSN pessoas que só querem perder tempo e enrolação...Não add ninguém,eu dise ninguém sem foto ok . Nem percam tempo
MSN raphaellacdzinhagulosa@hotmail.com
Orkut raphaellasaopaulo@hotmail.com
Bjs

 

Camilla-cd abduzida por um ET

Ola hoje conto como se deu minha inesquecível experiência, ocorrida quando eu tinha dezenove anos de idade, não posso precisar a hora, mas deve ter sido um sábado, porque o meu pai trabalhava na prefeitura e estava de folga. Era tempo de calor. Nós estávamos jogando bola, em frente ao teatro, na esquina, no meio da quadra , era um beco, porque não tinha continuação. Joguei bola até umas 17h. Os colegas foram para o cortiço abandonado, chamado Mandioquinha e eu fui para a chácara do Júlio, a 50 metros da rua que estávamos jogando e que hoje é a rua dos Alecrins, em frente à Praça dos Municípios, eu morava na chácara de Júlio .

Naquele instante surgiu um objeto voador se aproximou, quando o objeto pousou perto de mim, o vento fez minha camisa balançar e meu corpo se arrepiar. “Quando veio o aparelho, parou na altura de uns 60 centímetros do solo, desceu uma escadinha, tocou o chão. A escada tinha uns 60 centímetros de largura. O disco fazia o barulho de motor de geladeira: um ruído silencioso. Era cor de chumbo, escuro, fosco. Quando vi, já estava parando a um metro de mim. Quando pensei em correr a porta se abriu e rápido me apanharam. Uma pessoa me apanhou. Quando vi já estava na porta, a porta aberta, aberta para dentro do disco e tinha um de cada lado da porta, além do que estava comigo”.

CRIATURAS INTELIGENTES -, Os seres usavam trajes lisos e tentaram se comunicar por mímica, mas eu não entendia nada. Os únicos que tiraram o capacete foi o comandante , os outros dois, permaneceram como guardas, ficaram dentro, também de capacete. “Aí, eu me pus a chorar, a gritar e fui conduzido à frente do aparelho onde tinha os painéis. Não tinha volante, tinha alavancas e bastante botões amarelos, verdes, vermelhos e roxos. Alguns piscavam, hora um, hora outro... Não eram todos. Em frente do painel tinha mais uma pessoa, que dirigia o aparelho. O que me pegou tirou o capacete, era um homem, acho que era o chefão, porque ele é que dava ordens. Ele usava uma touca de piscina e o capacete com antenas. Todos capacetes tinham antenas”.

“No sufoco”, não soube precisar outras coisas. Mas eles conversaram entre si, em tom baixo, num idioma “tipo de língua alemão”. Me lembro que, “As roupas de todos eram da cor verde-oliva cintilante, o capacete era de cor verde-oliva, as botas eram pretas e as luvas e roupas da cor verde-oliva cintilante. Perto dos painéis ela tirou o capacete e tocou o meu rosto, procurando me acalmar. Ele não tirou as luvas, ninguém tirou as luvas. Fui conduzido para um aparelho nos fundos, onde foram feitos os exames na minha cabeça. No fundo da parede havia um buraco, tudo da mesma cor. Havia uma luz amarela em cima; calculo que, de uns 20 centímetros; não piscava; era ela que iluminava tudo dentro. A porta, por dentro, era fechada por uma roda volante. O comandante me conduziu até o buraco na parede”.

