top of page

Vamos comemorar todas as mulheres?




Quando falamos em mulheres, de que mulheres estamos falando? Das com cromossomos XX? Das que são mães? Das que engravidam? Das que menstruam? Das que têm alguma deficiência? Das migrantes? Das negras? Das trans? Das que vivem na periferia? Das que têm mais de 50 anos? Das que estão cumprindo pena na prisão? Das que estão em situação de rua?


A pergunta pode ser simples, mas a resposta consegue ser complexa – e até controversa – para muita gente. O que é necessário para a real inclusão de um grupo dentro de outro que o abrange?


Sou uma das embaixadoras da Rede da Mulher Empreendedora (RME), uma das maiores redes de empreendedorismo feminino do Brasil, com mais de 1 milhão e 200 mil mulheres. Mulheres múltiplas em sua essência e também em suas particularidades.


A RME tem diversas iniciativas e há muito tempo percebemos que, quando chamávamos TODAS as mulheres para qualquer evento, curso ou capacitação, mulheres cis, brancas, sem deficiência, heterossexuais e não-periféricas eram a grande maioria das que compareciam.


Foi então que a RME começou a criar grupos específicos para tentar trazer outras mulheres. Grupos para mulheres negras, periféricas, trans, e assim por diante. Nesses encontros, começamos a falar que sempre que a RME faz um convite e chama mulheres, de fato, são TODAS as mulheres.


Essa atitude foi necessária para que pudéssemos trilhar o verdadeiro caminho da inclusão. Inclusão não é somente contabilizar diversidades, mas criar sentido de pertencimento. Não basta convidarmos para a festa, temos que perguntar se a pessoa convidada está gostando da música, se quer dançar, se prefere ficar sentada observando ou de pé conversando.


É preciso realmente dar a chance para que as pessoas sejam quem são, plenamente, sem medos ou ressalvas.


Criamos uma sociedade que nos afasta ao invés de nos unir, que cria uma série de abismos entre as diversidades que somos. A diversidade é a maior igualdade que possuímos enquanto humanidade. E é também nossa maior riqueza, mas por conta de uma série de vieses e condicionamentos que nos foram imputados, perdemos essa tão importante percepção.


Quando em sua empresa, ou na sua vida, você fala, cria ou faz algo pensando em mulheres, você realmente tem esse olhar ampliado? Você, verdadeiramente, está sendo ponte entre os abismos colossais que já existem? Ou está sendo uma pá que cava locais ainda mais profundos de desigualdades?


Somos um somatório de marcadores em nossa vida – marcadores étnico-raciais, etários, identitários e outros tantos. Atuamos, ainda, em diversos papéis – mães, filhas, esposas, amigas, irmãs. Temos gostos ecléticos – somos veganas, acreditamos em horóscopo, praticamos esporte, separamos os resíduos em nossas casas, mudamos nossos corpos, pintamos os cabelos. Ou não. Somos plurais dentro da singularidade de cada uma.


Que não limitemos o horizonte que nascemos para ser, e que não somente neste mês de março, mas em todos os dias do ano, quando agirmos em prol das mulheres, façamos em nome de TODAS as mulheres, sem exceção.


Texto escrito para a coluna Gênero e Número - acesse todos os artigos de Maite Schneider indo em https://www.generonumero.media/author/maite-schneider/

bottom of page