'Quando estava parado, o ruído era de geladeira, depois,
aumentou um pouco o volume, não era ruído violento'
A energia do lugar era tão forte como um calor que nos faz dormir e o meu corpo caminhava para o sono, sentindo um estranho frio interno. Percebi que eles projetavam tudo o que eu pensava em uma imensa tela e minha voz mental era audível como se um enorme autofalante estivesse ligado – adorei essa parte pois mostrou meu lado de menina com meus desejos e fantasias mais ardendes se não fosse interrompido teria pensado muitas coisas para ver as imagens de minhas fantasias como cdzinha. Alguém me mostrava as partes do cérebro, do lado direito, onde são possíveis, segundo a orientação, desenvolver a capacidade de pensar e executar minhas fantasias sexuais ou projeção de imagem ao mesmo tempo e eu adorei fazer isso (não sei se a ciência pensa assim). Fiquei meio embaraçada, mas por pouco tempo, quando vi que o telão projetava o meu corpo completamente nú (tinha pensado que estava nú) para toda a audiência mas vi que ninguém se preocupava com isso. Em certo momento, alguém disse que o meu corpo perdia muita energia e precisava ser "recarregado", para a transformação . Outro alguém projetou porções de algo parecendo bolas de sorvete coloridas na frente da minha boca e me mandou morder, mastigar e engolir. Assim que comecei a fazer isso, senti a energia do meu corpo se estabilizar, o sono diminuir e o calor interno aumentar. Era gostosa a "comida", mas não tinha sabor conhecido e se desmanchava na boca como sorvete. Muitas outras experiências foram feitas e me comprometi a não revelar, entre elas, a minha transformação. Foi quando adormeci.
Quando acordei estava numa sala arredondada muito branca e iluminada, onde não se via o foco de luz que clareava, parecia que estava dentro de uma lâmpada e temperatura era bem amena, muito gostosa. Estava deitado em uma maca completamente nu e não conseguia me mexer, o medo não existia mas, parece que estava em transe. Fiquei lá não sei por quantas horas, sem sentir fome ou sede. De repente ouço passos vindo em minha direção sem que pudesse saber de onde vinham. Eu já imaginava ter sido abduzido por uma nave alienígena, devido já ter lido vários artigos sobre o assunto e por isso resolvi não me desesperar e ver o que iria acontecer. Do nada surge um homem que realmente não poderia ser da terra, devido a seu tamanho e beleza. O homem era muito grande, mais ou menos 2 metros e meio de altura, uma pele bronzeada tipo surfista, os olhos eram violetas e os cabelos loiros, meio russo, parecia uma escultura de algum deus grego. O cara era um tesãaaaaaaao. Ele começou a falar que não me preocupasse que era amigo e que vinha de um planeta ainda desconhecido por nós e o objetivo dele aqui era somente para pesquisa e que jamais iria machucar qualquer que fosse a forma de vida existente aqui na terra. Me falou que seu nome era Kruv, que em sua língua significa vida. O cara tinha uma voz que parecia de um anjo, melodiosa mas muito excitante. Kruv disse que já me observava a muito tempo e que o objetivo era pesquisar pessoas especiais, e que eu era uma dessas pessoas, que conseguia esconder de todos o meu verdadeiro interesse por pessoas do mesmo sexo e que no planeta dele não existe essa diferença, pois só existe um sexo, todos são completos e por isso não existe a necessidade de sexos diferente. Que determinada época da vida seus organismos se modificam para que se reproduzam, mas isso só ocorre uma vez, já que o controle da natalidade é feito por muitos planetas de diversos sistemas solares. Que não é como aqui que se reproduzem como muita facilidade e sem planejamento. Falou muitas outras coisas que não dariam para relatar aqui. O alienígena falou que irai começar o exame, e começou a passar a mão por todo o meu corpo, agora todo transformado ou melhor todo fêmea ,alisando cada centímetro, parecia estar fazendo carinho, inclusive nos orifícios. a mão dele era muito grande e bonita e os dedos bem torneado e sem unhas. Ele falou que a mão dele trabalhava como um sistema, para nós conhecido como scaner, em que eram scaneados tudo dentro e fora do meu corpo, passando pelos órgão, da cabeça aos pés. Colocou o dedo no ouvido, boca, nariz, olhos, e quando penetrou o meu cú, fui ao delírio, tirava e botava, quase gozei, tirou o dedo do meu cú e passou a mexer no meus saco, apertou um ovo de cada vez, até segurar e apertar o meu pau (16cm, com propúcio, vergado p/esquerda e com a cabeça bem vermelha) que já estava a mil e ele lá massageando. Quando de repente me sinto solto, já podendo me mexer e já me contorcendo. Pedi para ele parar um pouco pois ira jorrar um líquido em sua mão. Ele falou que era isso que ele queria, pois a pesquisa ira encerrar ali. Tirei a mão dele e perguntei se ele tinha um órgão igual ao meu. Ele disse que sim mais que era maior do que o meu. Pedi a ele para me mostrar, o que fez prontamente, quando vi quase cai da maca, pois sem dúvida nenhuma era o pau mais lindo que já havia visto na vida, Um pau grande devia ter 25 a 30cm, grosso com uma cabeça vermelha, com prepúlcio ,reto e com muitas veias e sempre estava duro. Perguntei se poderia segura-lo, ele fez que sim com a cabeça, quando segurei aquele pau parecia uma brasa de tão quente e com uma pele meio grossa mais muito gostosa. Não resisti e cai de boca, ele levou um susto e se afastou, disse que ele é que faria isso em mim, pois só assim é que se poderia armazenar esse líquido tão precioso para a pesquisa que era meu sémem. Ai eu tive a idéia de pedir para que nos chupássemos simultâneamente, que deveríamos fazer o chamado 69, que ele deveria deitar na cana comigo e que só assim sairia muito líquido do meu órgão para sua pesquisa. E disse que também gostaria que se ele também produzisse esse líquido derramasse em minha boca, que eu gostaria de guardar para sempre o sabor do líquido dele e que aquela seria a forma de selarem o fim bem sucedido daquela pesquisa. Kruv parou me olhou maliciosamente e falou que deveria perguntar a seus superiores. Foi sumindo pela claridade a dentro e deve ter demorado uma meia hora. Quando voltou, estava sem roupas, o corpo nu de um verdadeiro deus grego com aquela pica totalmente reta, linda e disse que seus superiores concordaram e que seria num ambiente conhecido meu. Botou a mão em minha testa fechou meus olhos e transformou aquela sala em quarto de motel, bem aconchegante, com uma cama linda, era realmente o meu quarto dos sonhos capitado pela sua sensibilidade extra sensorial. Quando me dei conta estava no colo dele eu havia me transformado em uma lindo travesti , beijando o seu pescoço, me aproximei dos seus lábios e ele foi metendo a língua na minha boca e eu na dele. Foi melhor beijo de toda minha vida. Ele me colocou na cama com muito carinho nos abraçamos, me senti nas nuvens. Comecei a chorar, ele me beijando o rosto sorveu as minhas lágrimas e perguntou o porque estava me sentindo triste. Falei que queria que aquilo não acabasse jamais, pois era a sensação mais sublime que havia sentido, e sabia que estava apaixonado por ele e que já o conhecia dos meus sonhos. Kruv me disse que esse vínculo, o amor, já era previsto e que era ele mesmo que entrava nos meus sonhos e que nós estávamos atrelados para o resto de nossas vidas, que eu pertencia a ele e ele me pertencia. Falou também que sempre que possível estaria comigo em meus sonhos, que não seria um sonho e sim realidade, pois não existe barreiras para o verdadeiro amor. Nos beijamos muito, nos amaçamos, nos lambemos, suei muito por nós dois, pois ele não sua, mas ficou bem molhado. Kruv tem um cheiro maravilho e um gosto nunca dantes sentido. Começamos a nos chupar, o pau dele não cabia nem a metade em minha boca e tinha que fazer muito esforço para abocanha-lo. Ele sentindo a minha dificuldade perguntou se queria que diminuisse o tamanho de seu pau, eu fale que só um pouco para que pudesse abocanha-lo. Foi maravilhoso poder mamar aquele super pau, muito gostoso. E ele mamava com muita destreza me fazendo sentir em estado de graça, mamava muito bem e não conseguindo nos segurar mais gozamos muito um na boca do outro. A porra de Kruv tem um sabor diferente de tudo que já provei, grosso, muito branco e em muita quantidade, parecia até uma mamadeira, muito gostosa, mamei tudo. Quando terminamos nos abraçamos novamente e ele falou que precisava ir que era chegada o hora do meu retorno à terra. Mas para mim ainda faltava o grande final e lhe pedi que me tratasse com uma fêmea de meu planeta , então ele me pegou no colo novamente e Beijei sua boca e entreguei a minha, retribuindo apaixonadamente o seu beijo. Ergui meus joelhos e pernas e, finalmente uma fêmea, enlacei a cintura dele, cruzando meus pés às suas costas, me abrindo para o meu macho, expondo minha bundinha para que ele a penetrasse e me fizesse mulher. Ergui os quadris e senti quando ele, com uma das mãos ajeitou a ponta do seu imenso instrumento bem na entrada do meu cuzinho. Gemi alto quando ele me penetrou aos poucos, novamente abrindo muito minhas nádegas, eu, Kruy, a fêmea dele, abraçada a ele, entregando minha bundinha, minha boca e meus seios para o meu macho.
Sendo beijada e sentindo a língua do meu macho dentro da boca, rebolei para ele e entreguei a minha feminilidade enquanto suspirava e gemia. Totalmente dominada pelo tesão de me sentir penetrada por aquele pau monstruoso e delicioso, desgrudei minha boca da dele para sacudir a cabeça de um lado para o outro e me assumir definitivamente mulher. Quando senti que ele estava me abrindo com o corpo do pau, meu ânus mais uma vez recebendo algo que estava além do seu limite, rebolei mais, gemi e mordi os lábios dele, empurrando meus quadris para cima, querendo mais, mais, mais, mais, querendo que a penetração não parasse nunca, que ele continuasse a me abrir mais e mais, e quando ele se grudou em mim, o pau todo lá dentro, olhei-o nos olhos e descobri que havia sentimento verdadeiro entre nós. Então, pedi com os olhos e pedi com a voz e pedi com meus quadris e com todo o meu ser pedi: - Me fode! Por favor, me faz mulher! E ele beijou minha boca mais uma vez, segurou me rosto e me fodeu. Não era o meu cu que eu estava dando para ele: era a minha boceta. Eu me sentia fêmea, mulher, feminina enquanto ele me penetrava dolorosamente num clássico e adorável papai e mamãe. Eu, sua fêmea, entregava meu corpo e meu ser e rebolava para que ele me fodesse melhor. Eu queria ser comida, fodida, violentada. Queria que minha boceta fosse usada, queria sentir meu homem se derramando dentro de mim, me fecundando. Queria dar a ele minha máscula feminilidade, minha bundinha, meus quadris, meus seios, meus lábios. E dei, dei, dei. Dei para ele e me entreguei a ele e fui sua e quando ele fodeu com mais força, se preparando para gozar eu acelerei meus movimentos e me abri ainda mais para ele, seu pau me cutucando forte lá no fundo, a fricção da barriga dele contra o meu clitoris-pau me levando ao delírio. Quando senti que ele estava gozando, os arrancos dele mais fortes dentro de mim, me esfreguei nele, colei meus lábios nos dele e com um beijo de língua apaixonado, gozei também. Nos beijamos demoradamente, ele me colocou de volta na maca. Entrei em transe novamente, mas antes, vi lágrimas escorrerem pelos seus olhos. Quando acordei estava de roupas, caído no chão junto com minha mochila. Mas a sensação de prazer estava muito presente, Me levantei e olhei direto para o céu, e lá estava a luz que se apagava lentamente, como se Kruv estivesse se despedindo. Meus olhos marejaram e lágrimas correram pelo meu rosto. O mas interessante é que quando vi que horas eram , tomei um susto, pois só havia passado um minuto e era 17:01h. Resolvi seguir o meu caminho para casa. Desse dia então Kruy passou a fazer parte de meus sonhos mais íntimos.

Camilla-cdzinha – Camilla-cd@hotmail.com

 

Iniciação com o primo

Bem, quando era criança brincava muito com um primo distante, mas, quase da mesma idade que eu: o Fábio. Brincávamos muito juntos e as vezes só nós dois. Certa vez, brincando de pique-esconde na construção da casa de uma tia, encontramos duas revistas eróticas, daquelas que mostram pornografia entre casais. Tínhamos cerca de 10 e 12 anos respectivamente. Aquelas imagens mexeram com nossa imaginação. Já tinhamos alguma intimidade, mas, começamos a nos roçar um no outro. Como eu era mais velho, comecei a sarrar a bunda do Fábio, que era muito durinha.

A partir daí, sempre íamos a construção e, nos cômodos ficávamos nos tocando e roçando um no outro. Ora eu sarrava a bunda do Fábio, ora o Fábio me sarrava.

A coisa foi ficando mais quente até que um dia, ao entrar no banheiro para tomar banho, deparei-me com uma calcinha de rendas da minha prima pendurada na válvula de abertura do chuveiro. Que visão maravilhosa! aquela calcinha minúscula sozinha comigo no banheiro, molhadinha, abandonada e eu alí. Tive um impulso e, enquanto deixava a água cair no meu corpo vestí a maravilhosa peça. Senti um arrepio e meu pinto ficou durinho; chegava a doer! Resultado, escondi a calcinha e comecei a usá-la escondido sempre que ficava excitado.

Não satisfeito, comecei a procurar por calcinhas abandonadas nas casas de minhas primas. Sempre que as visitava, não resistia e ía ao banheiro para tentar recolher as lingeries das gostosas.

O Fábio havia se mudado para outro bairro, então, nossos encontros já não aconteciam mais tão frequentemente. Minha coleção estava com mais ou menos seis peças e eu tive a idéia de, na primeira oportunidade, desfilar para o Fábio. Foi o que fiz. Levei ele para meu quarto, tranquei a porta, deixei-o sentado na cama e, por tras da porta do guarda-roupa me troquei. Fábio fez uma cara de espanto mas ficou curioso pa ra ver... desfilei para ele com uma tanguinha branca de rendas, bem pequenininha e apertada, porém, não a fiz fio-dental. Quando me aproximei do Fábio e virei de costas para ele, ele tratou de enterrá-la no meu reguinho e me disse o seguinte: "assim fica melhor, não acha?" Fiquei mais arrepiada e mais excitada do que já estava. Meu pinto não cabia dentro da calcinha de tão duro que estava. Pedi para sentar no colo do Fábio, que concordou imediatamente. Fiquei rebolando no colo do meu macho e deixando ele cada vez mais excitado. Pedi: Mete em mim, mete! Deitei na cama com a bunda pra cima e pedi que ele tirasse a minha calcinha. Queria dar a bunda para ele naquele momento. O pinto do Fábio, ainda duro, mas, não tinha consistência para me penetrar. Tentamos várias vezes, mas, naquele dia não deu, ou melhor, não dei! Lembro muito bem do Fábio me chamando de maluco!

Depois disso ficamos um bom tempo sem nos vermos, até que um dia Fábio chegou em min ha casa novamente. Fomos direto para o quarto e fiquei espantadíssima com o que ví. Vesti uma calcinha bem sensual para começar a desfilar para meu homem e pedi para ele ficar só de cuecas, como fazíamos sempre. Que volume enorme Fábio guardava sob a cueca. Fiquei louca. Tive a certeza que naquele dia ele conseguiria me penetrar. Primeiro caí de boca imediatamente para sentir aquela piroca dura. Pedi para ele me esperar, vesti um short, fui ao banheiro e apanhei um creme para cabelos lembro até o nome "Kolene". Passei no anelzinho, e também naquele mastro enorme e me pus de quatro pedindo a ele: Vem me comer, vem!

Fábio veio como um cavalo para cima de mim. Pensei que ía ser fácil. Bobinha eu. Quando começou a forçar a cabeça, que dor enorme. Pedi para ele parar, mas, ele já não queria mais parar de empurrar, até que depois que a cabeça passou, aí, foi só prazer. Eu chorava, mas, queria sentir aquela pica dentro de mim. Que delícia. A partir daí, descobri que seria sua mulherzinha e o Fábio jamais sentiria meu pinto roçando em sua bunda, pois o que eu queria mesmo era ele em cima de mim metendo no meu rabo.

Nos encontramos várias vezes e a cada encontro eu exibia uma calcinha nova. E os encontros eram... afiiiiiiii! Saudade do Fábio.

(Y) Taty
http://taty.cdzinha.nafoto.net/

Pombagira de frente - Taty Cdzinha

Minha relação com religiões africanas é muito distante, ou pelo menos deveria ser. Mas, talvez pelo que narro abaixo, esta seja a explicação por minha vontade de usar calcinhas sensuais e provocar homens, principalmente por desejar meu primo Fábio.

Minha mãe frequentava muito eventualmente um terreiro de umbanda e me levava quando era criancinha, pois sempre tive problemas de saúde, então, ali ela buscava solução para estas complicações. O tempo passou e minha mãe deixou de ir. Eu sempre tive medo destas coisas e evitava sempre ter contato, com exceção dos dias de festas em que eu ía para ver os eventos e tentar "abrir meus caminhos" tomando uns passes.

O Fábio, que é um primo distante, é ogã de um centro de umbanda e, como o centro do Fábio é distante do local onde moro e também distante da minha família, sempre que preciso ligo para ele ou ele me avisa das festas, então eu vou.

Toda vez que ía ao centro, t inha uma hora que sentia o coração acelerar, ficava meio tonta, as mãos suavam, mas, nada acontecia. Só que, num desses eventos, ou melhor, em uma festa para povo de rua, passei a maior vergonha. Em determinada hora, com a maioria dos exus e pombagiras incorporados em seus "cavalos", a pombagira da mãe-de-santo veio em minha direção para me dar um abraço como sempre fazia. No momento do abraço ela puxou um ponto muito bonito e segurou minha cabeça; a partir daí... perdi o controle sobre o corpo e comecei a balançar, tremer, o rosto ficou pegando fogo, sem falar numa excitação muito grande que me veio, mas, eu nem imaginava o que ía acontecer. Tentei inutilmente resistir, mas, ela puxou outro ponto e eu continuava sem controle sobre meu corpo. Nem conseguia ver direito o que estava acontecendo. Só lembro das pessoas olhando em minha direção, tentando me segurar para eu não cair... enfim, estava recebendo minha pombagira. Depois, a pombagira da mãe-de-sant o chamou uma médium da casa para perto e encostou a cabeça dela na minha. Como num passe de mágica, retomei o controle sobre meu corpo e a entidade passou para a outra médium. Fiquei atordoada: imagine um homem recebendo uma pombagira!

 

Terminada aquela sessão, fui para a casa do Fábio, pois eu dormia na casa dele quando ía ao centro. Chegando lá ele me perguntou o que havia sentido e eu contei minhas sensações. Fábio disse que sabia que eu tinha uma pombagira de frente e que ela era muito bonita. Perguntou se eu tinha ido ao centro de calcinha por baixo da roupa. Respondi que sim, pois nem tive tempo de tomar banho e mudar de roupa, pois fui direto do trabalho. Fábio sabe que sou cd e que eu uso calcinhas sensuais. Ele me conhece desde criança. Fábio foi meu primeiro homem. Disse a ele que a entidade pediu uma roupa, mas, que não sabia onde comprar e nem se iria comprar. Ele na mesma hora me disse para não contrariar as entidades, ainda mais uma p ombagira. Disse que me levaria a um lugar para escolher e que estava doido pra me ver vestido e com a pombagira incorporada. Falei a ele: pare com isso. Aí ele riu e disse, quando eu quiser faço ela chegar em você. Aí entendi a cara dele olhando pra mim no centro. Não acreditei, mas, o Fábio estava com tesão para me ver com a pombagira... eu também fiquei muito excitada, tomei um banho, vesti minha calcinha fio-dental e fui deitar ao lado dele, em sua cama de casal. O Fábio mora sozinho. É um jovem inteligente que curte todas as coisas boas da vida. Naquela noite ele me pegou como um cavalo garanhão. Noosssa, só de lembrar fiquei arrepiada de tesão agora!

Passado algum tempo, me vi envolvido em alguns problemas e tive que voltar ao centro do Fábio. Ele me disse que isso ía acontecer porque eu não comprei a roupa. Quando começou a gira do povo de rua adivinha pra quem o Fábio puxou o primeiro ponto. Pronto, lá fui eu rodando outra vez. Dess a vez foi pior, pois a médium que tem a mesma entidade não estava lá. Diz o Fábio que a pombagira me rodou muito e me sacudiu pelo salão até incorporar, sem falar nada, somente deu gargalhadas e depois subiu de novo. A partir daí eu me lembro. Fiquei jogada no canto tentando me recuperar.

Bem, no primeiro sábado depois disso chamei o Fábio para me levar em uma loja que pudesse comprar a tal roupa. Ele me levou no mercadão de madureira. Lá, dada a quantidade de lojas especializadas nestes itens, pude comprar um conjunto lindo, preto e vermelho como a pombagira pediu: a blusa vermelha e uma saia vermelha e preta, toda rodada em rendas... Estava com muita vergonha, porém, também muito excitada com a possibilidade de vestir aquela roupa. Disse na loja que era para presentear uma amiga. Não podia dizer que era pra mim. Não via a hora de chegar na casa do Fábio. Pedi a ele que guardasse a roupa lá, pois não tinha como levá-la para minha casa po r enquanto. Chegamos na casa do Fábio e ele me mandou para o quarto para vestir a roupa logo com a justificativa de experimentar para fazer ajustes se necessário. Tomei um banho antes. Naquele dia estava com uma calcinha vermelha de rendas também. Vesti a saia, com a calcinha por baixo e a blusa somente. Não queria que o Fábio me visse por enquanto, mas, ele insistiu e me convenceu a ir a sala mostrar-me. Quando cheguei, o Fábio havia preparado um copo com água e uma vela. O danado, na mesma hora, me segurou pelas mãos e puxou o ponto da pombagira. Não demorou nada para eu perder os sentidos novamente e a moça baixar em mim. Diz o Fábio que ela incorporou quase que de uma vez, me ajoelhou no meio da sala e gargalhou muito. Não me disse o que conversou com ela, mas, que ela deixou que a roupa ficasse ali na casa dele porque ele saberia agir quando ela precisasse chegar em mim. Ela disse ao Fábio que viria mais vezes e que eu me acostumaria a recebê-la. Quando ela subiu, senti uma sensação muito boa e confesso: estava muito excitada. Passei o resto do dia na casa do Fábio e transamos muito depois disso. Ele me fode com muita vontade agora. O único problema é que, quando estou sozinha com ele, Fábio me pede pra chamar ela. Até no motel ele quer ver a pombagira. Talvez a feminilidade da pombagira excite o Fábio tanto quanto me excita. Ele diz que quando ela baixa em mim eu me comporto como uma mulher muito sensual. Disse que ela levanta a saia do lado da cintura e exibe as pernas e que fica se esfregando nele. Ele insiste muito pra ela me pegar. Resisto o quanto posso, mas, no final ele me convence a vestir a roupa e deixar ela baixar em mim. No centro, também, ele canta pra ela baixar sempre que tem sessão. Ela me sacode, baixa em mim, dança, cumprimenta o Fábio. Apesar do Fábio insistir, no centro eu não visto a roupa.

Sempre que recebo a pombagira, seja no centro ou na casa do Fábio, depo is que ela sobe fico com uma excitação muito grande, com mais vontade de dar o cuzinho. Outro dia, na casa do Fábio, após a pombagira ir embora, quando estava tirando a roupa dela Fábio veio e me pegou por trás comigo ainda vestido com a saia dela. Ele levantou a saia, afastou minha calcinha para o lado e socou a vara no meu cuzinho com muita vontade. Foi uma loucura. Ainda bem que sempre tenho o Fábio por perto pra poder me satisfazer.

(Y) Taty
http://taty.cdzinha.nafoto.net/

 

Oral no apartamento do meu amigo

Sempre fui um garoto com atração por roupas femininas.sempre olhava as meninas com scarpins,botas,sandálias,calcinhas e sempre ficava com tesão.Tenho 1,70 de altura,70 kilos e cabelos curtos meio encaracolados .Tenho um bumbum muito grande porque quando era pequeno tive uma disfunção hormonal,meu corpo produzia estrogênio ao invés de testosterona.Resultado:bumbum grande e pênis pequeno,mas isso nunca me incomodou,sempre me dei bem .Desde pequeno usava as roupas da minha irmã escondido dela é claro.sempre que ficava sozinho em casa,colocava suas roupas e sapatos e imaginava fantasias sexuais me masturbando.Mas um dia ela casou e a brincadeira temporariamente chegou ao fim,pelo menos por um tempo.
Certa vez um amigo meu me disse que iria viajar com a família por 3 semanas e me disse se eu não poderia cuidar do apartamento dele enquanto sua família estava fora.como era muito amigo dele e da família dele me prontifiquei em ajudar.No dia da viagem,ele me deixou a par sobre tudo na casa.Sua mãe,uma mulher ,muito bonita e simpática, me deixou comida por 3 dias e uma certa quantia em dinheiro para os dias restantes.Eles moravam num apartamento de luxo, muito bonito,todo sofisticado e bem caro pois o pai dele era um empresário muito bem sucedido.O pai dele me disse que se eu tivesse qualquer problema,que ligasse pra ele imediatamente.Então se foram para viagem de férias e eu fiquei por lá.Uma certa noite eu estava assistindo um filme,pornográfico de travestis como sempre me imaginando ser uma daquelas atrizes.então parei o filme por um tempo pois estava com sede.no caminho para cozinha,passando pelo quarto dos pais do meu amigo,me deparei com uma coisa brilhante no interior do quarto.abrindo aos poucos a porta,percebi que tal brilho se tratava de um lindo peep toe simplesmente lindo.era de cor preta com uma fivela prateada ao lado,um salto bem fino e uma sola vermelha.olhei bem para aquela obra de arte e rapidamente coloquei em meus pés.parecia que tinha sido feito pra mim.tamanho 39.me olhei no espelho e minhas pernas estavam curvilíneas e meu bumbum simplesmente arrebitado e duro.então tirei eles dos meus pés e olhei para o guarda-roupas da mãe do meu amigo.minha cabeça já estava imaginando idéias muito loucas.quando abri o guarda-roupas,me deparei com um closet enorme.parecia que eu estava nos céus.a mãe dele tinha simplesmente o closet que deixaria qualquer mulher realizada,ou CDzinha no caso.sapatos,vestidos de todas as cores,saias,e até uma parte reservada somente para fantasias eróticas.havia roupas de enfermeira,empregada domestica,secretaria,tudo.a vida sexual dos pais do meu amigo devia ser bem ativa.
Sem pensar muito nas conseqüências,decidi então que aquela noite eu faria uma festinha particular.separei algumas peças de roupa que iria usar,peguei um colar cheio de pedras brilhantes e bem longo,ficaria lindo pendurado no meio do meus seios – se eu tivesse seios- um corselet lindo com cinta liga de cor preta e dourada com meia 7/8 na mesma cor.Uma calcinha de renda que quase desaparecia na minha bundinha.Um scarpin preto com borboletinhas atrás e por cima um vestido curto de cor verde água.
Fui então para o banheiro e tomei um banho bem gostoso e demorado,me depilei inteirinha e logo após o banho me lambusei de um óleo muito cheiroso que deixou minha pele com aquela sensação de maciez apesar de estar meio sensível por causa na lâmina do barbeador. Tinha ficado com tanto tesão por aquele peep toe que decici colocá-lo novamente e me olhei no espelho me achando cheia de glamour.toda peladinha e cheirosa,com a pela lisinha usando um lindo peep toe.
Repentinamente o interfone toca.era o sindico dizendo que havia um homem lá embaixo que queria falar com o pai do meu amigo a respeito de um pagamento.perguntei então se era o motorista do pai do meu amigo e o sindico respondeu que sim.como o pai do meu amigo tinha me avisado de que possivelmente tal motorista dele deveria aparecer para pegar o pagamento,disse ao sindico para que o motorista entrasse pela porta da cozinha que estaria aberta que eu deixaria o dinheiro em cima da geladeira.desliguei então o interfone e voltei correndo para o meu “divã” pois estava louca de tesão e não tinha tempo para conversa fiada.enquanto estava me admirando e fazendo poses sensuais em frente o espelho do quarto, escutei a porta da cozinha se abrir e o motorista entrar.gritei de dentro do quarto que o dinheiro estava em cima da geladeira e que ele poderia pegar.uma certa hora quando estava sentada na cama acariciando meu ânus com um uma escova de cabelos em formato cilíndrico,percebi que a maçaneta da porta começou a mexer e rapidamente se abriu.foi quando me lembrei de que não havia trancado a porta.então um homem entrou no quarto e me viu naquela situação inesperada.eu não sabia o que fazer,fiquei apavorada,sem ação.me cobri com uma almofada que estava em cima da cama.o motorista também ficou em choque quando viu a cena mas fingiu não ser nada de mais e disse para agradecer ao pai do meu amigo pelo pagamento.eu disse que faria isso assim que possível.e ficamos olhando um para o outro e comecei a reparar nele e percebi que ele era enorme.era moreno,tinha 1,90 de altura aproximadamente,uns 85 kilos,meio atlético,brozeado com uma boca bem carnuda.então o homem colocou a mão na porta como se quisesse fechá-la e se despediu de mim.quando a porta estava quase fechada,ela a abriu novamente e me perguntou quanto tempo eu ficaria na casa.eu disse que até que a família voltasse.ele fez um movimento de afirmação com a cabeça e soltou um sorrisinho bem safado e fechando a porta novamente desejou que eu tivesse um bom divertimento.então,sem pensar novamente nas conseqüências,me levantei e segui ele até a cozinha sentindo aquele perfume de homem pronto pra gozar em qualquer mulher e perguntei a ele com um sorrisinho tímido e uma cara de putinha se ele não gostaria de fazer parte do meu divertimento.quando ele se virou,percebi que havia um grande volume na sua calça e olhando pra mim e já se imaginando me comendo com voracidade me disse para esperar que ele iria fazer uma ligação.percebi depois que a ligação era para alguma garota ou namorada dizendo que ligaram pra ele fazer uma viagem logo de manhã e por isso não poderia comparecer ao suposto encontro.quando desligou o telefone me perguntou quantos anos eu tinha e eu respondi:”tenho 18”.em resposta ele disse:”então já da pra comer” ele se achegou bem perto de mim e enfiou sua mão toda calejada e áspera bem no meio da minha bunda e me puxou pra bem perto dele e começou a me beijar.
 
eu fiquei muito excitada e também comecei a passar a mão nele e logo tirei seu pênis pra fora da calça que a essa altura já estava duro que nem pedra e comecei a apertar ele e masturbar ele que crescia cada vez mais.então coloquei as bolas dele pra fora e ele me colocou de joelhos bem de frente pro pênis dele que balançava loucamente.tinha uns 17 cm e era meio grosso,bem retinho e apontando pra cima.então enfiei minha boca de uma vez só e comecei a chupar,lamber,beijar e roçar meus dentes no pauzão dele enquanto puxava as bolas dele pra baixo.e ele tirou sua camisa apareceu seu peito todo cheio de pêlos e ele começou a suspirar e a gemer.enquanto eu lambia o pau dele,olhava pra cima com cara de safada e falava pra me gozar inteirinha.e fiquei chupando ele por uns 10 minutos.estava louca de tesão,aí ele tirou minha boca do lindo pênis dele e começou a se masturbar olhando pra mim e gemendo,então já adivinhei que ele iria me molhar inteirinha.então abri a boca e coloquei a língua pra fora esperando aquele leitinho entrar pela minha boca.quando ele estava pra gozar,apontou aquele bicho enorme na minha boca e gozou aquele leite quentinho,branquinho que foi escorrendo pela minha boca,queixo e depois peitos.me lambuzou inteira.foi uma das melhores sensações da minha vida.depois ele começou a me acariciar e perguntou se eu tinha gostado e eu respondi bem dengosinha:”adorei,mas quero leitinho nesse buraquinho aqui”,apontando pro meu cuzinho que a essa altura estava todo molhadinho.então ele me disse pra se preparar que no dia seguinte ele iria voltar pra comer meu cuzinho e gozar nele também.
 
 

Minha vida secreta como femea

Meu conto è um pouco longo e espero que tenham paciência e gostem,pois è real e verdadeiro.
Tenho 35 anos,mas aparento 25,casado,1,80,65kg bem distribuidos,tenho corpo com formas totalmente feminino,cintura bem fina,quadril largos,bumbum muito empinado,coxas super grossas e lisa por natureza.Vamos ao que interessa.

Estou agora na casa de uma super amiga intima que amo e somos amantes a 5 anos direto,vçs a conhecem.Cdzinha Raphaella.Vim fazer uma visita a ela e claro trepar gostoso com ela logico.Assim que cheguei ela estava escrevendo o conto dela de carnaval.Estava lendo o conto dela e fiquei excitadissima ai ela conversando comigo me convençeu a escrever minha història e aceitei.Vamos la então.

Sou de uma famìlia super conheçida em SP e boa parte do Brasil,por tanto vou usar meu nome de guerra como femea ok ! Desde pequena sempre me vi diferente dos garotos em todos os sentidos,nunca curti jogar bola,carrinho etc... tenho uma irmã 3 anos mais velha que eu e no que nos damos extremamente bem e somos super unidas,tanto que ela me ajudou muito virar menina.Meu pai sempre foi muito severo tipo general e sempre falava do meu jeitinho delicado de ser e minha mãe sò me defendia,assim foi minha infancia,na escola todos mexiam comigo como bichinha,viadinho,biscatinha etc...Meu primeiro contato foi com um primo que comia minha irmã,eu na època tinha 13 anos ,com uma bunda enorme e empinada,minha irmã admirava meu rabo e atè cutucava meu cuzinho,coisa que eu amava,um belo dia fomos todos pra praia inclusive nosso primo que na època tinha 19 anos era um tesão.todos acomodados em seus aposentos sobrou pra mim meu primo dormir em meu quarto,ameeeiiiiiiiiiiiiiiiiii,nisso minha irmã me enchia dizendo que chegou minha hora de perder meu cabaçinho e virar mulherzinha e putinha junto dela com nosso primo,não falei nada,mas meu grelinho ficou duro na hora eu estava com uma sunguinha e pra minha surpresa minha irmã apertou e alisou pela primeira vez e ficou alisando e tirou pra fora e mamou pela primeira vez e me fez sentir o que è gozar pela primeira vez com 2 dedinhos enfiados no meu cuzinho que ja estava acostumado com os dedinhos dela,nossa,nem acreditei e quase não estava aguentando ficar em pè e mais surpresa ainda foi virar o rosto e ver nosso primo em pè na porta,falei pra ela e ela sem pudor nenhum chamou ele perto de nos,ele veio e eu tremendo sem saber o que fazer,ela deixou meu pauzinho e ja tirou o dele pra fora e ja foi logo mamando,era uma rola de 20x6,linda,brilhante,enorme,nisso minha irmã me puxou pra junto dela e mandou eu mamar um pau de verdade e não os dedos dela,fui chegando devagar,mas ele me puxou pelos cabelos e logo me xingando de putinha,vadia,cadelinha foi metendo na minha boca,ameeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii,ammmmmmmeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiii e fui chupando,sugando,lambendo e minha irmã tbèm me xingando e dizendo pra ele que agora seriamos mulheres dele,nisso ele gemia e gemia e eu mamando muuuuuiiiiiitttttttttooooooooooo atè que ele encheu minha boca de porra e eu engoli tudo sem deixar cair nadinha e não largava daquela rola que eu sabia que ia entrar no meu rabo.Bateram na porta do quarto e minha irmã gritou que estava no banho.Ai eu larguei aquele cacete que ainda estava duro e nos 3 nos beijamos muito ao mesmo tempo , tipo que estavamos selando nosso relacionamento.E assim foi,perdi meu cabaço com ele nesse mesmo dia,sofri muuuuiiiitttooooo,mas adorei e trepavamos atè 2 x no dia,foram 20 dias de muita sacanagem,putaria,incesto,rola,leitinho enfim,virei uma vagabunda e mais mulher ainda.Voltamos pra casa no fim das ferias e a partir dai eu e minha irmã nos tornamos amantes sempre como duas meninas.Se passaram 2 anos eu ja com 15 aninhos com meu corpo e comportamento mais apurado como femea e dando muito pro meu primo,meu professor de ed. fisica,meu vizinho e um pai de uma amigo meu de escola.Com esse nos apaixonamos e eramos como marido e mulher mesmo,foi lindo.No final do ano meus pais me chamaram pra conversar,meu pai mandou eu me sentar e começou o sermão.Falou da minha postura,meu trejeitos etc... e disse que no proximo ano eu ia estudar num colegio de padres em Itu.Fiquei louca de raiva,chorei muito,mas de nada adiantou,meu macho ficou muito triste e tivemos que terminar.O ano chegou e la fui eu pra esse colegio,muito triste mesmo.La chegando fomos recebidos pelo Padre Afonso , responsavel pela escola que ai soube que era sò para meninos de todas as idades.Eu cabisbaixa nem reparei direito no padre.

Despedi de meus pais e entrei chorando,o padre ja sabia da minha conduta de menina ( dita por meu pai ) por isso fui pra la aprender compustura de homem .Fui levada para meu quarto onde tinha mas uma cama e dividiria o espaço,mas no momento ele não estava.Foi ai que sentei-me na cama e o Padre se sentou ao meu lado e pegando em minha mão,nossa....me arrepiei toda e ai sim olhei para ele e vi um lindo homem com olhos azuis,labios bem feitos,boca linda e conversamos muito e ele sempre alisando minha mão,nisso chegou meu companheiro de quarto,meu Deus,um moreno enorme,lindo,tesudo,gostoso fomos apresentados e eu toda dengosa e ele ja sacou o que eu era.o Padre conversou mais um pouco e saiu,deixando nos sozinhos.Ja não estva tão triste na verdade e conversamos muito e eu sempre delicada e dengosa e ele me elogiando e eu adorando.No quarto tem banheiro e disse a ele que gostaria de tomar um banho,ele me levou pra conheçer,com carinho abriu o chuveiro e me disse : Fique a vontade linda.Esse linda me deixou com tesão e eu respondi : Obrigada pelo linda.Ai ele saiu e eu me despi e entrei no chuveiro,assim que entrei vi que não peguei minha necesserie e pedi a ele que pegasse pra mim.ele entao abriu minha mala e logo viu meu brinquedinho de Latex 19x4.Tinha me esquecido,então ele entrou no banheiro eu enrolada numa toalha,quando vi meu consolo na mão dele e ele rindo disse : Vç não vai precisar disso linda e foi tirando a roupa.não sabia que fazer na hora,mas deixei rolar e soltei a toalha,quando ele me viu nua não acreditou no meu corpo e disse : Meu....Vç tem corpo de mulher .... Caralho ....Como vç è gostosa....Ai eu ja bem tesuda falei : Vem provar vem ... e foi entrado e me agarrando e eu pegando na rolona dele que era enoooorrrmmmeeeee e ja fui ajoelhando e chupando meu mais novo macho...metemos muito,trepamos por mais de 1 hora direto sendo fodida por ele sem dò e sempre pedindo mais.Nos tornamos amantes,ele foi um dos mais safados e putos que ja tive,pois com o tempo ele levava varios garotos pra me comer na frente dele.cheguei a dar pra 6 garotos de uma vez,coisa que amei e me tornei adepta a suruba,coisa que hoje pratico com a Rapha e minha esposa.E por assim foi por 3 anos direto.Dei muito pro Padre Afonso tbèm a ponto de não querer ir embora.Aprendi a me comportar sem afeminação perante as pessoas,mas era sò sairem de perto eu ja virava menina bem vadia......rrssrsrrsrrsrsrsrs.Voltando pra minha casa fui pra faculdade e meu pai orgulhoso do filho macho dele, mal ele sabia que seu filho virou uma verdadeira vagabunda com a ajuda dele mesmo.Fui trabalhar nas empresas dele tbèm e logo ja me tornei amante do socio dele que sabia da historia toda sobre mim.Ele envolveu a sua amante em nosso relacionamento.Com o tempo eu e ela nos envolvemos tanto que hoje ela è a minha linda,maravilhosa,gostosissima,puta,vadia,vagabunda esposa.

Ela è bissexual e sempre fazemos festinhas.Somos como mulheres uma pra outra,usamos as mesmas roupas e tudo que temos direito,somos extremamente felizes,não existe traição e nem mentira entre nos.Nesse exato momento a vadia da Rapha està entre as minhas pernas me chupando gostoso e eu vou parar de escrever um pouquinho pra trepar com essa vagabunda que tanto amo .Perai . Ja volto...Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii pronto .... depois de 2 horas trepando com essa vadia voltei....Voltando ao assunto . Minha esposa e bissexual assumida e transamos com os mesmos machos juntas nos 2 como femeas e cadelinhas pra eles ou uma olha a outra trepando e batendo uma siririca bem gostosa , adoro quando os machos gozam no cu dela e ela manda eu lamber tudo .... nossa .... amo isso . Adoraria ter contatos com CDS,TRAVESTIS,MULHERES BI E HOMENS QUE ADORE CDS OK .
BJS

mattenhauerl@ig.com.br

 

Mais uma vez fui escravisada por 6 machos e 1 travesti de uma vez

Olà ,Venho contar como fui escravisada no carnaval por 6 machos e 1 travesti de uma vez .

Fui passar o carnaval na casa de uma amiga travesti em Porto Alegre,logo chegando no aeroporto fui recebida pela linda e deliciosa amiga que logo foi me beijando na boca dizendo que eu estava uma gostosa e que iriamos nos divertir muuuuiiiitttooooo.Essa amiga morava em SP e morou em minha casa por 4 meses e fizemos muitas sacanagens juntas.No caminho de sua casa fomos conversando e matando a saudade uma da outra logo ela pegou na minha mão e levou no cacetão que ja estava duro,não perdi tempo e cai de boca naquela rola de 24x6 que conheço muito bem,ela mandando eu engolir tudo e que me daria leitinho,mamei como uma vadia que sou e senti sua porra enchendo minha boquinha,lambi tudinho e nos beijamos como antigamente.Chegamos em sua casa e fomos tomar banho juntinhas e ela não acreditava na transformação do meu corpo,me elogiando,me tocando,me pegando e sabendo que sou uma escrava assumida ja começou a dar ordens e cumpri todas com prazer.A partir desse momento me tornei sua escrava e empregadinha ( coisa que ela sabe que amo ) então fui pra cozinha preparar sua refeição e tudo que mandava.Eu de salto,fio dental,meia 7/8,top.Depois da refeição tive que fazer 1 hora e 1/2 de massagem em cada pedacinho de seu corpo que è maravilhosa de gostosa,claro que seu ``grelo`` ficou duro e tive que sentar e dar gostoso pra ela.

Ela meteu muito no meu cuzinho que ja estava com saudades, me bateu muito.Apòs a trepada dormimos juntinhas.acordei antes dela e não aguentei e cai de boca de novo.Sò senti um tapa na cara com muita força e sendo repreendida por não ter pedido se podia chupa-la.entao tive que ficar de joelhos no chao atè que ela mandasse eu sair,isso levou 3 horas.Entao ela me mandou banha-la,maquia-la,vesti-la o que fiz como ninguem.Ela sempre de cacete duro,me xingando,me humilhando e eu amando.Fiquei no banheiro de joelhos e ouvindo ela ao telefone falando sacanagens e ela rindo muito,não dava pra ouvir o que dizia.Ela chegou atè mim e mandou eu entrar no box do banheiro e mandou abrir a boca e mandou eu tirar sua rola pra fora e apontar na minha cara e começou a mijar na minha cara ( Muita humilhação ) e ainda tive que lamber as ultimas gotinhas,mandou eu me banhar e me preparar,pois ela iria me usar naquela noite.Me banhei e me vesti como ela madou cinta-liga vermelha,salto 10,luva e maquiagem.quando sai do quarto ela ficou louca dizendo que eu estava uma gostosa e linda e mandou eu ajoelhar mais 1 vez,vendou meus olhos e esperar calada,eu estava anciosa e louca de tesão sem saber o que iria acontecer,não demorou muito e a campainha tocou,entao ela me disse : Se prepara sua cadela e eu disse : sim sra. entao ouvi varias vozes e risadas e ouvindo : nossa Dani(nome da minha rainha) que gostosa.È essa cadelinha? e a Dani falou : usem e abusem dessa vagabunda e não tenham dò , ela adora sofrer .

Gelei ao ouvir isso,entao senti uma mão passar pelo meu rosto,lingua no meu pescoço ai a campainha tocou denovo e ouvi varias vozes e ela falando:hoje vçs vão ter uma escrava de verdade,sem frescura.Não quero ver ninguèm aqui com frescura.Peguem essa vadia e usem mesmo.Meu grelo ja estava quase saido da calcinha de tanto tesão.Ai ela mandou eu falar o que eu era pra todos e disse : Sou a escrava,vadia,cadelinha,vagabunda a biscate de todos vçs e farei tudo que mandarem.Sò escutei eles comemorando e ja foram me agarrando,batendo na cara,puxando meus cabelos,me xingando,guspindo na minha boca,e ja senti uma rola na minha boca e fui logo mamando gostoso,gemendo como uma puta de zona,me colocaram de 4 toda arreganhada e toda empinadinha levando varias palmadas com força,estava quase gozando e ouvindo minha rainha mandando todos judiarem de mim sem dò e eu ali com uma rola enorme na boca e sendo jundiada,sò sei que era varias mãos ao mesmo tempo,nisso senti uma lingua no meu cuzinho eu rebolando na cara dele,outras maos no meu ``grelo`` que estava muuuuuuuuiiiiitttttoooooo duro,senti 2 bocas disputando meu ``grelo``,nossa gente.....vçs não tem ideia do que estou falando.muito tesão,muito mesmo,eu toda dolorida,uma rola na boca,duas bocas no meu ``grelo``,uma lingua no cù,bocas e linguas no meu corpo,ai senti eles rasgando minhas roupas me machucando e minha rainha mandando eles fazerem mais e mais,senti 2 ou 3 dedos envadindo meu cuzinho e mandando eu rebolar e pedir pra ser comida o que fiz pedindo : vem...me comi....fode sua puta fodi....vem....mete sem dò....aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii me comi......mete tudo....vem meu macho....senti a cabeça encontar na entradinha e senti ele socar tudo de uma vez,dei um grito e levei 2 tapas na cara e calar a boca,ele socava tudo sem dò e os outros diziam pra ele meter e fuder mais,minha rainha mandou eles não gozarem em mim e ouvi ela dizendo que era pra gozar em outro lugar,não entendi,mas tudo bem nè.esse meteu muito e saiu do meu cuzinho e ja senti outro metendo e ouvindo o que saiu gemendo,depois que ele gozou nao sei aonde ele enfiou na minha boquinha e mandou eu limpar o que fiz com vontade ai o que estava me fudendo tirou e assim foi,ai que soube que eram 6 machos,mas vou dizer uma coisa.o ultimo era um cavalo de cacetudo,meu Deus,que pau enorme,grande e grosso,depois vi ao vivo,26x8 de rola.no começo sofri muuuuuuuuiiiiiiittttooooo,mas depois foi pra quem eu dei com vontade,amo paus enormes,mas ele sabia fuder uma puta como eu,nossa,ele me fodeu por + ou - 20minutos sem parar,por fim ele tirou,me senti vazia e quando depois de gozar enfiou na minha boquinha que não cabia claro,mas mesmo assim ele fudeu minha boquinha e ai foi a vez da minha rainha me fuder e foi a unica a encher meu cuzinho de porra.e tive que deixar limpinho tbèm.então tive que ficar de joelhos,eu estava acabada,tudo isso durou pelo menos 2 horas de foda com todos,eu de joelhos recebi um copo na mao e a ordem de beber tudo,sò entao descobri que todos gozaram dentro de um copo pra eu beber,olha.sou escrava desde criança e ja tive que fazer muitas coisas bizarras,mas nunca isso.senti nojo sei la,mas apanhei e por tanto tive que beber tudo,nossa,que humilhação,amo porra na boca,mas sei la.bebi tudo e sò entao ela tirou a venda e vi todos aqueles machos na minha frente,me sentindo a pior das putas,eles rindo da minha cara,me xingando,dando tapinhas na minha cara e ja vendo as rolas deles ficarem duras e claro que recebi a ordem de chupalos e fazelos gozarem na minha boca.no terceiro ja não aguemtava mais de tanto dor na boca,mas cumpri a ordem,o ultimo era do cavalo que amei sua rola.entao tive que dar banho em todos,1 por 1 e 4 deles me comeram ainda e claro que o meu cavalo foi o mais delicioso.depois de tudo tive que preparar o jantar pra eles e eu claro como a empregadinha,de vez enquando eles iam atè a cozinha me encoxar,fazia eu lamber suas rolas,enfiava dedos no meu cù que estava pegando fogo e por ai foi atè a madrugada.antes de irem embora ainda mamei alguns e bebi mais leitinho.Minha rainha mandou eu me banhar e ir pro quarto.Gente,nossa trepada levou 4 horas,mas eu ainda estava com tesao.pois nao tinha gozado,mesmo meu cuzinho queimando eu queria gozar com uma rola no cù,mas como ela mandou eu nao gozar no banho sai e fui pro quarto,não acreditei quando entrei,estava ela com a rola do cacetudo na boca e mandou eu me juntar a eles,claro,fui correndo e nos beijando ela me disse que me adorava e que me queria sempre em sua vida e nos beijamos longamente e caimos de boca naquela rolona.ele me puxou pra perto dele e nos beijamos muito,ai ela me pediu ajuda pra tentar sentar na rola dele,ela tentou muiiiiiito,mas não conseguiu,ai sobrou pra mim nè,como eu ja estava toda arrombada por ele principalmente sentei gostoso e começei a rebolar,gemes,gritar,subir e descer e pedindo mais e mais rola.pedi pra bater na minha cara sem dò.nossa.dei muito pra ele,nisso ele chupava o cu dela e que nos duas estavamos uma de frente pra outra nos beijando uma chupando os seios da outra eu chupandoa rola dela e ela gozou na minha boca e ele dizendo que ia gozar.sai de cima dele e nos duas recebelos muuuuuuuiiiiiita porra na cara,na boca e bebemos tudo e por fim nos beijaos uma trocando a porra dele na boca.aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii estou de grelo duro aqui agora .

E assim foi minha estadia em Porto Alegre . Fomos ainda em 1 baile Gay onde conheçi 2 Americanos que trepamos muuuuiiiiiiiitos . Fiquei por 5 dias dando pro meu cacetudo e sendo a escrava fiel da Dany minha dona e rainha . claro que nesses 5 dias os 6 machos voltaram e me pegaram gostoso nè . Voltei pra SP realizada e com gostinho de quero mais .
Estou a disposição de duplas ou mais pra me usarem a vontade sem frescura . Sou escrava submissa assumidissima .
Amo CDS e TRAVESTIS .
Meu msn : raphellacdzinhagulosa@hotmail.com

 

AP de diversões II

Imagino você, CD, chupando meu pau, eu te exclamando: "Que boca gostosa você tem!" e você: "Você acha?", assim começou a terceira desde o último conto publicado. Já fui CD, posso até ainda ser, já chupei muito, um único pau, era casado, me satisfazia, mas como disse no conto anterior, não gozava ou raramente gozava. Agora era meu pau que era chupado por uma "mulher". ELA QUERIA ME TER DENTRO DELA. Que prazer essa sensação de poder. Ter um pau, sentir a ereção, mesmo sendo homossexual, muitas vezes passivo, sentir prazer em dar e receber...Queria dar prazer e chupar, já disse que adoro sexo oral, de todas as formas, fui também chupá-la e enfiar dois dedos, um de cada vez, no seu cú. Ela tinha vergonha do clit dela como eu tinha do meu pau quando só passivo. Acendi um cigarro e entre uma tragada e outra chupava o clit dela. Ficou ereto, ainda mais com uns dedos no cú, vibrava, esperava, queria minha mão inteira penetrando ela, enfiei meu pau de uma só vez.

Endureu dentro do cú da minha cadelinha, urrava, suspirava, pedia e eu só tinha aquele cassete pra satisfazê-la. Era pouco pra ela, pedia mais, tirava o pau e enfiava três dedos de uma só vez, ela gemia, queria mais... dava meu pau pra ser chupado, engolia até as bolas, gemia, ainda era pouco, um homossexual não tem limites, se acha como a virgem que vai subir pelas paredes de tanto prazer, mas um gay tem um pau também além do ânus, é necessário o toque, mesmo que alguns rejeitem seu pau, como fiz durante anos, o clit dela estava excitadíssimo, chupei-o um pouco, meti de novo, não parei de meter, troquei de posição e era meu pau que estava ali, vivo, viril, como nunca sonhei, dava umas palmadas nela e ela só gemia, pedia mais, nunca iria ficar satisfeita.

Resolvi que minha cadelinha iria gozar logo após e gozei no cú dela. Punhetei o clit dela e ela gozou.
Trouxe um batom, ela se recompôs e nos beijamos. Deixou também a marca do batom no meu pau molhado. Já estava sem camisinha e ela começou a me punhetar, pensando em alguma rapidez. Nem adiantou me chupar, três é o meu limite.

Durante um vídeo na tv do quarto ela se vestiu e se despiu ficando só de calcinha e sutiã. Me deu um beijo, queria meu pau e eu queria ela. Apenas dormimos.

Quando acordamos estava com o pau duro na bunda dela. Sugeri um banho, Estava nua, sem peruca, sem sutiã nem calcinha, sem maquiagem, era feia assim, não gostava,

Tenho meus princípios, não beijo um homem sem maquiagem e lingerie e salto alto. Lembrando minha época de CD ajudei-a a ser a mulher que eu desejava. Que bom que ela não queria ser mulher, só travesti!
É assim que sou um homossexual feliz, transformando H em M e eu sendo o elo desta trasformação. Tenho minhas "bichices", não posso negar, Tenho prazer pelo poder, tenho um pau poderoso, posso enganar, me fingir de mulher, não importa, o que eu quero é ser feliz no sexo, isto é que importa.
Meter, chupar, dar, seduzir.

Me enviem os comentários, serão bem recebidos. Glórias à Maite, batalhadora, fiel e sempre feliz.

Lucky

colchaderetalhos10@hotmail.com

 

 

Uma tarde de sábado

Pedro e Andréia andavam um pouco distantes. A cdzinha oriental tinha suas dúvidas sobre o relacionamento e não se decidia sobre o que realmente sentia quando a boneca Márcia aparecia para apimentar um pouco a cama agitada dos dois.

Isto deixava Pedro desesperado. Ligava para Andréia, mas ela sempre dava uma desculpa. Tentando ser fiel, Pedro voltou a alugar seus filmes de bonecas. Para aliviar seu tesão, começava com o filme, assistia aquelas bonecas deliciosas se entregando e, no meio, pegava suas fotos com Andréia e fazia uma homenagem que sempre terminava em mais vontade de tê-la de novo em suas mãos.

Em um destes finais de semana, no sábado, Pedro não aguentou mais e foi até a casa dela. Andréia foi pega de surpresa.

- Oi...
- Oi, gata. O que tá rolando?
- Nada...

Pedro não podia esconder seu desejo. Andréia nem estava vestida de maneira sexy. Um short esportivo e uma camiseta, entretanto, eram suficientes para exibir aquilo que Pedro mais amava: a pele suave e naturalmente depilada de sua cdzinha.

- Já faz um mês que a gente não namora...

Andréia sentiu que ele se aproximava devagar. Instintivamente permitiu que ele chegasse mais perto. No fundo, queria sentir de novo o tesão de seu amante safado. Sentiu o caralho duro de Pedro por baixo da calça enquanto ele lhe abraçava.

- É que eu estou em dúvida sobre tudo isto. Márcia é ótima, mas será que sexo com mais uma pessoa...
- Ciúmes, gata?
- Não, bem, eu também adoro quando ela me acaricia...mas...
- Dedéia...é você quem eu quero...
- Mas não sou tão feminina quanto uma boneca..
- Claro que é. Você é feminina o bastante para mim.

Dizendo isto, Pedro apertou mais ainda o abraço. A cdzinha sentiu aqueles braços apertarem sua delicada cintura. O cheiro de Pedro a deixou excitada. Pedro notou e provocou mais ainda...

- Querida, você está muito bonita...
- Mas nem me arrumei?
- Estes seus cabelos longos, seu corpo, tudo em você é mulher.
- Uma mulher diferente...
- Mas ainda assim, uma mulher. A minha cdzinha. A minha gueixinha safada...

Aproximou-se do ouvido direito da garota e sussurrou:

- Vamos brincar de papai e filhinha?

Andréia enlouqueceu. Era sua brincadeira favorita. Virou-se, agarrou o rosto de Pedro e o beijou com força. Em seguida, ajoelhou-se e abriu o ziper da calça do seu macho. Sentiu aquele cheiro novamente. Tirou a cueca e encarou seu destino. Sua língua endureceu mais ainda o cacete do seu homem. Seu pequeno clitóris começou a suar, encharcando sua calcinha e quase transparecendo no short.

Pedro sentia a chupada, olhava para ela a chamava de "menina safada", "filhinha putinha" enquanto forçava o pau naquela boquinha naturalmente delicada.

Andréia chupou, chupou e chupou. Estava quase esgotada quando Pedro lhe apontou o gel KY que estava em cima da mesa.

- Você não vai me dizer, filhinha, que andou usando isto com outros...
- Não, papai.
- É mesmo?
- Sim, papai. Por favor...
- Então tire a roupa, fique de quatro e abre este cuzinho para o papai.
- Sim senhor.
- Mas antes, pega a camisinha e bota no papai.
- Sim, papi.

Andréia ficou de quatro, encostou o rosto no tapete e mostrou a seu papai aquele tesouro de cuzinho. Pedro lubrificou aquele desejado buraquinho e enfiou a cabeça devagar.

- Ai, papai..ai..
- Quieta, menina. Relaxa, filhinha.
- Ai, papai...o senhor é muito tarado...

Enfiou mais um pouco e começou a mexer devagar..

- Ui, papai..ui...ai...
- Gostoso, filhinha putinha?
- Sim...

Andréia olhou para trás com um sorriso safado, de puta que sabe o que quer. Pedro ficou mais excitado e não aguentou. Deu mais umas bombadas naquele cuzinho apertado e quente, tirou o pau, arrancou a camisinha e correu para o rosto de Andréia. A putinha entendeu e se ajoelhou. Por pouco não pega o jato de porra quente na boca. Lambuzou-se toda.

- Filhinha, pode gozar agora.
- Ai papi,só se o senhor me enfiar dois dedos no rabo.
- Que linda....claro filhinha...

Andréia pegou sua calcinha,colocou em volta de seu "clitóris" e começou a se siriricar . Pedro enfiou os dedos no rabinho de Andréia que gozou logo depois, sujando o tapete.

- Eu sou uma menina má...
- É sim, mas é minha menina má...

Andréia sentia ainda a porra quente de Pedro em sua boca e decidiu:

- Pedro, vamos voltar a nos ver?

Pedro a abraçou forte e a levou para cama do quarto. Foi uma longa tarde.

contosdavidap@yahoo.com.br

 

AP de diversões

No começo eu era uma Crossdresser, logo na infância aquelas roupinhas "emprestadas" da irmã e da mãe, os sapatos de salto, dormir de porta trancada, me masturbar quase todos os dias, os sonhos eróticos...até que apareceu uma mulher e "virei homem". Demorou mas ela veio. Mas nunca tinha me esquecido da "bixinha" da 7ª série que tinha me chupado e depois me beijado. Meu primeiro beijo. Tudo OK para uma infância quase feliz, mas fui crescendo, transando só com mulheres, casei e separei, não tive filhos, perdi meus pais, outros parentes foram morrendo e, sem nenhum tipo de repreensão, pois não sou de julgar as pessoas, na solidão do cotidiano, resolvi me montar e viver como uma fêmea todas as noites durante quase um ano. Já tinha 35 hoje tenho quase 40. Era muito trabalhoso, mas já tinha a internet e os chats. Ainda não era o tempo das webcams. Me cuidava, me depilava todo sábado de manhã, fui fêmea de um macho casado e não me arrependi, mas sentia falta de ser H, pois ele só me chupava e eu raramente gozava com ele. Enfim, não sentia mais prazer em dar. Lia Nova e Marie Clarie todos os meses, desisti. Minhas duas perucas foram ficando velhas e não comprei nova. Minhas roupinhas iam se desgastando e não repunha. Quase entrei em depressão se não fosse o trabalho sério de uma psicóloga muito boa. Até que...

Apareceu uma CD do chat que topou sair comigo. Foi coisa de duas semanas e nos conhecemos num bar hétero. Das mulheres ficou a atração pela submissão e Lia confessou-me que gostava de tomar uns tapinhas na cara. Fomos direto pro meu ap., depilei sua bunda e o buraquinho, meu pau já estava duríssimo, ela fez um enema, nunca tinha feito, é melhor que chuveirinho, tomamos um banho, emprestei umas lingeries e uma sandália e ela me chupou enquanto eu fumava e tomava uma vodka. Estava em pé, excitadíssimo, batia com meu pau no rosto dela, enfiava até ela engasgar, depois deixava ela me chupar ao seu gosto e assim fomos indo. Segurei ao máximo e gozei. Era um homem novamente. Um homossexual, mas ativo novamente. Tinha um pau e gostava dele. Fiz ela conversar com meu pinto ainda um pouco ereto. Fiz ela robolar um pouco enquanto acendia outro cigarro. Quando nos beijamos senti o gosto do meu sêmen, gosto de sentir o gosto do meu sêmen, e enfiei o dedo no cú dela. Mais um dedo. Ela caiu do salto e disse que queria fazer as unhas. Ainda tinha esmalte vermelho, roxo, bege e branco. Sugiri o vermelho e vendo que as unhas dela estavam ficando uma porcaria eu mesmo fui a manicure. Não precisei ajudar na maquiagem, e tinha ficado muito boa. Não tinha um local para se montar, tadinha, se virava como podia na casa dela. Dei um lar pra ela e depois lambi aquele cuzinho. Quase gozei. Há muito tempo não era ativo...

Resolvi começar pelos pés 39 de unhas vermenhas dela. Sou podólatra. Lambi o salto preto, os dedinhos, um pé depois o outro, tirei uma sandália depois a outra, deitei, me massageou com óleo hidratante e os pés o corpo inteiro, brincou muito com meu pau, recoloquei as sandálias nela, que se sentiu aliviada por pisar num salto novamente (queria ser puta e os sapatos eram muito importante para ela), se apoiou no encosto do sofá e abriu as pernas com as mãos de unhas vermelhas. Lembrei-me do enema, pois não gosto de cú sujo, e ela estava limpíssima. Lambi, abri e lambi, abri mais ainda e lambi de novo, ela excitou-se como eu nunca tinha me excitado quando passivo, senti sua ereção, chupei seu clit, punhetei ele, engoli inteiro, AMO SEXO ORAL DE TODAS AS FORMAS, voltei pro cuzinho, e meti. Quase gozei na primeira estocada. Fui acender outro cigarro e dar um bico na vodka quente.

Apaguei o cigarro com duas tragadas e meti de novo. Punha inteiro e tirava inteiro. Punha inteiro e tirava inteiro. Do jeito que estava ia ter a terceira, ia gozar rápido de novo, fui buscar um consolo com que me masturbava no tempo de passivo e o cú dela estava limpo e lisinho do enema. O consolo entrava e saía sem lubrificante e ela gozou no meu sofá. Chupei o clit dela, cuspi no seu cuzinho e foi a minha vez. Queria meter muito e meti. Derramei o líquido da camisinha na bunda dela e lambi tudo. Era homem de novo. Já não tinha mais rejeição pelo meu pau. Entendo uma CD pois já fui uma, se é que se pode dizer que não haverá recaídas.

Ainda tinha a terceira, mais demorada, mas isso eu conto depois...

Beijos do Lucky

colchaderetalhos10@hotmail.com

 


Conteúdo sindicalizado